Em correlação ao assunto Falklands/Malvinas segue imagem da fragata tipo 23 HMS Montrose (F 236) fundeada em Port William, próximo a Port Stanley, Ilhas Falklands.

A Montrose será substituída como navio estação na patrulha do Atlântico Sul pelo CT tipo 45 HMS ‘Dauntless’ (D 33).

FOTO: Peter Tukker, a bordo do M/S ‘Veendam’ – Holland America Line

Tags: , ,

8 Responses to “HMS ‘Montrose’ (F 236) fundeada em Port William, Stanley – Falklands” Subscribe

  1. Almeida 3 de fevereiro de 2012 at 11:15 #

    De uma fragata Type 23 para um destroyer Type 45 foi um grande reforço, não tenham dúvidas.

  2. Vassili 3 de fevereiro de 2012 at 17:26 #

    À 29 anos e 9 meses atrás o bixo estava comendo solto neste mesmo local. No youtube tem imagens de aeronaves A-4 voando rente ao mar e manobrando entre os navios da RN, na tentativa de escapar da AAA deles e dos fuzileiros reais desembarcados na praia. Tb aparecem aeronaves Dagger (ex IAI-Nesher) fazendo o mesmo.

    abraços.

  3. luizblower 3 de fevereiro de 2012 at 20:32 #

    Pena que, por pura babaquice, os navios britânicos rumo às Malvinas não podem fazer escala aqui. Gostaria muito de visitar um T45. Quem sabe na volta!

  4. MO 3 de fevereiro de 2012 at 22:16 #

    Cv Frontin – Chega a reboque em SSZ hoje a tarde

    http://santosshiplovers.blogspot.com/2012/02/cv-frontin-v-33-pwfn-chega-santos.html

  5. Guilherme Poggio 4 de fevereiro de 2012 at 9:59 #

    Vassili

    O local citado por você é San Carlos. Não é o mesmo ponto onde esta a T23 agora

  6. daltonl 4 de fevereiro de 2012 at 12:43 #

    “O fato de denviar um dos navios mais novas e mais modernas da Royal Navy para as ilhas FALKLAND , mostra a importância da missão”

    ——————————————————————————————–

    Na verdade, os britanicos não possuem muitas escolhas. Hoje há apenas
    19 grandes combatentes de superficie, 13 T-23s, 3 T-45s e 3 T-42s, que serão descomissionados tão logo os demais 3 T-45s entrem em serviço e fragatas e destroyers tem sido enviados ao Atlantico Sul.

    Do jeito que o HMS Daring está ele é essencialmente um navio de defesa antiaerea, com 48 misseis. Não há nenhum missil de cruzeiro capaz de atingir territorio argentino e nenhum missil antinavio, além do que o helicoptero leve e o canhão principal são identicos aos da HMS Montrose.

    Futuramente, como aconteceu com os “Spruances” na US Navy, os T-45s poderão receber mais silos e tipos diferentes de misseis, pois há capacidade para “crescimento”, mas no momento são apenas bons navios antiaereos e nada mais.

    abs

  7. Vassili 5 de fevereiro de 2012 at 13:52 #

    Dalton,

    a enorme diferença no caso são os sensores do Dauntles e os 48 Sea Viper nele instalados né????????

    abraços.

  8. daltonl 5 de fevereiro de 2012 at 16:10 #

    Sim Vassili…é o que eu acho, apesar do T-45 ter outras qualidades como seu sistema de propulsão e capacidade de operar como navio capitanea, mas estas vantagens não emprestam necessariamente um maior poder de fogo.

    Se todos os 48 silos estiverem “cheios” é bem possivel que a combinação seja de 32 misseis de longo alcance e 16 de curto alcance, ou seja, o HMS Dautless será perigoso para os argentinos se estes quiserem ataca-lo pelo ar, ou seja, é mais uma plataforma defensiva que ofensiva.

    abraços

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

A participação da Marinha do Brasil na I Guerra Mundial

A segunda-feira, dia 28, marca os 100 anos da I Guerra Mundial. Você sabia que o Brasil enviou oito navios […]

Submarino que jogou Brasil na I Guerra Mundial pode ter sido encontrado

Responsável pelo afundamento do navio brasileiro Macau e pelo sumiço de dois tripulantes brasileiros, o U-93 estaria a uma milha […]

Pesquisadores encontram submarino nazista naufragado com 17 esqueletos dentro

No litoral da ilha de Java, na Indonésia, pesquisadores do Centro Nacional de Arqueologia do local encontraram um submarino nazista […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – última parte

A atracação na Base Almirante Castro e Silva e a despedida A manobra de atracação do submarino Tapajó na Base […]

Entrevista com o comandante do submarino ‘Tapajó’, capitão-de-fragata Horácio Cartier

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 3 PODER NAVAL: Comandante Cartier, o senhor poderia falar um pouco […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 2

Um submarino de propulsão convencional como o Tapajó tem um funcionamento parecido com um telefone celular: de tempos em tempos […]