Home Infraestrutura DCNS completa casco do OPV ‘Gowind’ dentro do cronograma

DCNS completa casco do OPV ‘Gowind’ dentro do cronograma

332
0

A DCNS completou o casco do primeiro navio de patrulha offshore (OPV) Gowind dentro do cronograma. A proa e a popa foram unidas na semana passada no estaleiro do Grupo Lorient. A atenção está centrada agora sobre o próximo grande acontecimento, ou seja, o lançamento, que ocorrerá no final desta primavera. Este é o primeiro de uma nova família de OPV / corvetas optimizada para vigilância marítima e um vasto leque de missões de guarda-costeira e missões navais. Trabalhadores da DCNS soldaram na semana passada a proa do navio e a popa, a etapa final da montagem do casco.

A integração dos sistemas está acontecendo dentro do cronograma. Duas outras tarefas importantes – a instalação dos eixos entre os motores principais e os hélices cabeamento de rede da proa à popa – já estão em estágio avançado.

Em abril, os trabalhadores vão começar a pintar o casco do navio. Todo o trabalho no primeiro OPV  construído pela DCNS está dentro do cronograma para lançamento ainda neste trimestre.

Com construção financiada pela DCNS, o navio será emprestado à Marinha Francesa

O sucesso no mercado altamente competitivo de corvetas e OPV depende da capacidade da DCNS de melhorar seu desempenho global. O Grupo está usando o programa Gowind para melhorar a sua concepção e métodos de produção de A a Z. O navio está sendo construído numa área de montagem dedicada no estaleiro DCNS do Lorient. Foi dada a uma equipe exclusiva, multidisciplinar e polivalente de voluntários ampla liberdade para aplicar novos métodos de trabalho. Esta abordagem inovadora irá garantir que o navio estará concluído em tempo recorde, de pouco menos de 20 meses a partir de primeiro corte até a entrega, no final de 2011.

Na conclusão, o navio será colocado à disposição da Marinha Francesa durante três anos, com vista a alcançar os selos de aprovação “provado no mar” e “qualificado para operações” por uma Marinha de classe mundial, dando assim à DCNS dois argumentos-chave quando se promove a família Gowind no mercado internacional.

A Marinha será capaz de demonstrar a importância da Gowind e sua validade operacional para as missões atuais e emergentes, desde vigilância de áreas até operações anti-pirataria, contra-terrorismo, controle da pesca, interdição de drogas, proteção ambiental, ajuda humanitária, busca e salvamento e de segurança marítima.

Com um comprimento de 87 metros, o Gowind oferecerá autonomia de três semanas em águas azuis, alcance de 8.000 milhas náuticas e uma velocidade máxima de 21 nós. O projeto inclui a provisão completa para um helicóptero orgânico e UAVs (veículos aéreos não tripulados), bem como para uma tripulação reduzida de 30 pessoas e acomodação para 30 passageiros.

As inovações e capacidades de especial interesse para forças especiais e guarda costeira incluem um passadiço panorâmico com visibilidade de 360 ​​°, um único mastro fechado com  sensor de visibilidade de 360 ​​°, lançamento de barcos de forças especiais tipo “commando” em menos de 5 minutos e provisão integral para veículos aéreos não tripulados e de superfície (UAVs e USVs). A família Gowind também se beneficia da vasta experiência da DCNS em TI e sistemas de informação de comando. As OPV / corvetas Gowind podem ser facilmente adaptadas para vigilância de área ampliada e, quando trabalhando em conjunto com centros de controle em terra e outros navios em rede, a detecção automática de navios e outras embarcações suspeitas.

FONTE: DCNS

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros temas navais no ‘Xat’ do Poder Naval, clicando aqui.