Home Aviação Naval Esquadrão VF-1 realiza treinamento em Natal e faz REVO com a FAB

Esquadrão VF-1 realiza treinamento em Natal e faz REVO com a FAB

24
69

DSC06340-copy-1280x960

vinheta-especialNo período de 15 a 19 de março, o Esquadrão VF-1 (1° Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque) se deslocou para a Base Aérea de Natal (BANT) com quatro aeronaves, sendo duas aeronaves AF-1A N-1021 e 1022 (Falcões 21 e 22) e duas aeronaves AF-1 N-1011 e 1013 (Falcões 11 e 13).

Esquadrilha Falcão

Durante o voo de ida, foi realizado adestramento de reabastecimento em voo (REVO), com o apoio da aeronave Hercules KC-130 da Força Aérea Brasileira, o Barão 62, do Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1/1 GT).

O reabastecimento em voo foi realizado sobre o Oceano Atlântico, ao longo da costa da Bahia e do Estado de Alagoas, durando aproximadamente uma hora, tempo necessário para reabastecer toda a esquadrilha.

REVO Esquadrilha Falcão_01 REVO AF-1 e AF-1A REVO Esquadrilha Falcão_02

Após a chegada a Natal, foram realizados voos de qualificação em navegação a baixa altura (NBA) e de adestramento de emprego de armamento ar-solo no estande de tiro de Maxaranguape.

As NBA consistem em voos de navegação tática a 300 pés sobre o terreno, empregando a velocidade no solo de 420 nós.

Durante a estada em Natal, o Esquadrão VF-1 foi apoiado pelo 1/4 GAv, Esquadrão Pacau, que colocou à disposição as suas instalações para o apoio operacional ao VF-1.

AF-1A N-1022 BANT CF Fonseca Júnior e Esquadrilha Falcão

No regresso à Macega, houve mais um adestramento de reabastecimento em voo, novamente com a participação do Barão 62, que além de prover combustível adicional para as aeronaves, também efetuou o transporte do material e do pessoal do VF-1, que apoiou toda a missão.

DSC06350 copy REVO Falcão 13 Falcão 13

Neste voo, uma importante marca foi alcançada, a de voo mais longo realizado por aeronaves AF-1/1A no Brasil, com a duração de 4 horas e 12 minutos.

REVO Falcão 22

A missão terminou com uma passagem baixa da Esquadrilha, sobre a Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA), coroando com sucesso esta missão, a qual não somente possibilitou a ascensão operacional de pilotos do Esquadrão, mas também um aumento efetivo no nível de adestramento do EsqdVF-1, além de ter contribuído para solidificar os laços de amizade e cooperação com a Força Aérea Brasileira.

NOTA do EDITOR: Só neste mês de março, acompanhamos durante a Passex os Falcões em exercício de ataque aéreo aos meios da Esquadra, operando com o USS Carl Vinson, realizando manobras de “low aproaches” e embarcando oficiais para atuar como LSO, visando o breve retorno as operações embarcadas no NAe São Paulo.

O inédito deslocamento e a marca atingida, são reflexos da dedicação e esforço de todos os tripulantes do VF-1 . Bravo Zulu Falcões!

69 COMMENTS

  1. Coisa linda. Fico imaginando a alegria dos pilotos em voltar a voar com mais freqência e participar desses exercícios. BZ

  2. Não deve estar sendo nada fácil manter esses 4 em vôo.

    E as turbinas dos A-4? Alguém sabe se já começaram a manutenção?

    Já há algum A-4 em São José dos Campos para protótipo da versão modernizada?

    S.A.

  3. E antes de mais nada. Parabéns ao Blog pelas fotos LINDÍSSIMAS dos nossos Falcões.

    Bravo Zulu para todos os envolvidos!

  4. Muito bacana!!!
    Parabéns para o BLog!!!!

    A primeira foto e a última ficaram excelente!

    Viraram meu wallpaper.
    Aliás, aqui nesse blog só tem fotos maneiras!!!

  5. Gostaria ver uma materia sobre o nosso NAe São Paulo quando volto como esta os texte ao mar e quando volta a pra valer mesmo ou sera sempre uma icognita….

  6. Fico muito feliz em ver essas imagens, sobre “voo mais longo realizado por aeronaves AF-1/1A no Brasil” mais em julho de 2009 eles estiveram em natal, houve escala, é isso?

  7. Lindas Imagens… vocês tem proporcionado as melhores imangens de nossa “MB”… nunca tinha reparado que nossas niteróis são tão belas! Agora vem estas belas imagens de nossos falcões!

    Parabéns galera! Meu olhos se enche e meu monitor mais uma vez agradeçe!

  8. Fico imaginando se a FAB não tivesse tido a crise de imaturidade que teve nos anos 60, como estaria a nossa aviação naval hoje. Espero que aqueles que jogaram terra nos planos da aviação de asa fixa naval estejam bem enterrados, debaixo de 14 palmos de terra, para não atrapalhar esse ressurgimento, que está contando com a ajuda de mentes mais abertas na FAB atual e que só tende a melhorar o relacionamento da MB e da FAB.

  9. É MAIS QUE EXCELENTE VOLTAR À TREINAR FORTE.
    PARABÉNS MARINHA E FAB PELA INTEGRAÇÃO. QUE O NOVO AVIÃO ESCOLHIDO NO FX-2 VENHA TAMBÉM EQUIPAR A MARINHA E LOGO.

  10. Belas fotos 😀 …
    Melhor eles no ar do que no chão…agora é aguardar o A-12 voltar ao mar.. e manter a doutrina até os próximos PAs chegarem.

    []’s

  11. Galante: Um colega forista (não me lembro do nome) sugeriu ao blog do Poder Naval uma matéria sobre a situaçao atual do PA São Paulo (a falta de informação é toal.) Acho a idéia do colega mais válida agora, que os AF-1 vêm se exercitando continuamente. Parabéns pela matéria e pelas ótimas fotos dos A-1 em seu deslocamento para Natal.

  12. Marujo, não há falta total de informação, quem acompanha o Poder Naval sabe como está o NAe São Paulo. A informação pode não estar em post, mas aparece em comentários.

    O NAe São Paulo passou por uma grande reforma (temos vários posts aqui falando disso) e agora está fazendo os últimos ajustes nas máquinas.

    Mas vamos trazer informações mais recentes, com certeza.

  13. Bozoh

    Acho que ele se referiu a infos genericas e não no blog

    Por advento do treinamento do VF 1 ele sugere a materia no momento por serem assuntos digamos correlatos

    MO

  14. Quantos aviões deste a Marinha tem e quantos estão operacionais? O que compreende a modernização?

    Estes A4-1 são supersônicos e quais as sua características principais?

    Aqui poderia fazer uma matéria sobre estes A4-1!!

  15. Prezados,

    Manobras como esta são muito importantes para mantermos o aprontamento de nosso pessoal e equipagens.
    É preciso agora a continuidade disso, para desenvolvermos uma doutrina de emprego de aeronaves embarcadas eficiente e eficaz.
    O próximo passo seria a escolha de um CDF. Fontes internas no comando da Marinha dão conta que isso já está sendo levado a cabo e muito em breve teremos surpresas.

    Sds.

  16. Parabéns aos marinheiros pela missão e também aos Fabianos pelo apoio dado principalmente do Barão 62.

    Grande abraço

  17. Sensacional as fotos!
    Parabens ao blog pela matéria e pelas fotos!
    Parabens a MB e a FAB pela obra.
    E parabens aos pilotos! Recordes são feitos para serem quebrados!

    Abs! E bons treinos aos Falcões!

  18. Alexandre GRS,

    Não me surpreenderia se após o anúncio da compra dos Rafales B e C pela FAB a Marinha informasse que também irá adquirir 12 ou 16 Rafales Navais + opção de compra para completar 24 unidades!

    Seria excelente!

    80% das peças do rafale e 95% dos sistemas são comuns entre as versões Convencional e Naval!

    Treinamento de mecânicos, etc, praticamente igual entre FAB e MB!

    Treinamento básico de pilotos poderia ser feito na mesma escola de formação!

    Compra de peças e armamentos comuns!

    Muito + economia e eficiência!!!

    Venha logo Rafale!!! 😀

  19. Ah Piramboia.. ta de brincadeira.
    Dá uma olhada no site defesa área, e veja a história de desenvolvimento do F-2 japonês e veja se a transferência de tecnologia americana funciona.
    Depois de assinado o contrato, foram 5 anos para definir só a transferência de tecnologia. Isso de um país parceiro econômico e militar americano, que garante a segurança da tecnologia sensível.
    Vc realmente acha q eles vão repassar alguma coisa importante para nós? No máximo a tecnologia supersonica pra montagem de asas.

  20. RODRIGO BR, PIRAMBOIA E SXMARCOS

    VAMOS DEIXAR ESSA DISCUSSÃO DE F-X2 PARA O BLOG AÉREO, E EM MATÉRIAS ESPECÍFICAS DO F-X2 POR LÁ, OK?
    HÁ MUITO O QUE SE FALAR SOBRE ESSA MATÉRIA ALÉM DESSA ONIPRESENTE DISPUTA DE CAÇAS. SOLICITAMOS A VOCÊS E AOS DEMAIS LEITORES QUE NÃO TRAGAM O F-X2 PARA ONDE ELE NÃO FOI CHAMADO…

  21. Estou sendo pragmático. Vão se passar 20 ou 30 anos e os SH continuarão operacionais e de forma plena. Os exemplos de caças estão aqui conosco: o F-5 e o A-4, antigos e operacionais. A tecnologia nos será repassada de uma forma ou de outra. Outro grandioso exemplo é o Irã: a maioria dos seus caças é de origem americana. Uma pergunta: existe caça mais complicado de se utilizar como o F-14, sendo o Irã o ÚNICO cliente estrangeiro e o Tomcat não ser mais produzido? Apesar das limitações, continuam a utilizá-lo. O F-5E é a espinha dorsal juntamente com os Phantons. Outro questionamento: apesar de terem ainda muitos anos pela frente e terem sido entregues posteriormente, porque o Chile deixou os seus Mirage 5 e 50 e manteve os seus F-5E Tiger III? Repito: puro pragmatismo. Além do mais, o SH da FAB terá quase 100% de comunabilidade com o da MB, não precisará sofrer alterações estruturais. Lembre-se que os nossos Skyhawks não precisaram passar por muitas alterações para serem utilizados em um Navio Aeródromo.

  22. Acho que a MB deveria aproveitar a brecha da Boeing e buscar algumas celulas do Hornet F-18C/D, ou no futuro investir no Sea Gripen, se ele sair do papel.

  23. As fotos….sem comentarios!!!!!!

    É muito bom ver nossos “galinhos de briga” tirando a poeira, lixando a ferrugem e queimando oleo!!!!!!

    Parabens ao comando da aviação naval! Tirando de onde não têm para se manter com o que têm!!!!!!
    Cada vez que leio alguma noticia do VF-1, principalmente quando referente a capacitação dos aviadores, eu fico muito orgulhoso e esperançoso num futuro um pouquinho melhor!!!!

    Antes Skyhawk voando, do que Hornet no chão por problemas na asa!!!!!

    Só falta o Opalão (como diz alguns blogueiros) saindo da poça (como chamava a Bahia de Guanabara quando ainda morava no RIO) passando a Lacraia (ponte Rio-Niteroi) e seguindo para o Horizonte em livre navegar!

    um abraço!

  24. Alguém saberia dizer quanras horas os pilotos estão fazendo por ano. Li certa vez que o mínimo necessário para se manter a proficiência na aviação de caça era por volta de 150 a 200 hrs por ano. Abraços

  25. Chalenger, segundo os próprios pilotos da US Navy, os F18C/D estão sendo voados até o talo. Eles vão moer eles para depois descarta-los no deserto. Alias, os que lá estão , estão todos com suas células estouradas. Todos os limites foram ultrapassados.
    Segundo o piloto com quem conversei( F18C), se fosse ele, não compraria nenhum deles.
    Portanto, se nem o propenso vendedor diz que é bom, porque iriamos neste caminho?

  26. Como se nota, a aviação naval da MB não vive sem a FAB, motivo pelo qual acho que o colega Clésio Luiz não deveria buscar remoer velhas disputas. E os francófilos não deveriam ousar acirrar disputas entre as duas forças. É, no mínimo, contraproducente.

    Parabéns ao Naval pelas belas imagens.

    Sds.

    PS: melhor avião para a a aviação de asa fixa da MB? Su-34. Mas sem Opalão: esse pode ficar com os A-4 até o final dos tempos, uma vez que a Marinha se recusa a abrir mão de seu caro brinquedinho…

  27. “Vader em 30 mar, 2010 às 8:01”

    Aviação naval de asa fixa sem Porta Aviões? Esse teu pensamento é um pouco incoerente.

    Concordo com vc de que acordo com a doutrina da MB de defesa do litoral, o SU34 seria plenamente capaz de cumprir a função muito melhor do que o Nae São Paulo com os seus Sky Hawks porém para um país que almeja um banquinho no CS da ONU, um porta-aviões devidamente operacional é peça chave, tanto para missões humanitárias (vide Carl Vinson) como para missões de paz.

    Se a aviação naval fosse criada para ficar full-time em bases terrestres, não precisaríamos de aviação de asa fixa na MB, pois a FAB cumpre bem o papel de defesa do território.

    P.S.: É hipocrisia falar que a aviação da MB não vive sem a FAB, pois o principal motivo da precariedade do VF-1 foi por causa da série de barreiras e impedimentos criados pelos brigadeiros desde a década de 60. Fico feliz com essa aproximação e espero que em breve possamos contar com aviação de respeito em ambas as forças

  28. Realmente uma máteria abrangente sobre a NAe São Paulo (capacidades e doutrinas) seria de grande valia. Fica aí a solicitação ao Poder Naval.

  29. Acho interessante a MB comprar uns 5 ou 6 Rafales para operar no SP e, quando trocar de PA, já dimensiona-lo pensando nas naves que o operarão. Aliás, a catapulta lateral do SP já esta ok ou ainda não acabaram ?? Se não, há previsão ?

  30. Seria mesmo interessante e bastante proveitoso para os pilotos a participaçao do VF-1 na Cruzex, alem de marcar mais um passo para a
    solidificação dos laços de amizade e cooperação com a Força Aérea Brasileira.
    Porem, infelizmente acho muito pouco provavel que isso ocorra.

  31. LBacelar em 30 mar, 2010 às 9:28

    “Aviação naval de asa fixa sem Porta Aviões? Esse teu pensamento é um pouco incoerente.”

    Não, não é incoerente e você mesmo explicou porque: “Concordo com vc de que acordo com a doutrina da MB de defesa do litoral, o SU34 seria plenamente capaz de cumprir a função muito melhor do que o Nae São Paulo com os seus Sky Hawks”

    “porém para um país que almeja um banquinho no CS da ONU, um porta-aviões devidamente operacional é peça chave, tanto para missões humanitárias (vide Carl Vinson) como para missões de paz.

    Quem almeja “banquinho no CS”(sic)? O país? A nação brasileira? Ou o Grande Timoneiro e sua “tchurmitcha”, pra continuarem com suas bravatas e pagando seus micos em nível mundial? A nação brasileira não tem a menor condição (ou vontade) de fazer nada no CS da ONU, a não ser discursos. Somos um “rotweiller sem dentes”, como alguém bem definiu. E ninguém dá valor a cachorro que ladra mas não morde. Muito menos as grandes potências que integram o CS.

    No mais, o exemplo é péssimo: o USS Carl Vinson é uma máquina de guerra e não um navio de socorro (aliás Forças Armadas são para a guerra, não pra socorro de necessitados); só foi pro Haiti porque por um acaso estava por perto, senão jamais a US Navy teria se dado o trabalho de destinar um Porta-Aviões nuclear Classe Nimitz, a mais poderosa máquina de guerra que jamais existiu, para tal tarefa. Para socorro dos coitadinhos mundo afora há outros navios que cumprem a tarefa muito melhor do que um porta-aviões (vai bombardear os miseráveis por acaso? rsrs). E nem precisam ser navios militares.

    Por fim, pra que serve o falido CS da mais falida ainda ONU? Pra rigorosamente NADA: quando os EUA quiseram invadir o Iraque foram e invadiram sem nem querer saber o que pensava o tal CS. Idem Israel, se precisar atacar o Irã, vai mandar o tal CS pra casa do capeta. O CS da ONU é “bom-para-nada”.

    A verdade é que essa história da República Bolivariana do Brasil ocupando vaga permanente no CS da ONU só é ambição ridícula das esquerdas da América Latina. De mais ninguém de bom senso, dentro ou fora do Brasil.

    “Se a aviação naval fosse criada para ficar full-time em bases terrestres, não precisaríamos de aviação de asa fixa na MB, pois a FAB cumpre bem o papel de defesa do território.

    MUITO BEM DITO!!! A FAB CUMPRE BEM O PAPEL DE DEFESA DO TERRITÓRIO! Só que é missão da MARINHA DO BRASIL defender nossa costa, nosso mar territorial e nossa plataforma continental! E fazer isso NEGANDO O USO DO MAR AO INIMIGO (conforme a END) e não “projetando poder”, função ÚNICA de um NAe!

    “É hipocrisia falar que a aviação da MB não vive sem a FAB, pois o principal motivo da precariedade do VF-1 foi por causa da série de barreiras e impedimentos criados pelos brigadeiros desde a década de 60”

    Rá, agora a culpa da Marinha do Brasil ter os imprestáveis A-4 Skyhawk é da FAB??? E PIOR, DESDE A DÉCADA DE 60???? Oras, e eu que achava que os A-4 Skyhawk só foram adquiridos em 1998…

    Hipocrisia o escambau! Manda a Marinha fazer REVO sem a FAB então!

    Não sou nem nunca fui favorável a essa disputinha ridícula entre MB e FAB, muito pelo contrário. Mas sou favorável a que cada uma cumpra o seu papel, para o bem do país. E pra MB cumprir sua função de “negação do uso do mar pelo inimigo” (by END), ela vai precisar abrir mão de seu patético brinquedão e adquirir aviões de verdade (inclusive um para REVO, se o caso) e não A-4 Skyhawk da década de 50, sob pena de, quando o primeiro mastro inimigo surgir no horizonte, a FAB ter de se desviar da missão dela para fazer a da Marinha, pra vergonha eterna desta última.

    Sds.

  32. Obrigado Corsário.

    Se o problema com os motores já não é mais problema, saberia, por gentileza, me dizer quantos A-4 estão operacionais?

  33. fab e marinha tem que adquir rafale lhe dariam integaçao de caças de doutrina!!!!é lovavel essa integraçao entre fab e marinha!!!sem disputa mas trabalhando juntos para garantir nossa soberania nacional!!!!o brasil tendo sua forças armadas bem treinada e equipada outros paises vao pensar duas vezes antes de invadir!!!é integaçao das nossas forças armadas para proteçao das nossas amazonias!!!eu espero que com integraçao e com end á defesa nacional seja politica de estado!!!nao de governo!!!que investir nas forças armadas é investir no desenvolvimento do brasil

  34. A questão aeronaval brasileira tem um relato muito interessante pelo lado naval no livro “O Vôo do Falcão Cinza” de autoria do Cmt Lynch (comprei na lojinha do Museu Naval-RJ).

    Mas este triste e morto episodio com certeza tem duas mãos, inclusive as altas autoridades da Aeronáutica (Aviação Naval + Aviação do Exercito) na época em sua maioria eram originarias da Marinha.

    E a bem da justiça no próprio livro do Cmt Lynch ele cita que na década de 1990 um dos maiores incentivadores, apoiadores e facilitadores do ressurgimento da Aviação Naval foi o Ten Brig do Ar Lélio Viana Lobo, então Ministro da Aeronáutica que se comprometeu a disponibilizar o que a Marinha necessitasse e nesta época, as FFAA estavam sendo lentamente sufocadas pelo Sr FHC.

  35. Bronco eu “saberia sim” mas não posso te dizer isso, pois é uma coisa que não se diz por ai, principalmente em Blogs.
    Seria a mesma coisa perguntar:
    Quantos misseis Seaskua a MB tem?
    Quantos Exocet?
    Quantas balas de M-16 os FN tem?

    Existem informações que podem parecer bobagem ou besteira, mas que não devem ser passadas nunca.

    Mas, pelo que vc viu nas imagens, dá para ficar contente, não?

  36. Corsario,

    Ok, não insistirei. Rs

    Sim, dá pra ficar contentíssimo. Mesmo porque no final do ano passado outros 4 A-4 já tinham ido à Natal (não lembro as matrículas, mas os biplace parecem ser os mesmos). E porque foi, salvo engano, o primeiro treinamento real com armamento ar-solo.

    As coisas estão caminhando a passos lentos, mas estão caminhando.

    Como diz meu pai: “o importante é andar pra frente”.

    Mas pra ficar feliz mesmo, falta o A-12 plenamente operacional.

    Estava previsto para o fim de março, já é dia 30 e ele permanece no AMRJ.

  37. Parabéns pelo novo formato do blog e pela qualidade das fotos, com o logo do Poder Naval. Fica parecendo uma revista impressa, o que, a meu ver, aumenta a apreciação da matéria postada.

  38. corsario01 disse:
    30 de março de 2010 às 19:37

    Bronco eu “saberia sim” mas não posso te dizer isso, pois é uma coisa que não se diz por ai, principalmente em Blogs.
    Seria a mesma coisa perguntar:
    Quantos misseis Seaskua a MB tem?
    Quantos Exocet?
    Quantas balas de M-16 os FN tem?

    Existem informações que podem parecer bobagem ou besteira, mas que não devem ser passadas nunca.

    Nao creio que seja objeto de tao grande segredo assim, como defendes. Por exemplo: a MB adquiriu tempos atras quatro unidades do missil Penguim. Como anteriormente esse missil nao figurava no invetario dela, concluimos que ela possui apenas 4 deles.

    Ou seja, talvez algumas coisas podem ser ditas “por ai” sim.

  39. Fico muito contente com com esses exercicios, é uma integração muito boa para nossa forças armadas. E que venha mais operações e de maior amplitude.
    abraços.

  40. FICO LOUCO DE SABER QUE ESTES FAZEM MILAGRES…PELO POUCO QUE CONHECO TEM POUCOS MATERIAIS, POUCO CONHECIMENTO POR FALTA DE INVESTIMENTO DA PROPRIA MARINHA OU ESQ SEI LAH, E AINDA ELES FAZEM ESSAS AERONAVES VOAR SEM ER OCORRIDO NEM UM ACIDENTE AINDA, PARABENS FALCOES TOMARA QUE UM DIA ALGUEM RECONHECA O VALOR DE VCS MECANICOS, POIS SE ESTAO VOANDO SAO PELOS PILOTOS….E SIM PELOS MECANICOS, PARABENS VCS SAO MILAGROSOS…..

    (Nota dos Editores – MO) AMEM, mas não precisa gritar !

  41. Não sou militar devemos deixar as coisas acontecerem sem serem muito divulgadas, pois poder militar é como uma cobra cascavél que impoe respeito aos inimigos devendo ficar de tocai observando e analisando a situação e quando necessário sai para dar o bote.

  42. Cláudio

    seria vc parente distante de Sun Tzu ?

    Filozofico isso, … manda o curriculo para a EGN …

    MO

    PS .. nada acontece por acaso … ainda bem que não és militar, a força agradeçe !

    Ahhhhhhhhhhhhhhh claro, por via das duvidas:

    Instituto Butantã
    http://www.butantan.gov.br
    Avenida Vital Brasil, 1500
    São Paulo – SP, 05503-000
    (0xx)11 3726-7007

  43. Respondendo a Gutex, digo, segundo palavras do ministro da defesa, que os aviôes da nossa marinha estarão participando da próxima Cruzex.Quanto a pergunta de nosso outro amigo, quero dizer que li na semana passada em uma reportagem sobre a Embraer e os aviôes que estão por lá sendo modernizados dá presença de três unidades do VF1 no pátio daquela empresa. Na referida repotagem não é revelado o tipo dos aviões, se são AF-1 ou AF-1A.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here