Payday loans online

Em dezembro de 2011, a Base Naval de Val-de-Cães (BNVC) enviou à Capitania Fluvial do Rio Paraná uma Lancha de Ação Rápida (LAR) especial, projetada e construída pela BNVC, em Belém (PA), para operar no Lago de Itaipu e nos rios que limitam as fronteiras do Brasil com a Argentina e Paraguai.

A LAR é dotada de cabine com blindagem balística em fibra de polietileno de alta performance, mais eficiente na proteção contra disparos de pistolas e fuzis, o que permite total segurança para o patrão e mais seis passageiros.

Nas provas de mar, a embarcação alcançou velocidades acima de 35 nós, em perfeitas condições de estabilidade e manobrabilidade. A LAR especial, com capacidade operacional adaptada à região em que vai atuar, será de grande importância para colaborar nas ações conjuntas entre a Marinha do Brasil e as forças de segurança que atuam na tríplice fronteira.

FONTE: Nomar

Tags: , , ,

Estudante de Psicologia, colaborador em Natal-RN do Forças de Defesa.

15 Responses to “Base Naval de Val-de-Cães entrega Lancha de Ação Rápida à Capitania Fluvial do Rio Paraná” Subscribe

  1. martins 1 de fevereiro de 2012 at 9:55 #

    Nossa. Deve ter um bom motivo para ser feia desse jeito.
    Parece que pegaram a carcaça de um blidado e soldaram na estrutura da lancha.

  2. aericzz 1 de fevereiro de 2012 at 14:04 #

    tentei desenhar algo mais feio, mas não cheguei nem perto disso…!

  3. Nautilus 1 de fevereiro de 2012 at 17:39 #

    Podia ser mais fotogênica mesmo a bichinha…

  4. joseboscojr 2 de fevereiro de 2012 at 10:42 #

    “Lancha de ação rápida”.
    Noooossaaaa!!!!

  5. joseboscojr 2 de fevereiro de 2012 at 14:05 #

    Se tem o Opalão porque não pode ter o Kombão???

  6. Requena 2 de fevereiro de 2012 at 14:31 #

    Pra ficar feia ela tem que melhorar muito…

    Uma dúvida.

    Ela não é uma “versão militar blindada” daquelas lanchas escolares que a Marinha anda distribuindo na Amazônia?

    Pelo menos parecida ela é…

    http://www.mar.mil.br/menu_h/noticias/com4dn/marinha_entrega/lanchas_escolares_a_comunidade.html

    http://www.naval.com.br/blog/2011/09/22/lanchas-escolares-produzidas-pela-marinha-sao-entregues-ao-para/#axzz1lFLvGNP3

  7. Fernando "Nunão" De Martini 2 de fevereiro de 2012 at 17:26 #

    Requena,

    Até onde sei, o casco não é o mesmo usado nas lanchas escolares, apesar da semelhança devido ao fato de ambas operarem em rios. Mas posso estar enganado, não me lembro exatamente onde li sobre as duas.

    De fato, não ficou bonita… Pra falar a verdade, não é bonita mesmo (ao menos nesse ângulo da foto).

    Mas quem corre o risco de levar chumbo lá na tríplice fronteira talvez não se importe muito com a beleza da lancha. Eu acho.

    A configuração básica das LAR (Lancha de Ação Rápida) é sem essa cabine blindada, para dar mais mobilidade no embarque e desembarque rápido de fuzileiros em ações em abicagens em rios, além de permitir o fogo com armas portáteis por todos os ocupantes, etc. Já as necessidades de patrulha fluvial na tríplice fronteira deve ser diferente, mais do tipo policial.

    Se bem que, pelo que parece, há uma espécie de seteira abaixo de cada janela da cabine blindada.

    Voltando à versão sem capota: no link abaixo, da Emgepron (depois de acessar essa seção que é a de construção naval, tem que clicar na setinha lateral das fotos que vai abrir, até chegar a foto da LAR), dá pra ver um vídeo de curta duração mostrando a configuração sem capota numa simulação de ação do tipo.

    https://www.emgepron.mar.mil.br/index/construcao_naval.php

    Tinha uma LAR exposta na LAAD 2011 também, na área externa.

    Pode-se também ver acessar o link a partir do banner da Emgepron, que é anunciante do Poder Naval. Está logo aqui no lado direito da página, na parte de publicidade, abaixo do banner de outro anunciante, a Helibras.

    Saudações!

  8. Fernando "Nunão" De Martini 2 de fevereiro de 2012 at 17:47 #

    Requena,

    Acabei de encontrar o texto que tinha lido sobre as lanchas escolares e, como eu suspeitava, as dimensões e proporções dos cascos são diferentes. Deslocamento, propulsão e várias outras características também diferem bastante.

    E, olhando com atenção as fotos dos links que você mandou com o link do que eu coloquei, há também diferenças razoáveis na forma em geral, acredito que devido à maior velocidade das LAR. Além da óbvia diferença da motorização (não é motor de popa a gasolina de 90cv do caso das escolares, e sim, no caso da LAR, um motor diesel de 190 – 200cv instalado no interior do casco).

    Aliás, clicando em mais uma setinha lateral do link que mandei, a última foto que vai aparecer é das lanchas escolares e, clicando nela, você vai poder conferir as características.

    Em comum, o fato de que são construídas em alumínio, e que são projetos ligados à Emgepron.

    Saudações!

  9. Joker 3 de fevereiro de 2012 at 0:37 #

    As LARs são para operações ribeirinhas, especialmente, as anfíbias podendo ainda que limitadamente realizar abordagem de embarcações. Utilizando se de motores a diesel. As LTE originam se das LAR e das “ambulanchas”, destinam-se ao transporte de alunos, ou seja, crianças,adolescentes e adultos-jovens, usam motores a gasolina com capacidade de 20 passageiros ou 1300kg.

  10. Observador 3 de fevereiro de 2012 at 1:04 #

    Tudo bem que a funcionalidade sempre vem antes da beleza em um equipamento militar, mas credo, isto parece um carro alegórico do caveirão!

    Mas tem que ser assim mesmo: os contrabandistas e traficantes sempre estão armados e dispostos a tudo, só um veículo blindado e muito veloz para manter o respeito.

  11. Joker 3 de fevereiro de 2012 at 2:57 #

    Pessoal imagem o peso que essa cabine(quase telefônica) deve ter pra uma embarcação que não foi remotorizada e para o histórico de nossas embarcações alcança 35 nós, acho que o meio mais rápido que possuímos alcança 32nós.

  12. erabreu 3 de fevereiro de 2012 at 5:47 #

    Observador,
    eu ía comentar sobre isso: se pintar de preto pode chamar de CAVEIRÃO!

  13. erabreu 3 de fevereiro de 2012 at 6:01 #

    Agora, esse Caveirinha D’água serve somente para missões de patrulha e combate a contrabando e traficantes,
    Se for para falar em termos de guerra, melhor é seguir os exemplos que já foram provados em combate.

    http://brownwater-navy.com/vietnam/BoatsPBR.htm
    http://brownwater-navy.com/vietnam/photos2/RFpage6.jpg

    Resistiam até a minas! (imagino que não sejam aquelas minas oceânicas)

  14. MO 3 de fevereiro de 2012 at 9:38 #

    olha ai Jok

    bela oportunidade para debater sobre PaFlu

    aproveita e debata bastante é uma das formas de desenvolver

  15. Requena 5 de fevereiro de 2012 at 8:51 #

    NUNÃO

    Obrigado pelas explicações!

    De fato são modelos diferentes.

    Com certeza essa cabine blindada foi um “pedido” do pessoal da fronteira. Só quem tá lá sabe aonde o “chicote estala”.

    Se ela for a primeira LAR blindada da MB, com certeza virão outras. Posso estar enganado, mas o Poder Naval vai trazer notícias sobre outras incorporações desse tipo em breve. A necessidade existe.

    E elas podem ser feias, mas cumprirão um papel importante. Com certeza a última coisa que o pessoal da fronteira se preocupa na hora de perseguir traficantes é a beleza do equipamento…

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Pentágono protesta contra ação provocativa de jato russo sobre navio dos EUA

Enquanto as tensões entre o Ocidente e a Rússia aumentam, um avião de ataque russo realizou um ato “provocativo” no […]

Nota da Marinha sobre matéria publicada no jornal O Dia

Senhor Editor-Chefe, Em relação à matéria intitulada “Luxo e viagem dão indício de improbidade”, que acompanhou a matéria de capa […]

Lancha Patrulha de Rio começa a operar na Tríplice Fronteira

No dia 31 de março, após uma travessia de seis dias navegando na calha do Rio Solimões, de Manaus a […]

Acervo Documental da DPHDM recebe registro no Programa Memória do Mundo da UNESCO

No dia 27 de março, a “Coleção Eduardo De Martino/Guerra da Tríplice Aliança”, do acervo da Marinha do Brasil, recebeu […]

Royal Navy diminuindo

O gráfico mostra o número de unidades navais da Marinha Real Britânica diminuindo ao longo das últimos governos. Especialistas e […]

Tracker versus EC-725

Por G-Loc A Marinha do Brasil (MB) está comprando aeronaves C-1 Trader e S-2 Tracker para a função de reabastecimento […]

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE