Por dentro do Amazonas

Ícaro Luiz Gomes

Durante a parada técnica do navio em Natal, o Poder Naval realizou a cobertura “exclusiva” da chegada do NaPaOc Amazonas, P-120, ao Brasil.  Agora, com a segunda parte dessa cobertura, vamos conhecer por dentro o Amazonas. No sábado dia 22/09, mais uma vez, o Joker, Ícaro Luiz Gomes, esteve no NaPaOc Amazonas para entrevistar o comandante e a tripulação sobre como foi o recebimento do meio e a derrota de translado ao Brasil. Vamos começar “pelo começo”.

Histórico – a compra de oportunidade e o treinamento na Inglaterra

O Navio Patrulha Oceânico Amazonas foi comprado pela Marinha do Brasil (MB) junto à BAE Systems com outros dois navios irmãos, no que se convencionou chamar de “compra de oportunidade”. Ou seja, uma situação em que as condições financeiras, políticas e operacionais impulsionam a compra de determinados meios para se evitar uma lacuna no cumprimento de uma missão. Essa modalidade proporciona uma solução rápida e, a curto prazo, com custos baixos. Após a compra, foi composto o Grupo de Recebimento do Navio Patrulha Oceânico Amazonas (GRNPAM), sendo encarregado o capitão de corveta (CC) Giovani Correa.

O GRNPAM foi enviado no final de abril para a Inglaterra, para estudar o meio e seus sistemas, de modo que o mesmo pudesse ser incorporado em condições plenas de capacidade e funcionalidade. Durante esse processo, a MB conseguiu com a sua congênere inglesa, a Royal Navy (RN), que o GRNPAM e o NaPaOc Amazonas passassem pelo Flag Officer Sea Traning (FOST). O FOST teria no Brasil como equivalente a Comissão de Inspeção e Assessoria de Adestramento (CIASA), um programa de treinamento que almeja atestar e qualificar a tripulação de um determinado meio para as missões destinadas ao mesmo.

Um certo mito que se criou foi que o FOST aplicado à tripulação foi um FOST “downgraded”. Mas, conforme explicado pelo comandante Giovani Correa, foi contratado para o FOST do NaPaOc Amazonas um programa voltado a Patrulha Naval e a Ações Anti-Pirataria. O módulo contratado poderia incluir adestramento de capacidades, mas as mesma não se enquadram dentro do leque de sistemas e missões do meio.

Durante o período na Inglaterra, a tripulação sentiu falta da comida tipicamente brasileira e da programação da televisão. Tais fatores foram amenizados quando da incorporação do meio. Desde então a tripulação pôde desfrutar de um digno “feijão com arroz”, e a programação televisiva foi suplantada pela internet. Esta proporcionou uma periódica atualização do noticiário e acompanhar alguns programas, entres os quais um drama popular.

O período de treinamento, do final de abril ao final de junho, pode ser considerado bem curto em termos navais, especialmente por se tratar de um meio novo e de uma classe nova. Porém, diversos fatores proporcionaram o rápido aprendizado e a incorporação do meio. A Tecnologia da Informação do nosso cotidiano facilita a leitura de manuais e a simulação/exercício de alguns sistemas que, em outra época, demandariam muito tempo e dinheiro.

Quando os meios estavam para ser entregues, parte da documentação técnica já se encontrava pronta e, por fim, a  excelente motivação da tripulação foi fator essencial para a aprendizagem.

A viagem ao Brasil e os exercícios com outras marinhas

Concluído o treinamento e com a tripulação muito bem adestrada, em agosto o Amazonas suspendeu da Inglaterra com destino ao Rio de Janeiro, passando por seis portos internacionais e três nacionais. Entre os internacionais, os quatro portos africanos foram destaque pelas demonstrações de ações anti-pirataria e de GVI/GP. Os portos africanos visitados foram: Mindelo, em Cabo Verde; Cotonou, em Benin; Lagos, na Nigéria e São Tomé, em São Tomé e Príncipe.

Nos portos citados, foram realizadas demonstrações junto às Marinhas ou Guardas Costeiras dos respectivos países. Nelas, utilizou-se a doutrina da MB e alguns conhecimentos do FOST. A doutrina da MB utilizada relacionava-se à GVI/GP difundida pelo Curso Expedito de Patrulha Naval, ministrado pelo CAAML e na Escola de Operações de Paz de Carácter Naval do CFN.

Quando questionei o CC Giovani Correa e outros oficiais acerca das diferenças entre a Doutrina da MB de GVI/GP e a Doutrina do FOST, as respostas citaram diferenças mínimas. Buscando pontos específicos dessa diferenças, foi respondido: “As duas marinhas possuem uma convergência muito grande e a doutrina de GVI/GP é uma dessas convergências. Os equipamentos, a disposição e o treinamento de ambas levaram a soluções diferentes e satisfatórias a determinadas demandas operacionais, mas não há uma ou outra melhor, são apenas diferentes.” Além das demonstrações de GVI/GP, exercícios “mais marinheiros” foram realizados, entre eles o Light-Line.

As demonstrações de GVI/GP eram iniciadas com uma apresentação e um “briefing” na coberta da tropa. Em seguida, eram formadas equipes mistas de brasileiros e estrangeiros que embarcavam nos RHIB Pacific 24 afastavam-se do NaPaOc Amazonas, iniciando os procedimentos de aproximação e abordagem. Os membros do GVI/GP subiam o costado por escadas quebra-peito e, já na embarcação, ocorria a demonstração da ação de visita e inspeção. A progressão pelo navio era feira em duplas armadas com pistolas, simulando a busca por ilícitos (drogas, armas, etc.) e realizando a revista dos “tripulantes” que, em alguns casos, esboçavam alguma “reação”.

Tais demonstrações já renderam alguns frutos. A Guarda Costeira de São Tomé acenou com a proposta de enviar pessoal para realizar o C-Exp-PatNav do CAAML e a Força Naval de Benin monstrou interesse na formação de pessoal na MB. Uma demonstração bem diferenciada foi a realizada com a Marinha da Nigéria: pelo idioma local ser o francês, necessitou-se de um tradutor. Além disso, o contingente enviado foi das Forças Especiais, correspondente, em termos, aos nossos MECs. Outro fator foi o dos meios operativos.

Finalizada a “etapa africana”, o Amazonas iniciou a derrota até Natal-RN. Considerada a etapa a mais cansativa e com o mar mais crespo, foi finalizada em 19 de setembro quando o Amazonas atracou na BNN (Base Naval de Natal). Foi um dia bem cansativo, mas também de muito alívio. Após a atracação, alguns oficiais foram recebidos a bordo, onde foi realizada uma apresentação sobre o meio e uma visita ao mesmo.

Conhecendo o Amazonas

O Poder Naval esteve presente à visitação. No entanto, imagens não foram permitidas, sendo absorvido importante material e informações para a confecção desta matéria. Na parte da tarde, já foram realizadas algumas das inspeções da CIAsA e foi realizada a pintura do convoo, de excelentes dimensões e qualidades, diga-se de passagem. Enquanto parte da tripulação descansava, a outra parte realizava manutenção preventiva e continuava a se adestrar, em rodízio. Na sexta-feira, foi realizada uma confraternização para a tripulação. No sábado pela manhã, fui novamente à BNN e ao NaPaOc Amazonas para colher informações mais apuradas e material para a presente reportagem.

O NaPaOc Amazonas possui 90,5 m de comprimento, 13,5 m de boca e 4,5 m de calado. Possui deslocamento leve de 1.815 toneladas e máximo de 2.450 toneladas, com capacidade de carregar até 6 contêineres ISO. Avelocidade máxima é de 25 nós e a velocidade de cruzeiro de 14,5 nós. Em cruzeiro, o navio pode atingir um raio de operação de cerca de 4.000 milhas náuticas. A autonomia é de 35 dias para uma tripulação de 80 integrantes.

As dimensões lembram muito a Corveta Barroso que, comparativamente, apresenta 103 m de comprimento, 11 m de boca, 6 m de calado, 2.400 toneladas de deslocamento, 30 nós de velocidade máxima, autonomia de 30 dias e um raio de operação de 4.000 milhas náuticas.

Sua propulsão está a cargo de 2 motores diesel MAN 16v28/33D acoplados cada um a um eixo com hélice Wärtsila de passo controlado. Possui ainda um equipamento de “Bow Thruster” para posicionamento dinâmico. O fornecimento de energia é oferecido por 3 geradores trifásicos Caterpillar, sendo um de emergência, que geram 300KVA. O monitoramento das máquinas é realizado pelo Centro de Controle de Máquinas (CCM) e pelo Quadro Elétrico Principal. O CCM e a dupla estação de trabalho traduzem o alto nível de automação do navio.

Sensores, armamento e centro de operações de combate

Os principais sensores do navio são os seus 3 radares e uma alça optrônica. O radar 2D Scanter 4100, que é o principal sensor do navio, permite o monitoramento da superfície e do espaço aéreo com um amplo horizonte radar, possuindo MTI e +12 modos de operação. A alça optrônica Horus possui câmera de TV, imageamento térmico e um telêmetro laser. O imageamento térmico é eficiente, mesmo no período diurno, e o alcance do telêmetro laser é considerável. A suíte de sensores é completada por 2 radares de navegação Sperry Marine, que operam nas bandas X e S.

O NaPaOc Amazonas possui como armamento um canhão principal MSI DS 30M – Mk44 de 30mm, operado do COC, na proa; dois canhões MSI DS 25M – M242 de 25mm (um em cada bordo), operação manual/COC (vale lembrar que, na terminologia da MB, essas armas são chamadas de metralhadoras). Possui também duas metralhadoras .50 pol. removíveis, uma em cada bordo, além de dois lançadores de foguetes iluminativos de 57mm, contando ainda com 2 pontos para a montagem de fuzil 7,62mm. O arco de fogo do canhão principal é de 180º, o arco de cada canhão de 25mm é de 60º e o arco de cada metralhadora .50pol é de 90º.

O sistema Osiris é o COC do navio, que controla os canhões citados, a alça optrônica Horus e o radar Scanter 4100.  O mesmo permite a simulação de alvos para treinamento e cálculos balísticos que permitem inferir o índice de acertos. Imagens do interior do COC não foram permitidas por razões de segurança. O passadiço possui um elevado índice de automação. Composto por 4 estações de trabalho, permite que todo o navio possa ser controlado por apenas 5 tripulantes. Os radares de navegação operando em duas bandas, associados a cartas náuticas digitais e à TI embarcada, irão transformar o modo de se navegar na Patrulha Naval.

Alojamentos e áreas de descanso

Os corredores internos são amplos e os alojamentos são confortáveis. A capacidade de pessoal a bordo é de 130 pessoas, entre tripulantes, tropas embarcadas ou refugiados, operando normalmente com 80 tripulantes. Os oficiais ficam em cabines individuais ou duplas, e os subtenentes e sargentos ficam em camarotes duplos. Os cabos e marinheiros ficam em um alojamento. A iluminação no interior do navio é bem adequada, sem luzes extremamente fortes ou muito fracas e que dialogam muito bem com os tons neutros do acabamento interno. Essa combinação, junto ao conforto, é primordial quando se leva em conta que as missões do meio são previstas para cerca de 27 a 32 dias.

A Praça D’Armas é bem ampla e confortável, e ganhou elogios dos oficias que estiveram presentes à visitação e da tripulação. Possui ainda equipamentos de multimídia e slides. A Área de “descanso”/Rancho dos graduados possui tons mais escuros, mas apresenta um excelente conforto com LCD, DVD e MiniSystem. O Rancho/Área de Descanso dos praças é bem amplo e bem compartimentado, possuindo tons mais claros e os mesmos itens de multimídia dos graduados.

A coberta da tropa possui espaço para a instalação confortável para mais 50 tripulantes/refugiados, em uma Operação de Interdição Marítima, Com a instalação de alguns contêineres, a área poderia servir de alojamento para os mesmos. Para o autor, tal espaço também permitiria que o meio fosse o Capitânia da FTM no Líbano. O navio possui ainda uma enfermaria com 10 leitos!!! Possui sala para pequenas cirurgias e todo o aparato cirúrgico necessário. A cozinha do navio é ampla e possui diversos utensílios de porte industrial para as refeições diárias. Apresentava-se muito limpa e bem mantida com gêneros alimentícios.

Convoo, guindaste e turcos

O convoo, que já se encontra pintado no padrão nacional, possui 20 metros e comporta helicópteros e ARP (Aeronaves Remotamente Pilotadas) de até 7 toneladas. A iluminação é de LED e é compatível com NVG (óculos de visão noturna). Perguntado sobre o uso do componente aéreo pelo NaPaOc Amazonas, o Comandante Giovani Correa explicou que os meios aéreos empregados deverão ser os UH-12/13 e o AH-11. O navio encontra-se capacitado para transportar e abastecer com combustível de aviação os meios a serem empregados.

Sobre a questão de uma possível instalação de hangar para as aeronaves que operarem embarcadas, o comandante disse que o assunto se encontra em estudo, mas não há ainda alguma conclusão a respeito.

Na área do convoo e próxima ao mesmo, podem ser instalados até 6 contêineres ISO, com cabeamento elétrico trifásico compatível, podendo tornar os mesmos em módulos de operações ou carregar contêineres refrigerados para gêneros alimentícios. A ré, encontram-se ainda canhões de água, que podem ser usados no combate a incêndios, controle de poluição ou ainda como reposta a ameaça assimétrica.

Um guindaste com capacidade de 16 toneladas e lança com 14m que permite a movimentação de cargas na parte externa, onde também se encontram dois turcos, um em cada bordo, destinados a movimentar as lanchas de interceptação RHIB Pacific 24. As Pacific são lanchas infláveis de casco semi-rígido com 24 pés e alcançam cerca de 40 nós de velocidade máxima, e se destinam a levar o GVI/GP do Amazonas ao navio/plataforma a ser investigado, no resgate de pessoal/material e outras missões.

Agregando três elementos num único meio

O projeto do NaPaOc Amazonas consegue agregar três elementos importantíssimos: o helicóptero, a RHIB e o Navio-Patrulha,  fundamentais na moderna doutrina de PatNav. Um meio com elevada capacidade de permanência em patrulha em velocidade de cruzeiro, associado ao caráter multiplicador do elemento aéreo no ambiente naval e à capacidade de interceptação que RHIB de altas velocidades proporcionam o cumprimento do Controle de Área Marítima, tarefa básica do Poder Naval. Um conjunto que também permite a aplicação das legislações vigentes acerca do Direito Marítimo Internacional/Legislações Nacionais, exercendo efetivamente a Soberania nas Águas Jurisdicionais Brasileiras.

Alguns pontos sobre o futuro da Classe Amazonas ficaram em aberto, haja vista ser nova na MB e ainda estar passando por testes. A conjuntura politico-comercial atual, onde diversas empresas disputam o mercado de defesa brasileiro com a formação de “joint-ventures” com congêneres internacionais, visando a renovação de equipamentos com das três Forças Armadas que têm décadas de defasagem, permite que determinadas lacunas (gaps) sejam superados e/ou interfiram na aquisição de equipamentos que verdadeiramente supram as necessidades das Forças.

A aquisição da Classe “Amazonas” foi um meio-termo nesse cenário, onde os pontos positivos se mostram muito superiores ao negativos. As características superlativas da classe a fazem adequada a tarefa hercúlea de patrulhar a chamada “Amazônia Azul”. Porém, os requisitos de construção elaborados por uma outra marinha/guarda-costeira podem fazer com que a logística, no futuro, torne-se um gargalo.

A construção de outros meios dessa mesma classe, atendendo agora aos requisitos nacionais, seria um solução com excelente custo-beneficio para a MB. Principalment na opinião de fontes que apontam a “jogada britânica” nessa transação comercial/militar, onde a compra desses meios junto à “simbólica” aquisição da “licença de fabricação” representam um trunfo junto ao contexto do PROSUPER na MB.

Um salto para a Patrulha Naval

Para o autor, a classe “Amazonas”, representada aqui pelo NaPaOc Amazonas, representa um enorme salto na Patrulha Naval e na própria Esquadra. A aquisição futura de novos meios dessa mesma classe, adequados à cadeia logística já instalada na MB, seria um ganho exponencial. A Patrulha Naval passa nesse momento por um divisor de águas, antes e depois da classe “Amazonas”, assim como o foi em sua época a classe “Imperial Marinheiro”.

O crescimento das relações e parcerias econômico-industriais junto aos países da costa ocidental africana, que desponta nessa segunda década do século XXI como uma projeção de poder do tipo “brasileira”, necessita que os interesses nacionais sejam defendidos de perigos específicos. Isso, associado às crescentes demandas de operações de interdição marítima sob o mandato de organismos internacionais, faz com que meios oceânicos adequados a responder às ameaças assimétricas, em cenários de baixa intensidade, se façam presentes mundo afora.

Na nossa opinião, a Marinha do Brasil acertou em cheio ao adquirir o meio objeto dessa reportagem. Bravo Zulu MB!

 

Obs.: peço desculpas ao CCSM, à tripulação do NaPaOc Amazonas e aos leitores pela demora em publicar esta matéria. Devido a uma tendinite, só foi possível completá-la hoje. Agradecimentos aos CC Giovani Correa (Comandante do NaPaOc), CC Bocca (Imediato) e ao CT Martins Franco (Chefe do Departamento de Armamentos).

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , , ,

Estudante de Psicologia, colaborador em Natal-RN do Forças de Defesa.

41 Responses to “Por dentro do Amazonas” Subscribe

  1. MO 29 de setembro de 2012 at 4:11 #

    Jok tava vendo as fotos e comentei muitas individualmente. Excelente trabalho, mas não aquele excelente de buneco, excelente mesmo, pegpu muitos detalhes que passaram desapercebido pelos sapiencias. O navio é grande, confortavel e moderno mesmo. Oxala a nova geração de navios militares nacionais sejam assim equipados para conforto de suas guarnições. Gostei tbm do passadiço e rancho

    Muito bom ver as ops cpm os Cabo Verdianenses, Nigerienses, Sao Tomelicos, Benininanos, muito bom ver ops conjuntas com estas marinhas, imagens mostraram uma situ que nao tinha visto imagens semelhantes ainas e isso sim admito muito positivo paa a MB, para sua guarnição e possivel TO dede atuação para estes navios, valeu mesmo !!!

    Paraben mesmo, materia padrao de quem gosta demais !!!!

    E de quebra numa das fotos em Cotonou o Century Hope, que consegui pegar aqui em SSZ tempos atras = http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2012/09/mv-century-hope-h3oa.html

  2. GUPPY 29 de setembro de 2012 at 13:42 #

    Prezado Joker,

    Repito o MO:
    Matéria padrão de quem gosta demais!!!!

    Parabéns a você pela excelente reportagem e ao PN por contar com você.

    E BZ a Marinha pela excelente transação.

    Abraços

  3. Augusto 29 de setembro de 2012 at 14:46 #

    Meus parabéns à turma do Poder Naval, a matéria ficou excelente.

  4. Fernando "Nunão" De Martini 29 de setembro de 2012 at 19:16 #

    Matéria com excelente conteúdo, Joker, parabéns!

    Gostei muito dos detalhes relativos à capacidade de pessoal (tripulantes ou outros), as áreas de ocupação flexível, alojamentos, a questão do hangar, automação etc. São “detalhes” que fazem toda a diferença.

    Saudações!

  5. Fernando "Nunão" De Martini 29 de setembro de 2012 at 20:41 #

    “MO em 29/09/2012 as 4:11
    Jok tava vendo as fotos e comentei muitas individualmente.”

    MO,

    Na verdade, as fotos estavam com um problema de link, pois o certo não é que abram individualmente para comentários, mas apenas ampliem.

    Do contrário, vira uma bagunça de comentários.

    O Galante consertou esses links, mas com isso os seus comentários feitos nas fotos não podem mais ser acessados.

    Assim, copiei os comentários e trascrevo abaixo, com o nome de cada foto e o que vc comentou nelas.

    Abs!

    Coberta_tropa_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 4:03
    muito bom, grata surpresa

    Interior_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 4:02
    como desconfiava ele eh enorme por dentro

    Bandeira_Faina_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 3:57
    Bandeira de Faina .. EXCELENTE Jok

    Benin_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 3:51
    Umm em Cotonou com os Beninianos

    Benin_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas_3
    MO em 29/09/2012 as 3:47
    Agora com os Beninicos e de quebra ao fundo o Century Hope, que eu tenho foto em http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2012/09/mv-century-hope-h3oa.html

    CB_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 3:42
    Ahhh aora sim, Cabo Verde

    CB_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas_2
    MO em 29/09/2012 as 3:41
    Cabos Verdianenses .. muito legal !!!!!

    CB_Light_Line_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 3:38
    Marinha de Cabo Verde, NPa Guardião

    Nigeria_Light_Line_NaPaOc_Amazonas
    MO em 29/09/2012 as 3:35
    Nigerienses em ação !!!
    Duas gerações de embarcações, se bem que de duas funções diferentes

    STP_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas_2
    MO em 29/09/2012 as 3:34
    Oia, que legal em operação com a Marinha de São Tomé and Principe, poxa gostaria ver mais fotos deles em ops conosco

    Nigeria_Demo_GVI_NaPaOc_Amazonas_2
    MO em 29/09/2012 as 3:23
    uia os Nigericos com o bute bege … que legal, este macacao azul nosso tbm ficou muuuito melhor, ao menos esteticamente

  6. fragatamendes 29 de setembro de 2012 at 20:59 #

    Prezado ÍCARO, parabéns pela reportagem está um verdadeiro SHOW, muito obrigado por estas e aquelas fotos que te pedi, no FLICKR esqueci de te perguntar se tu não havia feito alguma foto por inteiro do “Dique Cidade de Natal”.Depois de ver todas as fotos das unidades que estavam na BNN, fiquei pensando que se a “Barca Oficina Alecrim” não tivesse deixado de fazer parte da Base tu certamente teria fotografado esta unidade tão difícil de ser fotografada pela mídia.Um abração do MENDES.

  7. Daglian 29 de setembro de 2012 at 21:19 #

    Muito interessante a matéria, parabéns Joker!!! Pelas fotos e características do navio, creio que cumprirá sua função de patrulha oceânica. Bela aquisição da MB.

  8. GUPPY 29 de setembro de 2012 at 21:47 #

    Não consigo comentar no post abaixo deste: “A bordo do Rei dos Mares – Sua Majestade o AHTS”. Mostra Erro 404.

    Quando o referido post foi publicado, nem sonhávamos com a Classe Amazonas. E agora, o que muda? As excelentes qualidades do “Bos Turmalina” continuam sendo necessárias, interessando à Marinha ou os Classe Amazonas suprem o emprego de um AHTS? Ou seriam complementares e aí sim, estaríamos capacitados tanto para patrulha quanto para apoiar, socorrer sinistros, atender o POIT, etc?

    Abs

  9. Fernando "Nunão" De Martini 29 de setembro de 2012 at 22:34 #

    Guppy,

    O MO e eu testamos e a janela de comentários do referido post está funcionando. O tal do “404″ deve ter sido um erro momentâneo.

    Provavelmente um erro gerado pelo excesso de tráfego. A audiência hoje disparou por causa desta matéria do Amazonas. Tem muita gente interessada no assunto.

  10. GUPPY 29 de setembro de 2012 at 22:58 #

    Tks Nunão e MO. Mas o que eu queria comentar é basicamente o segundo parágrafo do meu comentário acima, ou seja, ainda seriam muito necessários uns AHTS na Marinha ou a chegada dos “Amazonas” diminuíram a necessidade dos primeiros?

    Abraços aos dois

  11. GUPPY 29 de setembro de 2012 at 23:07 #

    Ok, Nunão.

    O MO já respondeu o meu último comentário no post correspondente (que eu não estava conseguindo acessar para comentar).

    Saudações

  12. Baschera 30 de setembro de 2012 at 0:12 #

    Parafraseando o MO, salve o pessoal do “poder naválico”…rssss.

    Joker,

    Terminei agora de ler a matéria e ver todas as fotos….. porra meus parabéns ….. deu gosto de ler e ver.

    Gostaria de saber se realmente a MB tem a intenção de construir outras unidades semelhantes a esta…. depois que as outras duas chegarem, e se estamos em condições tecnológicas de construi-las sem “dawngradear” ….

    Sds.

  13. Joker 30 de setembro de 2012 at 2:00 #

    Queria a agradecer a todos pela parabenizações, inclusive aquelas que chegaram por email.

    Baschera a intenção existe, a questão está na conjuntura atual do processo de reaparelhamento que as FFAA estão previstas por passarem. Então existem ruídos no processo de decisão por novos meios dessa mesma classe. Com relação a serem produzidos no país, poder até podem, mas a qualidade do produto final eu não tenho condições técnicas de comentar, posso apenas usar palavra de terceiros que entendem de facto e de jure.

    Guppy AHTS é AHTS, NaPaOc é uma secção do lado. A necessidade de renovação dos RbAM está ai já faz um tempinho… As missões que seriam congruentes entre os RbAM e os NaPaOc normalmente são secundárias para um ou para outro, por exemplo as POIT ou as de Pesquisa em SPSP.

    Mendes depois passo mais fotos pra ti por enquanto estão de quarentena, rsrsrsrs. Sobre a Barca Oficina Alecrim tá anotado aqui, quando tiver um nova oportunidade eu procuro a mesma pela BNN.

  14. daltonl 30 de setembro de 2012 at 9:17 #

    Excelente cobertura, parabéns…mas darei nota 9,5 pois faltou uma foto dos banheiros, que sei lá porque razão, sempre chamou minha atenção… :)

    abraços

  15. joseboscojr 30 de setembro de 2012 at 9:38 #

    Uma certa “deficiência” no designer do Amazonas é a face da superestrutura voltada para a proa, reta. Se fosse em forma de cunha possibilitaria um arco de tiro maior para o canhão de 30 mm.

    Joker,
    Já vi fotos que sugerem a existência de canhões d”água. Eles existem?
    No mais, me junto aos colegas para parabenizá-lo pelo artigo.

    Um abraço.

  16. Galante 30 de setembro de 2012 at 11:00 #

    Ícaro, meu Padawan, a Força é grande em você! Estamos muito orgulhosos de seu excelente trabalho, parabéns!

  17. Fernando "Nunão" De Martini 30 de setembro de 2012 at 11:07 #

    Bosco, tá lá no texto sim. Na parte mais perto do final, que fala dos guindastes e turcos, mais para baixo da foto do alojamento dos praças.

    “A ré, encontram-se ainda canhões de água, que podem ser usados no combate a incêndios, controle de poluição ou ainda como reposta a ameaça assimétrica.”

  18. joseboscojr 30 de setembro de 2012 at 11:12 #

    É mesmo Nunão.
    Valeu!

  19. Guilherme Poggio 30 de setembro de 2012 at 11:50 #

    Prezado Bosco,

    Mudanças na superestrutura reduziriam o espaço interno.

    O arco do canhão de 30mm é condizente com a sua função de patrulha. Por outro lado, quaisquer dificiências são totalmente cobertas pelo arco dos de 25mm.

  20. joseboscojr 30 de setembro de 2012 at 12:18 #

    Poggio,
    Na verdade fui infeliz com o termo “deficiência” enquanto deveria ter dito “característica”.
    Também exagerei na “forma de cunha”. Poderia ter dito “biselada”.
    E claro, com certeza qualquer alteração no designer tem implicações outras.
    Um abraço.

  21. Joker 30 de setembro de 2012 at 13:26 #

    Almirante Dalton,

    não deu pra tirar foto dos banheiros porque estavam dando uma limpeza geral no navio, mas posso dar algumas impressões. O grupo de osmose pode produzir cerca de 14 tons de água, então água pra tomar banho não falta. O banheiro é bem espaçoso, dá pra ficar em pé e lavar a cabeça sem que os cotovelos ou mãos esbarrem em algo, seja o próprio chuveiro ou nas laterais. Dá pra fazer 360 graus durante a ducha. Isso tudo sem disputar espaço com o “trono”.

  22. GUPPY 30 de setembro de 2012 at 14:03 #

    Opa! Grupo de osmose? É a primeira vez que vejo isto. Seria o “Grupo Destilatório” ou substituto deste?

    Abs

  23. Guilherme Poggio 30 de setembro de 2012 at 16:21 #

    Coro Guppy, “osmose reversa” seria o termo mais apropriado.

  24. Fernando "Nunão" De Martini 30 de setembro de 2012 at 18:04 #

    Guppy,

    Passando o cursor sobre as fotos do final da matéria, aparecem as legendas que indicam o que cada uma mostra.

    A foto do grupo de osmose reversa está na oitava fileira da terceira coluna, logo abaixo da foto da bandeira de faina.

  25. GUPPY 30 de setembro de 2012 at 18:39 #

    Ok, dei uma estudada sobre “osmose reversa”. E achei muito bonito o grupo de osmose da fotografia indicada. Brigado Nunão. Tô aprendendo!

    Saudações

  26. Darkman 30 de setembro de 2012 at 18:58 #

    Boa matéria moleque !!!
    Ficou muito boa essa matéria, bom trabalho !!!

    Abs.

  27. sergiocintra 30 de setembro de 2012 at 19:19 #

    Faz tanto tempo que não vemos coisas novas, que nos surpreendemos e questiono: Se tivessem a construção realizada por aqui, atingiriamos essa qualidade? – essa, também, ressaltada pela qualidade das fotos e pelo conteudo das informações.

    Para uma cobertura do nosso porte e extensões, realmente falta um hangar, que acredito não estar computado no projeto original, pelas diferentes necessidades dos “anteriores” contratantes. Mas acredito ser uma grande valia na atual circunstância onde temos um “grande” GF de intenções e de poucas ações.

  28. jcsleao 30 de setembro de 2012 at 19:28 #

    Joker,
    Junto-me aos demais colegas nos parabens pelo excelente nível da cobertura.
    Uma frase sua me chamou atenção: “Imagens do interior do COC não foram permitidas por razões de segurança.”
    Cara, fala sério. Que tanto pode haver de tão “secreto” no COC de um navio de patrulha como este que vá afetar tanto a segurança. Esta é uma magnífica embarcação. Mas não é uma corveta, fragata, ou mesmo qualquer outro tipo de escolta.
    Será que não é excesso de zelo?

  29. juarezmartinez 30 de setembro de 2012 at 19:36 #

    Joker, a matéira ficou excelente e muito elucidativa. Gostei muito close foto nos GG CAT do navio, modernos, atenuados e são o estado de ate em geração de energia.
    Agora, após esta cobertura penso que podemos concluir que os Ingleses continuam sabendo como fazer um navio militar, sem frescuras, poucos “quadrados retângulos”(by Ostra), moderno e operacional.

    Parabéns.

    Grande abraço

  30. fragatamendes 30 de setembro de 2012 at 19:38 #

    Prezado ÌCARO, fico no aguardo das novas fotos que tu falaste devem ser fantásticas como estas e aquelas do FLICKR, quanto a “ALECRIM” infelizmente ela foi transferida para a AMAZÔNIA.Abraços do MENDES.

  31. MO 30 de setembro de 2012 at 21:22 #

    ahhh mas vc acha que iriam perder a oportunidade de alguem virar o “The King of the black cokade” … infelizmente se permite umas coisas, mas caga tudo em outras … imagina seria crime contra a seguranssa nassionau mostrar o COC …

  32. Milton 1 de outubro de 2012 at 10:48 #

    Parabéns Joker, matéria de primeira linha. Daqui a pouco estarás mudando de profissão!!!! rsssss, abração

  33. Joker 1 de outubro de 2012 at 12:18 #

    A questão do COC realmente não há nada demais que necessite ser “escondido”, apenas pediram pra não fotografar por “questões de segurança” e põem aspas nessa segurança. Tem um video no youtube de grupo de comunicações que mostra o COC muito bem. Foi só protocolar mesmo.

    Milton

    vou mudar nada de profissão, fico logo com as duas porque ninguém sabe o dia de amanhã rsrsrsrs

  34. MO 1 de outubro de 2012 at 12:58 #

    eh jok estes “protocols” que cansam a gente …

  35. Joker 1 de outubro de 2012 at 13:43 #

    http://globotv.globo.com/infoglobo/o-globo/v/comandante-giovani-correa-apresenta-o-navio-patrulha-amazonas/2029079/

    De um 1:07 à 1:19 do video há aproximadamente um 270º do COC.

  36. joseboscojr 1 de outubro de 2012 at 23:10 #

    Mudando de pato pra ganso, alguém sabe alguma novidade sobre a compra daquelas lanchas de patrulha fluviais da Colômbia?

  37. Vader 2 de outubro de 2012 at 20:48 #

    Prezado Joker, a força é poderosa em você, jovem padawan! (2)

    Excelente trabalho.

    Olha só, não entendo muito de embarcações, mas me parece uma bela nave. Dá gosto de ver a MB com coisa nova, pra variar um pouco.

  38. Mauricio R. 2 de outubro de 2012 at 23:33 #

    Pelo menos conseguiram comprar algo novo, “de oportunidade”, mas novo.
    E que não é francês.

  39. juarezmartinez 3 de outubro de 2012 at 16:03 #

    E mais importante, um navio praticamente estado de arte por um preço JUSTO, sem bixices by tots………

    Grande abraço

  40. joseboscojr 7 de outubro de 2012 at 21:21 #

    A rigor o Amazonas só não é “estado da arte” porque não lança ou recupera “botes” diretamente da traseira, tendo que usar o guindaste para fazê-lo.
    Também não tem um radar 3D, mas tal equipamento não é crítico em um navio eminentemente de patrulha.

  41. joseboscojr 7 de outubro de 2012 at 21:34 #

    Correção:
    Guindaste não, os “turcos” sim.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

F ‘Rademaker’ (F 49) – suspendendo de Santos, 31.08.2014, 1h27

Imagens da F. ‘Rademaker’ (F 49),suspendendo de Santos no início da madrugada do dia 31/08/2014. Fica registrada a passagem do […]

Há 100 anos um ‘Peixe-Espada’, parente de ‘Foca’, era lançado na Suécia

O primeiro submersível construído na Suécia, o HMS Svärdfisken – que significa ‘Peixe-espada’ – tinha projeto de origem italiana semelhante […]

Submarino ‘Tapajó’ (S 33) – Visitação pública em Santos/SP

Imagens da  visitação pública no Submarino ‘Tapajó‘ (S  33) em suas escalas no Porto de Santos/SP, ocorrida no período da […]

Navios de guerra estão abertos para visitação neste final de semana, em Santos-SP

José Claudio Pimentel Três navios de guerra e um submarino da Marinha do Brasil estão atracados, neste fim de semana, […]

Atleta do Programa Olímpico da Marinha é campeã mundial de Judô na Rússia

No dia 29 de agosto, a integrante do Programa Olímpico da Marinha (PROLIM), Terceiro-Sargento (RM2-EP) Mayra Aguiar da Silva, sagrou-se […]