sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab Naval

Aeronavale completa 100 anos

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

super_etendard_et_rafale

vinheta-especial100ansEm 1910, alguns meses após Louis Blériot atravessar o Canal da Mancha a bordo do Blériot XI, a Marine Nationale já estava enviando sete oficiais para realizar o curso de piloto de avião junto aos fabricantes da época.

Em dezembro, um Farman foi adquirido e se tornou a primeira aeronave da marinha. A Aeronavale havia nascido mas, somente em 1912, ela foi oficialmente criada por decreto do Presidente da República.

farman_50

Em 12 de março de 1920, o lieutenant de vaisseau Teste, decolou pela primeira vez com um biplano Hanriot HD2 do Bapaume, porém, este se mostrou inadequado para os testes de pousos, pois era pequeno demais.

Teste_HarriotHD2

Teste_Bapaume

Em 13 de janeiro de 1920, um projeto de lei apresentado pelo Ministro da Marinha, George Leygues, propôs a conversão para porta-aviões do encouraçado Béarn, que acabou se tornando o primiro porta-aviões francês.

Bearn_premiere_photo 1935

Enquanto isso, os dirigíveis iam desaparecendo gradualmente e os aviões e hidroaviões, faziam grandes avanços tecnológicos, mas os seus papeis exatos nas operações navais ainda eram bastante incertos.

Em 1940, a aviação naval participa das primeiras batalhas da guerra, sofrendo consideráveis baixas.

Em 1945  recebeu dos aliados equipamentos que foram utilizados também nos anos cinquenta, que incluia quatro porta-aviões, justamente no período em que encontrava envolvida nos conflitos na Indochina e na Argélia, onde novamente, sofreu pesadas perdas.

A partir de 1955, e de melhores condições econômicas, tem início um programa de modernização da Marinha francesesa e é iniciada a construção dois porta-aviões do design francês.

Em medados dos anos sessenta, a aviação naval começa a se renovar, agora com equipamentos de fabricação francesa, como o caça Étendard, o Atlantique para patrulha marítima, o Alizé de reconhecimento e o helicóptero pesado Super Frelon .

alize_2

O Clemenceau e Foch entram em serviço em 1961 e 1963, respectivamente, e desde então, a maioria dos equipamentos são de concepção e fabricação francesa e modernizados regularmente para manter uma força aeronaval moderna e capacitada.

Rafale

O porta-aviões nuclear Charles De Gaulle, o caça Rafale e o helicóptero NH90, recentemente adquirido, são os meios mais modernos a sua disposição.

nh90_simulation_de_haut_vol_2

A Aeronavale possui hoje, 211 aeronaves e 6.747 tripulantes, entre civis e militares.

Como força orgânica da Marine Nationale, ela é constituída de quatro componentes, que são:

  • Le groupe aérien embarqué (GAé) sur le porte-avions ;
  • L’aviation de patrouille et de surveillance maritime ;
  • Les hélicoptères embarqués  e
  • L’aviation de soutien.

dauphin_de_nuit

Alouette III

lynx_jpg

As comemorações deste 13 de junho de 2010 serão na BAN Hyéres, com a abertura dos portões ao público as 10:00hs, e contará com exposição estática de 110 aeronaves, da própria Aeronavale e também estrangeiras, demonstração aérea e voos pagos em aviões e helicópteros.

No mar, ainda poderão ser vistos na baía de Hyéres, 8 navios de guerra, sendo eles: PAN Charles De Gaulle, Fregate Forbin, TCD Foudre, o USS Harry S. Truman, USS Normandy, RFA Argus, a fragata alemã Hessen e o porta-aviões espanhol Príncipe de Asturias.

affiche_nue


- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luan

Vida longa a Aeronavale!

Se a Alemanha deixar é claro.

[]’s

Tomcat

“L’aviation de soutien.”

Poderia ter um desfile de aviões de sutiã!!!

Me desculpem, o trocadilho foi inevitável 🙂

Dalton

A ajuda francesa á Revolução americana foi de natureza economica e naval principalmente…as maiores batalhas terrestres foram vencidas pelos colonos americanos e pelo exercito continental. A ajuda francesa tornou a vitoria sobre os britanicos mais rapida, mas a vitoria teria ocorrido da mesma forma, a guerra era impopular e estava causando um grande rombo nos cofres britanicos. Não se pode esquecer que os franceses também se beneficiaram já que era interessante para eles ter grande parte das forças britanicas, terrestres e navais, “presas” no continente americano. Por sua vez, a entrada dos EUA na Segunda guerra foi decisiva não apenas… Read more »

pacau

Será que os Super-etendards, que estão sendo substituidos pelos rafales, teriam alguma condição de voo quando da baixa?

Pois li em alguma lugar por aqui, que dos aviões disponiveis no mercado hoje só eles e o A-4, tem codições de operar no São Paulo…

Seria uma boa para nossa força?

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

IACIT apresentará na Mostra BID Brasil tecnologias únicas existentes no país

Empresa com mais de 35 anos de história é referência em soluções de ponta que podem contribuir para...
- Advertisement -