Home História Parabéns e obrigado, ‘Parnaíba’!

Parabéns e obrigado, ‘Parnaíba’!

698
22

Neste mês de aniversário de 75 anos do monitor Parnaíba, completados em 6 de novembro, a equipe do site Poder Naval / revista Forças de Defesa visitou o navio e a Base Fluvial de Ladário (MS), no 6º Distrito Naval.

Após essa missão, podemos garantir:  a idade não parece pesar nem um pouco nesse navio sem igual, que traz em cada detalhe uma mistura de passado e de modernidade, mostrando-se operativo do primeiro ao último rebite e sem rivais no seu teatro de operações.

Suspendemos com o Parnaíba, comemoramos essa marca histórica junto aos seus dedicados tripulantes e conhecemos o “Jaú do Pantanal” de alto a baixo, de proa a popa. Um navio que começou a fazer história já em seu lançamento, sendo o “casco número 1” do AMRJ (Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, na Ilha das Cobras, à época denominado AMIC), marcando em 1937 o início bem-sucedido de um ciclo de construção naval militar às vésperas da Segunda Guerra Mundial, da qual participou.

O navio “Caverna Mestra da Armada” continua fazendo a diferença até hoje, mantendo-se modernizado e fundamental, acumulando décadas de operações, milhares de “dias de mar” e  centenas de milhares de milhas navegadas, numa história que você vai conhecer em breve. Aguarde!

Por hora, deixamos aqui algumas fotos e, principalmente, o nosso muito obrigado ao comandante, oficiais e tripulação do navio e a todos os militares da Flotilha do Mato Grosso e do 6º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Parabéns, Parnaíba, e muitos anos de vida operativa!

Veja no vídeo abaixo o canhão de 76mm do Monitor Parnaíba (U17) em ação!

22
Deixe um comentário

avatar
18 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
IvanGuilherme PoggiomartinsAlfredo Araujodaltonl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Realmente, parabéns!
O monitor é mais e melhor amado do que o NPaOc Amazonas (P 120)?

MO
Membro

é

MO
Membro

Quero ver o primeiro izperto a falar abobrinha aqui do Parnaiba

Valew Fernandinho e o Bozoh, pelo trabalho, poste and o … tchnmmmmmmmmmmmm…… que vira soon …..

MO
Membro

por um acaso a dupla de dois pegou os Potengi ????? se nao pegou “Isso eh um Absurrrdooooooooooo”

By the way Fernandinho, vc and a Gis ja estão perdendo o The Seo Buneco Show” !!!!

fragatamendes
Visitante
Member
fragatamendes

Fala MARCELO, os “ABUTRES DE PLANTÃO” devem estar se roendo de raiva com os elogios feitos ao “JAÚ DO PANTANAL”.Abraços do MENDES.

Alexandre Galante
Admin
Famed Member

Sim, é bem mais armado que o NPaOc Amazonas…, embora a direção de tiro seja a Eyeball MK.1.
Mas são 6 canhões de 20mm, 2 canhões de 40mm e um canhão de 76mm! É uma fortaleza fluvial.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Perguntinha de leitor de “aviunzinho”: Aquele canhão de proa na reforma que foi submetido, não poderia ter sido substituído por algo mais, digamos contemporâneo.

Grande abraço

PS Mendes, por favor para torrar o saco da gente com esta ladainha de Abutres, que já encheu , o meu pelo menos.

Daglian
Visitante
Daglian

Sobre a classe, quantos da mesma foram construídos e continuam operacionais? Procurei no NGB mas não encontrei.

Muito obrigado,

Sds.

MO
Membro

Yuri classe Paranaiba, so um, o poprio em pessoa …

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

E sendo apenas um…o torna mais interessante. Tomara no futuro seja aproveitado como museu.

Daglian
Visitante
Daglian

Uma pena ser só um.

Agradeço pelas informações e pela matéria!

Sds

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

Interessante ver um navio desses operando com helicopteros, sendo q na época de sua concepção, eles nem mesmo existiam !!! rsrs

martins
Visitante
martins

Qual a exata função do cara que dá um “tapinha” no cartucho ejetado?

MO
Membro

Chefe da peça

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Caro juarezmartinez

Acredito que a troca do canhão da proa por algo mais moderno não condiz com o ambiente de emprego. Ele já representa muita coisa para aquele TO.

Lembrando que “do lado de lá do rio” o maior calibre não chega a 20mm.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Caro Poggio! Eu não me referia ao calibre em si, e sim ao tipo de reparo que expõe toda a equipe de tiro e forma de carregamento, talvez algo mais moderno um pouco, com calibre menor e de municamento automático.

Grande abraço

Ivan
Membro
Member
Ivan

“É uma fortaleza fluvial.”

Galante,

Sem desmerecer o Parnaíba que é muito útil e cumpre a missão, fortalezas fluviais são estes monitores russos e romentos:
http://sistemasdearmas.com.br/nav/flurusrom.html

Abç,
Ivan, o antigo.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Pggio e JuarezMartinez,

Uma alternativa interessante para o canhão de 3 (três) polegadas seria um morteiro de carregamento automático como o NEMO (o AMOS seria demais). Seria uma bateria de apoio de fogo flutuante poderosa para operações ribeirinhas.
http://www.forte.jor.br/2010/09/03/sistema-de-morteiros-nemo-da-patria-selecionado-para-os-veiculos-lav-ii/

Abç,
Ivan, talvez não tão antigo… rsrs.