Home Noticiário Nacional Marinha estuda encomenda de 32 navios

Marinha estuda encomenda de 32 navios

1198
0

napa500a.jpg

A Marinha do Brasil tem um ambicioso programa de construção de navios-patrulha que atuarão na vigilância de plataformas em campos petrolíferos, inclusive no pré-sal. O planejamento da Marinha prevê construir, em estaleiros privados nacionais, 32 navios-patrulha até 2016 em um investimento estimado em R$ 2,97 bilhões. As encomendas, para serem realizadas, dependem da garantia de recursos orçamentários. Mas a Marinha busca também “parceria estratégica” com a Petrobras para tornar viável a construção de parte desses navios. Procurada, a estatal não comentou o assunto.

Das 32 unidades previstas, 27 são navios-patrulha de 500 toneladas de deslocamento (clicar na imagem para visualizar o arranjo geral do navio), orçados em R$ 2,16 bilhões. As outras cinco embarcações, com investimentos previstos de R$ 815 milhões, correspondem a embarcações maiores, de 1.800 toneladas cada uma. Dois navios-patrulha de 500 toneladas cada estão em construção no estaleiro Indústria Naval do Ceará (Inace), em Fortaleza, e devem ser entregues em 2009 e 2010.

Os navios-patrulha são como carros de polícia nas cidades. Não são embarcações de combate mas fiscalizam as águas jurisdicionais brasileiras para evitar atividades ilegais como narcotráfico e terrorismo, incluindo eventuais ataques a plataformas. Também podem ser usados em salvamento e apoio a atividades do Ibama e da Polícia Federal.

O Inace é um dos poucos estaleiros do país com histórico na construção de navios para a Marinha. “Aprendemos a forma de como fazer navios de guerra”, diz Elisa Bezerra, superintendente do Inace. Ela disse que em janeiro o estaleiro deve fazer a entrega de um navio-patrulha de 200 toneladas para a Namíbia. O Inace é um dos participantes de licitação aberta pela Marinha para construir quatro navios-patrulha de 500 toneladas.

As embarcações fazem parte do pacote de 27 unidades previstas para serem entregues até 2016. O estaleiro Mauá, de Niterói (RJ), também entrou na concorrência cujos envelopes com as propostas seriam abertos hoje. A Marinha confirmou que a pedido de alguns participantes da licitação adiou, pela segunda vez, o prazo de entrega das propostas, agora para 8 de fevereiro.

A instabilidade provocada pela crise financeira estaria dificultando a cotação de preços de materiais como aço e motores. Além dos dois navios-patrulha em construção no Inace e dos quatro em licitação, a Marinha pretende contratar outras seis unidades de 500 toneladas dependendo dos orçamentos futuros. Chegaria-se assim ao total de 12. Para completar 27, restariam 15 que seriam incluídos no cronograma até 2016 após a definição da fonte de recursos necessária à construção das embarcações.

Essa seria a necessidade mínima de navios para ter nas bacias de Campos e Santos, de maior tráfego e produção de petróleo, um navio-patrulha 24 horas por dia, 365 dias por ano“, diz o contra-almirante Antonio Carlos Frade Carneiro, coordenador do programa de reaparelhamento da Marinha. Nas demais bacias não haveria necessidade de manter navios em tempo integral.

Carneiro disse que a estratégia da Marinha é repassar as encomendas aos estaleiros nacionais para a construção dos navios, com aumento dos índices de nacionalização. Ele reconheceu que para ter um maior interesse dos estaleiros é preciso ter fontes de recursos firmes no orçamento da Marinha. “Dessa forma os empresários poderão ter confiança na solidez do programa de reaparelhamento e fazer os investimentos necessários em suas empresas para atender à Marinha.”

A lei orçamentária anual (LOA) para 2009 prevê R$ 2,7 bilhões para a Marinha, valor que inclui custeio e investimentos. Em 2008, a previsão orçamentária era de R$ 1,97 bilhão. Segundo dados disponíveis, o contingenciamento no orçamento da Marinha situa-se este ano em R$ 183 milhões enquanto os investimentos da diretoria geral de material, responsável por construções e modernizações, soma R$ 461 milhões. O número é maior do que o de 2007, de R$ 293 milhões.

O contra-almirante entende que é importante que as empresas participem das licitações abertas pela Marinha e criem capacidade nos estaleiros para atender a demanda, inclusive associando-se a estaleiros estrangeiros para ter tecnologia. A construção de navios de guerra, associada à indústria bélica, poderia se desenvolver à semelhança do que ocorreu com a construção naval por meio do programa de modernização da frota lançado pela Transpetro, a subsidiária de logística da Petrobras, compara Carneiro.

Fonte: Valor Econômico/Francisco Góes

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Claudio/Itajaí
Visitante
Claudio/Itajaí

Ótimo número. Imagine um desfile de 32 embarcações!
Poderiamos até pensar em uma guarda costeira?
Ou montar outro núcleo de esquadra?
Porém a tradição é outra, vai faltar orçamento para 20, 2 serão entregues no prazo e 10 levaram o dobro do tempo para ficar prontas.

Nimitz
Visitante
Nimitz

Claudio, montar outra Esquadra com NaPas armados com canhões de 40mm?

gaspar
Visitante
gaspar

canhoneiras…

Claudio/Itajaí
Visitante
Claudio/Itajaí

Nimitz, acredito que 32 embarcações na tela de um radar de um “inimigo” ia pararecer uma esquadra de verdade.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Acredito que a MB e o Brasil necessita de coisa melhor.

Mas na atual conjuntura da MB qq embarcação já ajuda. Fico imaginando que tem marinheiro que só entrou em um navio da MB para fazer turismo.

Invincible
Visitante
Invincible

Qual o armamento dessas embarcações? Que armamento adicional eles poderiam utilizar?

direto do fundo do mar
Visitante
direto do fundo do mar

Os 5 NaPaOc deverão ser como nesta nota da Alide.
http://www.alide.com.br/joomla/index.php/component/content/article/36-noticias/239-como-sera-a-o-programa-de-modernizacao-da-marinha-do-brasil
Se vierem com a versão Top, serão iguais ou melhores do que os NaPaOc ou OPV que existem no mundo.
É aguardar para ver.

João-Curitiba
Visitante
João-Curitiba

Já é um começo. Depois que os estaleiros adquirirem tecnologia de construções bélicas, podemos partir para projetos maiores.

ph ctba
Visitante
ph ctba

Vivemos no começo desde sempre.
Essa política tosca brasileira é uma vergonha.

Patão
Visitante
Patão

hauhuahuahau q dia q a Marinha vai ter isso? nem Porta avioes ,nem os A4 Skyhawk eles conseguem manter,imagina uma esquadra dessas

Rodrigo Rauta
Visitante
Rodrigo Rauta

Eu sei que são importante para a MB esses navios, mas 2 bilhoes por 27 patrulhas armados com UM canhão de 40 mm??? Pq não construimos mais patrulhas de 200t e investimos em mais NaPaOc, mais bem armados??? eu sinceramenete acho muito pouco. Até pq como o próprio blog diz, são navios que não sao para o combate. E se por acaso precisarmos combater, obviamente ele ira chamar as escoltas ou apoio aereo, mas nossa força de patrulha aerea é quase nula e as escoltas precisarão estar em numero suficiente, espalhadas pelo nosso litoral e com de 100% de disponibiliodade,… Read more »

Edilson
Visitante
Edilson

Guarda costeira de luxo, com direito a ALmirante no comando e tudo…

McNamara
Visitante

Sim, os barcos patrulha são os carros de polícia. Quem é o Caveirão ou o BOPE que eles vão chamar na hora do pega? Temos por acaso uma dúzia de destóieres Arleigh Burke em alguma base secreta?

Camilo
Visitante
Camilo

Amigos, Visitando o site da Inace (www.inace.com.br) eu ví que além dos NaPOc de 550t, o estaleiro está construindo mais 5 lanchas de patrulha rápidas de 22,8m para a Marinha do Brasil. Essas lanchas são iguais à LP01 Marlim que já opera há alguns anos. Virou, mexeu, quando paço pela Praça XV eu vejo a Marlim (se este ainda é o seu nome) atracada no Arsenal. O site da MB sequer menciona a Marlim e muito menos (ao menos aonde eu procurei) as demais 5 em construção. Ao que parece essas lanchas são destinadas às Capitanias dos Portos. Alguém tem… Read more »

Camilo
Visitante
Camilo

Onde lêem 550t, leiam 500t …

Camilo
Visitante
Camilo

Hoje eu tô mesmo mal. Eu PASSO pelo PAÇO Imperial na Praça XV. Desculpem mais essa.
Abç

callia
Visitante
callia

Vamos içar o Aquidabã de volta!Eis a solução!

thiago
Visitante
thiago

tem que construir horizon/free

thiago
Visitante
thiago

duvido que alguem chega perto

LeoPaiva
Visitante
LeoPaiva

Em minha opinião, a Marinha está correta em estabelecer concorrência em busca do melhor preço, entretanto, seria vantajoso para todos que, tanto o estaleiro Mauá como o INACE ficassem com parte da encomenda, ambos desenvolveriam know-how e capacitariam mais técnicos e engenheiros em construção de navios militares. Ambos teriam lucro e ficariam habilitados a construir embarcações maiores no futuro, e a Marinha ganharia com o prazo de entrega reduzido pela metade. Quanto ao armamento eu penso que o importante de imediato é a quantidade e grande disponibilidade de meios, isso devido à filosofia de utilização dos mesmos, a transformação dos… Read more »

König
Visitante
König

Aço demais para armamento de menos…
Saudações

JSilva
Visitante

Camilo,

Na verdade essa unidade da classe Meatini era para ser usada na Policia Naval/Capitania dos Portos, mas nos ultimos tempos esta sendo usada nas mesmas missoes do Grajau.

http://www.naval.com.br/NGB/
http://www.naval.com.br/NGB/M/M078/M078.htm

ARCANJO
Visitante
ARCANJO

Navios? De 500 toneladas? Certamente virá aquela catilinária interminável tentando defender e justificar a idéia. Ora, contra fatos não há argumentos, por mais quilométricos que sejam! Esses barcos não passam de lanchas de polícia que terão de recolher se o tempo virar. Basta uma lestada brava ou uma frente fria caprichada que vai tocar horror … é MAY DAY no ar pedindo socorro! Lanchas sem armamento convincente, sem sonar e sem radar decente … os radares que terão irão agregar pouco mais que um binóculo… Está bem, vão ficar “patrulhando” e daí? … se, por milagre, encontrarem um inimigo ou… Read more »

Sergio
Visitante
Sergio

“Triste sina a nossa” É verdade, e lamentável esta eterna sindrome de vira-latas de alguns!

Alexandre F.
Visitante
Alexandre F.

Engraçado, a quase um seculo atras, a MB contava com: Cruzadores e CTs (Destroyers). Após o fim da II guerra: Contavamos com CTs (Destroyers) e Fragatas. Já nos anos pós Ditadura (1985-2000): Agora contamos com Fragatas e Corvetas. Chegando finalmente Seculo XXI: Estaremos contando com, Corvetas e NaPas. Em um futuro nao muito longe (uns 20 ou 30 anos): Vamos ter NapaOcs, Napas e Lanchas Rapidas Patrulhas. E ainda tem gente que nao percebeu, que estamos nos tornando uma Guarda-Costeira de LUXO, e deixando a parte da Guerra Naval Oceanica com o nosso Grande irmao, os EUA, e quem sabe… Read more »

CorsarioDF
Visitante
CorsarioDF

Concordo plenamente com os colegas.

Mas para acrescentar os senhores esquexeram da grande tecnologia nacional embarcada para o caso de abordar “lanchas” suspeitas, A ZARABATNA MORTAL, O ESTILENGUE DE DAVI E O ARCO E FLECHA DE AQUILES!!! Não há inimigo que resista…

PS. eu disse lancha porque sinceramente acredito que os piratas somalis estão muito mais bem armados do que isso, por isso não terão capacidade “anti-navio”, apenas lanchas e botes infláveis, lembrando que as lanchas não podem ser rápidas…

Sds.

CorsarioDF
Visitante
CorsarioDF

digo “esqueceram” ao invés de “esquexeram”

edilson
Visitante
edilson

Guarda costeira de luxo e mais 32 medalhas para os comandantes da poderosa força de 32 navios da guarda costeira…
isso claro sobre o comando de um almirante…
enquanto isto no mundo real os KDX-III SEJONG da Koreia são capazes de iluminar simultanemante até 600 alvos, entre navios, submarinos e aeronaves e escolher os preferenciais e ainda sim, por na conta do papa…
32 carros de policia serão a garantia da defesa do nosso litoral ou melhor (das plataformas).
daqui a pouco as ONGs estarão protestando porque a marinah não tem o direito de abordar os piratas somalis, cidadãos dignos e de direito…

ARCANJO
Visitante
ARCANJO

Felizmente os piratas Somalis ainda não nos descobriram porque, senão, acabariam com esses “navios” (!?!?) de 500 magras e paupérrimas toneladas. Essas coisas que estamos vendo entrarão para nossa história militar …

callia
Visitante
callia

Por que a gente não coloca o Baurú de volta à ativa ?Ele está dentro dos novos padrões de armamento e tecnologia.A gente podia colocar uns canhões de 40 no Cisne Branco e confiar na estabilidade financeira economica mundial , no papai noel e no sufragio universal….fala serio…

Sandro
Visitante
Sandro

Horrivel, é torrar dinheiro em porcaria, se vão querer comprar barcos de menor valor, pelo menos escolham algo no estado da arte como as Visby ou os novos patrulheiros Chineses, esse projeto apresentado, seria muito bom a 15 anos a traz, agora é ridiculo.

Voluntário da Pátria
Visitante
Voluntário da Pátria

Bom número de patrulhas, combinados com os 50 heli Super Puma que Lula quer adquirir dos franceses, teremos forças distritais satisfatoriamente equipadas, somando-se as corvetas de defesa do litoral ASW e aeronaves de patrulha de longo alcance como os P 3 ORION.

Camilo
Visitante
Camilo

JSilva,
Eu bem que suspeitava disso. Afinal uma lancha rápida faz muito mais sentido como “polícia” do que como patrulha. Na verdade minha dúvida diz respeito mais aos dados das Meatini. Já tinha visitado o NGB mas lá, infelizmente, não há maiores informações a este respeito.
Um abraço,
Camilo

um zé
Visitante
um zé

pior do que tudo que ouço é cogitar a possibilidade de alguns desses comentários negativos partirem de militares da marinha. Sei que existem muitos entusiastas dos meios navais e tudo mais, mas por favor, procurem obter mais informações antes de falarem impropérios. Comentários como os do nosso amigo “arcanjo” dão até dor de barriga, meu caro, ápós vc aprender nossões de aplicabilidade de meios, ou seja, saber que para cada tarefa existe um meio apropriado, talvez vc repense suas opiniões infelizes. Resumindo: vc não sabe de p… nenhuma!

Marcelo Ostra
Visitante
Marcelo Ostra

Um Zé

E dificil para alguns entender qual a função de um NPa ….

Fazer o que … vc viu, tem até Visby para NPa …

Abs
MO

trackback

[…] precisa crescer em número de navios, segundo o vice-almirante. “Estamos construindo dois navios-patrulha de 500 toneladas no estaleiro Enace (em Fortaleza) e em breve vamos licitar a construção de mais quatro”, […]

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

NOSSA!! NUNCA LÍ TANTA BESTEIRA, JUNTA!!! ESSE PESSOAL CONHECE ALGUMA COISA DE DEFESA???

Vcs querem 400 navios igual a US Navy?

trackback

[…] Outros quatro da classe estão em licitação e haveria planos da Marinha do Brasil para encomendar outras oito unidades ainda este […]

Helvio...
Visitante
Helvio...

A melhor saida estrategica para o Brasil a curto prazo, seria investir em uma quantidade significativa de submarinos convencionais de ataque(já que os subs nucleares ainda vão demorar uns 20 anos) com capacidade para misseis anti-navio, e a aquisição de aviões descentes de patrulhamento aero-naval, para daí sim atuarem em conjunto com os navios de patrulha… Mas ainda sim o brasil precisaria dispor de uma boa quantidade de caças de ultima geração para defesa litoranea… Mas infelizmente nosso país está com a soberania comprometida não só pela nossa politica corrupta e egoista que aqui se instalou definitivamente mas tambem por… Read more »

Helvio...
Visitante
Helvio...

fala serio… qualquer fragata aniquilaria sumariamente sem nenhuma chance de defesa esses 32 navios de patrulha!

ja era…um abraço pro brasil!

Helvio...
Visitante
Helvio...

Se ao menos eles tirassem o Bofors 40mm e colocassem o Kashtan-M no lugar… claro que haveria de se rever o projeto.