Home Sistemas de Armas O primo pobre e o primo rico

O primo pobre e o primo rico

3798
12

Na foto acima, o NPaOc Amazonas de 1.800 toneladas e abaixo a corveta Al Shamikh, de 2.600 toneladas, da classe “Khareef” da Marinha de Omã. Os dois projetos são da BAE Systems Surface Ships e possuem casco e propulsão muito semelhante (clique nas imagens para ampliar).

Enquanto o projeto do nosso NPaOc (classe “Port of Spain”, originariamente para a Guarda Costeira de Trinidad e Tobago) foi feito para policiamento naval, a classe “Khareef” é um navio de combate, equipado com um radar 3D SMART-S Mk2 e armado com 1 canhão de 76mm Oto Melara, 2 canhões de 30mm MSI DS30M, 8 mísseis MM-40 Block III Exocet e 12 mísseis antiaéreos MBDA VL Mica.

A diferença de preço também é grande: os três NPaOc custaram ao Brasil £133 milhões, enquanto Omã está pagando £400 milhões pelas três corvetas da classe  “Khareef”.

12
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
fragatamendesmarciomacedoMOMarcosci_pin_ha Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

Mas “vale quanto pesa”.

ci_pin_ha
Visitante
ci_pin_ha

Tem a Classe Nakhoda Ragam que fora encomendada por Brunei e que depois desistiram da compra, os três navios estão lá na Inglaterra parados até hoje.

comment image

Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

Mas estas corvetas não foram compradas pela Indonésia?

ci_pin_ha
Visitante
ci_pin_ha

Fabio ASC

Foram compradas pela Indonésia por um valor de US$ 380 milhões e serão entregues em 2013.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Pois é, faltam naves de superfície bem equipadas e dia tem gente aqui que acha uma maravilha o nosso SubNu. Como perguntou o outro: vamos atacar com o quê? Bodoque?

MO
Membro

um navio com este preço cerca de 40 milhoes de libras cada eh um absurdo, poderiamos ter construidos AHTS´s com maior autonomia, menor preço maior capacidade pafra tudo alem de poderem fazer ap log, operações com ROV, resagate SAR, abastecimento e ser armado com o mesmo armamento por USD 50 mi e ainda construirmos aqui em alguns 6-8 meses no maximo (Projeto estrangeiro, mas feito aqui sob licensa) e de quebra dariamos um up grade no salvamar pois nos RbAM´s infelizmente tem capacidade de reboque de 1/4 dos atuais rebocadores portuarios vistos nos nosso principais portos Um detalhe para se… Read more »

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

Pois é, tem alternativas bem mais modernas, mais bem equipadas e talvez tão em conta quanto novas Barroso modernizadas que a MB pretende construir.

MO
Membro

este seria um dos problemas Marcio as Tamanduas vao virar navio de esquadra principal … salvo se Nunca antes na estoria deste local” fizerem algo deferente …

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

Marcelo: para mim, este papo de construir cinco novas corvetas Barroso surgiu porque o Almirantado já sabe que dificilmente as sonhadas fragatas de 6 mil toneladas do Prosuper não vão sair. Coincidem até no número: cinco. Aí está: será que não dava para sair um meio termo tipo as Formidables ou as sul-coreanas de 3 mil toneladas?

MO
Membro

marcio ja estava cantando a bola faz tempo, ta ai as tais Fremm, KD e tal .. um tapa buraco meia bola que virarah a espinha dorsal da esquadra … mas dai surgem duas duvidas = 1 sera que sai mesmo … 2 se sair serão dotadas do que e se forem paióis full com,o sempre tudo meia bola (força de expressão nas duas citações) 3 sera que saem 5 … 4 sera que eh isto mesmo que precisamos ao inves de navios full oceanicos maiores 5 dilema acreditar no vai sair ou empurrar pela goela o papo que sera… Read more »

fragatamendes
Visitante
Member
fragatamendes

Caros amigos, os navios comprados pela MB foram construídos para serem Navios Patrulha e na Marinha serão empregados como Navios Patrulha, para mim só deveria ser trocado o armamento de tubo por um Canhão de tiro rápido de 76mm e dois de 20mm ou um de 40mm e dois de 20mm para se fazer uma padronização.Abraços do MENDES.

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

Desde de jovem, da época dos Xavantes, existe esse papo de transferência de tecnologia e até hoje nós estamos atrás da tal transferência que nunca é transferida. O ruim é que sonharam alto demais com as escoltas de 6 mil toneladas, ao invés de pensar numa alternativa digna do tamanho do nosso bolso. Por isso, podemos levar menos que precisamos, uma plataforma meia boca ausente até nas marinhas de países de economia mais fraca que a nossa. Está aí, no blog, a fragata (ou será corveta?) bacana da vibrante economia que é o Marrocos.