Home Estratégia Os investimentos necessários à implementação do PAEMB

Os investimentos necessários à implementação do PAEMB

365
10

O Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do Brasil (PAEMB) prevê investimentos de US$ 84,4 bilhões. Contudo, somente depois que o Projeto de Lei de Equipamento e Articulação da Defesa Nacional (PLEADN) for examinado, votado e aprovado pelo Congresso Nacional, a Estratégia Nacional de Defesa (END) e os documentos dela decorrentes passarão efetivamente a constituir políticas de Estado.


Caso o PAEMB seja totalmente executado, a distribuição dos meios navais e aeronavais ficará da seguinte forma:

A Primeira Esquadra, sediada no Rio de Janeiro, terá a seguinte dotação:

  • 01 Navio-aeródromo
  • 03 Navios de Propósitos Múltiplos
  • 18 Escoltas
  • 03 Navios de Apoio Logístico
  • 02 Rebocadores de alto-mar
  • 01 Navio Hospital
  • 03 Navio-transporte de Apoio
  • 06 Veículo de Desembarque de Colchão de Ar
  • 12 Embarcação de Desembarque de Carga Geral
  • 24 Embarcação de Desembarque de Viaturas Motorizadas

A Segunda Esquadra, situada no Norte/Nordeste, teria a seguinte dotação:

  • 01 Navio-aeródromo
  • 01 Navio de Propósitos Múltiplos
  • 12 Escoltas
  • 02 Navios de Apoio Logístico
  • 01 Rebocadores de alto-mar
  • 01 Navio de Socorro Submarino
  • 01 Navio-transporte de Apoio
  • 02 Veículo de Desembarque de Colchão de Ar
  • 04 Embarcação de Desembarque de Carga Geral
  • 08 Embarcação de Desembarque de Viaturas Motorizadas

Força de Submarinos, sediada em Itaguaí (RJ), teria a seguinte dotação:

  • 15 S-BR
  • 06 SN-BR
  • 04 Navio caça-minas
  • 01Navio de Socorro Submarino

Os meios aeronavais também seriam divididos em duas Esquadras. A primeira, em São Pedro da Aldeia (RJ), teria a seguinte dotação:

  • 24 Aviões de interdição e ataque de alto desempenho
  • 04 Aviões de Alarme aéreo antecipado
  • 04 Aviões de transporte administrativo e reabastecimento em voo
  • 04 Aviões de Vigilância de Superficie
  • 31 Helicópteros de Múltiplo emprego
  • 35 Helicópteros médios de emprego geral
  • 22 Helicópteros leves de emprego geral
  • 30 Helicópteros de instrução
  • 06 Veículos Aéreos Não-tripulados

A Força Aeronaval da Segunda Esquadra, situada no Norte/Nordeste, terá a seguinte dotação:

  • 24 Aviões de interdição e ataque de alto desempenho
  • 04 Aviões de Alarme aéreo antecipado
  • 04 Aviões de transporte administrativo e reabastecimento em voo
  • 04 Aviões de Vigilância de Superficie
  • 19 Helicópteros de Múltiplo emprego
  • 15 Helicópteros médios de emprego geral
  • 02 Helicópteros leves de emprego geral
  • 04 Veículos Aéreos Não-tripulados

O PAEMB pretende manter duas divisões anfíbias, uma no Rio de Janeiro e outra no Norte/Nordeste

A Primeira Divisão Anfíbia teria a seguinte dotação:

  • 52 Carros de Lagarta Anfibio
  • 17 Carros de Combate
  • 54 Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal sobre rodas
  • 54 Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal sobre Lagartas
  • 18 Obuseiros de 105 mm
  • 06 Obuseiros de 155 mm
  • 01 Lançador Múltiplo de Foguetes
  • 01 Sistema de Defesa Antiaérea
  • 01 Sistema de Guerra Eletrônica
  • 03 Pontes Modulares
  • 30 VANT

A Segunda Divisão Anfíbia teria a seguinte dotação:

  • 26 Carros de Lagarta Anfibio
  • 09 Carros de Combate
  • 18 Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal sobre rodas
  • 18 Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal sobre Lagartas
  • 12 Obuseiros de 105 mm
  • 01 Sistema de Defesa Antiaérea
  • 01 Sistema de Guerra Eletrônica
  • 01 Pontes Modulares
  • 08 VANT

10 COMMENTS

  1. Nossa!
    Que legal!
    Achava que só tinha eu de louco no mundo, mas vejo com satisfação que estava enganado.
    Eu também faço isso!
    Quando jogo na Mega Sena eu às vezes passo noites sem dormir imaginando o que vou fazer com o dinheiro.
    Agora, na Mega da virada eu quase surtei.
    Por exemplo:
    -comprar uma casa de campo na montanha,
    -comprar um casa de veraneio,
    -comprar uma fazenda,
    -comprar uma BMW,
    -pagar 10 anos de provedor pro Galante,
    -comprar uma Harley Davidson (pra passear final de semana)
    -comprar um barco pra passear no lago do Paranoá no domingo.
    -mandar dar um sova no meu cunhado
    -comprar uma vassoura zero quilômetro pra minha sogra (não posso esquecer de renovar o breve da sogrona)
    -trocar a patroa por duas de 18 (ela vai gostar mais disso do que eu)
    e por aí vai.
    Ou seja, eu e a Marinha do Brasil temos muitas coisas em comum.

  2. Eu acho que a MB deve correr até a Inglaterra e comprar umas quatro Type e o que mais desse, pela “bacia das almas”.

    Armar o São Paulo com defesas-de-ponto (bofors) e, se der, com áspide e dotá-lo de aviões capazes realmente de fazer a defesa de frota como o Hornet ou o Super-Étendard, porque vai levar muuuito tempo para termos outro PA.

    Pelo menos, ele teria valor militar e não seria o “NAe-Escola” que é hoje.

    Se não for possível nada disto por motivos técnicos, então a MB deve mandar o São Paulo para o ferro-velho (e os A-4 também) e usar o dinheiro em algo útil.

    E dez submarinos diesel-elétricos U-209 como o Tikuna, que já sabemos fabricar e não os caríssimos Scorpene.

    Por falar neles, se manter o SUB-NUC (que a Dilma sonha em cortar), a MB deveria comprar apenas os quatro do acordo e se concentrar no U-209.

    E a fabricação de mais navios-patrulha.

    Se não der dinheiro para isto tudo, então a MB deveria concentrar recursos em outros U-209 e nos navios-patrulha, comprar o que fosse barato da RoyalNavy e ESQUECER o sonho de ter uma marinha de águas azuis.

    Eu sei que o pessoal vai me odiar por isto, mas é o que dá para fazer com o orçamento RIDÍCULO da MB.

  3. Bem vou me reservar a analisar a proposta para o futuro CFN. Os numeros no post nao citam a quantidade e tipo de unidades (Batalhoes de infantaria, Artilharia…), mas sao detalhados nos numeros de meios. Sendo assim apesar de termos uma lacuna nao preenchida ainda podemos deduzir muito tendo apenas as informacoes dos meios.

    A 1st “Divisao” Anfibia:

    52 CLAAnfs podem em teoria e juntamente com um numero razoavel de helicopteros transportar e/ou desembarcar 3 Batalhoes da manobra (Infantaria).

    17 Carros de Combate equivalem a uma unidade valor Companhia.

    54 Viaturas Blindadas sobre rodas e outras 54 sobre lagartas fariam o transporte e reconhecimento necessario a Divisao. Interessante notar que esse veiculos sobre lagartas sao unicos ao CFN, o USMC nao possui veiculos do tipo e imagino que tais veiculos seriam usados pela infantaria que acompanharia os Carros de Combate

    24 Obuseiros, ASTROS e AAA com certeza equivalem a uma unidade valor Batalhao (Artilharia).

    Imagino que ja que se existe o plano de se criar uma Segunda Divisao, a primeira manteria o numero de Batalhoes de Infantaria de que possui (3), a Artilharia na primeira divisao tambem parece manter o mesmo efetivo mas o Batalhao de Blindados parece que ira ser ampliado ou ate mesmo criado um novo a mais.
    Gostaria de lembrar tambem que se esse for o caso, a 1st Divisao seria equivalente em numero de efetivos a uma Marine Expeditionary Brigade mas na MB a nomenclatura “Divisao” e preferida mesmo que a unidade seja valor Brigada.

    A 2nd Divisao Anfibia:

    Sendo uma unidade que ainda nao existe fica mais dificil tracar a sua futura composicao. Nao sabemos quantos Batalhoes de Manobra ela possuira mas com certeza pelo fato de menor numero de meios sera menor do que a Primeira Divisao. Serao formados novos Batalhoes de Infantaria ou a Divisao ira absorver o Batalhao Ribeirinho e os destacamentos e grupamentos locais transformados em Batalhoes?

    Analisando os numeros pode-se dizer que tal Divisao seria formado por 1-2 unidades valor Batalhao de Infantaria, 2 Pelotoes de Carros de Combate e 1 Batalhao de Blindados (-), assim como 2 Baterias de Artilharia.

    A Segunda “Divisao” se assim formada poderia ser melhor analisada como uma unidade valor Marine Expeditionary Unit (+) Reinforced.

    Espero ter clarificado essa parte do post aos leitores.

    Semper Fidelis e Ad Sumus!

  4. Bem, como somos eternos sonhadores e iludidos, eu gostaria era mesmo de ver essas duas esquadras mais bem guarnecidas (36 aviões de ataque em cada porta aviões… + subs, + 30% de tudo…) e, para fechar com chave de ouro, uma terceira esquadra de perfil diferenciado, poderia substituir um navio-aeródromo por embarcações (1 ou 2, digo) similares às da classe Mistral. Essa terceira esquadra poderia possuir uma carácterística mais voltada à logística, resposta rápida, inteligência e suporte para atividades de desenvolvimento, pesquisa…

    Nossa, sonhar é sempre muito bom.

  5. Sinceramente eu não acredito que vamos ter a concretização disso tudo pelo fato de depender de um acréscimo financeiro muito alto para os padrões fiscais da MB e o momento político, a realidade já assumida pela Presidenta Dilma de cortar gastos, de ajustes financeiros, de reavaliação de contratos (até já assinados), não indicam contemplação de nenhuma força com aportes financeiros vultosos. De qualquer maneira, acho válido o plano, o esboço, a existência do plano e a tentativa de alcançar o que nele está escrito porque se apenas 30% for alcançado, já é mais do que temos hoje. Eu penso que é isso: Reinvindica um número muito maior para obter um mínimo necessário. Que pena! Porque o Brasil não pode continuar com o seu poder naval diminuto.

    Abraços

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here