Home Noticiário Nacional Pacote italiano para a MB?

Pacote italiano para a MB?

215
49

vinheta-clipping-navalOs dois governos [Brasil e Itália] também discutem formas para compensar a excessiva aliança do Brasil com a França na área de defesa, em detrimento da Itália, apesar dos laços históricos e da forte colônia italiana no Brasil, principalmente ao sul do país.

Lula e Berlusconi deverão aproveitar a visita para formalizar a compra de dez navios para a Marinha operar na costa brasileira. Serão fragatas, navios patrulha e um navio multiuso de logística.

Outro acordo já foi firmado em dezembro passado, para a fabricação de 2.044 blindados para o Exército pela Iveco de Sete Lagoas (MG), subsidiária da Fiat italiana. O valor do pacote de blindados foi de R$ 7 bilhões, em 20 anos.

FONTE: Folha de São Paulo

LEIA TAMBÉM:

49 COMMENTS

  1. quando vamos parar de tentar agradar todo mundo e começarmos a nos estruturarmos como um pais decidido. que nã oabra as pernas no primeiro grunhido..

  2. Segundo se diz seriam as fragatas italianas da classe Carlo Bergamini (equivalente as francesas da classe Aquitaine -ambas projeto FREMM). Desloca 5.200 ton standart e 6.0000 ton full e usa duas turbinas LM-2500.

    A versão FREDA (Frégates de défense aériennes), é AA.
    Sue armamento é composto de 24 misiles MICA VL e até 32 Aster 30 em um lançador vertical. De maneira alternativa poderia levar 16 mísseis Aster 30 e 16 SCALP Naval para missões multirol.

    Outro ponto é que a classe francesa Aquitiane usa um heli embarcado e a classe italiana bergamini usa dois.

    Se for, a MB vai trocar os Exocet por Otomat ?? E o MAN -1 ??

    Sds.

  3. acho q ser vier a ser decidida essa opção essa questão do exocet, otomat ou MAN-1 deve ser decidida visando-se em fução da logistica

    achei muito precipitada essa visão da folha

    do nada acertar-se compra de fragatas, sem concorrencia?
    e as FREMM francesas, KDX-II e III, a alvaro de bazan, a de zeven provincien e a f-124 alemã?

  4. Baschera, existe a possibilidade de uma Andrea Doria ou de uns 2 Cavour estarem no pacote ? Apesar de achar que o cavour não teria utilização na MB pois opera jatos STOVL…
    Acredito que as FREMM deveriam vir como defesa de ponto e a MB desenvolver uma Barroso maior (sei que a MB abandonou o projeto da Barroso), uma com capacidade de defesa AA, utilizando o projeto da Barroso para desenvolver uma embarcação de maior tonelagem, até chegarmos a uma Type 45 da vida… viajei muito ?

  5. JA SABIA QUE ISSO IA ACONTECER O BRASIL GOSTA DE FAZER BESTEIRA VAI COMPRAR FRAGATAS E PORTA AVIÃO TIPO CAVOUR DA ITALIA DEPOIS FICA SE LAMENTANDO DAS ASNEIRAS QUE FAZ TENHO PENA DESSE PAIS SABE PAISINHO E ASSIM

  6. Nossa Rogerio quem fala besteira é vc. Se comprarmos esses itens vai ser muito melhor do que comprar dos franceses, só me falta agora fazerem toda aquela babaquice igual a compra de itens franceses. Se vc tem alguma prova vai na justiça e denuncia!! Se não por que não te calas?

  7. Rogério em 27 fev, 2010 às 20:13

    Rogério, as KDX-III tem preço exorbitante, acima de Us$ 1,2 bi a unidade. São AEGIS e dependeria de autorização dos USA.

    Sds.

  8. Baschera, é só sonho meu mesmo, acho as KDX-III e as Atago as mais lindas escoltas, mas como voç~e disse são muito caras e como os EUA regulariam o sistema AEGIS é agarrar os ASTER 30 mesmo.

    []s

  9. Caramba… que noticia maravilhosa pra nós amantes da MB, espero que seja verdade, agora alguem se atreve a citar números de Fragatas? por mim no minimo seriam 8 Fragatas Multi-Proposito (FREMM) e 4 AA (FREDA), como o amigo citou a diferença entre a Francesa e a Italiana esta nos 2 Helis da Italiana contra 1 da Francesa, e nos mastros, a Francesa é um pouco mas STEALTH, a Italiana tem uns mastros mas chamativos (visiveis), a Fremm Italiana é uma mini-HORIZON, NÃO CREIO, que a MB terá algum problema com os armamentos, poís estas Fragatas são “LEGOS”, acho que até entra o sistema BRAHMOS, que a MB andou visualizando com bons olhos, não arriscarei mas, bom que venha o melhor pra MB, só espero que em números suficientes, poís comprar 4 não substitui nem as que deram baixa.

  10. Parthenon,

    “por mim no minimo seriam 8 Fragatas Multi-Proposito (FREMM) e 4 AA (FREDA”.

    Se será um total de DEZ embarcações, incluindo UM multiuso logístico e patrulhas…não esperaria mais do que SEIS fragatas. E no máximo DUAS com configuração AA.
    Pena. Mas já é uma corrida contra o atraso que a MB vive.
    sds

  11. caraca essas fragatas dariam uma capacidade jamais obtida na MB.

    Eu prefiro as Carlo Bergamini doque as francesas…

    e com certeza virão os Otomat, mas me tirem uma duvida as 2 fragatas usam o ASTER E O MICA juntos, ou a frança usa o mica e a italia os aster??

  12. Perfeito. Franceses com subs; italianos com escoltas e creio que norte-americanos com os caças.Nenhuma dependência total a um só país em nome de nossa soberania!

  13. Se confirmar, mais uma vez a MB mostra profissionalismo e objetividade. Vazamento de poucas informações na imprensa, com os relatórios passando na mão somente de quem necessita e muito bem protegidos …

    Vou repetir, se a FAB bobear a MB vai adquirir antes os novos aviões para o SP, e sem alarde na imprensa …

  14. Confirmando a informação, acredito que a Marinha;ao contrario do que tem acontecido com o FX-2( muita discussão e pouca ação!); quer o quanto antes ativar a 2ªEsquadra brasileira com essa compra.

  15. Quem primeiro cantou a pedra foi o Fortuna no post sobre a presença brasileira no Conte de Cavour. Ele disse, no post, que seriam três fragatas, oito patrulheiros oceânicos e dois navios multipróposito. Um navio deste último tipo é um petroleiro ou um porta-helicóptero?

  16. Exceto o caso do S-2T que dura mais de 10 anos, a MB tem sido agil em suas escolhas.
    Espero ver em muito breve esta noticia se confirmando em assinatura de contrato……bem longe do tal FX.

  17. 4 fragatas para substituir a classe Greenhalg. 2 navios multipropósito seriam a recostrução do poder naval brasileiro.

    A minha preocupação é que isso não se transforme em mais um debate interminável sujeito à lobbyes e contra-lobbyes. Fora isso, apoio plenamente o governo brasileiro em distribuir a aquisição de armamentos em várias nações,adquirindo tecnologia (se bem que tenho alguns senões em relação a isso, já escritos aqui no blog).

  18. O ex-Iraque “Agnadeen” ainda existe ou o maçarico, aquela terrível arma antinavio, já “comeu”??? Se esse classe Strombolí ainda existe, apesar da idade, seria uma opção???

  19. Viva a hipocrisia !!!

    Todo mundo reclama que a MB nuca compra nada novo e bom, e quando compra todo mundo reclama por que não é o que queria. Repetindo…

    Viva a hipocrisia

    Viva a República !!!

  20. Melhor uma marinha de superfície “Spaghetti” do que “à francesinha”, apesar de que eu preferiria nvios de superfície “Made in England”

  21. “4 fragatas para substituir a classe Greenhalg. 2 navios multipropósito seriam a recostrução do poder naval brasileiro”

    Fabio, as 6 Niterois, são um pouco mais antigas que as Greenhalghs, portanto, estas futuras aquisiçoes,a principio serão apenas substitutos e não adiçoes.

    Que pese o fato de que serão navios mais modernos e eficientes, mas, por mais modernos que sejam, não podem estar em dois lugares ao mesmo tempo e precisam de periodos de manutenção.

    No minimo precisamos de 9 navios para começar a substituir a partir de 2016 as nossas 9 fragatas que estarão então com 40 ou quase 40 anos.

    Em 2002 contavamos com 16 escoltas e agora são 14, incluindo as
    corvetas/fragatas leves Inhaúma.

    sds

  22. A Marinha fazendo suas comprinhas na surdina.

    A Fab tem que aprender isso.

    Fico feliz com cada noticia de que a Marinha está se equipando melhor, espero que o negócio se concretize.

    Está na hora de equilibrar esse favoritismo Frances.

  23. Tomara mesmo que seja assim, os Italianos são excelentes construtores de navios de cruzeiro, navios esses estremamente complexos se comparados com uma unidade militar.

    Quanto aos números de receberemos, creio que MENOS de 12 unidades Andrea Doria na configuração de batalha naval, mais umas 4 AA, mais umas 4 na configuração anti-submarino, seria perda de poder naval no Atlântico Sul.

    Todas Andrea Doria, mas certo que se entra mais umas tres Cavour tá bom né!!

    http://www.marina.difesa.it/unita/cacciatorpediniere.asp

    Vamos sonhar gente!!!

  24. Pelo que entendi, seria algo como:

    5 NaPaOc Classe Comandanti
    4 FREMM (quem sabe 2 FREDA “AA”), apesar de preferir MULTI-PROPOSITO
    1 LHD de 20.000t

    Classe Comandanti:
    http://www.naval-technology.com/projects/commandante/commandante4.html

    Classe Bergamini (FREMM Italianas):
    http://base.mforos.com/770694/6996523-fragatas-made-in-italy/

    O problema é que com 4 unidade para Escoltas, em breve a MB teria que vir a adiquirir no minimo +6 Escoltas novos e/ou Usado.

    Bom, a MB esta dando de CHOCOLATE na FAB, pede pra sair! kakkakaa.

  25. Se essa compra se concretizar será uma cartada de mestre da MB, realizada sem especulações e grandes e intermináveis debates que só atrasam e dificultam as coisas.
    Espero que a assinatura do contrato de compra se realize o mais breve prossível.

    >>>> Sugestão: O blog poderia postar uma matéria com fotos e informações sobre os navios que se especula que serão adquiridos.

  26. A MB tinha é que fechar a compra de pelo menos um NAe italiano, novo, nos moldes do Cavour, para capitanear uma esquadra futura. (NAe italiano + Rafales)

    E ai o NAe São Paulo (já completamente reformado e modernizado) seria deslocado para a região amazônica formando uma segunda esquadra. (Nae SP + A4 modernizados).

    Já seria um avanço em relação ao momento deplorável da MB.

  27. Alguém sabe se esses navios também serão superfaturados a título de transferência de tecnologia?
    Algum deles seria construido no Brasil pela Andrade Gutierrez ou pela Camargo Correa?

  28. Pessoal,

    Pelas informações que a net nos dispõe, o sistema naval VL Mica foi encomendado por 2 clientes. Não se dizem quais são os clientes, apenas que um seria do Oriente Médio. (Arábia Saudita e suas La Fayette????????)

  29. Os meus amigos que me perdõem, mas essa abordagem do Lula às compras de armamento, parece coisa de merceeiro. O Brasil não merece tanta palhaçada em matéria tão delicada como a compra de equipamentos para as suas forças armadas.
    Tenho ideia que os processos sempre foram mais criteriosos, apesar de ser discutivel a compra de muito material usado. Mas agora essa cena de compra aos “amigos”, em que as compras são abertamente anunciadas como fazendo parte duma estratégia de alianças, não dá para entender.
    Já dizia o JÔ, “estão mexendo no meu bolso”.
    Saudações a todos.
    JG

  30. Dalton em 28 fev, 2010 às 13:52
    Se me lembro bem, no fim dos anos 90, as escoltas eram até em maior número, não?
    6 Niteroi
    4 Greenhalg
    4 Garcia
    4 Inhaúma
    Sendo 18 no total, confirme?
    Portanto, caso eu não tenha errado na conta, as futuras aquisições nem vão repor os antigos efetivos da Esquadra, mesmo com meios no estágio da arte, como vc mesmo citou.
    Sds

  31. “Somente 10 unidades para prováveis 4 fragatas, 5 navios patrulha e um tal navio multiuso de logística é demasiado pouco para o Brasil na era do Pré-Sal.” Retirado do site: defesabr

    5 Navios Patrulha??? Mas as patrulhas não seriam os nacionais de 500 Toneladas “Maracanã” produzidos no Estaleiro Ilha S/A de Belem/PA ????

    Pode ser que dentre as 10 aquisições não haja Navios Patrulha uma vez que esses seriam produzidos aqui dando continuidade aos 2 que já começaram a ser contruídos. Talvez dentre essas 10 aquisições possa haver um numero maior de Fragatas e outros tipos de navios, como os multipropósitos e talvez (o que eu não acredito) um Cavour, seguindo o plano da nova END.

  32. Parthenon , as FREDA tb são multiproposito, apenas tem uma enfase em defesa AA, provavelmente virão equipadas com o Aster 30 e 15 , enquanto as outras deverão vir equipadas somente com o Aster 15.

    Abraço.

  33. Rodrigo Rauta obrigado pela informção, não sabia desta variavel, muito grato mesmo. Bom então seria perfeitamente plausivel que as 4 escolta fossem FREDA.

    Continuo achando que vamos receber algumas navios USADOS, fora esta suposta compra de 10 unidades que Lula esta acertando, 4 Fragatas são irrisórias, e como já citado acima, viriam só para compor as baixas anteriores da MB, e se formos OBSERVAR o outo topico, com as fotos do amigo Galante do AMRJ, de verdade a SITUAÇÃO É PREOCUPANTE, 2/3 das Escoltas estão encostadas, e as que não estão encostada estão navegando com restrições, fora que a estrutura do ARSENAL esta DECADENTE e parecendo um complexo abandonado, faz-se notar que necessita de uma REFORMA URGENTE nas suas estruturas, aproveito e deixo aqui outra proposta pro amigo Galante, de uma materia sobre as estruturas do AMRJ e de Mocangue, ta feia a situação.

    Completando, acredito que a MB comprará mas navios usados, não sei se algumas OHP´s que estão pra serem desativadas agora no ano de 2010, e ou outros.

  34. Noel…

    sua conta de 18 escoltas está correta. Perdemos 5, incluindo a Dods
    de umas 4000 toneladas e as 4 “Garcias” de umas 3500 toneladas e
    adicionou-se a Barroso, que apesar de ser um avanço em relação as Inhaumas ainda assim desloca umas mil toneladas menos que as “Garcias”.

    O tempo médio de construção das novas fragatas é de 5 anos, portanto, se a primeira for iniciada em 2012, poderá ser entregue
    em 2017, a tempo de substituir a Niterói, se bem que mais idade, nem sempre significa pior estado.

    Com uma fragata sendo entregue por ano, poderemos ter 4 fragatas
    até 2020, mas as Greenhalghs estarão então com seus 40 anos também e a Inhauma estará então com 30 anos completos.

    Problema de D.N.A -data de nascimento antiga-em bloco para a marinha e como alguns aqui com maiores esclarecimentos já comentaram, navio velho = mais tempo parado em reparos= mais custos.

    Por isso a melhor solução seria a construção de 2 navios simultaneamente, para ao menos repormos as 9 fragatas antes de 2025,
    mas o meu palpite é tão bom quanto de qualquer outro, até porque
    planos “oficiais” podem sofrer alterações.

    abraços

  35. “Thiago em 28 fev, 2010 às 22:34
    5 Navios Patrulha??? Mas as patrulhas não seriam os nacionais de 500 Toneladas “Maracanã” produzidos no Estaleiro Ilha S/A de Belem/PA ????”

    Thiago, na verdade a embarcação líder da classe de Navios Patrulha de 500 toneladas chama-se Macaé, construído no Estaleiro Inace e entregue no final do ano passado (espera-se que o segundo da classe seja comissionado ainda esse ano) e outros já foram licitados.

    O que se especula sobre esses outros 5 navios patrulha de projeto italiano (conforme essa notícia da folha) é em relação a outra demanda da MB, de Navios Patrulha Oceânicos, de maior deslocamento e dotados de hangar / convoo.

    Se digitar Navio Patrulha Oceânico, NPaOc, ou OPV no campo busca do Blog, poderá ver mais matérias a respeito dessa necessidade e algumas das opções já aventadas.

  36. Dalton,

    Acredito que até 2020 sejam só 4 novas fragatas mesmo, quiçá 6.

    Substituirão tanto as Grenhalgh quanto as Niterói mais judiadas – senão todas as 9 dos dois tipos.

    Somando-se às Inhaúma (possivelmente modernizadas) e à Barroso (bem que poderiam construir mais uma…), teremos pouco mais ou pouco menos de 10 escoltas por volta de 2020, com sorte, sendo pouco mais ou pouco menos da metade delas de primeira linha e grande tonelagem (levando-se em conta minha variação entre 4 e 6 fragatas novas – embora um primeiro anúncio, se realmente houver, deva ser de apenas quatro mesmo, se tanto, mas posso estar errado em relação ao que sei a respeito).

    Construir e receber duas novas unidades de cada vez, dobrando o número de entregas aqui (desde que construindo parte da encomenda na própria Itália, o que a meu ver não teria nada de errado, embora politicamente “pegue mal”) não seria tecnicamente problema algum, na minha opinião. A questão é muito mais, a meu ver, a da priorização dos recursos para navios-patrulha e submarinos (entenda-se recursos de forma mais ampla, tanto orçamentários quanto políticos).

  37. Sabre, eu não escrevi que o estaleiro era em Belém, foi o Thiago, de quem reproduzi parte do comentário para responder.

    Como sugeri ao Thiago, há diversas matérias do Blog a respeito desses assuntos, que podem ser vistas usando o campo Busca do Blog, mas aproveito para adiantar estas duas a respeito dos NPa 500, especificamente:

    http://www.naval.com.br/blog/2009/12/12/fotos-da-cerimonia-de-incorporacao-do-npa-macae-a-marinha-do-brasil/

    http://www.naval.com.br/blog/2009/11/25/mais-um-npa-500-maracana/

  38. Tudo é muito lindo, pois o papel aceita tudo.
    A demora é tanta que os navios apodrecem no cais sem peças de reposição. Retiram de um para colocar em outro (canibalizam), vergonha. Se a brioza não abrir os olhos vamos ter que alugar navios para fazer PATNAV, como aconteceu no passado e estão jogados na BNRJ.
    O tempo não pára e se ficarmos a ver navios, vamos perder o suspender…
    Acredito que deveriam ser consultados os militares que operam os sistemas a bordo antes de se fazer MODTECs….desastrosas e ficamos nas mãos de terceirizados….
    Espero que antes de ir embora possa ver essa realidade…tão distante….
    “COMBATER, NAVEGAR, FLUTUAR…”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here