sexta-feira, março 5, 2021

Saab Naval

Rafale da Marinha Francesa dispara Exocet

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Trata-se do primeiro disparo do tipo feito por um Rafale da Marinha Francesa, após a qualificação feita pela Direção Geral de Armamento

Em 19 de setembro o Rafale Naval M27 realizou o primeiro disparo de avaliação técnica e operacional de um míssil ar-mar AM39 Exocet. A aeronave decolou do porta-aviões francês de propulsão nuclear Charles de Gaulle, que deixou Toulon no dia anterior. O disparo do míssil com ogiva ativa contra um alvo inflável instalado pela equipe da DGA (Direção Geral de Armamento) do centro de testes de mísses.

Segundo a revista Air & Cosmos, trata-se da primeira vez que um Rafale da Aviação Naval Francesa dispara um Exocet, e esse marco abre o caminho para a implementação operacional dessa capacidade em ambas as frotas de Rafale (11F and 12F) da Aviação Naval.

Ainda segundo a revista, a combinação Rafale – Exocet, combinada com o desempenho do sistema Spectra, possibilita engajar alvos navais de maneira mais furtiva, incluindo o uso do link 16.

Conforme informações da Marinha Francesa, o Charles de Gaulle deixou Toulon no dia 18 de setembro para um período de treinamento. A comissão no Mediterrâneo visa qualificar novos pilotos navais.

FONTES / FOTOS: Air & Cosmos, Marinha Francesa (Marine Nationale) e MBDA

Colaborou: Marcelo

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

10 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
daltonl

Mais um passo para aposentar os “SEM”, já que até então eram os únicos capazes de lançar o “exocet”, o que fará com que o CDG opere apenas uma aeronave na função de caça e ataque, o Rafale M, da mesma forma como ocorre na US Navy, com o Super Hornet, o que trará substancial economia. O CDG está qualificando novos pilotos navais, que já passaram pelo treinamento básico feito a bordo de NAes da US Navy, com aeronaves T-45C e simuladores e agora estão aptos para a transição para uma aeronave mais sofisticada. Até 1991, a US Navy possuia… Read more »

Giordani RS

Lembro que certa vez li que a USN havia estudado o uso do Harpoon pelo A-4. Nunca mais li nada e não sei dos resultados. Pergunta: O A-4M será capaz de interagir com um ASM?

Sobre a matéria; Canto do Cisne para o SEM…

joseboscojr

Giordani, O A-4 pra lançar o Harpoon só se for no modo cooperativo, usando outra plataforma para designar o alvo já que ele não possui radar e não poderia por conta própria fazê-lo. O único míssil antinavio que seria possível de ser operado de forma autônoma pelos A-4 americanos é o Maverick F no modo LOBL (travamento antes do lançamento) já que ele usaria o próprio sensor do míssil para fazer a aquisição do alvo. Esse modo é claro que limita o alcance de lançamento já que o míssil só pode ser lançado dentro do alcance do sensor de imagem… Read more »

daltonl

O “Gabriel III” ASM equipou A-4s israelenses, mas eram do tipo “fire and forget” bem mais simples e de menor alcance do que o harpoon, com certeza o Bosco pode explanar melhor, mas, fizeram parte das armas que um A-4 era capaz de operar.

Não me parece que a MB queira utilizar os A-4s para algo mais do que defesa, e de qualquer forma, serão apenas 9 monopostos modernizados dos quais nem todos estarão operacionais e/ou embarcados ao mesmo tempo, talvez não valha a pena incorporar mais armas deixando os helicopteros com alguma capacidade antinavio.

joseboscojr

Eu não sabia que o A-4 lançava o Gabriel III. O Harpoon também é “fire-and-forget” como o Gabriel III, só que, como o Dalton disse, com o dobro do alcance. Para o A-4 israelense lançar o Gabriel III, que tem alcance de 60 km, só se ele tiver um radar próprio (como os nossos A-4 modernizados) ou se for apenas como uma plataforma lançadora linkado a uma outra aeronave (que possua radar) ou a um radar de superfície (naval ou em terra), que possa abastecer o sistema inercial do míssil com as coordenadas do alvo. A rigor nada impede que… Read more »

joseboscojr

Já o Rafale que tem radar (um excelente radar de varredura eletrônica,, diga-se de passagem), com certeza deve poder detectar um navio do tamanho de uma fragata a uns 250 km. Claro que para isso ele tem que estar a mais de 6000 metros de altitude devido ao horizonte radar. Como o AM-39 tem só uns 50/60 km de alcance, o Rafale se aproxima abaixo do horizonte radar subindo de tempo em tempo para fazer uma varredura com o radar até chegar na distância de lançamento e lança o míssil protegido abaixo do horizonte radar do navio (30/35 km) e… Read more »

Giordani RS

Achei! Imagem de um A-4(esquadrão VX-4) armado com um ASM Harpoon!

http://a4skyhawk.org/content/153674-vx-4-official-us-navy-photo-ph3-k-trent-3927

daltonl

VX são esquadroes para testes, receio que não passou disso mesmo, apenas testes, nunca vi um A-4 operacional de um esquadrão VA e mesmo os ultimos e antigos NAes modernizados da classe Essex que foram retirados em meados dos anos 70 já haviam substituido os A-4s pelos A-7s.

joseboscojr

Provavelmente eles usaram o A-4 para fazer testes de separação do Harpoon quando o estavam desenvolvendo, mas com certeza o míssil era muito areia pra esse baixinho invocado.
Mudando de pato pra ganso eu acho exagero até a utilização do AM-39 Exocet em helicópteros. Acho que mísseis antinavios de helicópteros devem ser leves e de preferência serem levados pelo menos 2.
O Exocet é o míssil mais pesado lançado de helicóptero, seguido pelo Kh-35 russo (Harpoonski). Outro trambulho. rsrssss

joseboscojr

Mudando de pato pra ganso, é curioso como a “moda” de helicópteros orgânicos de navios não portarem mísseis ar-ar não pegou. Na minha ingenuidade acho que seria uma dissuasão eficaz contra o uso de helicópteros armados com mísseis antinavios. Não muitos navios possuem sistemas de defesa de área (ou área curto) que poderiam negar o uso da maioria dos helicópteros para a função antinavio, mas muitos possuem helicópteros orgânicos. Por exemplo, a Barroso é alvo fácil de todos os mísseis lançados por helicópteros, já que não tem um sistema defensivo de alcance maior que 6 km, fornecido pelo canhão de… Read more »

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Doutrina de engajamento da US Navy contra submarinos inimigos

A doutrina de Guerra Antissubmarino (ASW) da US Navy (Marinha dos EUA) prioriza a destruição dos submarinos de um...
- Advertisement -
- Advertisement -