A companhe nas fotos como evoluiu o conforto a bordo de navios de guerra para as tripulações e tropas transportadas, desde a Segunda Grande Guerra Mundial, até os dias de hoje.

No começo havia pouca preocupação com as condições de conforto térmico, iluminação, ventilação e salubridade.

Após a Guerra da Vietnã, as instalações começaram a receber melhorias com a desativação dos navios antigos e a incorporação de novas unidades, como se vê na foto abaixo.

As acomodações nos navios da US Navy, embora tenham melhorado muito, ainda continuam espartanas. Observar abaixo as acomodações a bordo do novo USS America (LHA-6).

Na foto abaixo, como comparação, temos as instalações do futuro navio-aeródromo HMS Queen Elizabeth.

Tags: ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

6 Responses to “A evolução das condições de habitabilidade em navios de guerra” Subscribe

  1. Joker 27 de outubro de 2012 at 8:18 #

    Pra um sujeito que vai passar semanas ou até meses no mar, suas acomodações são um fator indispensável ao rendimento/produtividade, somado a ferramentas/instrumentos de lazer e entretenimento tais como “mini-academia”, multimídia, tratamento acústico e sistema de refrigeração o ganho adquirido pode ficar na faixa de 20%-30%. A depender ainda de seu perfil psicológico, clima organizacional e fatores familiares, fatores tais como idade, sexo e saúde também influenciam.

    Até mesmo pra a faina de CAV espaço a mais para passar com os equipamentos necessários e ganhar um volume a mais de oxigênio é importantíssimo!!! Pense você subir o teto de sua residencia em apenas 19cm e imagine a diferença.

  2. daltonl 27 de outubro de 2012 at 8:56 #

    De fato, as acomodações nos navios da US Navy são espartanas, mas isso se deve ao fato principalmente mas não só, da doutrina de que navios danificados em combate ou acidente, podem necessitar de braços extras, principalmente se houverem baixas entre a tripulação.

    Mesmo assim está se buscando reduzir o nr de tripulantes com mais automação ,reduzindo os custos ao longo das décadas que um navio permanecerá em serviço e ao mesmo tempo aumentando o conforto dos tripulantes que ganharão mais espaço.

  3. Fabio ASC 27 de outubro de 2012 at 14:01 #

    Vcs tem fotos destas acomodações no Dixmude? Só para comparar mesmo.

  4. Fernando "Nunão" De Martini 28 de outubro de 2012 at 10:32 #

    Fabio,

    Basicamente é o que foi mostrado na revista Forças de Defesa 5, que mostra um camarote para duas pessoas (nesse caso, oficiais).

    A diferença é só o número de camas e evidentemente o tamanho do compartimento: um, dois ou três beliches, acomodando duas, quatro ou seis pessoas em cada camarote, conforme a patente – sendo que cada camarote tem sempre o seu próprio banheiro.

    O de seis lugares, que é para tripulantes e para tropa, é razoavelmente semelhante a este que se vê do Queen Elizabeth.

    Mais tarde eu procuro e coloco uma das fotos aqui, para ficar mais claro. Agora estou saindo pra votar…

  5. GUPPY 28 de outubro de 2012 at 17:07 #

    Lembremos que quando um navio é preparado para uma missão de combate real, muita coisa que tem a bordo é removido como tapetes, passadeiras, coisas inflamáveis, se brincar até colchões. O coforto diminui em nome da segurança. Até a guarnição pode diminuir. Só permanece a bordo o estritamente necessário. Quanto menos trabalho para o CAV, melhor.

  6. Fernando "Nunão" De Martini 29 de outubro de 2012 at 13:11 #

    Fabio,

    Seguem três fotos de uma cabine para duas pessoas do Dixmude.

    Como escrevi, basicamente o que muda para as cabines para quatro ou seis pessoas é o tamanho e número de camas (um, dois ou três beliches) e um ou outro detalhe.

    http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/10/Dixmude-cabine-para-duas-pessoas-foto-Nunão-Poder-Naval.jpg

    http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/10/Dixmude-cama-em-cabine-para-duas-pessoas-foto-Nunão-Poder-Naval.jpg

    http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2012/10/Dixmude-banheiro-em-cabine-para-duas-pessoas-foto-Nunão-Poder-Naval.jpg

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

NPaOc ‘Araguari’ apoia a 400ª Expedição Científica ao Arquipélago de São Pedro e São Paulo

No período de 25 de março a 1°de abril, o Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) “Araguari” realizou a 400ª Comissão de apoio […]

Pentágono protesta contra ação provocativa de jato russo sobre navio dos EUA

Enquanto as tensões entre o Ocidente e a Rússia aumentam, um avião de ataque russo realizou um ato “provocativo” no […]

Nota da Marinha sobre matéria publicada no jornal O Dia

Senhor Editor-Chefe, Em relação à matéria intitulada “Luxo e viagem dão indício de improbidade”, que acompanhou a matéria de capa […]

Lancha Patrulha de Rio começa a operar na Tríplice Fronteira

No dia 31 de março, após uma travessia de seis dias navegando na calha do Rio Solimões, de Manaus a […]

Acervo Documental da DPHDM recebe registro no Programa Memória do Mundo da UNESCO

No dia 27 de março, a “Coleção Eduardo De Martino/Guerra da Tríplice Aliança”, do acervo da Marinha do Brasil, recebeu […]

Royal Navy diminuindo

O gráfico mostra o número de unidades navais da Marinha Real Britânica diminuindo ao longo das últimos governos. Especialistas e […]

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE