riachuelo-no-esp-cult-da-mb-foto-nunao-2004.jpg  

Os pescadores da esperança: grupo, que reúne de mendigos a comerciantes, desafia militares e veículos em alta velocidade

Com capacidade para armazenar até 24 torpedos, o submarino Riachuelo, da classe Oberon, alcança velocidade máxima de 17,5 nós na superfície e 15 nós submerso. Construído na Inglaterra e incorporado à Armada brasileira em janeiro de 1977, a embarcação, ancorada na Praça 15, quase é acertada por anzóis, lançados ao mar por cerca de 20 homens que se acotovelam no parapeito sobre as águas da Baía de Guanabara.

A cena se passa por volta das 17h30 de sexta-feira, na descida do elevado da Perimetral, uma área militar, na região portuária, pela qual circulam em torno de 150 mil veículos todos os dias. A idéia dos pescadores da Praça 15 – que se reúnem diariamente no trecho de cerca de 100 metros, entre o 1º Distrito Naval e o Complexo Cultural da Marinha – não é fisgar o submarino mas cardumes de cocoroca, bagre, tainha ou corvina.

É da água emporcalhada da baía que alguns obtêm seu sustento.

- Tem gente que tira até R$ 80 em um dia – conta o aposentado Pedro Paulo Lima, 49 anos.

Método primitivo
Morador do Jacarezinho, este pai de três filhos amanhece de segunda a segunda no local. Ex-geofísico da Petrobras, aposentou-se por invalidez em 1998, quando um acidente de moto o deixou com uma perna maior do que a outra.

Apesar de locomover-se com dificuldade- usa um tênis-plataforma – Lima garante pescar uma média de 10 quilos de peixe por dia. O quilo na sua mão sai por volta de R$ 4.

- É mais um complemento de renda. No início tinha dificuldade, mas descobri que o macete é usar um anzol mais curto – revela.

O método de pesca de Lima é primitivo mas similar ao da maioria: um cano PVC substitui o molinete, a “boinha” é de isopor, pintada de rosa. Receita da isca: gordura de galinha e barrigada de porco. O grupo de pescadores é heterogêneo. Inclui motoboys, comerciantes, mendigos, assistentes de escritório.

- Aqui é o lazer do pessoal que sai do serviço estressado – explica o jardineiro Rodrigo Gomes, 32 anos, que admite pescar no local pelo menos uma vez por semana.

No lugar de monstros marinhos, os pescadores da Praça 15 convivem com ameaças típicas de uma metrópole – como ônibus e carros, que margeiam a exígua calçada junto ao cais, em alta velocidade. Um puxão mais forte na linha, que engancha em fios de alta tensão, contudo, não é tão preocupante quanto a patrulha do 1º Distrito Naval. De duas em duas horas, um grupo de quatro militares percorre o trecho. É a hora que o grupo recolhe os anzóis.

- Querem nos tirar daqui, mas enquanto tiver peixe a gente não sai – protesta um homem baixo, peito cavo, que se identifica apenas como Kaká, 29 anos.

Segundo a Marinha, os pescadores são alertados de que correm risco de atropelamento, mas nega haver qualquer tipo de repressão.

Fonte: Jornal do Brasil, via Notimp. Reportagem de Fred Raposo

Foto: Nunão (foto de 2004)

Nota do Blog: a reportagem do Jornal do Brasil mostra um ponto de vista interessante sobre a realidade que cerca o Espaço Cultural da Marinha, no Rio de Janeiro – RJ (um ponto turístico que o Blog recomenda entusiasticamente a visita). Mas como esse é um Blog Naval, não podemos deixar de lembrar que faltou à reportagem avisar que o Riachuelo não está em atividade, como o texto pode dar a entender: é um submarino-museu. E que não está “ancorado”, está “atracado”.

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

10 Responses to “O Submarino-Museu Riachuelo e os pescadores da Praça XV” Subscribe

  1. Vassily Zaitsev 23 de novembro de 2008 at 13:38 #

    Vou lá. Uso minha potente “vara” com linha 0,10000 e tento puxar o Riachuelo para minha sala.

    Se o Galante pode ter uma Fragata, pq eu não posso ter um Sub?

  2. André de POA 23 de novembro de 2008 at 14:06 #

    as vezes a realidade supera o rei.

  3. Leonardo 23 de novembro de 2008 at 14:07 #

    Imaginem como vai ficar espetacular esse museu quando um certo FS Foch for incorporado ao acervo! Acho que só NYC e Rio teriam um museu naval assim!

    Falta incluir o nosso sub nuclear, que deverá ser construído na mesma época em que a propulsão nuclear for substituída por qualquer outra forma de propulsão, daqui a uns 150 anos.

    É isso ai! Ninguém segura o Brasil-il-il-il!!!

  4. Baschera 23 de novembro de 2008 at 18:32 #

    Este sub deveria estar em outro local e fora da água, como já vi em fotos de colega de outro blog, mas não lembro onde.
    Sds.

  5. André de POA 24 de novembro de 2008 at 8:52 #

    fora da agua como aquele sub paquistanes que afundou uma fragata indiana e hoje é museu.

  6. Corsario-DF 24 de novembro de 2008 at 11:05 #

    Baschera deixa o Riachuelo na água, é muito bom sentir o movimento do mar quando se está dentro dele…

    Certa vez estava sentado, admirando os pescadores do local, quando um deles (que estava em cima do viaduto) fisgou um peixe e o mesmo ficou agarrado na árvore, foi muito hilário, o cara demorou quase uma hora para pensar que ele devia dar mais corda e deixar para o pescador que estava embaixo perto do cais ficar com o peixe, pois não tinha como ele tirár o peixe.

  7. Nunão 24 de novembro de 2008 at 16:46 #

    Verdade, Corsario-DF. Se, por um lado, ele estivesse fora da água como sugere o Baschera, haveria mais detalhes interessantes para ver (fora o porte). Mas, por outro lado, com ele na água, todo mundo que entra pra visitar fica, na prática, debaixo da linha d’água – o que tem tudo a ver com a visita a um sub, não?

  8. JOÃO CARLOS 7 de agosto de 2009 at 12:31 #

    Bom se tivessemos mais espaço e a Marinha despuse-se embarcações mercantes para a visitação,devemos lembrar do importante papel da nossa Marinha Mercante na nossa soberania e sua participação heróica na 2º Guerra Mundial.
    ABS- João Carlos.

  9. ANA PAULA 22 de setembro de 2009 at 13:32 #

    POR FAVOR ME MANDEM O INDEREÇO,QUANTO CUSTA PRA ENTRAR E OS HORARIOS QUE PODEMOS VIZITAR ,MEU SUBRINHO DE 5 ANOS ESTAR LOUCO PRA CONHECER ,QUERO LEVAR ELE .

    OBRIGADA!!!!
    ANA

  10. jânio 13 de agosto de 2010 at 13:42 #

    gostaria de saber quanto é o museu sub-marino.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]

Euronaval 2014: características das corvetas ‘Tamandaré’ e do NPaOc-BR

Seguem as informações divulgadas sobre as corvetas da classe “Tamandaré” e sobre o NPaOc-BR: Corvetas Tamandaré: Deslocamento: aproximadamente 2.700 toneladas […]

Marinha do Brasil compra mísseis AM39 e SM39 Exocet da MBDA

A Marinha do Brasil adiquiriu diversos sistemas de armas da MBDA France. Dentre estes sistemas, estão os mísseis antinavio AM39 […]