Home Marinha do Brasil A volta dos Trackers

A volta dos Trackers

477
73

Conforme notícia veiculada pelo site da ALIDE, a Marinha do Brasil estaria muito perto de concluir o longuíssimo processo de obtenção dos aviões embarcados Grumman S-2 que serão operados pelo novo Esquadrão VR-1.

Quatro células de S-2 Tracker com motores radiais foram obtidas na Austrália para modificação para S-2T com motores turboélices Garrett pela maior especialista neste tipo de conversão no mundo, a empresa americana Marsh Aviation. A Marsh já inspecionou estas células e se pronunciou favoravelmente para seu uso.

Em paralelo, outras oito células de C-1 Trader (versão COD – “Carrier Onboard Delivery” do veterano Tracker) ex-U S Navy, foram localizadas em bom estado nos EUA. Os Traders apresentam uma fuselagem diferente, com maior volume interno, que o Tracker original. Apenas quatro destes Traders serão recuperados  e remotorizados para a MB, os demais sendo usados como fontes de peças.

Um outro S-2 da Armada Uruguaya será adquirido também como fonte de peças, junto com uma grande quantidade de peças de reposição para S-2 que aquela força dispõe em seus estoques. A idéia é que este material será trocado por serviços como o PMGA (inspeção de grande monta), recuperação de ítens e treinamento de tripulações uruguaias para o Esquilo Bi doado pelo Brasil há alguns anos.

Os Trackers ex-Austrália receberão novos sistemas de radar, de navegação e de comunicação e passarão a realizar a missão de AEW – Alerta Aéreo Antecipado para o Grupo Tarefa do São Paulo. Os Traders, por sua vez, serão usados para transportar pessoal e material entre bases em terra e o Navio Aeródromo. Adicionalmente, esta versão será responsável por reabastecer em vôo os caças embarcados A/F-1 Skyhawk da Marinha do Brasil.

A Royal Australian Navy empregou dois esquadrões de S-2E e de S-2G (o VS-816 e o VC-851) entre os anos de 1967 e 1984.

FONTE: ALIDE

73
Deixe um comentário

avatar
71 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
39 Comment authors
celsoairacobranandoFernandoLeandro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Nick
Visitante
Nick

Apesar de ser uma boa solução para o A-12, ver eles voando lembram aquele filme de “De volta para o futuro” … Parece que estamos na década de 50/60 (A-12, A4 e agora esses S-2)

Como solução “tampão” ok, mas… não seria interessante financiar o desenvolvimento de um VANT embarcado com capacidade AEW e operando por data-link? Poderia ser uma parceria CTA/AVIBRÁS/MB e FAB….

[]’s

MatheusTS
Visitante
MatheusTS

Puts aleluia um Grupo completo de aviação fiquei até felis estraga não MB tem tudo pra ter um PA A-4 modernizados S-2 modernizados Helicpteros novos daqui a alguns anos.
VANT não seria ma ideia nem precisariamos faselo poderiamos comprar um e modificalo ou comprar para isso.
Como esta o armamento de defesa o A-12 Canhões radares misseis teria como alguem enviiar tudo isso?

jose henrique mendes
Visitante
jose henrique mendes

Não sei se estou falando besteira, se estiver por favor me corrijam, será que daria para por no A12 uns VIKINGS para serem reabastecedores e AEW em vez dos S-2T.Abraços do José Henrique.

Thiago
Visitante
Thiago

Ótima notícia, com isso a MB vem dando exemplo às outras forças, principalmente à Aeronautica.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

José Henrique Mendes:

Consta que a MB recusou Viings que os EUA queriam ceder de graça porque:

a) Muito caros de operar;
b) EM péssimas condições, teriam que er recuperados a custo tb alto;
c) Pesados demais para decolar do Opalão!

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

José Henrique Mendes e Fábio Mayer,

Esse assunto já foi objeto de debate aqui no Blog em mais de uma matéria. Digitando “Viking”, assim como “Tracker” no campo busca, vão aparecer matérias com comentários interessantes.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

Se esse aviões vierem com aviônica moderna e equipamentos no estado da arte, terão grande valia.

Como um colega forista disse aí em cima, o Opalão teria, em 4 ou 5 anos, uma dotação aérea completa (aviões de serviço, de salvamento, de AEW e de caça-bombardeio + helis) já poderi operar em qualquer lugar do mundo, dentro desse desejo brasileiro de influir globalmente.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

EU já havia sugerido para o Opalão uma aeronave diferente:

Um grupo e aeronaves de patrulha e combate (uma navalizaçã di super-tucano) para uso em baixa altitude a partir de PA, com efeito de patrulhar mares territoriais.

O PA em determnada zona de nossos mares territoraism fazendo varredura em 360 graus à sua volta com aeronaves assim… mesmo que fosse em apenas uma parte no noso oceano a cada tempo, teria grande efeito de patrulha!

airacobra
Visitante
airacobra

ate que enfim… sei que muitos vão descer o pau falando que o s-2 eh velharia e tal, mas eh isso ai, vamos ao menos operar alguma coisa e obter doutrina aew para a MB, só um mero detalhe, para a função aew o vetor (desde que seja asa fixa) não influencia muito, sendo o mais importante a eletronica no estado da arte embarcada, isso ja foi provado por a+b ha muito tempo, de que adianta ter um vetor mais recente e mais caro com sensores aquem Matheus TS quanto a sua pergunta, o A-12 conta atualmente com 3 lançadores… Read more »

Aldo Ghisolfi
Visitante
Aldo Ghisolfi

Quantos serão os Trackers?

Thiago: também penso assim, e continuo perguntando -sem resposta- porque a FAB está licitando o FX2, se não há necessidade disso?

Jose Henrique Mendes: acredito que sim; e tecnologia -apesar de não ser das mais modernas- e o custo dos Vikings?

Esse Trackers existem em grande quantidade nos depósitos secos dos desertos norte-americanos, nem sei porque a MB está fazendo estas compras tão diversificadas assim.

marujo
Visitante
marujo

Deveria ter uma versão do Tracker especializado em detecção e combate a submarinos. Por causa de seu maior alcance, operariam mais longe do PA do que os helicópteros ASW embarcados.

airacobra
Visitante
airacobra

saludos nunão

está proximo o dia em que veremos o SP operando com um grupo aereo ao menos respeitavel (em termos), e depois que passarmos a treinar os chineses pode ser que role uma parceria em desenvolvimento de NAe em conjunto, ou ate mesmo podemos pegar carona no projeto do no vikrant ja que estamos nos entendendo com os italianos em relação à escoltas e NT é so estender a parceria para NAe tbm

certas coisas so o tempo irá dizer

sds

airacobra
Visitante
airacobra

concordo com voce marujo, eu tambem defendo que seja aumentada a aquisição com ao menos mais 4 s-2 para asw, pois assim ficaria menos tumultuada a vida dos OS a bordo do navios da Briosa

marujo
Visitante
marujo

Li, há muito tempo, que um dos impecilhos à compra dos Trackeres é que o único radar que cabia no aparelho, usado nos Sea King da RN atualmente, estava obsoleto. Segundo essa fonte, a MB estaria procurando um novo radar adaptável ao S-2 para decidir pela compra. Algum companheiro sabe se este radar foi encontrado?

airacobra
Visitante
airacobra

marujo,

que eu saiba oque deve ser usado eh a ultima versão deste mesmo radar que voce citou, o searchwater 2000

eduardo
Visitante
eduardo

É isso aí!

Porta-aviões novo, com 50 anos de construção;

Navio de desembarque novo, com 40 anos de construção;

Avião AEW novo com 30 anos de fabricação;

Avião patrulha novo com 40 anos de fabricação;

Tudo modernizado e em ponto de bala segundo os entusiastas, mas a preços de corar qualquer um com vergonha na cara.

E assim vamos caminhando, o tempo passando, o dinheiro gastando e o futuro nunca chegando.

Comparemos com a Coréia do Sul e com a China. E lembremos de Ernest Hemingway “não pergunte por quem os sinos dobram, eles dobram por ti”

MVMB
Visitante
MVMB

EDUARDO. tamo junto memão.

Alguém aí se preocupou em saber o que a FAB acha disso?
Ela vai receber os P3orion em 2011.

Penso que eles não vão ficar muito felizas…..

Dell72
Visitante
Dell72

MVMB penso eu que não tem problema nenhum pois os orions farão patrulha de nossa costa enquanto as aeronaves em questão estarão a serviço do porta-aviões.

claudio (R J)
Visitante
claudio (R J)

Para quem se anima com esta possível aquisição, sugiro observar a quantidade de pousos em somente um CVN dos EUA, o Carl Vinson.

Os países que se dedicam a ASW, geralmente tem uma experiência de mais de 70 anos, com equipamento de ponta e não com meia dúzia de aeronaves para lá de obsoletas, para criar doutrina.

Com relação a FAB, para variar sacrifícios em prol de um bem maior.

Galileu
Visitante
Galileu

penso o seguinte, e Isso se enquadra aos P3.

Alguem curte um passat 69, a um zero??

Se for pra pegar porcaria do lixo e dar um trato no motor, prefiro andar a pé!!

Uma pena que nossas forças se é que é força, pretende ir por esse caminho.

matheus
Visitante
matheus

Para a versão AEW não seria melhor comprar o helicóptero Kamov Ka-31? Alguém poderia me fornecer um site onde consigo informações sobre o radar searchwater 2000?

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Ué e as 250 células que essa Marsh dizia ter disponíveis nos EUA???
Precisaram fazer essa Operation Catation, em 3 países p/ consegui-las.
É mta “burrice” c/ dinheiro publico junta!!!
Imagina se o Viking que não tem condições de operar no Opalão, devido ao peso e o tamanho é mto caro de operar e estão um lixo, o que dizer do seu antecessor???
Nem mais como bombeiro aéreo essa joça é usada.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Alguém poderia me fornecer um site onde consigo informações sobre o radar searchwater 2000?”

Vá ao site http://www.flightglobal.com, aba defense e vc vai ver um Merlin equipado c/ esse mesmo radar, sendo proposto p/ o CVF da RN.
A fabricante do radar é a Thales.

matheus
Visitante
matheus

Essa modernização não ia ser feita pela Embraer? Por que não produzir as peças necessárias para reposição através da indústria nacional? Se for ficarmos dependendo de estoques de restos de aeronaves ou outros países, logo estaremos com dificuldades de logísticas.

Antonio M
Visitante
Antonio M

E se além de tudo que está aí e por vir, ainda pudesse operar com mais uns 20 Gripen NG Naval, aí sim começava a impor mais respeito…….

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Por que não produzir as peças necessárias para reposição através da indústria nacional?”

Fabricar peças de reposição p/ menos de 10 células??? Até p/ isso existe uma relação de custo/beneficio, que inviabiliza a idéia.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…ó um mero detalhe, para a função aew o vetor (desde que seja asa fixa) não influencia muito,…”

É a eletrônica embarcada no estado da arte vai te salvar, qndo por exemplo, o flap falhar devido a corrosão, comprometer a integridade estrutural da célula e essa velharia afocinhar no mar.

Henrique
Visitante
Henrique

Desde que pensaram em adquirir este Nae já deviam ter planejado os meios a serem operados pelo mesmo. Ficar recuperando aviões velhos talvez seja solução paleativa mas o que isso irá agregar à nossa indústria aeronaval de concreto? Ficar dependendo de “desmanche” para peças de reposição é dose… Também não dá pra esperar que uma Embraer queira iniciar um projeto deste nível para construir meia dúzia de aeronaves somente… daí o ping-pong do que poderia ser ideal e o que pode ser viável… até porque, pelos comentários que sempre vejo, não é qualquer coisa que pouse e decole do SP…… Read more »

airacobra
Visitante
airacobra

galileu as 20:02 “Alguem curte um passat 69, a um zero??” com todo respeito, não existe passt 69, o primeiro passat alemão saiu em 73 e o primeiro nacional saiu em 74, mas quanto a sua pergunta, claro que sou mais um passat antigo de preferencia um TS ou LS da decada de 70 não eh a toa que ja gastei o equivalente a um popular usado no meu fusca 82, se um dia eu passar por uma dificuldade financeira qual vc acha que vou vender meu airacobra 82 ou o peugeot 206 2004? claro que eh o peugeot comando… Read more »

airacobra
Visitante
airacobra

mauricio r,

quanto a essas “velharias” que vc citou eh o que nos temos ou oque estamos adquirindo com dificuldades e temos orgulho disso

sugiro mais respeito ao tratar dessas “velharias”, pois eh numa velharia como essa que voce falou que me faço ao mar, sem saber se vou voltar e se vou perder um amigo por conta de um acidente ou incendio, e mesmo assim conseguimos nos destacar e não raramente deixamos os estadunidenses e gringos que voce tanto venera boquiabertos com oque conseguimos fazer com essas “velharias”

nos mais sds

Ricardo
Visitante

Deixa ele Airacobra…

Eles não entendem disto 🙂

Eu tinha um Passat com o erson 318° e as 4 deitadas do alfa…

Dar pau em playboy não tem preço 🙂

Agora quanto ao grupo aereo, galera não tem muito o que fazer a MB ta pegando o que pode para tentar criar/treinar uma doutrina que até agora so estava na gaveta… Temos que começar com algo, que seja o Tracker até que se tenha um opção, parado não pode ficar ou perde-se o pouco que ja sabe… É dificil alguem entender isto ? O que não se pratica, se esquece… É FATO

[ ]´s

Thiago
Visitante
Thiago

Desculpe fugir do tema, mas alguem tem alguma informação sobre como anda o programa de modernização das Fragatas Greenhalgh??
Existiu algum tópico sobre isso aqui no PN ?

airacobra
Visitante
airacobra

Thiago,

simplesmente não anda…

DV
Visitante
DV

airacobra disse:
15 de julho de 2010 às 21:51

Concordo totalmente. A galera só resmunga. Quando faz é porque faz. Quando não faz é porque não faz. A comparação com idade de carro é totalmente sem sentido. A USAF ainda usa continuamente há mais de 50 anos (ou seja, sem férias no deserto) o KC-135 para reabastecimento aéreo.

Deveriam ficar contentes que, com pouco dinheiro e muita criatividade, a MB vai conseguir montar uma capacidade de dissuasão e o projeção de poder de todo o respeito se comparada com os vizinhos de Atlântico Sul.

Ivan
Visitante
Ivan

airacobra disse:
15 de julho de 2010 às 21:45
“dar coro em audi, golf, astra, passat 2010… não tem preço…”

Aircobra,

Esta sua foi “impagável”… :).

Abç,
Ivan, do Recife.

Ivan
Visitante
Ivan

Amigos,

Sei que os S-3 Vikings são caros de manter, pesados (será?) e estam usadíssimos (até por que eram ótimos); mas confesso minha profunda admiração por este incrível e útil avião.

Se fosse permitido sonhar, seria o S-3 na MB.
Mas a “verba tá curta”.

Abç,
Ivan.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Não é só o KC-135 que é usado há 50 anos, um avião de linha de frente também: o B-52, que inclusive vai receber um radar novo em folha. Ou seja, se a estrutura ainda tem alguns anos, e a eletrônica for de última geração, esses aviões serão muito úteis. Realmente tem gente que só sabe criticar…não sei da onde sai tanta raiva.

MV
Visitante
Member
MV

Vamos com calma, pessoal !!!!!

Eu tb tive um Fuscão Fafá… mas vendi para comprar uma moto. Se arrependimento matasse…..

Modernização de FCG? Esquece.

Luiz Padilha
Visitante
Member
Luiz Padilha

Gente o S3 não pode operar no SP não é pq a MB não tenha dinheiro, mas sim, pelo peso. Ele para operar no SP as catapultas não conseguiriam lança-lo e nem o aparelho de parada poderia recolhê-lo.
Vamos esquecer o S3 e focar no S2 mesmo.
Pois é o que se pode operar num PA de 50 anos e pronto.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

Também não acho correta uma comparação entre um automóvel e navios e aviões. Automóvel tem vida útil de 10 anos, aviões de 30 e navios de até 50, não há comparação, como também não é viável substituir os componentes eletrônicos de um automovel, como é em navios e aeronaves. Concordo que é muita velharia junta na MB. Da minha parte a MB não teria mais o NaE São Paulo, ele já teria virado lâmina de barbear… e os A-4 deveriam ser entregues à FAB para modernização, usando a Marinha dinheiro disto para comprar mais helis. O Brasil insiste em querer… Read more »

Marco Antonio Lins
Visitante

Bom dias a todos

Apenas uma pergunta! Os C-95 da Embraer não poderia ser usado,
apos receber os sistema eletronicos necessario para função desejada?
Desculpem a falta de conhecimento.

moises
Visitante

A MB ao contrário das outras forças age em silêncio a exemplo dos subnuc, creio que agora ela vai modernizar o São Paulo, os a-4, S-2(AEW,COD, REABAST.), comprou elis S-70AS Para se manter 100% opracional na parte de aviação embarcada plena. A MB planeja ter pelo menos dois Navios aérodromos, ela deve estar já estudando a construção de pelo menos um porta aviões novo, já que todos os finalistas do Fx da Fab tem uma versão naval o que já é meio caminho andado na parte de aéronaves de combate embarcada, daí se aproeitaria os S-70 que virão novos de… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…e os A-4 deveriam ser entregues à FAB para modernização,…” “O mesmo se aplica aos P-3 da FAB. E depois? Quando eles entarrem em operação é necessário projetar seus sucessores…” São 2 situações diferentes, fazer upgrade de A-4 ainda mais por uma empresa que não manja bolhufas da aeronave é realmente jogar dinheiro fora, pois não vai não vai melhorar a credibilidade da aeronave enquanto sistema de armas. Qnto ao upgrade do P-3, a principal razão é que não existem mais células desse tipo, não se fabricam mais, o que está no mercado é adaptado de aeronaves regionais. Até a… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Os C-95 da Embraer não poderia ser usado

O C-95 não é ac naval , não opera de porta-aviões, não tem estrutura p/ tal.
Além do que os P-95 não tem aonde instalar a capacidade dos futuros P-3.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…sugiro mais respeito ao tratar dessas “velharias”, pois eh numa velharia…”

Airacobra,

Sugiro mais respeito, c/ o uso do dinheiro publico.

João Gabriel
Visitante
João Gabriel

Caro Galileu Em primeiro lugar não existe Passat 69,o primeiro que saiu foi em 73 já como modelo 74…Prefiro muito mais um carro antigo com motor modernizado que um carro de plástico 0km pra pagar de n vezes fora os impostos que são de matar.além de um modelo antigo em alguns casos ser até superior a essa porcarias que são produzidas hoje em dia,são de manutenção barata,impostos dependendo nem pagam…Seu comentário foi preconceituoso e infundado.Sou entusiasta dos carros antigos também,se quer fazer uma comparação desse tipo,utilize carros que são realmente medonhos como Fiat Tipo,Uno,Renaults… Quanto aos Trackers e Traders foram… Read more »

marcospoorman
Visitante

Não consigo entender porque tem tanta gente do contra. Durante a gestão anterior nossas FAs ficaram na penúria. Mesmo que sejam algumas “carcaças” antigas + “miolos” de última geração creio que cada centavo vale a pena até que a solução definitiva chegue em 2015/2020, neste intervalo é preferível contentar com o que tem e treinar o pessoal. Se o A-12 estivesse aqui no período do terremoto do Haiti não seria necessário a ajudinha do Cavour. Prefiro ver o seguinte post: “AF-1 completou 1000 catapultagens no NA-e São Paulo”, outra: “NA-e São Paulo participa do exercício “xyz” com absoluto sucesso.” Os… Read more »

Vitor
Visitante
Vitor

Parei pra pensar e identifiquei que o V-22 Osprey poderia sofrer adaptação para AEW deixando de lado a restrição de peso para pouso ou decolagem, porém como contra haveria a sua dimensão que restringiria seu uso no hangar do NAE.

Apesar do custo unitario ser alto, a mobilidade e vida util dos aviões recompensariam no longo prazo.

Dependendo de uma politica do ministerio da defesa, estes aviões poderiam ser utilizados pela MB, CFN e EB.

Aproveito a oportunidade e pergunto se Existe algum estudo quanto a utilização dos mesmos como AEW?

Caipira
Visitante
Caipira

Acrescente uma dúzia de Super Etendard para CDF (olha nossos “parceiros estratégicos”aí!) e teremos o que os hermanos tinham em 82 nas Malvinas….e mesmo assim eles levaram pau dos ingleses sem alerta aéro antecipado…

Mas digam por favor os entendidos, qual será o CDF para o Opalão?
Ou a MB não vai investir nisso?

Edcreek
Visitante
Edcreek

Olá,

Agora o A-12 terá um força aerea completa e ainda reclamão?

A Marinha deixou claro em varias oportunidades que além de criar uma força operacional(apesar de limitada em alguns pontos) no A-12 o principal é manter e criar uma doutrina para o futuro A-13, mas é assim mesmo tem sempre alguem do contra mesmo que as coisas sejam boas aos olhos da maioria.

Abraços,

Esdras
Visitante

V-22 Osprey nem a USNAVY consegue sustentar, imagina nós.