Home História Malvinas 82: a saga do “primer teniente” Ernesto Ureta

Malvinas 82: a saga do “primer teniente” Ernesto Ureta

845
47

Ureta, atualmente brigadeiro reformado da Força Aérea Argentina, era primeiro tenente aviador em 1982 e comandava um A-4C Skyhawk da FAA naquela época. No dia 30 de maio, um domingo, acompanhado de outros três Skyhawk e dois Super Etendard do CANA, conduziram um ataque ao NAe britânico HMS Invencible.

Na foto a seguir Ureta (esquera), ainda como tenente, aparece ao lado do seu companheiro sobrevivente do ataque, o “alférez” Geraldo Isaac (direita). Entre os dois está o “ás curitibano” Pierre Clostermann.

ureta

Este controvertido episódio está narrado no site da Força Aérea Argentina. Segue o texto abaixo:

LA OPERACIÓN INVINCIBLE

Fue protagonizada por:

Cuatro aviones A-4C de Fuerza Aérea, (C-301, C-310, C-318 y C-321).

Dos KC-130 de Fuerza Aérea.

Dos Super Etendard del Comando de Área Naval Austral, indicativo ALA, pilotados por el capitán de corbeta Alejandro Francisco (transportó el Exocet) y el teniente de navío Luis Collavino (soporte magnético).

Orden Fragmentaria 1268. Cuatro A-4C, indicativo ZONDA. Misión: ataque al portaaviones ubicado en la posición 51° 38′ S / 53° 38′ O con dos reabastecimientos, armado con tres bombas retardadas por paracaídas (BRP), cada uno. Tripulación: primer teniente José Vázquez, primer teniente Ernesto Ureta, primer teniente Omar Castillo y alférez Gerardo Isaac. El teniente Daniel Paredi actuaría como reserva. Despegaron de Río Grande, a las 12:30. Regresaron a Río Grande a las 16:00.

KC-130, matrícula TC-69, indicativo RANQUEL 1. Tripulación: vicecomodoro Luis Litrenta, capitán Guillermo Destéfanis, mayor Francisco Mensi, cabo principal Juan Perón, cabo principal Juan Tello, suboficial auxiliar Hugo González, suboficial auxiliar Vicente Reynoso, suboficial auxiliar Manuel Lombino. Despegó de Río Gallegos a las 11:25, arribó a Comodoro Rivadavia a las 17:25.

KC-130, matrícula TC-70, indicativo RANQUEL 2. Misión: reabastecimiento. Tripulación: mayor Roberto Briend, vicecomodoro Roberto Noé, mayor Miguel Sánchez, capitán Osvaldo Bilmezis, suboficial mayor Modesto Cufré Vianey, cabo principal Carlos Golier, suboficial auxiliar Héctor Sosa, suboficial ayudante Juan Marnoni, suboficial principal Roberto Caravaca. Despegó de Río Gallegos a las 11:25, arribó a las 17:15.

En la mañana del 29, los A-4C despegaron de San Julián, rumbo a Río Grande, adonde llegaron al mediodía. Problemas con los KC-130 hicieron que la salida se demorara hasta el día siguiente. La demora fue aprovechada para cambiar dos Skyhawk que tenían algunas fallas y estuvieron listos para la operación aérea más importante, hasta ahora, planificada por la aviación militar argentina.

De acuerdo a lo planificado, los Super Etendard y A-4C despegarían de Río Grande, mientras que los KC-130, lo harían desde Río Gallegos. Desde esas bases, se dirigirían a la posición 55° 50′ S / 58° 00′ O. En este punto comenzaría el reabastecimiento.

ureta2

Cada sistema debería reabastecerse dos veces, para salir con la máxima carga de combustible posible. A partir de allí, y con rumbo 330° / 350° iniciarían el vuelo rasante (100 pies), los Super Etendard, al frente y dos A-4C, a cada lado, para aproximarse al objetivo naval a una velocidad de 420 nudos. El portaaviones se encontraba, en ese momento, a unas 100 millas de distancia. En este tramo los Super Etendard deberían localizar, en su radar de a bordo, el objetivo y, al encontrarse a 25 Kilómetros, lanzar el último Exocet y regresar, sin reabastecimiento, a Río Grande.

Los A-4C, acelerando al máximo, se montarían en la trayectoria del misil inteligente y llegarían al buque cincuenta segundos después de su impacto, para lanzar cada uno, sus tres bombas BRP de 250 kilos, y reforzar el efecto destructivo del Exocet, que no había sido concebido para hundir, sino sólo para averiar a un buque de más de 18.000 toneladas como era ése.

LA EJECUCIÓN

A las 11:25 despegaron, desde Río Gallegos, los KC-130 y se dirigieron a su punto de reabastecimiento. A las 12:30, despegaron, de Río Grande, dos Super Etendard, indicativo ALA, y cuatro A-4C Skyhawk, indicativo ZONDA.

La operación estaba penalizada por una serie de condiciones que deberían cumplirse, inexorablemente. Todas ellas se ejecutaron a la perfección. Una vez disparado el Exocet, los cuatro A-4C, (Ureta e Isaac a la derecha y Castillo y Vázquez a la izquierda), se lanzaron convergiendo casi en línea, sobre la estela del misil.

Lo primero que vieron fue una columna de humo, en el horizonte. El impacto del Exocet señalaba bien el blanco, pero había puesto en funcionamiento todo el sistema defensivo del portaaviones y sus escoltas cercanas, que ya comenzaban a adquirir, en sus miras electrónicas, a los aviones.

Cuando ya tenian nítidamente al HMS Invincible en sus miras, un misil (posiblemente un Sea Dart) impactó en el avión del jefe de escuadrilla, primer teniente Vázquez. La aeronave se partió en dos y se estrelló en el mar. Cinco segundos antes del lanzamiento, la artillería del buque impactó en el numeral 2, primer teniente Castillo, cuyo avión explotó. Parece que su motor cayó sobre la cubierta y resbaló hasta el hueco del ascensor de aviones, por donde entró e incendió su interior. Los dos aviones restantes estaban también alcanzando el objetivo, que ya se cubría de humo. Ambos lanzaron sus bombaas sobre la cubierta.

ureta3

Ureta, que pasó primero, creyó haber impactado en la superestructura del buque. Ambos escaparon indemnes y se alejaron con distintos rumbos haciendo maniobras evasivas. Al serenarse, echaron un último vistazo al buque y lo vieron cubierto de humo espeso y negro.

Se perdieron de vista entre sí, pero siguieron rasante en rumbo 230° / 240°, hacia el lugar en que deberían reunirse con los reabastecedores. Se avistaron nuevamente y luego, en el punto exacto, se encontraron con los dos KC-130. Ureta e Isaac, reabastecieron y se dirigieron a la Base Aérea Militar Río Grande. La operación había durado casi cuatro horas.

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
airacobra
airacobra
11 anos atrás

é isso ai Dalton, muita coisa seria diferente mas uma coisa que esqueci de citar, quando falei que nao chegaria um harrier perto das ilhas, foi so uma homenagem ao capitao garcia cuerva, que apos uma refrega com 2 sea harrier e apos perder o ala decidiu pousar na ilha para salvar o aviao, quando foi derrubado pela antiaerea argentina (despreparada, pq ate eu no meu 3″ sem radar DT, nao confundo um mirage III com um sea harrier), esqueci de citar que mesmo operando a partir das ilhas seria dificil sobrepujar os ingleses com aim-9L

abracos

airacobra
airacobra
11 anos atrás

perdao pelo esplodido e hovesse
onde se le, leia-se *explodido e *houvesse

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Aircobra…

uma coisa que temos que concordar: os pilotos argentinos foram extremamente bravos…pena que lutaram por uma má causa, pois
o que a junta militar realmente queria era desviar a atençao da populaçao para os problemas internos.

abraços…de novo!

airacobra
airacobra
11 anos atrás

eles podem realmente ter atingido o invincible, causando avarias, mesmo nao sendo graves, oque pode explicar o atraso do invincible para voltar pra inglaterra como o resto da FT um mero detalhe, não podemos esquecer da bravura dos pilotos argentinos, que mesmo mal equipados conseguiram causar danos de grande monta na forca tarefa britanica, houvessem todas as bombas esplodidos, o rumo da guerra seria outro, como o proprio almirante woodward (comandante da forca tarefa britanica) reconhece a partir do min 1:30 do video abaixo que estava a ponto de contatar londres e dizer que a guerra estava perdida agora so… Read more »

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Aircobra… O Hms Invincible de fato nao retornou logo após o fim das hostilidades, pois permaneceu patrulhando as Falklands enquanto a pista de aviaçao era reparada e melhorada e o seu substituto o HMS Illustrious era apressadamente preparado para zarpar, já que havia sido recem comissionado e necessitava de ao menos tres meses para partir. nao concordo com o que os argerntinos fizeram, mas isso nao significa que desejo que Fernando de Noronha seja entregue aos ingleses. a populaçao das Falklands é britanica e eles nao querem ser argentinos…para mim isso já é um grande motivo para os argentinos nao… Read more »

Noel
Noel
11 anos atrás

A situação lá tá tão “preta” nessa década, que até juntar as trouxas e imigrar para o Brasil, em busca de melhores oportunidades, eles vêm fazendo, e em maior número que antigamente. Suas FFAA, coitadas, sobrevivem no limite (meios e efetivos mínimos), não possuem prestígio nenhum, seja junto ao povo, seja junto aos políticos, o salário dos seus militares então…
Sds

Jonas Rafael
Jonas Rafael
11 anos atrás

Que eu saiba o radar dos A-4 “Fighting Hawk” argentinos é o do F-16A não é mesmo? Acho que o dos nossos será melhor. E eles tão mal das pernas sim. Chega a dar pena (e olha que eu não tenho dó de argentino, hehe)

Claudio/Itajaí
Claudio/Itajaí
11 anos atrás

Thomas D. Weiss,

Vc tá de brincadeira?

Juarez Castro
Juarez Castro
11 anos atrás

e a Marinha do Brasil está em que posição?
sds

de joelhos…….

Grande abraço

Lucas Calabrio
Lucas Calabrio
11 anos atrás

e a Marinha do Brasil está em que posição?
sds

Andre de POA
Andre de POA
11 anos atrás

Acredito nas palavras do Sr Ernesto Ureta, me parece um senhor sério o suficiente para não falar bobagens ou mentiras, pode ter ocorrido um engano quanto ao alvo mas o ataque deve ter ocorrido.

Alexandre
Alexandre
11 anos atrás

É claro que uma inverdade dessas não duraria tanto tempo. Quantas pessoas estavam no navio. Quantos deram baixa após o conflito. Ninguém abriria a boca? Os mesmos que acreditam nisso provavelmente são os mesmos que não acreditam que o homem foi a lua.

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
11 anos atrás

Jonas, eu acho que era a Marinha francesa.

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Isso já foi matéria colocada e discutida aqui neste blog, já faz algum tempo, dois ou três anos (talvez mais), e eu publiquei um comentário naquela ocasião, que repito agora. Já naquela época ninguém deu crédito às alegações argentinas. Muito menos agora. Nunca se ouvou falar que o “Invencible” tivesse sido atingido. Nunca ninguém viu ou confirmou um arranhão seguer neste navio. Os argentinos, depois da triste derrota para os inglesses, criaram este factóide como forma de compensação para a vergonha que passaram nesta mal sucedida empreitada. O Invencible jamais foi docado para reparos em virtude de danos sofridos em… Read more »

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Até acredito que tenham realizado o ataque (alguns ataque), mas não chegaram nem perto daquele porta-aviões. E eles não ficam nem vermelhos quando contam isso…

Abraços!

Azul&branco
Azul&branco
11 anos atrás

Vai ver confundiram os Nae com o petroleiro HERCULES, lembram??
Assim com San Luiz/kraken, este esquadrão merecidamente deveria denominar-se PÉGASO…

Cor Tau
Cor Tau
11 anos atrás

Não parecem orgulhosos ou felizes na foto~video……..Olhos Apáticos………

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

Feito extraordinário. Sim, ouvi falar na época que o ataque ao Atlantic Conveyor e ao Sheffield foram confundidos com o alvo Hermes, mas nunca tinha ouvido falar em um ataque ao Invencible. Parece real a história. Algum marinheiro inglês da época poderia confirmar este ataque? Um ataque como este provavelmente fez mortos, mas como os ingleses contabilizaram estes mortos, estranho. As famílias abririam a boca.

McNamara
11 anos atrás

A história chega a ser delirante. O tenente Vásquez foi atingido, seu avião explodiu, mas o motor caiu sobre o convés, penetrou pelo vazio do elevador de aeronaves e causou um grande incêndio… O Exocet atingiu rm cheio o navio que estava tomado por densas nuvens de fumaça negra…Mais seis bombas atingiram o convés do malfadado porta-aviões, pelo que diz o texto…PERGUNTA-1 Que navio suportaria tal número de impactos tão certeiros e devastadores, até mesmo o de um motor de A-4 que por uma fatalidade penetrou em local tão frágil do navio? PERGUNTA-2 Como o Invincible, inacreditavelmente estaria operacional, sem… Read more »

Jonas Rafael
Jonas Rafael
11 anos atrás

4a. maior? EUA, URSS, quem era a 3a.?

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
11 anos atrás

Os argentinos, apesar da perícia e coragem que tiveram em enfrentar a 4ª melhor Marinha do mundo na época, não chegaram nem perto daquele Porta-aviões.

Interessante é outra história sobre a quase derrubada de um DC-10 da Varig por um míssil Sea Dart e por um Sea Harrier ao ser confundido com um Boeing 707 da FAA, que visitava a esquadra inglesa de vez em quando. O DC-10 fazia a rota Joannesburgo-Rio. A história está na Revista Força Aérea, penúltima edição.

sds

Alexandre
Alexandre
11 anos atrás

Os argentinos eram tão incompetentes que nem uma pista para operação de caças foi construído nas ilhas. Se isso tivesse sido feito, poderiam ter mantidos os navios inglêses bem longe. Como não fizeram, os caças eram obrigados a decolar do continente. Tinham em média 5 minutos de operação em território inimigo. Tempo suficiente para serem abatidos. Incopetência de uma ditadura desesperada para se manter no poder e capaz de qualquer coisa para tentar ganhar apoio popular, inclusive invadir as Malvinas. Tiveram o que mereceram. Pena que com o sangue de jovens inocentes e mal preparados, como a maioria dos combatentes.

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Mestre Ostra…

em 1982 a terceira maior era a Royal navy sim…e nem estou incluindo os 4 SSBN da classe R da epoca.

Os japonicos nao tinham porta-avioes nem harriers nem mesmo os poucos porem necessarios navios de desembarque sem mencionar a RFA Royal Fleet Auxiliary.

Agora, hoje em dia, dá pena da Royal navy. E acham que estao fazendo bonito com 6 T45, alias, apenas um foi comissionado até agora.

abraços

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

E quanto aos submarinos, tá difícil. Falta muito para terminá-los. Pelo visto, suas carcaças ainda vão permanecer por muito tempo servindo apenas como monumentos à “incompetência administrativa” dos últimos governos.

O fato é que até hoje a Argentina não conseguiu se recuperar daquela guerra, militarmente (nem economicamente). Até o presente eles não conseguiram recompor suas forças armadas aos níveis anteriores ao da guerra. E nem sequer possuem crédito na praça para conseguir empréstimos internacionais.

Abraços!

AJS
AJS
11 anos atrás

Nunca na história daquele pais, foram repostas as 100 aeronaves perdidas no conflito.

Thomas D. Weiss
11 anos atrás

Uma bela estoria, feito corajoso – do qual a Argentina pode se orgulhar, sim, podemos dizer que o afundamento do HMS Invincible foi fundamental na rendicao das tropas Inglesas nas Malvinas. Se as Malvinas hoje sao Argentinas, pode se dizer que foi gracas a esta acao, mas nao podemos esquecer da grande contribuicao do General Menedez, que a bordo do Hermes, aceitou a rendicao dos Ingleses. Sao relatos como este, que nos traz a todos orgulho – a Marinha da Argentina afundou o Invicible ! imagens do Invincible,em 27 de Agosto de 1982, ao ser substituida pelo HMS Ilustrious pode… Read more »

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Jonas e Marcelo…

na verdade a Royal Navy é que era considerada a terceira marinha do mundo, talvez algum artigo tenha publicado erroneamente que a Royal Navy seria a quarta, lugar ocupado pela França mas a diferença entre ambas nao era tão grande assim.

De qualquer forma, a Royal Navy estava muito distante até mesmo da segunda colocada, a URSS.

sds

Angelo Nicolaci
Angelo Nicolaci
11 anos atrás

Thomas D. Weiss

As Malvinas não pertencem a argentina meu caro, ainda são as ilha Falklands, os argentinos estão pedindo devolta mas a inglaterra não devolve.

E a 3ª maior marinha é a Inglesa a quarta é a Francesa

Marcelo Ostra
Marcelo Ostra
11 anos atrás

Olha a 3a nao eh nem a francesa, nem a inglesa, é a JMSDF

quiça a 2a … .

( )´s
Mod MO

Rodrigo
Rodrigo
11 anos atrás

Perfeito Thomas D. Weiss!

Angelo Nicolaci, olha o que a Wikipedia diz spbre ironia:
A ironia é um instrumento de literatura ou de retórica que consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa, deixando entender uma distância intencional entre aquilo que dizemos e aquilo que realmente pensamos… Ela pode ser utilizada, entre outras formas, com o objetivo de denunciar, de criticar ou de censurar algo.

Alexandre
Alexandre
11 anos atrás

Perfeito mesmo Thomas. Incrível como tem gente que cai nessa. Acorda Nicolaci.

Thomas D. Weiss
11 anos atrás

🙂

Angelo Nicolaci
Angelo Nicolaci
11 anos atrás

Alexandre em 03 Ago, 2009 às 18:18

Perfeito mesmo Thomas. Incrível como tem gente que cai nessa. Acorda Nicolaci.

Eu estou acordado, só comentei pq tem gente aqui meio alienada, basta notar alguns comentarios em outros posts

ivan
ivan
11 anos atrás

Thomas D. Weiss Concordo! Brilhante sua avaliação! O afundamento da totalidade da Força Tarefa Britanica em 72 dias fez a vitória Argentina ser considerada a maior da História! Não sobrou um mísero marinheiro, um fuzileiro, um Ghurka para contar a História Tomaram as Falklands, rebatizaram de Malvinas e destruiram TODA a força tarefa…um feito glorioso! Na época o Governo Britanico, humilhado com o maior vexame de sua História resolveu desativar a Royal Navy. Ao menos temporariamente… E a “Junta Militar” Argentina deu mais umas 30 ou 40 medalhas para cada caudilho, e fim de que eles as usassem na assinatura… Read more »

Angelo Nicolaci
Angelo Nicolaci
11 anos atrás

só confirmando, á época da guerra das Malvinas/Falklands a RN era a 3ª marinha do mundo.

ivan
ivan
11 anos atrás

Angelo,

Na época de fato a Royal Navy e o Reino Unido tinham a 3a força militar do mundo.
Mas me lembro bem que a nossa Imprensa afirmou ser o Reino Unido “uma potência de terceira categoria” o que é bem diferente…

Marcelo Ostra
Marcelo Ostra
11 anos atrás

Dalton

ahhh tahhh

To falando de hoje em dia … nao de 82 …

Abs
Mod MO

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

A grande moral da história da Guerra das Malvinas, é que os heróicos pilotos argentinos, hoje são os comandantes da Força Aeréa, conforme vimos neste video do brigadeiro que na época da guerra era tenente do A-4. Nós brasileiros só podemos ficar tranquilos e ao mesmo tempo espertos de não brigarmos com os “hermanos”, pois não teríamos chance, com os velhos guerreiros aguerridos que fizeram história. Quase todas as naves inglesas foram atingidas. Se todas as bombas “burras” funcionassem 80% (oitenta por cento) da frota inglesa teria sido destruída. Não duvido do que disse este brigadeiro que merece todo nosso… Read more »

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo: no video do History Channel sobre a Guerra das Malvinas recentemente veiculado, inclusive anunciado neste blog, vários dos entrevistados eram pilotos que combateram os ingleses e hoje são comandantes da FAA.
Eu não gostaria de estar do outro lado, enfrentando estes veteranos que por terem ido à guerra, sabem como ninguém do que precisam e da moral com a tropa de elite que comandam.

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo 1: no video do history channel foi revelada a arma secreta argentina, “o competente reabastecimento aéreo”, que se mostrou eficientíssimo, com ações ousadas salvando pilotos quase sem combustível no retorno das ações nas Malvinas.
O Brasil só recentemente começou o reabastecimento, o que demonstra que sempre estivemos fracos para a guerra real e os argentinos estavam mais que preparados. Só não ganharam a guerra por conta da incompetente Junta Militar que governava e só sabia fazer política dos americanos. Quando foi necessário ir à guerra seu comandante na ilhas ocupadas mostrou-se incompetente para a guerra.

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo 2: Imaginem agora comandados pelos guerreiros da Guerra das Malvinas, quem seria o louco de enfrentá-los?

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

Em tempo 3: Creio que hoje os argentinos já solucionaram o problema das bombas e elas não seriam tão burras, fato que causariam estrago devastador no inimigo atual.

Wolfpack
Wolfpack
11 anos atrás

Mesmo nos tempos atuais a Inglaterra teria sérias dificuldades em uma campanha por uma eventual retomada da Malvinas dos Argentinos. Deve-se levar em consderação um mínimo de modernização dos meios de combate Argentinos. Uma operação no sul do Atlântico a milhas de casa e da ilha de Ascenção não é fácil nem nos dias de hoje com satélites, AV8B, Typhoons etc.

fullcrum
fullcrum
11 anos atrás

Peraí gente, nós temos reabastecedores desde a década de 70 se não me engano- KC 130,e depois vieram os 707, quanto a superioridade pela experiência, a vivência daquele conflito trouxe ensinamentos, mas a FAB de hoje é outra e os meios ainda que aquém do necessário, são muito melhores. Quanto a F.A.A ainda voam os Mirage III e os A-4 não são mais capazes que nossos vetores. A coragem e a experiência são diferenciais, mas o domínio da tecnologia são muito mais determinantes. É só uma opinião.

Dalton
Dalton
11 anos atrás

Em 1982 os argentinos encontraram apenas 80 militares britanicos nas Falklands. Hoje este numero é muito maior, estao melhor equipados, e li nao lembro onde que há muitas minas e outros aspectos defensivos que dificultariam uma invasao. Os avioes argentinos, mesmo que novos continuariam tendo o mesmo problema, falta de alcance para ficar muito tempo sobre as ilhas,e hoje em dia, os submarinos britanicos sao equipados com misseis de cruzeiro e poderiam em ultimo caso disparar contra o continente. Mesmo que os argentinos conseguissem enviar uma força de 10.000 homens novamente para a ilha, suprir esta força apenas com avioes… Read more »

Getulio - São Paulo
11 anos atrás

É verdade, os argentinos modernizaram parte de sua frota aerea. Os A-4 foram modernizados com uma versão do radar do F-16, portanto, não é pouca coisa, nós vamos de mectron/galileo, é bom mas não chega perto.
A marinha tem navios modernos. Estão se reequipando com os submarinos TR-1700.
E como não bobos, como já lutaram uma guerra, devem ter armas que desconhecemos.

Wilson Johann
Wilson Johann
11 anos atrás

Gente, a Argentina tá quebrada. Se não é a FAB emprestar “meia dúzia” de tucanos, eles não teriam nem com o que treinar. Seus aviões estão sucateados, parados, a maioria deles por falta de manutenção (peças e sobressalentes). Seus caças mais modernos são esses A-4 cedidos pelos americanos logo após a guerra. Foram reformados sim, mas lá já se vão quase vinte anos…

Abraços!