Home Noticiário Internacional RFA Fort George chega a Plymouth pela última vez

RFA Fort George chega a Plymouth pela última vez

333
5

O RFA Fort George, um navio de apoio à Marinha Real, entrou em Plymouth pela última vez antes de se aposentar, após o servir em todo o mundo.

O navio da Royal Fleet Auxiliary (RFA) chegou à Base Naval de Devonport na terça-feira, 1º de fevereiro de 2011, onde irá descarregar equipamentos antes de sair de serviço, no final do ano. O RFA Fort George serviu com distinção em todo o mundo.

Os destaques incluem a entrega de Hong Kong, desempenhando um papel importante no esforço do relevo das inundações em Moçambique, em 2000, para o qual o navio e sua esquadra embarcou, 820 Naval Air Squadron, foram agraciados com o Wilkinson Sword of Peace, e, em Junho desse ano , suportando a operação Palliser, a campanha de Serra Leoa.

No início de 2002, o navio foi fortemente envolvido na Operação ORACLE, apoiando as forças terrestres no Afeganistão, o destaque de 2004 foi uma visita de alto nível à Nova York, para as celebrações do Dia da Independência. Ao navio foi dado um lugar primordial em Manhattan, próximo ao Queen Mary 2. O comandante do RFA Fort George, Capitão Jamie Murchie, disse: “A classe de navios-tanque da RFA são os maiores da frota, deslocando mais que os HMS Ark Royal e Ocean, sua flexibilidade e adaptabilidade lhes trouxe muitas tarefas variadas ao longo dos anos.

“O papel do navio multi-tarefa aliado a sua grande flexibilidade, tem sido a chave para seu sucesso em missões humanitárias e operacionais ao longo dos anos.” Para a 200 Trafalgar Fleet Review e Spithead em 2005, o navio atuou como anfitrião, sendo o navio para a Reserva Naval Real e hospedado Suas Altezas Reais.

Em 2010, o RFA Fort George realizou o maior numero de de desembarques-deck na Marinha Real através do Auriga Deployment 2010 e em dois Joint Warrior com os EUA no Atlântico ao largo da Escócia, e vários períodos de apoio à formação vôo operacional de esquadrões da Royal Navy Fleet Air Arm, do Exército e da RAF.

No ano passado, culminou com o RFA Fort George vencendo o “Ship of the Year” da Royal Fleet Auxiliary na categoria “Comandante-em-Chefe” de navios de superfície, recebendo o Troféu Eficácia pelo trabalho do navio de apoio a Auriga Deployment 2010.
Capitão Murchie disse: “Nós estivemos nos preparando para este dia da entrada final já há algum tempo, e é um privilégio estar aqui, nos momentos finais da vida de um navio para mim especialmente por ter trazido dois navios para ativa e agora ter trazido dois navios para o fim dos serviços. Tenho orgulho de ser o último Comandante da RFA Fort George.

Ele disse que o destino final do navio ainda não havia sido determinado, mas uma de suas prioridades seria a de garantir o mínimo de perturbação para a tripulação que sair do navio nas semanas seguintes. Ele disse que alguns já tinham saído para a formação ou enviados a outros navios Royal Fleet Auxiliary e estabelecimentos.

O Capitão Murchie disse que estava ansioso para hospedagem dos padrinhos do navio, Lady Annie Simões e seu marido, o almirante Sir Jock Slater em um almoço de despedida a bordo. O RFA Fort George foi construído por Swan Hunter Shipbuilders em Tyne e entrou em serviço em 1994. O navio está sendo retirado de serviço no âmbito da Defesa Estratégica e Análise de Segurança e da necessidade de reduzir o número de navios necessários para apoiar uma frota reduzida.

O navio é um dos dois de apoio logístico da frota, projetado para dar suporte “one-stop” para os grupos-tarefa naval. O RFA Fort George tem uma tripulação de 95 oficiais e da Royal Fleet Auxiliary, 24 membros da população civil de equipamento de defesa e organização de apoio, e 15 integrantes da Marinha Real por perto para a manutenção de sistemas de armas.
Quando um esquadrão de helicópteros embarca, até 90 tripulantes de apoio da Royal Navy também embarcam. O navio tem um convés de vôo grande com hangar para manutenção de três helicópteros do porte do Merlin. Os helicópteros podem ser utilizados missões anti-submarino e guerra anti-superfície e transporte de tropas. O navio pode transportar mais de 10.000 toneladas de combustível, querosene de aviação, óleo lubrificante e água fresca, bem como mais de 6.000 itens navais, armamento, alimentos e equipamentos para outros navios.

FONTE: defpro FOTO: Steve Wright

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

E aí MB, já comprou???
Não???
Tá esperando o que, então???

ericdolobo
ericdolobo
9 anos atrás

mas q tradução é essa meu camarada???? Quanto a aquisição mauricio….a mb não é muito chegada em navios desse porte…já ofereceram por exemplo os Kaiser zero bala da usn e a mb recusou…alegou calado dos principais portos brasileiros…bem isso foi na época….

daltonl
daltonl
9 anos atrás

Quando a estória de descomissionar o Fort George veio a publico, algumas coisas apareceram na internet sobre a possivel aquisição dele por outra marinha, como a australiana por exemplo e lembro da declaração de um ex-tripulante que mencionou que o Fort george encontrava-se em péssimo estado de conservação. Um dos motivos seria o fato de que não é tripulado por marujos da Royal Navy e sim por civis que não são obrigados a fazer todo um trabalho de conservação além do que,esta tripulação civil é trocada frequentemente e portanto não chega a conhecer o navio tão profundamente comparado a tripulações… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Essa estória do calado deve ser uma desculpa mto esfarrapada, o ex-“Durance” atual “Patagonia”, tem calado entre 8.65m e 10.8m máximo, o próprio NAe “São Paulo” tem calado de 8,6m. O calado do RFA “Fort George” é de 9,7m e seu deslocamento é próximo ao do nosso porta-aviões. Tem mto ro-ro e porta-container que tem bem mais calado que isso e atraca em Santos, que deve ser o porto brasileiro mais enrolado nesta questão, o limite deve ser uns 15m. Sem contar certos graneleiros que atracam em Paranaguá, ou os ore/oil em Tubarão e Itaquí. A MB necessita ser mais… Read more »

Nautilus
Nautilus
9 anos atrás

Essa seria uma grande aquisição para a MB e resolveria a questão de um navio de Apoio Logístico.