cvn-ulyanovsk

A Rússia vai construir nos próximos anos pelo menos três porta-aviões de propulsão nuclear, anunciou nesta sexta-feira um dirigente da Corporação Unida de Estaleiros, que reúne os maiores estaleiros e escritórios de projeto de navios russos.

“Os cientistas e projetistas já trabalham no modelo dos futuros porta-aviões. Por enquanto, decidiram que será de propulsão nuclear e terá um deslocamento de entre 50.000 t e 60.000 t”, assinalou o vice-almirante Anatoli Shlemov.

Shlemov explicou que seu país pretende construir pelo menos três porta-aviões, sendo um deles para a Frota do Norte e outro para a do Pacífico, e mais tarde esse número pode subir para seis, em função das necessidades da Defesa e das possibilidades da economia do país.

O vice-almirante lembrou que o presidente russo, Dmitri Medvedev, ordenou em outubro do ano passado a criação de um programa nacional de construção de porta-aviões para iniciar sua fabricação “nos próximos anos”, e expressou sua esperança de que isto ocorra até 2015.

Shlemov assinalou que os futuros porta-aviões russos estarão dotados de aviões de coberta de quinta geração, de decolagem horizontal clássica, que substituirão o modelo atual Su-33, e de aparelhos de espionagem não tripulados que estão sendo criados pela indústria militar russa.

FONTE: EFE

NOTA do BLOG: Na ilustração, o Ulyanovsk, CVN russo do final da década de 1980. Os futuros NAe russos poderão ser parecidos com ele.

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

55 Responses to “Rússia irá construir pelo menos três porta-aviões nucleares” Subscribe

  1. RJ 28 de fevereiro de 2009 at 8:33 #

    Catapultas na pista em ângulo, e ski-jump. Para todos os tipos de aeronave.

  2. caixeiro 28 de fevereiro de 2009 at 8:39 #

    Vai construir com que dinheiro??…

  3. Lecen 28 de fevereiro de 2009 at 9:24 #

    Dinheiro sempre há.

    Seria interessante se os russos estivessem atrás de parceiros para diminuir o custo do desenvolvimento e produção dos porta-aviões.

  4. RL 28 de fevereiro de 2009 at 9:38 #

    Lecen.

    Seria mais interessante ainda caso o Brasil fosse um desses parceiros, com o objetivo de construir uma unidade para nossa MB.

  5. Henrique Sousa 28 de fevereiro de 2009 at 10:16 #

    Entra ano, sai ano, e para o país que quiser projetar poder longe de seu “quintal” esta continua sendo a arma mais eficaz.

    Guerra assimétrica e Marinha de água marrom são conceitos atualmente em voga, mas a “atividade fim” de uma marinha continuará sendo o confronto simétrico e as águas azuis.

  6. camberiu 28 de fevereiro de 2009 at 10:27 #

    Considerando que o PIB Russo encolheu quase 9% entre Janeiro de 2008 e Janeiro de 2009, a taxa de desemprego ja bate a casa de 25%, a arracadacao do Kremilin ja caiu 30% esse ano e o pais perdeu mais da metade das suas reservas internacionais tentando proteger o Rublo, eu acho essa noticia bastante improvavel.
    Cada porta-avioes desse, segundo estimativas da propria Russia, custaria na faixa de US$4 bilhoes. Isso sem contar os avioes, as novas escoltas, equipamento do suporte, etc…
    Isso me parece mais um anuncio de propaganda interna do que algo realmente realista.

  7. Jlito 28 de fevereiro de 2009 at 10:37 #

    Isso aí Rússia. A hora de construir PA é com o petróleo a $40.

    Seria o mesmo que o Chavez anunciar a compra de 36 Su35.

  8. Dalton 28 de fevereiro de 2009 at 10:42 #

    Também acho este plano ambicioso demais, sem falar que a outra prioridade russa, que sao novos submarinos estrategicos e os novos misseis ” bulava” consomem muitos recursos.

    A Russia pelo que sei, nao tem estaleiros grandes o suficiente para construi-los, e terá que construi-los na Ucrania, provavelmente oferecendo um contrato vantajoso e irrecusavel para eles.

    Pode ser que de em nada, mas, só o fato da vontade da Russia em querer te-los, é prova mais do que suficiente de que porta-avioes sao importantes e a marinha americana provavelmente continuará a construi-los.

    Talvez, estejamos testemunhando uma nova corrida naval, principalmente entre China, India e Russia, e como sempre, as respectivas populaçoes pagarao um preço ainda maior.

  9. Lecen 28 de fevereiro de 2009 at 11:07 #

    Vocês devem entender que a Defesa de um país é indifirente a ocasionais dificuldades econômicas. É algo que deve ser constante e não esporádico.

    A Rússia pode não estar com tantas reservas como até pouco tempo atrás, mas mesmo assim continua investindo em suas Forças Armadas.

    O problema é que alguns aqui se acostumaram com a Defesa do Brasil onde qualquer solavanco econômico é razão para acabar com qualquer investimento por anos e anos (vide o FX).

  10. Fábio Max 28 de fevereiro de 2009 at 11:25 #

    A Rússia tem um PIB parecido com o do Brasil.

    E certamente, a arrecadação tributária do Estado é MENOR que a brasileira.

    E mesmo assim, ele tem políticas sérias de defesa e não negligenciam o assunto.

    E vai construir sim, 3 PA(s), sabem porque?

    1) Porque o petróleo voltará a subir cedo ou tarde;
    2) Porque eles sabem a necessidade de sua defesa;
    3) Porque eles sabem que a pesquisa e a indústria envolvidas em peojetos assim revertem para a sociedade em empregos, novos produtos, novas tecnologias e exportações;
    4) Porque a Rússia sabe o seu lugar no mundo, e não abre mão dele, como alguns países tupiniquins fazem.

  11. Abrivio 28 de fevereiro de 2009 at 11:40 #

    O artigo do poder naval indicado na notícia é de 2006. A operacionalidade do Kuznetsov aumentou, mas o resto permanece na mesma.

    De tempos em tempos, os russos anunciam que vão construir um número qualquer de naes, mas o projeto não sai da mesa.

    Enquanto isso, o nae nacional indiano vai “andando”, se ficar pronto antes da reforma do Goshkov, que deveria ter sido incorporado ano passado, vai ser uma vergonha.

    O modelo e a parceria com os indianos parece mais indicada.

  12. Abrivio 28 de fevereiro de 2009 at 11:53 #

    Fábio Max,

    Essa história de nae é só propaganda que eu já ouvi várias vezes. Os russos são muito mais fortes do que a imprensa ocidental prega, mas muito mais fracos que a imprensa russa alardeia.

    Os russos sabem mesmo seu papel na ordem mundial, são uma potência regional e por isso não querem a Otan na sua fronteira. De resto, sua arma é a intimidação (bombardeiros, submarinos e mísseis nucleares).

    As operações na Geórgia mostraram a fragilidade das forças russas. Apesar de empregarem forças muito maiores e com equipamento melhor, e, claramente a operação ter sido planejada, não conseguiram destruir as forças georgianas, como outras forças armadas o fariam no tempo que tiveram.

    Apesar das tropas empregadas não serem top de linha, mas ligadas ao ministério do interior, erros grosseiros ocorreram na operação.

    Um abraço,

  13. Coralsea 28 de fevereiro de 2009 at 12:08 #

    E onde serão construídos?
    Os outros foram todos construídos em Nikolayev, Ucrânia….hoje esse estaleiro está em péssimas condições, assim como as relações entre a Rússia e a Ucrânia.
    Os únicos estaleiros na Rússia que poderiam construir um PA seria o de Severodvinsk e o de St.Petersburgo mas não antes de serem ampliados e modernizados.
    A falta de grana é séria, muito dinheiro já está sendo investido nos novos SSBN e manutenção e reativação de várias unidades que estão a muitos anos paradas.
    Eu pessoalmente não acredito na construção de um PA nos próximos anos; independente do preço do petróleo.

  14. Marine 28 de fevereiro de 2009 at 12:30 #

    Concordo com os que dizem que isso nao passa de propaganda e o projeto nao vai sair da mesa.

    Sds!

  15. Ricardo 28 de fevereiro de 2009 at 13:12 #

    Taxa de desemprego na Rússia 25%? arrecadação caiu 30%? perdeu mais da metade das reservas? nossa gostaria de saber de onde esse povo tira essas noticias, desemprego na Rússia é de 8,8%, praticamente a mesma taxa do Brasil, reservas russas estão na casa de 386 bi de dólares e essa da arrecadação ter caido 30% eu nem comento…
    Segundo estimativas da Cia o PIB russo ja passou o brasileiro em mais de 100 bi e olha que em 1999 o pib russo era MENOS DA METADE do pib brasileiro.
    https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/rs.html#Econ

    https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/br.html

  16. Tiago Jeronimo 28 de fevereiro de 2009 at 13:13 #

    Pura propaganda para os tolos acreditarem, a Russia que tem no petroleo sua principal commodity não tem dinheiro para isso. A Rússia já cortou 15% do orçamento para defesa em 2009:

    “Embora vários planos tenham sido apresentados com o objectivo de aumentar os gastos militares, a crise parece que os terá congelado pelo menos durante o próximo ano, pois a imprensa russa anunciou uma redução de 15% no orçamento de defesa, tendo em consideração as actuais dificuldades financeiras. A redução orçamental não é definitiva e poderão ser efectuados mais cortes.”

    Fonte: Area Militar.

    Agora vamos aos ingênuos:

    1) Porque o petróleo voltará a subir cedo ou tarde;

    R)Analistas sugerem que o preço do petroleo se manterá na casa de 70$ o barril em 2009 e que só ultrapasará os 100$ após 2012.

    2) Porque eles sabem a necessidade de sua defesa;

    R) Querendo admitir você ou não as forças armadas russas estão em pessimo estado.

    3) Porque eles sabem que a pesquisa e a indústria envolvidas em peojetos assim revertem para a sociedade em empregos, novos produtos, novas tecnologias e exportações;

    R)Claro, nos viámos as novas tecnologias da antiga URSS serem repassadas para a população, enquanto eles fabricavam Mig-31 a população andava de Lada.

    4) Porque a Rússia sabe o seu lugar no mundo, e não abre mão dele, como alguns países tupiniquins fazem.

    R) O lugar da Rússia no mundo hoje é igual ao de um país Tupiniquim, ambos são BRIC’s…

  17. MOSilva 28 de fevereiro de 2009 at 13:27 #

    Eu acredito que a Rússia realmente vá construir tais NAes.
    Primeiro, porque o líder político do país (Vladimir Putin) não é de blefar e já prometeu ao povo russo resgatar a grandeza da nação. Internamente, ele tem muito apoio popular, o que facilita na tomada de decisões, mesmo aquelas que envolvam sacrifícios por parte da população. A Rússia tem tecnologia própria para projetar e construir todos os elementos de um NAe, desde a propulsão até os radares. Equipes de engenheiros e projetistas russos estão apoiando a China e a Índia na reforma e construção de seus NAes, fazendo com que o corpo técnico russo esteja muito bem qualificado para a empreitada. O desenvolvimento de novos submarinos nucleares permite que a Rússia tenha disponível reatores que podem ser aproveitados em NAes nucleares (vale lembrar que o USS Interprise usa reatores desenvolvidos originalmente para submarinos). A filosofia da antiga União Soviética deixava a população do país “a míngua” para garantir a operacionalidade de suas forças armadas (e o Putin reza na mesma cartilha). O crescimento das forças armadas da China e da Índia podem estar passando de incômodo para ameaça (na visão estratégica russa). A retomada dos vôos de patrulha dos bombardeiros de longo alcançe e a volta da produção do Tu-160 (codinome Blackjack) são fortes indicativos da tentativa de retomada de poder geo-político da Rússia, onde a posse de NAes se torna muito valiosa. Mesmo não tendo estaleiros atualmente capacitados para construção de navios deste porte, isso não deve ser um empecilho proibitivo; apenas mais uma etapa a ser cumprida na construção dos NAes. E a Rússia tem tecnologia própria para a construção.
    Em resumo:
    -A Rússia tem tecnologia e corpo técnico para a construção dos NAes nucleares, bem como seus sistemas de suporte.
    -Tem motivação estratégica e apoio popular para uma decisão destas.
    -Está num momento de retomada do seu crescimento bélico.
    -Tem uma liderança com filosofia de trabalho “soviética”, capaz de priorizar as forças armadas em detrimento de outras necessidades do país.
    -Há um crescimento bélico global, com particular relevância na Índia e na China, países que estão na mesma região geo-política da Rússia.
    -Perdeu o status de super-potência global (da antiga URSS) e está perdendo o status de potência regional para China (e Índia).
    Em vista disso, acredito que a Rússia vá realmente implementar este projeto, mesmo as custas de sangue suor e lágrimas da sua população.

  18. MOSilva 28 de fevereiro de 2009 at 13:33 #

    Ah, não se pode esquecer que crises econõmicas vão e vêm de tempos em tempos. Isso pode atrasar um projeto estratégico, mas não é um fator definitivo para o seu cancelamento.

  19. Coralsea 28 de fevereiro de 2009 at 13:46 #

    Oi MOSilva

    Te dou razão em alguns pontos; se eles quiserem eles podem construir um PA “as custas de sangue suor e lágrimas da sua população”, tem tecnologia e corpo técnico mas existem alguns entraves…
    A prioridade (da Marinha) no momento é sem dúvida os novos SSBN.
    Eles estão com sérios problemas de infra-estrutura: Quartéis caindo aos pedaços onde nem aquecimento, telefones funcionam direito…
    os péssimos salários tem levado muitos oficiais, engenheiros, projetistas e outros especialistas a procurarem empregos no setor privado ou até mesmo no exterior..
    O treinamento é bem ruim, por falta de dinheiro, equipamento etc…
    vide acidentes recentes como o do SSGN Kursk e de um SSN no Pacífico.
    Os russos não aceitam ainda o fato de que eles não são mais aquela potência militar que foram durante anos temidos e respeitados….não aceitam ainda que muitos países da antiga URSS querem ter a sua vida própria e querem distância dos russos….isso tudo junto além de outros motivos deixam os russos de astral baixo..
    então nada como um ditador como o Putin para repetir todos os dias na tv que a Rússia irá recuperar o prestígio perdido….

  20. João das Botas 28 de fevereiro de 2009 at 13:48 #

    O mais divertido é analizar a RUSSIA sob, infelizmente, a mesma perspectiva Brasileira.

  21. Shinigami 28 de fevereiro de 2009 at 13:59 #

    Fonte do site Area Militar não e confiável este site como muitos outros é anti-russo, inclusive sofreu um ataque de rackers que deixou o site algumas semanas fora do ar.
    A Rússia reduziu 15% no orçamento de defesa na area de custeio, a folha de pagamento do ministério da defesa da Rússia somente em salários tem quase 2 milhões de pessoas, (civis e militares inclusos).
    Foi lançado no começo de 2008 um plano para reduzir a folha de pagamento em 3 anos para no máximo 1 milhão de pessoas, atualmente a folha de pagamento do ministério de defesa da Rússia consta com 1200 generais e em 3 anos a meta é para reduzir para um numero próximo de 200 generais.
    Eles vão reestruturar as forças armadas deles para poder modernizar, ja foi notificado na imprensa uma nota do ministério da defesa da Rússia dizendo que que não vai ter cortes em investimentos das Forças Armadas, e acho que nem podem porque tudo ja esta defasado.

    Uma pergunta para os críticos da Rússia, o que acham deste procedimento de reduzir excesso de militares para poder modernizar o material militar?
    Poderia servir de exemplo para o Brasil?

  22. Coralsea 28 de fevereiro de 2009 at 14:10 #

    Não sou “anti-russo” ou “anti-americano” ou algo assim…:-)
    Vejo também muitas coisas positivas nas forças armadas deles…como existem em todo lugar.
    Mas infelizmente lá a propaganda é séria, pelo fato de ser uma democracia de fachada….
    Falo isso porque a minha esposa foi nascida e criada na antiga URSS, conheço a Rússia e vários países da antiga URSS…vamos lá com frequência…já tive a oportunidade de passar um dia a bordo da fragata “Neustrachinyy”…ou seja, entendo um pouco do que falo.
    Um primo dela é oficial da força aérea; e o marido da melhor amiga dela é oficial do exército…
    Não se deixem levar pela propaganda….tanto faz se for “pro” ou “contra” qualquer país….
    Paraíso não existe, em qualquer país existe o lado positivo e o negativo.

  23. MOSilva 28 de fevereiro de 2009 at 14:24 #

    Bem colocado, João das Botas: por vezes é feita uma análise da Rússia sob a ótica ocidental/capitalista. E, creio, que ela (Rússia) não “funcione” exatamente como um país tradicionalmente capitalista. Falta de recursos financeiros pode impedir um projeto estratégico no ocidente capitalista, mas fará o mesmo no Rússia?
    Coralsea, acredito que a sua visão das condições gerais da Rússia estão baseadas em informações da época do governo do Borís Yeltsin, quando a população estava com moral abatido, e as agruras das forças armadas locais foram expostas como feridas. De lá para cá, houve consideráveis mudanças. O acidente com o submarino classe Akula II que você mencionou ocorreu num vaso de guerra que fora reativado após sua construção ter sido interrompida na época da queda da URSS. Creio que isso é um indicador significativo da retomada do crescimento bélico da Rússia. E, pelo que eu sei, não se concluiu que o acidente fora causado por mal estado geral do sistema anti-incêndio (o que poderia indicar má manutenção do navio). De forma simples, o que quero dizer é que a crise mundial e a falta de recursos financeiros podem não ser suficientes para se afirmar com absoluta convicção de que a Rússia não vá constrir os NAes, pois esta lógica se aplica a países capitalistas tradicionais, coisa que a Rússia não é. Além disso, identifico fortes razões estratégicas e geo-políticas em favor da construção destes navios. Acretido porém que, apesar deste cenário, ele também não pode ser visto como inegável evidência da certa construção dos Naes. Somente torma “mais provável” a implementação do projeto.

  24. MOSilva 28 de fevereiro de 2009 at 14:34 #

    Coralsea, sua experiência e conhecimento das atuais condições das forças armadas russas é inegável, pois vem de fontes diretas, sem interveção da mídia. Se o estado geral da marinha e também das demais FAs do país está em semelhante penúria, a construção de NAes nucleáres é impossível. Realmente, pode ser somente “propaganda política”, embora confesse que, estratégicamente falando na atual conjuntura global, não comprendo o motivo para tal procedimento.
    Bem, de qualquer forma o tempo (sempre ele…) trará a resposta verdadeira.
    SDS.

  25. Valtinho 28 de fevereiro de 2009 at 14:54 #

    Pelo menos eles(russos) tem a intenção e até a planta do projeto. E nós???

  26. Raphael 28 de fevereiro de 2009 at 15:08 #

    huahauhuahuhauha

    Vou escrever a mesma coisa que eu escrevi na ultima vez que os Russos anunciaram a construcao de 100 Naes, Deja-vu!

    Nem a modernizacao do Indiano os caras conseguem acabar.

  27. Coralsea 28 de fevereiro de 2009 at 15:27 #

    MOSilva

    Muitos progressos foram feitos; de um modo geral a situação das forças armadas russsas hoje é bem melhor do que a uns 10 ou 15 anos atrás…mas os problemas são imensos….
    No futuro, pelo menos no exército, a intenção deles é de ter mais “qualidade” em vêz de “quantidade”….ou seja, mais brigadas em vêz de divisões….investir mais em equipamento, mobilidade, treinamento, comunicações…uma tendência mundial….
    Mas vamos ver o que acontece…o mundo dá muitas voltas!

  28. Shinigami 28 de fevereiro de 2009 at 15:35 #

    Tendência Mundial…..
    O Brasil do futuro que nunca chega vai na contra mão?

  29. Baschera 28 de fevereiro de 2009 at 16:14 #

    Pelo menos eles não pagaram R$ 163 Bilhões no ano de 2008 em juros para rolar a dívida interna como os “patos” brasileiros.
    Eles tem 1.200 generais e nós 1.200 famílias ou empresas que comem todos os anos 1/4 do orçamento federal em juros.
    Sds.

  30. Robson Br 28 de fevereiro de 2009 at 17:10 #

    Shinigami,
    O Exército brasileiro também passa por um momento de mudança estruturais onde deverá consolidar o “Módulo Brigada”. Não vejo o motivo de tantas críticas, pois como eu já disse em outro poste, o nosso TO é outro, pois nossas ameaças são outras. Lá China, Paquistão, Rússia, Coréia, etc… estão todos em um calderão milenar. A Rússia com a China e a China com as Coréias e a Índia. A índia com o Paquistão e assim por adiante. Se a gente olhar para dentro de nossas fronteiras, o melhor investimento são os Helis, Supertucanos, e os novos blindados sobre rodas. Os 1A5 e os M60 darão uma vantagem em relação aos visinhos. Temos que ter uma aviação de caça capaz de impor uma superioridade aérea para que as forças possam operar. Já temos oa R99 A e B (que já necessitam de alguma modernização) que dão uma vantagem enorme na guerra moderna.
    quanto a Marinha, os novos Sub + os IKL, apesar de poucos constituem uma força respeitável. A MB vai se equipar, já está fazendo. As coisa tem que ser com o pé no chão. Tenho a impressão que a maioria do pessoal que posta aqui são militares da reserva. Eu não sou um civil que acredito no trabalho militar. Nesse tempo todo nunca ví tantas mudanças nas FFAA brasileiras. Quanto a Rússia, posso até acreditar que vá construir esses NA, mas pela tradição deles, ainda vai demorar muito, pois a Marinha desde a antiga URSS nunca foram nucleads em NA. Quando falam de nossos militare, dá a impressão que ninguem presta. Eu não acho isso.

  31. Marine 28 de fevereiro de 2009 at 19:12 #

    Aos colegas,

    Todos os comentarios foram muito bons, com analises bem formuladas mas estamos todos dizendo vao construir ou nao…Bem se um dia eles vao, claro que vao mas sera daqui 10, 20, 50, 200 anos?

    Entao vamos procurar colocar um prazo nisso. Eu sou da opiniao que por pelo menos 10-15 anos nenhum deles estara navegando incorporado a marinha russa.

    E voces?

    Sds!

  32. Ulisses 28 de fevereiro de 2009 at 19:54 #

    Eu adoro quando vejo gente como o Baschera,Valtinho,Lecen e etc que fica na base do “Pelo menos eles…”

    Então tá!Vamos no nosso pelo menos.

    Pelo menos nós não temos leis que obrigam casais a terem 1 só filho e se tiver mais terão de ser largados na rua até morrerem.

    Pelo menos nós temos DEUS.

    Pelo menos não estamos em regime comunistas.

    Pelo menos não sou vocês

    Pelo menos tenho TVA e Rússia e China ficam mais vendo o canal estatal e os chineses tem de ir naquele festival chato.

    Pelo menos…Ah querem saber vão para o inferno!(China):(

  33. Daniel Camilo 28 de fevereiro de 2009 at 21:16 #

    É isso aí Ulisses!!!

  34. MOSilva 28 de fevereiro de 2009 at 21:26 #

    A Rússia deve ter um novo NAe em 5 anos depois do batimento da quilha. Ele estará totalmente operacional em 7 anos após o inicio da montagem. Creio que isso se dará em cerca de 2017 – 2020, preservadas as condições atuais (crise mundial com perspectiva de encerramento em 2 anos). Óbviamente, é um palpite.

  35. Ulisses 28 de fevereiro de 2009 at 21:46 #

    Valeu Daniel

  36. joao terba 28 de fevereiro de 2009 at 22:06 #

    Pelo menos mão obra especializada eles tem, atuamente estamos dependendo da China,Russia e Ucrânia para nosso desenvolvimento tecnologico concordam?

  37. Vassili Zaitsev 28 de fevereiro de 2009 at 22:14 #

    Ulisses,

    Soltou os cachorros para cima das comparações sem sentido.

    RESISTANCE!!!!!!!!

    SABOTAGE!!!!!!!!!!

  38. Ulisses 28 de fevereiro de 2009 at 22:19 #

    Valeu Vassili e parece que só eu e você ainda se lembra da Resistência.Boa Noite amigo.

  39. Ulisses 28 de fevereiro de 2009 at 22:40 #

    Ahhh Ucrânia,Rússia,China,nossa que comparação.

    Se eles tem tanta mão de obra por que a China fez aquele teste de foguete no meio de uma aldeia que acabou explodindo e matando 500 pessoas,não tinha outro lugar não?É claro que tinha!

    Na China acontece tantos acidentes em minas de carvão,sabem por que?PORQUE ELES NÃO INVESTEM EM EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA PARA OS TRABALHADORES!!!

    A URSS tinha tanta mão de obra que colocaram quatro reatores em Chernobyl,o quarto explodiu,os sistemas do reator foram mal feitos e colocaram trabalhadores sem experiência no assunto,tanto que o engenheiro-chefe da usina só tinha experiência com reatores pequenos!E a usina só foi desativada em 2000.

    Tem gente que pensa que Rússia e China são grandes irmãos.Eles são é grandes inimigos pro mundo,acham que comunistas são o que afinal?

    O Japão era um dos maiores aliados dos EUA depois da 1°GM,e depois?Guerrearam entre si na 2°GM.

    URSS foi grande aliado dos EUA na 2°GM,e depois?Quase iniciaram uma 3°GM.

    Gente,se Kaim matou Abel por ciúmes,Romulo pode ter matado Remo por ciúmes,o que pode se esperar das nações então?

  40. Vassili Zaitsev 28 de fevereiro de 2009 at 22:52 #

    Ulisses,

    Não. O Hornet tb está na parada. Ele é menbro vitalício da RESISTANCE. Eu e ele queriamos saber se foi vc que explodiu o paiol do CTA no Blog Aéreo.

    abraços.

  41. Valtinho 28 de fevereiro de 2009 at 23:24 #

    Ulisses como vc disse não vivemos em regime comunista, por isso respeito tudo que vc falou e concordo em tudo. Quando eu falei:
    “Pelo menos eles(russos) tem a intenção e até a planta do projeto. E nós???” eu estava me referindo que eles tem um objetivo a ser seguido um projeto a ser tocado, claro que aqui as coisas estão tomando rumo e não sou nenhum sabotador, ao contrário, torço que NOSSO PAíS (O BRASIL)
    desenvolva sua industria de defesa e se torne uma potência, ou vc não quer que isso aconteça???”PELO MENOS” eles sabem que querem 3 NAe movidos a propução nuclear, “PELO MENOS” eles tem uma planta e um projeto elaborado precisando apenas de modificações.
    Entenda aonde quero chegar. “PELO MENOS” vivemos num regime democrático que pensar não é icrime e opinar tb.

    “PELO MENOS” espero que entenda minha opinião e não quero que vc seja eu. Eu tb não quero ser vc!!! rsrsrsrs

    Brincadeira!!!
    Abraço e VIVA A DEMOCRACIA!!!

  42. Valtinho 28 de fevereiro de 2009 at 23:25 #

    OBS: … pensar não é crime e opinar tb não.

  43. Flamenguista 1 de março de 2009 at 1:17 #

    Se tudo isso aí sair do papel, os russos terão passado a perna nos EUA, uma vez que, o F-22 naval não saiu por causa dos custos proibitivos.

  44. Dalton 1 de março de 2009 at 1:47 #

    Flamenguista…

    O novo aviao da marinha será o F-35 “C”, que juntamente com os F18 E/F os F18G de guerra eletronica, os novos E2D, os novos helicopteros MH60S e provavelmente UCAVs comporao as alas aereas nos proximos anos.

    Como vc mesmo escreveu ” Se tudo isso aí sair do papel ” mas mesmo assim, nao será o suficiente para passar a perna nos EUA, que continuam sustentando uma politica de 11 porta-avioes nucleares muito maiores e portanto mais capazes.

    abraços

  45. brazilwolfpack 1 de março de 2009 at 3:33 #

    Quanta dor de cotovelo,inveja,e odio aos russos no Brasil. Por que? Porque construirao Naes nucleares? Certos estao eles,assegurando sua posicao de potencia naval enquanto o Brasil fica na decada de 60,com uma duzia de escoltas obsoletas,completamente dependente dos EUA. Ao inves de ficar falando tanto,o que se deveria fazer e seguir o exemplo dos russos,assim como os venezuelanos e chilenos,e tomar providencias urgentes sobre a marinha brasileira, totalmente defasada e na miseria. E essas criticas da “pobreza” da Russia? Acaso no Brasil ja a conseguiram eliminar? Basta uma visita as favelas do Rio,ou centro de Sao Paulo,e a realidade e outra. Quem mora numa casa de vidro nao deve jogar pedras.

  46. Flamenguista 1 de março de 2009 at 6:10 #

    Dalton.
    Quando escrevi passar a perna era com relação à possibilidade da Rússia embarcar um caça pesado, birreator, etc. e de quinta geração. Esse feito a marinha americana até queria mas achou que sairia muito caro uma versão naval do F-22, ou simplesmente não achou necessário tal caça.

    Estou levando em conta que a idéia dos russos é fazer um PAK-FA naval que, segundo boatos, estaria mais prá um F-22 que para um F-35.

  47. Ulisses 1 de março de 2009 at 9:38 #

    Valtinho,tá certo,me desculpe se fui rude mas devemos entender que a Rússia só tem o projeto do NAE nuclear por que não é a primeira vez que eles tem tal projeto.A Inglaterra até pensou nos NAE nucleares mas desistiu pelo auto custo do navio e optou pelos convencionais.A Rússia vai se basear num projeto ainda do tempo da Guerra Fria.Enquanto nós,devemos nos lembrar que estamos no inicio ainda,como nós iriamos construir um NAE nuclear se nem temos experiência em um convencional?

    SDS.

  48. AL 1 de março de 2009 at 10:16 #

    Dalton,

    pelo que você explanou acima, a US Navy terá 6 tipos de aeronaves em seus NAes! Pelo que me lembro, acho que desde a década de 80 a Navy luta para ter certa padronização em seus NAes, sem ter tantos tipos diferentes de aeronaves por causa do pesadelo que é a logística! Isso não é um contra-censo?

    Abraços.

  49. Dalton 1 de março de 2009 at 11:15 #

    AL…

    Vc tem razao quanto a logistica ser um pesadelo, esta é uma das razoes que operar um porta-avioes nao é fácil.

    lembra-se da epoca da guerra fria? F-14s, F-18s, A-10s ? Hoje há apenas o F18 voando e realizando, ou tentando realizar a funçao de tres avioes diferentes.

    Este é o motivo por exemplo, da nova aeronave de guerra eletronica o F-18G ser uma versao do F18F, justamente para facilitar a manutençao.

    Assim no futuro, 2020 para frente, a marinha contará apenas com 5″ frames”
    F-18 E/F/G
    F-35 C
    E2-D
    MH-60
    UCAVs

    Após 2030 o F-35 tem grandes possibilidades de substituir todos os F18s, baixando para 4 tipos. Menos que isso, acho impossivel.

    Como voce pode notar, as coisas sao feitas muito lentamente hoje em dia, devido a complexidade e preços exorbitantes das aeronaves.

    abraços

  50. Dalton 1 de março de 2009 at 11:17 #

    nao sei de onde tirei A-10, quis escrever A-6…

    abraços

  51. Valtinho 1 de março de 2009 at 12:10 #

    Ulisses, mas se construissimos um NAe de propulção convecional depois poderiamos adptar o projeto para um NAe com propulção nuclear. Acho que nossa marinha não precisa de um NAe nuclear, até pq custa muito mantelo.
    Pra mim três NAe de propulção convencional (um no Norte, um no eixo Nordeste-Sudeste eo outro no eixo Sudeste-Sul) já seria suficiente. O que vc acha???

    Abraço a vc que está sempre atento a tudo que se posta aqui no blog!
    E VIVA A DEMOCRACIA!!!

  52. AL 1 de março de 2009 at 12:56 #

    Dalton,

    a coisa, se bem me lembro de um artigo antigo, nos NAes americanos na década de 80 era ainda pior: além dos F-14, F-18 e A-6, tinham os A-7, KA-6, tinha um avião de guerra eletrônica que não me lembro qual era (A-6G?), além dos helicópteros, que aí era mais 2 ou 3 tipos diferentes. Um inferno! Os mecânicos que dessem conta dessa zorra toda, hehehe.

    Abraços.

  53. Dalton 1 de março de 2009 at 13:09 #

    AL…

    só um pequeno reparo no que comentou. O F18 substituiu o A7 e o KA-6 era uma versao mais simples do A6, mas basicamente a mesma aeronave.

    O aviao de guerra eletronica era e ainda é o EA-6 tambem uma variante do A6 e portanto nenhum grande problema de manutençao.

    O novo F18G irá substituir até 2011 todos os EA-6 de guerra eletronica. Um destacamento de apenas 4 aeronaves por porta-avioes.

    Mas no mais, é isso mesmo, um inferno para os mecanicos, ainda mais quando o porta-avioes tem que ser enviado lá ” onde o judas perdeu as botas” ficando seis meses em media longe da base.

    abraços

  54. Hornet 2 de março de 2009 at 0:37 #

    Vassili e Ulisses,

    só li agora este post…mas pelo visto vcs já fizeram o trabalho. Well done!!!

    Resistance!!!…hehehe

    A MB tem seus projetos, devagar chegamos lá…Não podemos comparar Brasil com a Russia no quesito armamento, pois são situações completamentes diferentes. E a MB tem seus próprios projetos, não podemos nos esquecer disto, não é mesmo?

    abração pros dois

  55. Manoel da Silva 26 de janeiro de 2010 at 11:36 #

    O Brasil precisaria de pelo menos 04 porta-aviões,já que o nosso litoral é imensso.Três ficariam em uso e um na reserva.O Brasil necessita ter capacidade para patrulhar seu enorme litoral e também a amazônia azul e o pré-sal.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Cruzador da Marinha dos EUA aproa para o Mar Negro

De acordo com um comunicado divulgado pelo comando da Sexta Frota da Marinha de Guerra dos EUA, o cruzador norte-americano […]

Navio anfíbio americano de última geração visita Rio de Janeiro

O navio de assalto anfíbio USS America (LHA6), uma das mais modernas embarcações da marinha dos Estados Unidos e que […]

Angola busca cooperação brasileira para implementar Programa Naval

Os ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, se reuniram nesta terça-feira para […]

EISA busca empréstimo na Caixa e com fundo nos EUA

Prestes a completar dois meses com as atividades paralisadas, o Estaleiro Ilha S.A. (EISA), do Rio, ainda busca soluções para […]

Aeronaves V-22 Osprey do USS ‘America’ já pousaram no Rio

Duas aeronaves V-22 Osprey pousaram hoje no aeroporto Santos Dumont. Elas pertencem ao grupo aéreo do navio de assalto anfíbio […]

Venezuela quer BrahMos

Míssil supersônico de cruzeiro BrahMos poderá ser exportado ao Sudeste Asiático e América Latina, e Venezuela estaria entre os países […]