Míssil antinavio Harpoon em ação

Míssil antinavio Harpoon em ação

1699
19
SHARE

harpoonlaunch.gif

Em 1986, a Marinha dos EUA afundou dois navios líbios no Golfo de Sidra, a corveta Ean Zaquit e o FPB Waheed, e avariou seriamente a corveta Ean Mara e outros FPB. Dois mísseis Harpoon foram lançados do cruzador classe “Ticonderoga” USS Yorktown, sem acertos e vários outros mísseis foram disparados de aviões de ataque A-6 Intruder, que atingiram seus alvos.

Em 1988, mísseis Harpoon foram usados para afundar a fragata iraniana Sahand (Vosper Mk.5), durante a Operação Praying Mantis. Outro míssil foi disparado contra o barco-patrulha rápido classe “Combattante II” Joshan, mas falhou porque o navio já estava quase afundando, atingido por mísseis RIM-66 Standard.

Os iranianos também tinham o Harpoon, e dispararam um contra o USS Wainwright. Mas o míssil passou ao lado do navio, aparentemente sem detectar o alvo.

Em dezembro de 1988, um míssil Harpoon disparado de um caça F/A-18 Hornet do USS Constellation, matou acidentalmente um marinheiro a bordo do navio mercante indiano Jagvivek, durante um exercício no Pacific Missile Range, no Havaí. O navio indiano entrou na área de testes e o míssil adquiriu o mercante ao invés do alvo. A sorte foi que o Harpoon estava sem cabeça de combate.
Em 1981 e 1982 ocorreram dois lançamentos acidentais com mísseis Harpoon em navios da US Navy e da Dinamarca.

Abaixo, a foto da Sahand, depois do ataque americano.

vosper-mark-v-sahand.jpg

SHARE
Previous articleMonte sua fragata classe "Niterói" modernizada
Next articleAnálise: Lições do conflito na Ossétia
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

19 COMMENTS

  1. Caro Jorge, é realmente uma outra opção que os países podem ter. Já pensou se não existissem os mísseis franceses? os americanos poderiam simplesmente boicotar seus desafetos. Lembre-se dos mísseis além do campo visual, enquanto não tinha a ameaça peruana ao chile, tudo corria sob a mão pesada americana. Um forte abraço!

  2. que nada o exocet e tao bom ou ate melhor que o harpoon e block 3 e o q a de mais moderno mo mundo dos misseis ante navio tomara que o man1 seja tao bom ou ate melhor que os dois poder nos podemos basta o governo querer !!!!

  3. A tríade de sobrevivência dos mísseis anti-navios é: discrição, manobrabilidade e velocidade.
    No quesito discrição e manobrabilidade o Harpoon é superior ao Exocet. No quesito velocidade são iguais.
    O harpoon tem o dobro do alcance. Mas o exocet é mais simples, confiável, mais barato e mais fácil de manter devido ao seu motor foguete sólido.
    A USN não usa o Harpoon II com orientação GPS, data-link e performance melhor em águas congestionadas, que a Boeing desenvolveu para exportação.
    Fica difícil avaliar os 2 mísseis já que não sabemos em que condições ocorreram os acertos e os erros. Se houve contra-medidas ou não.
    A maioria dos acertos dos Exocets que sabemos foi contra navios de grandes dimensões (fragata pra cima). Os Harpoons erroneamente foram usados na sua maioria contra barcos patrulha rápidos. Estes mísseis não atingem nada que se mova acima de 35 nó, a menos que tenham Data-link (um sensor de varredura ampla e capacidade de manobra).
    Até mesmo a melhor marinha do mundo comete equívocos. Contra estes FACs é melhor mandar um Helicóptero com Hellfires ou usar os SAMs Standard e ESSM

  4. Os exocet atingiram Sheffield porque os Argies conheciam as fraquezas da classe. Acertaram no que não viram com o ATLANTIC CONVEYOR. Erraram os Nae ingleses. Não afundaram o GLAMORGAN. Dois deles não afundaram a STARK.

  5. Democracia,
    tudo indica que sejam os Penguin noruegueses.
    Eles tem um motor foguete sólido (com fumaça, muita fumaça) que lhes dá uns 35 kms de alcance a 1100 km/h. Não são capazes de manobras evasivas/dispersivas. Pesam 380 kg com uma ogiva de 120kg.
    Possuem orientação inercial de meio curso, radioaltímetro, perfil de vôo “sea skimming” e orientação terminal por IR (rastreio de fonte térmica sem capacidade de formação de imagem) o que é bom por ser um sensor passivo (discreto) e ruim por sua capacidade decair em tempo ruim.
    Ou seja, são fáceis de detectar, rastrear e abater ou despistar. Por um inimigo qualificado e em prontidão, é claro.
    Vale salientar que a USN já aposentou os dela, e estão operando apenas com os Hellfire II na função anti-navio.

  6. Alguém saberia me dizer porque o Harpoon seria mais “discreto” que o Exocet? Até onde eu sei eles tem tamanhos semelhantes e ambos são projetos de uma época onde design Stealth não era realidade

  7. Quando você tem uma tocha no rabo a 2.000° centígrados soltando fumaça igual a uma sub-estação da Petrobrás em chamas, você não passa desapercebido e não fica nada nada discreto.
    Além do mais a queima do combustível sólido libera óxidos que são percebidos pelo radar como se o mesmo liberasse chaffs trajetória à fora. Coisa que um motor turbojato não faz.
    Ter um RCS pequeno é apenas parte do problema (ou da solução), e realmente o dos 2 mísseis é semelhante, mas daí para dizer que eles são igualmente discretos……
    O conceito Stealth é relativamente recente, mas ser discreto, passar desapercebido, se camuflar, é tão velho quanto andar pra frente e está na moda desde que o homem deixou de ser um coletor para ser um caçador.

  8. A própria MBDA coloca como vantagem da nova versão do Exocet, o MM40 Block III, sua maior discrição devido à mudança do motor foguete para um motor turborreator.
    Tá certo que eu exagerei um pouco. O Exocet tem um motor foguete de 2 estágios. Na fase de impulsão (lançamento) há uma grande liberação de chamas e de fumaça que é bem reduzida na fase de sustentação (cruzeiro) mas mesmo assim é bem maior que os resíduos e as emissões de um Harpoon. Como atualmente “todos” os navios possuem sensores de imagem térmica e radares com capacidade de busca ao nível do mar o Exocet, na teoria, tem menos chances de penetrar as defesas.

  9. A menos que o novo Exocet Block 3 incorpore alguma tecnologia Stealth ele provavelmente possui um RCS maior que o Harpoon devido às tomadas de ar salientes (em número de 4).
    A tomada de ar única do Harpoon é embutida o que reduz muito sua RCS.

  10. alguém tem uma idéia da estatística dos disparos, quantos lançados? quantos falharam? tem como comparar com os Exocet em números?
    os erros devem-se às contra medidadas acionadas pelos navios alvos?

  11. Na nossa região da America do Sul,estes misseis todos fazem a festa,
    com raras exceções,navios com defesa de ponto de tubo dedicado,
    desde o missil mais antigo,todos tem capacidade de impactar o alvo,
    destruindo ou incapacitando.No site da RN tem um lista de baixa de
    navios,e quais serviram de alvo,eles testam bastante os sistemas..

  12. Na minha modesta opinião nossa armada deveria optar pelos mísseis antinavio russos e mais preferível pagar um poukinho mais pela transferência de tecnologia,em especial o míssil-antinavio “mosckit”

  13. Bosco,

    fiquei em duvida……por acaso nao eh o contrario…(alcance)
    O Exocet tem um alcance superior ao Harpoon e nao ao contrario.
    E claro q existem inumeros fatores contra e a favor de um ou de outro, um deles refere-se a altura de lançamento e velocidade do equipamento que o porta , tipo P 3, Etendard, etc………

    Sds

  14. Raul…

    especificamente falando do harpoon , é um excelente missil, tanto que a India comprou um lote recentemente de 24 para equipar seus jaguares.

    abs

Deixe uma resposta