A Alemanha ordenou a retirada de todos os seus navios das operações da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no mar Mediterrâneo após a decisão da Aliança de participar do bloqueio naval à Líbia para garantir o embargo de armas ditado pela ONU.

Um porta-voz do Ministério de Defesa alemão anunciou na madrugada desta quarta-feira que as duas fragatas e os dois navios menores da Marinha alemã que se encontram no Mediterrâneo com um total de 550 homens voltaram a ser postos sob o comando alemão.

Também foi ordenada a retirada de até 70 militares alemães que participavam até agora como técnicos especialistas a bordo de aviões de reconhecimento Awac, da Otan, para controlar o espaço aéreo no Mediterrâneo.

A Alemanha decidiu “não participar deste tipo de ações” para evitar o uso da força, assinalou o porta-voz ministerial.

O país participava até o momento de operações da Otan no Mediterrâneo como a missão antiterrorista “Ative Endeavoir”, com tripulações de técnicos militares para os Awac de reconhecimento.

Encontram-se ainda em águas do Mediterrâneo as fragatas “Hamburgo” e “Lübeck”, o navio de abastecimento e apoio “Oker” e o navio antiminas “Datteln”.

A Alemanha se absteve na votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas que decidiu dar sinal verde às operações militares contra o atual regime líbio e anunciou que não forneceria militar algum para essa missão.

OTAN

Os países ocidentais que apoiam uma zona de exclusão aérea na Líbia para proteger civis concordaram na terça-feira em usar a Otan para conduzir o esforço militar, mas autoridades afirmaram que a aliança estava dividida e longe de concordar sobre detalhes da missão.

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que detalhes sobre qual será o país a assumir a liderança da coalizão ainda estão sendo ajustados. Ela afirmou não estar preocupada com a transição.

A reunião dos países-membros da Otan, contudo, não definiu se a aliança vai assumir a liderança da operação, que atualmente é comandada pelos Estados Unidos.

A participação da Otan tem dividido seus países-membros. A Itália e o Reino Unido defendem que a aliança tem melhor capacidade de coordenar os esforços. Já França teme que a liderança da aliança atlântica pode afastar os países árabes. Há ainda os países-membros como Turquia e Alemanha, que têm objeções quanto aos ataques internacionais e se negam a participar.

“A Otan completou seus planos para ajudar a aplicar a zona de exclusão, para dar nossa contribuição, se for necessário, de forma claramente definida, ao amplo esforço internacional para proteger o povo da Líbia da violência do regime de [Muammar] Gaddafi”, disse o secretário-geral Anders Fogh Rasmussen, em comunicado, sem mais detalhes.

A Otan encerra assim a fase de planejamento, que tinha sido adiada no fim de semana passado diante do racha interno. Uma fonte da aliança, citada pela agência Efe, diz que haverá uma nova fase das discussões internas, para definir qual será o papel na aplicação da zona de exclusão –o que pode se prolongar por dias.

Os embaixadores dos países-membros voltam a se reunir nesta quarta-feira, em Bruxelas, para abordar o assunto.

FONTE: Folha.com / EFE

Tags: , , ,

Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

2 Comentários para “Alemanha retira seus navios das operações da Otan no Mediterrâneo”

  1. Wagner 23 de março de 2011 at 11:37 #

    Eles estão certos, a jaca não é deles.

    Os ” Heróis” que se virem…

  2. Mauricio R. 23 de março de 2011 at 12:57 #

    Bem, mais da mesma falta de ………. européia tradicional, se não são os americanos empurrando, nada funciona!!!
    A Alemanha se absteve, italianos e britânicos insistem em que o comando da operação seja da OTAN; o que por sí só pode significar um tremendo convite a procrastinação.

    “The reason Italy wants NATO is because they know NATO adds an extra layer of political bureaucracy to operations and will almost certainly result in Gaddafi remaining in power.”

    (http://www.informationdissemination.net/2011/03/few-thoughts-on-libya.html)

    A Turquia ao contrário da Alemanha não queria saber nem da OTAN mandando em nada, mas em breve devem contribuir c/ 5 navios mais 1 submarino, p/ o bloqueio da Líbia.

    “Turkey does not want NATO to participate at all.”

    “RT @SkyNewsBreak: Reuters: Turkey agrees to send five ships and a submarine to enforce arms embargo off Libya”

    Enquanto isso mísseis SA-24 “Grunch”/Igla-S, foram identificados na posse das forças legalistas líbias, mas ninguém sabe quem é que foi quem vendeu???

    (http://www.aviationweek.com/aw/blogs/defense/index.jsp?plckController=Blog&plckBlogPage=BlogViewPost&newspaperUserId=27ec4a53-dcc8-42d0-bd3a-01329aef79a7&plckPostId=Blog%3a27ec4a53-dcc8-42d0-bd3a-01329aef79a7Post%3aabcd011c-bc5d-4b32-a87b-3f60b4e42e8c&plckScript=blogScript&plckElementId=blogDest)

    Maurício R., favor evitar o uso de palavrões nos comentários.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Cortes adiam término do Estaleiro de Construção de submarinos e a reforma do A12

O primeiro submarino S-BR em construção em Itaguaí-RJ - Foto Ricardo Pereira

  Roberto Lopes Enviado Especial ao Rio A eliminação de 24,8% do orçamento do Ministério da Defesa previsto para o […]

Orçamento 2015: corte na Defesa foi de 5,6 bi

Cortes 2015 no Ministério da Defesa - foto Nunão - Poder Aéreo

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão divulgou nesta sexta-feira, 22 de maio, os números do contingenciamento orçamentário deste ano […]

FREMM Aquitaine realiza com sucesso seu primeiro disparo de Míssil de Cruzeiro Naval

FREMM Aquitaine dispara Míssil de Cruzeiro Naval - foto Marinha Francesa

Além do MdCN, também chamado de ‘Scalp Naval’, a fragata francesa também disparou pela primeira vez o míssil antinavio MM40 […]

Empresa Chinesa CEIEC vence licitação para reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF)

Estação Antártica Comandante Ferraz

SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR RESULTADO DE JULGAMENTO CONCORRÊNCIA Nº 2/2014 Processo nº 61165.000287/2014-93 Espécie: Reconstrução […]

BAE Systems vai fornecer cinco canhões navais Bofors 40 Mk4 para a Marinha do Brasil

BAE_Bofors_40_Mk_4_Naval_Gun_System

Karlskoga, Suécia – A BAE Systems fechou um contrato para produzir e entregar cinco canhões navais Bofors 40 Mk4 para […]