Home Noticiário Nacional Marinha no Estadão

Marinha no Estadão

337
10

aderex09-estadao

marinha-estadao1Ao abrirmos hoje o jornal O Estado de S. Paulo de domingo pela manhã, tivemos uma grata surpresa: uma matéria de página inteira sobre a Marinha do Brasil.
O texto de José Maria Tomazela, enviado especial, descreve detalhes interessantes da Operação ADEREX-I 09, realizada de 30 de março a 7 de abril no litoral do sul do Espírito Santo até São Paulo, na área do Pré-Sal.
Ele cita que os navios da operação foram atacados por dos jatos AF-1 Skyhawk e que foram realizados exercícios de tiro com torpedos anti-submarino e disparo de canhões contra alvos no arquipélago de Alcatrazes.

A matéria coordenada abaixo, fala do plano de construir o submarino nuclear:

Plano de submarino nuclear volta à ordem do dia

oesp120409-a8A descoberta de grandes jazidas de petróleo e gás na camada do pré-sal levou a Marinha a recolocar na ordem do dia a construção de um submarino nuclear. O projeto, iniciado nos anos 70, quase foi abandonado no início desta década por falta de recursos. Agora, com 85% do petróleo sendo retirado do oceano, a proteção da plataforma continental exige maior presença da Marinha no mar, segundo afirmou o vice-almirante Fernando Eduardo Studart Wiemer, comandante da esquadra. “É fundamental desenvolver o submarino nuclear”, ressaltou.
Ele acredita que, apesar da crise, não vão faltar recursos. “É uma prioridade do governo, não só da Marinha.” Wiemer comandou submarinos e conta que, quando jovem tenente, imaginava que ao chegar a almirante o Brasil já teria o submarino nuclear. “Sou o mais velho na ativa e ainda não vi isso realizado.” Para ele, agora é só uma questão de manter o fluxo de verbas. “Já sabemos construir submarino e estamos desenvolvendo o nosso reator nuclear.” A Marinha também precisa crescer em número de navios, segundo o vice-almirante. “Estamos construindo dois navios-patrulha de 500 toneladas no estaleiro Enace (em Fortaleza) e em breve vamos licitar a construção de mais quatro”, completou o vice-almirante.
O plano é construir mais 27 dessas embarcações, que servem também para o patrulhamento de rios. De acordo com o vice-almirante, o Brasil precisa ainda de um número maior de submarinos convencionais para proteger sua extensa plataforma continental. “Temos cinco, mas precisávamos ter no mínimo 12”, disse. Ele lembrou que o recente acordo firmado entre Brasil e França prevê a construção de submarinos convencionais e da plataforma do submarino nuclear no Brasil. “É um setor estratégico, em que nenhum país vende ou transfere tecnologia”, afirmou Wiemer. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

s32

Parabéns ao Estadão e à Marinha do Brasil pela matéria.

FOTO: Filipe Araujo e Paulo Pinto/Agência Estado

10 COMMENTS

  1. O mais importante nesta notícia é a própria notícia. O assunto Defesa começa a ganhar espaço na grande imprensa. Primeiro é preciso fazer a cabeça dos formadores de opinião. Depois eles se encarregam de difundir a idéia. De passo em passo se faz uma caminhada.

  2. É mesmo bom saber que o enfoque da imprensa em relação as forças armadas esta mudando. São muitas matérias mostrando o lado positivo e abordando o assunto “defesa” com mais seriedade. Ainda lemos e assistimos a muita coisa mal feita, mas aos poucos as editorias dos meios de comunicação vão se especializando. Temos que levar essas questões para a rua, para conhecimento do “povão” e tornar o assunto “popular” entre as massas. Quem sabe um dia teremos as questões de defesa sendo discutidas em mesa de bar, assim como o futebel, carnaval, músicas, carros, custo de vida, mulherada, e por aí vai…

    Abraços!!!

  3. O papel da imprensa em difundir informações do âmbito militar aos cidadãos e principalmente, contribuintes, é de suma importância para fazer renascer o patriotismo no povo. O brasileiro só é patriota no futebol, vôlei, F-1 e tantos outros esportes, mas se perguntar a um civil ou mesmo militar, se ele iria para a Guerra defender seu país com os armamentos defasados que temos hoje, a reposta todos saberiam dizer com certêsa.

  4. Pô…..vocês nem me avisaram hei!!! fiquei lá ontem a noite sozinho e isso abalou muito meu emocional……..rsrsrs

    Abraço a todos.
    Esdras

    É muito legal encontrar os colegas no chat.

  5. O Skyhawks tb foram utilizados?
    Quantos?
    É bom saber que elas também estão sendo utlizadas, para não vincular a sua existência tão-somente à do NAe S. Paulo.
    Serão modernizados 12 Skyhawks. O destino dos restantes… não seria interessante utlizá-los em bases terrestres para manter um número razoável de pilotos em voo, alêm de contribuir para mostrar nossa bandeira nas fronteiras marítimas?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here