Seahawks da MB são usados?

Seahawks da MB são usados?

316
76
SHARE

seahawk-penguin.jpg

Saiu na revista Air Forces Monthly desse mês, que os quatro helicópteros Seahawk SH-60B comprados pela Marinha do Brasil via FMS, por US$ 194 milhões, são na verdade aeronaves usadas. Mas o valor do contrato inclui a modernização dos aviônicos e do sonar, e a integração ao míssil antinavio AGM-119 Penguin (foto). A revista informou ainda que este contrato substituiu um contrato anterior para 6 aeronaves novas, que acabou não vingando.
O Penguin é um míssil norueguês de guiagem passiva por IR e tem alcance de 34km na versão Mk.2 e 55km na versão Mk.3.

SHARE
Previous articleConfiguração arcaica
Next articleHomenagens
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

76 COMMENTS

  1. Espero que Air Force Monthly esteja errada, pois eu fico puto quando alguma noticia sai primeiro para “os caras” e nós brazucas somos sempre os últimos a saber.
    A info que tinhamos era de seriam 4 zero bala e que inclusive por isso, iriam demorar um bom tempo para chegar.
    Agora sai esta nota nesta revista.
    Vamos torcer para que ela esteja errada.

  2. E o pior é que anunciaram que seriam novos, não foi?
    Eles são muito ou pouco usados? As suas células precisariam em breve de algum reparo, sei lá, algo estrutural?

  3. Pelo menos vamos ter um míssil e não vamos ficar apenas com os “modernos” Mk46.
    Obs: eu duvido que estes torpedos vendidos pelos americanos ao Brasil (Mk46 e Mk48/6) são completamente operacionais e com o software completo. Eu aposto que na hora H (se tiver uma hora H) eles vão se desviar dos Los Angeles, Virgínias, Sea Wolfs, Ohios, Burkes, Ticos, Nimitz, San Antonios, Zumwalts e LCSs. Vamos torcer para que pelo menos não volte para quem os atirou.

  4. Bosco, isso que você disse a respeito dos torpedos não existe. As armas funcionam muito bem e estão completas, o problema é que os EUA conhecem todas as vulnerabilidades das armas que vendem e podem usá-las a seu favor se for preciso.

  5. Nimitz,
    Será?
    Será que lá dentro do cerebrozinho da “criança” não tem um comando dizendo que quando ela ouvir um sozinho específico, ela deve fazer uma curva acentuada a direita.
    Mas eu não afirmei. Só me veio a idéia porque estes americanos são espertos e não são de dar tiro no pé.

  6. Ué…pq o espanto gente?

    Se esqueceram que somos o Brasil?

    Até onde sei, esta tudo normal. Nada de novidade quanto às trapalhadas das informações.

    Alguem ai quer um pedaço de Pizza?

  7. Talvez a revista esteja errada, pois ao contrário de comprar sonares novos para os H, serão atualizados sonares já em uso por H da MB e instalados nos Seahawk.

  8. Estava bom demais para ser verdade. Mesmo usado, só compramos quatro, do total de 12 que pretendemos ter. Será que nossas escoltas de 6 mil t também serão usadas?

  9. Os Penguin estão no mesmo patamar dos Sea Skua com algumas vantagens e algumas desvantagens. A vantagem é que possuem orientação terminal passiva (rastreio de uma fonte de calor) portanto, são mais discretos e do tipo “dispare e esqueça”. Mas têm o incoveniente de não serem “todo o tempo”, ou seja, não podem operar em todas as condições meteorológicas.
    Os Sea Skuas possuem orientação por radar semi-ativo, necessitando que o helicóptero “ilumine” o navio durante a fase final (na realidade, devido ao alcance do míssil, pode-se dizer que é durante todo o tempo) da trajetória do míssil o que alerta o sistema de guerra eletrônica do navio e impede que helicóptero saia de cena.
    Os Exocets disparados dos S3 também possuem motor sólido mas possuem um sistema de orientação por radar ativo, sendo por isto do tipo “atire e esqueça”.
    Os Sea Skuas e os Exocets podem “operar” em qualquer condição climática.
    O “problema” de todos os 3 é o motor que emite muita radiação infra-vermelha e fumaça degradando a discrição dos mesmos. E embora o RCS dos mísseis seja pequeno os resíduos da queima do motor também aparecem no radar do navio como se ele estive largando chaffs pelo caminho (exagero).
    Quanto ao peso o Sea Skua é muito leve e compacto podendo ser transportado até 4 pelo Linx (uns 150kg) e com alcance de 25 kms.
    O Penguin pesa uns 350 kg com alcance de 40 kms e o Exocet pesa uns 800 Kg para um alcance de 50 Km (muito pesado pro meu gosto para ser usado em helicóptero).
    Os alcance de todos é semelhante a diferença de peso é mais por conta da ogiva. A do Sea Skua é mais adequada para navios de pequeno porte.

  10. Mac Namara.
    Gostei da sua visão macro-estratégica.
    Penso da mesma forma. Pra que comprar helicópteros novos e em grande quantidade, se nosso litoral é como vc disse, “diminuto”.
    E pra que comprar equipamentos no estado da arte sendo que não temos o o que defender, pq alem de ser diminuto, ele não tem riquezas naturais que justifiquem um investimento tão caro.

  11. Na verdade qualquer um deste mísseis podem ser lançados fora do “envelope” de defesa da maioria dos navios com exceção daqueles navios dedicados à defesa aérea de área que possuem mísseis sup-ar de longo alcance.
    O máximo que a maioria dos navios “alvos” podem fazer é tentar se defenderem dos mísseis depois de lançados pelos helicópteros porque os vetores ficam fora de alcance.
    Por isto parece haver uma “tendência” no uso de mísseis de alcance médio (intermediário) como os ESSM e os Aster15 complementados por Ciws.
    Uma outra medida de proteção contra estes helicópteros armados com mísseis anti-navios é dar capacidade anti-helicóptero ao helicóptero orgânico do navio (ou ao UAV).

  12. As infos que eu sempre tive, é de que serão NOVOS. A revista pode ter cometido uma “barriga”, que no jargão jornalistico quer dizer: Gafe/Mico/Cabeçada/Noticia furada, sem fundamento.
    Enfim, se entregarem rapido, pode ser que sejam usados, mas se demorar ai eu acredito que sejam Novos mesmo.

    Só o tempo dirá!

  13. O engraçado é que o Penguin ganhou do Maverick F como o míssil anti-navio lançado de helicóptero na USN devido ao fato de ter um radioaltímetro e ser “sea skiming”. O que na época era considerado uma vantagem.
    Esta vantagem hoje está sendo revista. Após a Guerra das Malvinas uma enxurrada de radares e sistemas apropriados a detectarem e interceptarem mísseis ao nível do mar está facilitando a vida dos defensores que só precisam procurar na linha do horizonte.
    A tríade de sobrevivência de mísseis anti-navios é furtividade, velocidade e manobrabilidade. A furtividade assumiu uma posição de destaque e é hoje a pedra de toque dos novos mísseis anti-navios ocidentais que estão sendo projetados. E sendo “invisíveis” eles podem vir de qualquer direção assumindo qualquer perfil de vôo, obrigando os defensores a procurarem em uma maior região, não se limitando à linha do horizonte.

  14. Que cabe a manifestação de fonte próxima ou da própria MB, isso cabe!Desfaz de vez qualquer mal entendido que possa existir.

  15. a Aricraft combat deste m^es diz que os helic´opteros v~ao operar MM-40 ou 39(agora n~ao me lembro).
    por´em
    car´issimos mestre Yamamoto e demais colaboradores e colegas
    mui respoeitosanmente aceitei vossas correç~oes no tocante ao tema Seahawk (B) o qual fui ir^onico e peguei pesado.
    silenciei-me pelo respeito a todos e pelo desenrolar dos fatos.
    o tempo dir´a.ao que se confirmar, estara se cumprindo exatamente o meu temor.
    lotes diferentes, helic´opteros usados (B) e uma pleiade de punhados de ewuipamentos logisticamente invi´aveis dado a falta de planejamento a plongo prazo, picuinhas de setores, tanto politicos quanto militares.
    mas quando me referi ao seahawk_B n~ao desmerece a aeronave,es ism a escolha da forma como foi feita. continuo afirmando que estamos comprando gato por lebre novamente(espero estar redondamente enganado).quando faltar peças vai ser um deus nos acuda.
    se estas aeronave s forem usadas e n~ao se enquadrarem `as especificaç~oes e padr~oes da nossa marinha, ou o mundo vai mudar muito ou masi uma vez os porta mefdalhas lesaram a p´atria com suas decis~~oes geniais.
    o B ai parece ser de bom para o tio sam…

  16. lembro da – intensa- discussão a respeito dessa compra. no começo, eu fui bastante desfavorável por uma série de razões.
    mas fui convencido por argumentos consistentes de várias pessoas:
    são células novas
    são equipamentos compatíveis com a atualização de subsistemas de asw bem modernos e padrão otan
    são importantes pra definir a doutrina futura de guerra asw da marinha do brasil

    mas confesso que fico com um pé atrás com esse valor para a compra de helos usados.
    e volto para a minha primeira questão lá atrás: e o cougar hein?
    tomara que seja uma “barriga” mesmo.
    abraços.

  17. Pois é pessoal , por um acaso também sou assinante da AFM desde 1999 e afirmo que apesar de ser inconteste a superioridade da AFM que na minha opinião é a melhor revista do gênero, esta também erra! Em várias ocasiões, cartas de leitores contestando as informações veinculadas nas páginas da AFM foram publicadas, não raro, com meia culpa ou mesmo notas corretivas sobre a matéria por parte da redação. Portanto, assim como no episódio da compra do “novo” navio de apoio antartico, ninguém melhor que a própria MB para esclarecer este mistério. Novos ou usados, bem, se foram usados será um verdadeiro descalábrio pagar U$ 194 milhões por células modernizadas, aí dou voz aos críticos amigos do blog. Porém, pessoalmente acho que existe muita especulação a respeito pois quando da aquisição dos SH-60 tanto do EB quanto da FAB também existiram notícias dizendo que se tratavam de células usadas excedentes das FA americanas, posteriormente se confirmou via contrato FMS que tanto as aeronaves do EB quanto as da FAB eram células novas de fábrica. Vamos esperar.

  18. E sempre a mesma porcaria com a MB!!! Quando saiu essa “maravilhosa” noticia da compra de QUATRO helicopteros,eu disse aqui no blog,ja que moro aqui nos USA,que seriam usados,o que todos aqui sabem. Na epoca,claro,fui criticado por nao saber do que falava. Pois e,sao usados mesmo. Mas mesmo que fossem novos, comprar quatro unidades para que? E armados com o Penguin? So pra botar sal na ferida,mesmo. Enquanto o maravilhoso Seaking,que por aqui ja e visto como obsoleto, estiver tanto tempo “iluminando” o alvo,obviamente sera abatido. Sera que o litoral brasileiro vai encolher 90%??? Talvez para o litoral da Costa Rica,seriam suficiente 4 unidades.E olhe la! O maior pecado na materia de defesa no Brasil e pensar atrasado,e pensar minusculo. As tecnologias usadas pelas FAAS do Brasil sao dos anos 80,e e visto como um grande passo a compra de material usado e obsoleto,que talvez empurre o Brasil ao principio da decada de 90. E o que aconteceu com o Sao Paulo??? Ainda existe? A ultima novidade que tive deste Nae foi que os dois A-4 que por milagre ainda voam foram “armados” com duas bombas de brinquedo,que claro,foram doadas a MB. Na epoca pensei que fosse piada,mas para meu horror,depois de pesquisar, vi que era verdade mesmo. Se o “governo” brasileiro realmente estivesse interessado em ter uma MB de verdade,simplesmente faria um retrofit anti aereo no Sao Paulo,e armaria o VF-1 com pelo menos 12 Rafales,ou Sukhoi. Ou talvez ate mesmo F-18 Hornet da ultima geracao. Joga no pacote 3 escoltas MODERNAS,o Tikuna,e um navio tanque,e temos uma pequena,mas agil e respeitavel forca tarefa. No momento,a MB so pode ser considerada como uma guarda costeira pequena,confinada ao litoral,para acoes de patrulha pesqueira e anti-contrabando. Eu amo muitissimo as instituicoes das Forcas Armadas Brasileiras,especialmente a MB. Mas estou muito decepcionado com as decisoes e caminho tomados pelo “governo” em relacao a mesma. O Brasil se encontra praticamente indefeso. So se fala e planeja. Planos sem acao nao passam de sonhos. Tanto tempo levamos construindo a Barroso,14 anos,que quando acabamos ja saiu bem desatualizada,pronta para um retrofit. O FX-1,virou FX-2,e ja sao 10 anos de papo furado. E agora querem convencer que fabricaremos um super aviao com a Russia,para operar na FAB e MB.Quando???Em 2050??? Por que parar ai? Comecemos entao a planejar uma missao a Marte,tambem.

  19. O negócio é termos calma, se for sério o 7 de setembro, é posssivel que seja nossas últimas compras desse gênero. Afinal essas últimas compras da MB, foi com recursos escassos, da própria economia da marinha.(eu acho)

  20. eu estou cansado de o brasil ficar con o resto tudo usado enquanto ate a venezuela conpra novo e esta istoria do penguin de q adinanta afinau seria so mais motivo pra encarecer a logistica e so integrar o exocet block 3 nos Seahawk novos facio assim chega de brexor nas forcas armadas!!!!

  21. Realmente se cogitou inicialmente que seriam aeronaves usadas da US Navy, mas agora me causou dúvida a respeito da veracidade desta matéria, pois estive no mês passado conversando com alguns tripulantes do HS-1, durante a EAB 2008 no CTA, e a informação que eles me passaram é que vão ser 04 aeronaves novas de fábrica, podendo chegar o primeiro lote a 06, de um total de 12. Inclusive já estão selecionando no Esquadrão o pessoal que vai para a Sikorsky.

  22. Varias vezes fiquei sabendo que os BH seriam novos,os radares seriam
    usados ,removidos do SeaKing,dai as duvidas que aparecem…
    Vamos acompanhar..

  23. US$ 194.000.000,00 por 4 aeronaves usadas !!!

    a) Com muito menos a Argentina desenvolveu um helicóptero a partir do zero !!! … sem comentários …

    b) Com muito menos nós compraríamos vários os “Super Cougar” (sic) que o Ministro da Defesa disse que serão fabricados em Itajubá e manteríamos a padronização de material na marinha e nas duas outras forças !!! … sem comentários ….

    c) Penguin vai substituir Exocet como na tarefa antinavio ??? … sem comentários …

  24. Não sabia que o ASM Penguin tinha um alcance tão grande.Considerando a sua modernidade e resistência a contramedidas eletrônicas pode substituir perfeitamente o binômio sea King-Exocet

  25. O seaskua tem uma carga explosiva de 30kg,o Penguin em torno de
    130kg,e o Exocet 180kg.O linx/seaskua para embarcação leve,
    o Bh/penguin para medias,e o Exocet com varios vetores,estamos bem
    servidos.

  26. Porque esta nota não está assinada? Quem desta revista Européia vinculou esta nota? Qual a fonte dele?

    É impressionante no Brazuca a capacidade que as pessoas tem de enquanto poucos trabalham serio pela MB, muitos até por desfeita trabalhem contra a MB e o nosso País.

    MAis seriedade moçada!!!!!!!!!!!!!

  27. Senhor Fernando, nós apenas reproduzimos o que a revista publicou. Também queremos saber a verdade e todos os que trabalham neste site, trabalham a favor do País e pela MB, com seriedade.
    Afinal, é o dinheiro de nós contribuintes que está sendo investido.

  28. Gostaria de saber, qual aeronave anti submarino a Russia usa. Qual o custo destas aeronaves e se enquadrariam na nossa marinha.

  29. Prezado Galante,

    Obrigado pelas informações prestadas neste blog, sempre imparciais e de grande credibilidade.
    Ontem a noite, ao acessar o blog me deparei com esta noticia a respeito dos Seahawks adquiridos pela MB. Fiquei surpreso, pois as informações que nos foram passadas seriam que tratavam-se de aeronaves novas de fábrica, não quis postar ontem para poder confirmar isso hoje pela manhã com aqueles que são os responsáveis pelas compras de material.
    Só quem pode emitir nota em nome da MB é seu comandante ou o Centro de Comunicação Social da Marinha, como não sou o primeiro, nem pertenço aos quadros do segundo, posso apenas reproduzir, extra oficialmente o que me informaram hoje e que deve ser conteúdo de “nota à imprensa” em breve:
    A intenção inicial da MB era a compra de 6 unidades novas de fábrica, e o valor do contrato era de cerca de US$ 300 milhões. Este valor foi considerado muito alto, uma vez que a MB deveria arcar com todo o custo. Decidiu-se então realizar um pedido inicial de 4 unidades deixando as duas restantes como opções de compra. O novo contrato, assinado em 28 de maio, inclui a modernização dos sonares AN/AQS-18(V) que foram retirados dos SH-3B adquiridos em 1996 junto aos estadunidenses, peças sobressalentes e o treinamento de pessoal. O valor do contrato é de US$ 194 milhões.
    A aeronave adquirida é muito semelhante ao modelo MH-60R Strikehawk que está em produção para US Navy, capaz de realizar missões ASW e ASuW, cujo valor unitário seria de cerca de US$ 40 milhões.
    Desta forma, houve um equívoco por parte da revista supramencionada, uma vez que tratam-se de aeronaves novas de fábrica.
    Aguardemos agora o pronunciamento oficial.

  30. Sei que é relativo, mas alguem teria alguma ideia da possivel numeração dos Seahawk na MB

    Seriam série 8000 ? (N-8000 – N-8004) ??

    Logo vai chove de maquestes deles, tentando antecipar ….

    MO

  31. LM me tira uma duvida: Se o strke hawk é US 40 mi, seis são 240 mi. Porque então os 300 milhoes por 6 unidades? Dá 50 mi por unidade o contrato de 4 unidades, 10 milhoes de dólares por unidade a mais só por causa do treinamento, peças sobressalentes e modernização de sonar?

  32. os 60 mi que “sobram” vao para pecas sobrecalentes, armamentos, motores reservas, treinamento, … e por ai vai…
    o super puma que sera fabricado em Minas nao era capaz de fazer esse trabalho ???
    ou sera que essas 4 unidades vieram pra treinar futuras equipes, apreender como se faz esse tipo de operacao, adestramento da tropa, ..
    sera que apos o adestramento da tropa, o governo nao ira comprar umas dez unidades do super puma para desempenhar o mesmo papel, mas cm doutrinas aperfeicoadas, equipamentos especificos…
    sera que e isso ??

  33. pessoal, um zeppelin nao poderia ser usado na luta ASW ???
    capacidade de voo muito maior do que os heli, poderia carregar mais equipamentos/armas. Alem do fato dele “poder ser reabastecido em alto mar”
    uma frota de zeppelin na nossa marinha seria algo de extraordinario, o que vcs acham da ideia ???

  34. Sr Pablo, desconheço se ocorre desenvolvimento de estudos para uso militar destes dirigiveis, mas os raros dirigiveis utilizados para fins comerciais não servem de parametro pois possuem inúmeros limitadores como carga embarcada, baixo alcance, sensibilidade a mudança de clima,pouco manobravel, etc.. sem falar que não gera eco e sim um berro nos radares.
    Não creio que seja viável o uso militar, pois até o uso civil é bem limitado.
    mas não deixa de ser uma sugestão.
    abraço a todos.

  35. Complementando a informação que obtive, junto ao HS-1, de que as aeronaves adquiridas seriam realmente novas de fábrica é a data de entrega da primeira unidade que está prevista para 2011.

  36. Andre de Poa,

    grato pelo seu comentario.
    No seu comentario vc postou outros pontos de vista ao qual eu nao havia pensado.
    e quanto ao uso de satelites para a ASW ?? e possivel ????
    acho que ninguem gostaria de estar num dirigivel na hora do tiroteio… por isso ele seria pilotado a distancia, via satelite…
    serviria mais como uma (arma descartavel)… identificou um alvo, lance os misseis/torpedos e acione os sub/avioes, heli para finalizar o servico…

  37. Prezado Sr. Douglas,

    Quando é realizada a compra de um meio naval ou de uma aeronave, não se pode pegar apenas o valor unitário e multiplicar pelo numero de unidades. Um contrato inclui sempre o treinamento de pessoal, peças sobressalentes, entre outros. Por isso o contrato anterior era de US$ 300 milhões por 6 helicópteros.

  38. Sr Pablo essa questão de tripulado ou não é uma discussão chave nas melhores força aereas do mundo. Apesar de todo o empenho dos melhores pilotos do mundo em conservar as mãos no manche dentro do copkit, uma pulga me diz que os eqptos (sejam eles quais forem) não tripulados vão ser a próxima geração na evolução da guerra. Preparem-se para os militares nerds.

  39. Senhores, acompanho este site a algum tempo pois gosto muito de noticias militares. Como leigo, gostaria de fazer os seguintes cometários:
    A ultima novidade é que a marinha irá adquirir misses Pegin, sendo que já opera os sea-skua e o exorcet. Na modernização dos AMX parece que está prevista também a implementação de misseis anti-navio ainda não definido (a algum tempo atras, cogitava-se um modelo sueco). Se não hover coordenação entre as forças, poderemos ter 4 tipos de misseis diferentes.Vejam outros exemplos que em minha opinião demonstram que as coisas não andam bem a nivel de coordenação: a FAB anunciou que russos e italinos são finalistas numa concorrência para compra de helis de ataque. Em seguida é anunciada a ampliação da Helibras para produção dos Puma (Eurocopter) no Brasil , e que podería ser incluido no pacote os Tiger. Ai temos noticias (resvita Tecnologia & Defesa – varias vezes)de que o exercito a bastante tempo está interessado na compra de helis de ataque (que venham agora os Sul-Africanos). Mais um exemplo: o exercito usa o missel Igla, os fusileiros o Mistral. Em minha opinião (de quem está de fora) a grande noticia do dia sete de setembro será que alguem botou ordem na casa e fez nossos comandantes sentarem na mesma sala para conversar.

  40. Caro Tobí, pra mim muito lúcido seu comentário e na minha humilde opinião está ai o erro que preciste em existir entre nossos militares (falo isto pois já fui miliar) mas que parece não ter cura.
    uns querem BMW outros Mercedes, outros Jaguar e no final, o motor é de fusca…

  41. Douglas,
    Sobre o São Paulo era para docar agora em Agosto….

    Sobre a compra dos hélis usados, fui eu quem primeiro postou a notícia direto da revista, em outra notícia. No entanto as informações do LM (como imediato de uma das niteroi) são bem mais confiáveis. Idem do direto do fundo…

    Sds.

  42. Tobí,
    sem falar nos fuzis de assalto (que é básico) que não são padronizados por nenhuma das 3 forças (nem o calibre).
    Quanto aos mísseis o Exército usa o Erix e o Milan II e os fuzileiros os Bill 2. E por aí vai.
    O problema das compras dos militares é que quando necessitam “muito” de algo eles em geral são mandados para a feira de antigüidades (pra não dizer a feira do rolo) e compram o que der do jeito que podem, e não baseado nas suas necessidades. Ex: precisam de um navio de defesa aérea? vamos ver quem é que está jogando o deles fora e aí arrematamos as pechinchas, dando uma recauchutada aqui e outra ali. Salvo honrosas exceções.
    O único local do governo que tem dinheiro de sobra é para a burocracia, inclusive para os salários. Mas para a saúde, educação, militares, etc, é o que dá. É o caso de 1 cara cavando o buraco com salário míudo, e um monte de “fiscais” olhando com o salário graúdo e comentando entre uma pitada e outra se seus “direitos” foram publicados no Diário Oficial.
    Em qualquer país do mundo “civilizado” existe 1 burocrata para cada 3 servidores que atuam diretamente “servindo o público”. No Brasil são 4 burocratas com bons salários, férias, 13°, estabilidade, para cada médico, professor, bombeiro, etc, com salário minguado. Questão de seriedade como diz o finado De Gaulle.
    Obs: não creio que o AMX mesmo modernizado com um radar ar-sup eficiente vá receber mísseis anti-navios suecos. O único que eles têm é o RBS15 que tem uns 200 km de alcance. É muito para tão mirrado “caça”, ainda mais que não temos como utilizar o potencial “além do alcance visual” do míssil de maneira satisfatória. Um Exocet AM39 ou um Penguin já estariam de bom tamanho.

  43. correção
    A resvista a qual citei está errada, foi na Air international e esta diz que a variante será nova e capacitada a operar o MM-40.

  44. Aproveitando a questão da padronização, porque Seahawks e não os Supercougar? Falta de planejamento? decisão política que representa desagrado das FA com o contrato dos Supercougar costurado pelo MD? Já que a opção foi Supercougar, poderiam ter comprado máquinas novas na França enquanto a produção aqui não começa, com padronização futura da frota. Particularmente acho o Supercougar inferior, sei tambem que é um helo de outra categoria, mas poderia servir também para os mesmos fins do seahawk. Não? forte abraço a todos.

  45. Segurança interna (polícias) externa (FA’s) educação e saúde, funções básicas do estado, são relegadas, apesar da carga tributária ser enorme. Agora se é pra criar uma estatal ou falar em reestatização, ou cargos em comissão (como os 600 criados pra auxiliar o Mangabeira) sempre aparece um burrocrata pra defender a ideia e arrumar uns carguinhos pra aspones (e isso não tem ideologia não, a maioria dos partidos politicos aqui adora essas ideias).

  46. Caro Pablo,
    Ao contrário do que acima foi dito, dirigíveis são sim uma exelente plataforma, principalmente para trasporte de cargas e vigilância, notadamente no TO Amazônico. Este estudo existe, com capacidade de carga que vão das 100 às 300 Ton. Veja, abaixo dados que tirei do site do Roberto Silva :

    “Discretos pela altitude de operação e sempre silenciosos, os dirigíveis híbridos multimissão (DHM) poderão operar tanto em pistas mínimas ou helipontos, quanto em locais desprovidos de infra-estrutura terrestre.
    Poderão mesmo pousar e decolar de praticamente qualquer local, inclusive atrás dos NAVIOS-PATRULHA de 1.000 ton. da MB nos rios e afluentes da Amazônia, quando poderão intercambiar pessoal, suprimentos, equipamentos e veículos pelas rampas elevadas interligadas de ambos, conforme seus projetos conjuntos.
    Como excelentes plataformas multimissão, poderão executar diversas tarefas, simultaneamente, e serão o principal apoio às Unidades do EB na Amazônia, auxiliando ainda os seus pares da MB no forte apoio aos Meios Distritais da MB, Navios e Lanchas de Patrulha.
    Os dirigíveis do EB e da MB serão a plataforma ideal, persistente e vantajosa para participarem com as aeronaves da FAB em um esquema intermodal com larga vigilância aérea, fluvial e marítima, patrulhamento geral e operação com enlace em redes.
    Junto a uma Frota da MB, podem atuar como busca e resgate, reconhecimento e análise eletrônica, AEW, comando e controle, ataque de míssil de precisão, guerra aérea, de superfície, submarina, anfíbia, OTHT, missões de suporte à frota, etc.”

    Sds.

  47. […] NOTA DO BLOG: Há quem diga que ao invés de modernizar seus A-4KU, a Marinha do Brasil deveria adquirir os Skyhawks da RNZAF, pois eles podem voltar a voar rapidamente e já estão adequadamente preparados para a defesa aérea. O valor do pacote parece bem atraente, ainda mais com um lote de jatos MB339 que poderiam ser usados no treinamento de pilotos da MB. Com relação ao preço, como comparação, é bom lembrar que Marinha está pagando US$ 194 milhões por 4 helicópteros SH-60 Seahawk. […]

  48. Por isto e mais coisas a marinha do brasil não apreende que os EUA não são confiaveis eles não fornecem nada a mais a não ser coisas obsoletas . Por isto prefiro o armamento francês se nâo são os mmelhores mas na hora H funcionam veja nas Malvinas o sucesso do exorcet e acredito se a argentina tivessem mais de 7 talvez uns 50 eu acho que nâo haveria um vencedor e sim uma situaçâo negociada . Eu também duvido que num confrito com EUA os torpedos americanos funcionem ate acho que eles ligariam um botâo entâo o tupi o tikuna explodiriam. Jà deveria se claro para a MB isto.

  49. Uma pergunta para aprender!

    Qual o motivo que MB somente compra helicopteros aos USA? Existe algum de outro pais? Se eu não estou enganado só alguns ingleses
    e já velho.( Lenix)eu não sei nem nome direito.

  50. A MARINHA DO BRASIL É UMA ____________ MESMO. PREFEREM IMPORTAR LIXO ESTRANGEIRO, MESMO QUANDO TEMOS ALGO NACIONAL NO MESMO NÍVEL OU MELHOR. SABEM PORQUE? PORQUE ALGUNS OFICIAIS DE __________ SERÃO ENVIADOS AO EXTERIOR PARA FAZER AS NEGOCIAÇÕES E APRENDER A UTILIZAÇÃO DO MATERIAL E GANHARÃO US$ PELAS VIAGENS. ISSO É UMA VERGONHA, MAS FAZER O QUE, COISA DE TERCEIRO MUNDO.

    COMENTÁRIO MODERADO PELOS EDITORES

  51. A MB SEMPRE RECEBE ELOGIOS POR ONDE PASSO, NÃO CONSIGO ENTENDER.
    EM COMBATE SERIA DIZIMADA EM QUESTÃO DE MINUTOS. PRECISAMOS PARAR DE ADIQUIRIR MATERIAL PARA A MB, E O EB (MINHA FORÇA) E DIRECIONAR ESFORÇOS PARA A AQUISIÇÃO DE UMA SUPER FORÇA AÉREA. NENHUM PAÍS AFRONTA O OUTRO SE NÃO POSUIR SUPERIORIDADE AÉREA. PRECISAMOS DEIXAR DE LADO OS INTERESSES E PAIXÕES PESSOAIS E NOS VOLTAR PARA A MONTAGEM DESSA SUPER FORÇA AÉREA.
    PENSO QUE UM MINISTRO DA DEFESA QUE TENHA CULHÕES, PODERIA ARRANCAR AS CABEÇAS DOS COMANDANTES QUE DISCORDASSEM E NOS TORNAR UM PAÍS ABSOLUTAMENTE RESPEITÁVEL DEVIDO AO SEU PODER AÉREO, COMO É O CASO DE ISRAEL. A IAF É INVENCÍVEL.

  52. […] sobre © … Hoje em dia se n£o tiver um Mc Namara pra socorrer fica dif­cil! …Seahawks da MB s£o usados?Mac Namara. Gostei da sua vis£o macro-estrat©gica. Penso da mesma forma. Pra que comprar […]

Deixe uma resposta