-

Programa de construção custa R$ 120 milhões por mês; Marinha domina o ciclo completo do combustível nuclear

-

Roberto Godoy

O programa de construção de uma nova frota de submarinos de ataque – incluído um grande navio de propulsão atômica – custa R$ 120 milhões por mês; gera, neste momento, cerca de 9 mil empregos, dos quais ao menos 3,2 mil diretos, e está adiantado no tempo. O corte da primeira seção de metal do primeiro submarino da classe Scorpéne/Br produzido no País será feito no próximo sábado no canteiro de obras de Itaguaí, no litoral sul fluminense. Até agora não faltou dinheiro. Os recursos previstos para 2011 somavam R$ 1,8 bilhão. Aplicada a redução determinada em janeiro pela presidente Dilma Rousseff a todo o Orçamento, o total baixou para R$ 1,5 bilhão.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou, no dia 28 de junho, que os R$ 300 milhões contingenciados têm grande chance de ser liberados até o fim do ano.O ProSub, nome oficial do projeto, foi definido como “fator estratégico” para a defesa nacional, segundo documento reservado a que o Estado teve acesso. O relatório destaca: 95% das mercadorias do comércio internacional brasileiro, avaliadas em US$ 300 bilhões anuais, circula por vias marítimas “e exige proteção adequada”.

A área de interesse econômico no mar equivale à da Europa Ocidental – aproximadamente 4,5 milhões de km². Nela, estão sendo mapeadas amplas reservas de metais pesados, de alto valor para as indústrias eletrônica, aeronáutica, de sistemas de precisão e materiais para superligas.

Mais que isso, o petróleo de grande profundidade ocorreria não apenas na província do pré-sal, na bacia de Santos, mas sim em toda a linha da plataforma oceânica, desde o sul, no litoral de Santa Catarina, até o eixo da ilha de Maracá, no Amapá.

Domínio atômico. A 600 quilômetros de distância, no Centro Aramar, em Iperó, interior de São Paulo, a Marinha concluiu a construção da Usina de Gás de Urânio, a Usexa. Com ela o País passa a dominar o ciclo completo do combustível nuclear, a última etapa do processo, que ainda era comprado de prestadores de serviço estrangeiros – no caso, a Cameco, no leste do Canadá. A obra deveria estar concluída no fim de 2010 para entrar em produção três meses depois. Houve problemas com fornecedores. Há novos prazos. A primeira carga de yellow cake, o resultado primário do beneficiamento do urânio, está prevista para as próximas semanas. Depois disso, a Comissão Nacional de Energia Nuclear fará uma inspeção geral. Em setembro, a Usexa começa a receber elementos sensíveis, como nitrato de urânio e ácido fluorídrico.

Os testes devem durar 150 dias. De acordo com o almirante Júlio Moura Neto, comandante da Marinha, a produção plena “só começa em 2012″. A usina vai fabricar, por ano, 40 toneladas. O volume atende, com sobras, às necessidades da Defesa. O Centro Tecnológico criou e produz ultracentrífugas que separam o U-235, rico em energia, do U-238, mais pobre. O enriquecimento é limitado a 5% e em outra linha a 20%, para aplicações científicas e médicas. Armas nucleares exigem níveis acima de 90%. Desde que foi revitalizada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2007, a pesquisa recebe R$ 130 milhões por ano. As agendas em Iperó e Itaguaí precisam coincidir: em 2016, os técnicos iniciam a longa integração do reator com o casco da embarcação movida a energia atômica.

O navio, de 4.1 mil toneladas de deslocamento, vai entrar em operação cinco anos depois. É um gigante de 100 metros de comprimento, com autonomia limitada apenas pela capacidade da tripulação de 100 militares. Em Iperó, especialistas trabalham com maquetes de acrílico para dar o que consideram “a dimensão humana” ao espaço exíguo do submarino.

O reator custou US$ 130 milhões. Está parcialmente pronto e estocado no Centro Aramar.

O consórcio contratado pela Marinha para cuidar do empreendimento é formado pela brasileira Odebrecht Defesa e Tecnologia e pela francesa DCNS. O comando da Força detém a golden share, participação minoritária, porém, com direito de veto.

O grupo da França é o transferidor da tecnologia envolvendo, na fase inicial, que se estende até cerca de 2021, quatro modelos convencionais, dotados de motores diesel-elétricos e um nuclear. O valor total do pacote é de 6,7 bilhões. A etapa inicial, em execução, vale 1,8 bilhão cobrindo as obras de um novo estaleiro e uma nova base naval, ambos de alta sofisticação. A entrega do navio inaugural da classe, um Scorpéne de 1.870 toneladas, está prevista para o segundo semestre de 2016. Os outros três submarinos do tipo S-Br sairão, até 2021, do novo estaleiro. No futuro, projetado até 2047, a Marinha contempla outros cinco submarinos nucleares e 15 diesel-elétricos, além de mais cinco, modernizados.

Construção acelerada. As obras civis estão sendo executadas em três turnos e terminam em 2015, na Ilha da Madeira, em Itaguaí, baía de Sepetiba. Ao lado das instalações da Nuclep, o braço industrial do complexo nuclear do Brasil, a Odebrecht Defesa e Tecnologia está tocando a Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas, UFEM.

A gleba do estaleiro e da base soma 980 mil metros quadrados, dos quais 750 mil m² na água. O acesso ao conjunto se dará por um túnel escavado em rocha de 850 metros de comprimento e uma estrada exclusiva de 1,5 quilômetro. Haverá 2 píeres de 150 metros cada um e três docas secas (duas cobertas) de 170 metros. No total, serão 27 edifícios. A dragagem passa de 6 milhões de metros cúbicos. O plano da obra prevê a geração de 700 empregos diretos. Pronta, a instalação poderá dar apoio técnico a uma frota de dez submarinos e terá capacidade para construir duas unidades novas simultaneamente.

Um dos prédios, destinado ao procedimento de troca do reator do navio nuclear ou do combustível, será alto, equivalente a 16 andares. Os submarinos vão circular, entrar e sair das instalações por meios próprios, movimentando-se por uma zona molhada com 340 mil m².

No momento, seis dragas especializadas trazidas da Bélgica atuam no local. O 1,5 milhão de metros cúbicos de areia extraídos poderiam encher um estádio do tamanho do Maracanã.

FONTE: Estadão 

 

Tags: , , , , , ,

One Response to “Submarinos serão força estratégica” Subscribe

  1. Vader 11 de julho de 2011 at 9:50 #

    Coitado do Godoy. É obrigado a puxar o saco para obter informações. Uma única linha sobre o contingenciamento, e loas e mais loas ao projeto e à visão oficial sobre o tal pré-sal…

    Bem, veremos no que vai dar isso aí. Se será uma arma útil a nosso país ou, como diria o ex-embaixador americano, será um “elefante branco”, ladrão de recursos do nosso mirrado e contingenciado orçamento de defesa…

    http://vaderbrasil.blogspot.com/2010/12/embaixador-americano-chama-submarino.html

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

China pretende estreitar laços militares com Irã, diz mídia chinesa

PEQUIM (Reuters) – A China quer ter laços militares mais estreitos com o Irã, disse o ministro da Defesa chinês […]

Submarino alemão é encontrado afundado na costa dos EUA

  Pesquisadores informaram nesta terça-feira (21) a descoberta de um submarino alemão e de um cargueiro nicaraguense que afundaram na […]

Fotos do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ em construção na China

Confira as fotos do lançamento ao mar do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico “Vital de Oliveira” em Xinhui, na China. O […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]