Las Malvinas son Argentinas

Renata Giraldi

Brasília – Na sua viagem pelo Oriente Médio e a Ásia, a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, reiterou o pedido para que o Reino Unido dialogue sobre o controle das Ilhas Malvinas. Antes de deixar a Argentina, ela enviou carta às autoridades britânicas cobrando o diálogo e recebeu respostas negativas. Desde o século 19, argentinos e britânicos disputam a soberania das ilhas. A presidenta quer a interferência da comunidade internacional no assunto.

Em março, haverá um plebiscito nas Malvinas para que a população decida se deseja permanecer sob domínio britânico ou passar para o controle argentino. Na sua visita ao Oriente Médio e à Ásia, Cristina Kirchner defendeu a ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A exemplo do Brasil, a Argentina quer ter assento permanente no órgão.

Segundo a presidenta, a presença da Argentina no Conselho das Nações Unidas reflete a atual “realidade global”. O órgão é formado por 15 países – dos quais cinco têm assentos permanentes e dez rotativos, que são substituídos a cada dois anos. A estrutura do conselho é do período pós-Segunda Guerra Mundial.

Cristina Kirchner apelou ainda para que a União Europeia e a Organização Mundial do Comércio (OMC) sigam “regras claras para todos”, adotando medidas de “transparência e igualdade”. O apelo refere-se às medidas de protecionismo adotadas por alguns países e aos permanentes embates sobre o tema.

FONTE: Agência Brasil

Tags:

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

19 Responses to “Cristina Kirchner insiste em soberania argentina sobre Malvinas” Subscribe

  1. jacubao 19 de janeiro de 2013 at 20:00 #

    Ô mulherzinha chata essa Cristina. Se quer as Malvinas, tenta tomar de novo.

  2. carvalhomtts 19 de janeiro de 2013 at 20:21 #

    caraca estava pensando a mesma coisa sobre esta mulher, so pode ser falta!!que chatice,é muita falta do que fazer,o pais mergulhado em varios problemas e ela procurando sarna para se coçar,vai procurar uma louça para lavar.

  3. nunes neto 20 de janeiro de 2013 at 9:33 #

    Quer as ilhas de volta?O primeiro ministro Inglês já deu a dica,só na guerra,para de falar,moderniza as já sucateadas FA da Argentina,compra logo, uns 10 sub,15 navios de guerra modernos e 100 Su 35,tenta invadir a ilha e troca o nome para Malvinas,já está ficando chato essa retórica,parece um mantra.

  4. Giordani RS 20 de janeiro de 2013 at 9:34 #

    O brazil é o país da piada pronta mas à argentina É a piada pronta!

    Também acho que os hermanos merecem um assento no CS, mas no sanitário! Brazil e Argentina com assentos permanentes no CS seria o fim da pouca moral que a ONU ainda tem! Um país com uma política diplomatica que é um carnaval de bobagens e um país falido que vive na imaginolândia…

    E é incrível que ainda existe gente, em pleno Século XXI, que ainda cai nessa retórica populista, proferida pela turba kirchner, de que a culpa pelas mazelas argentinas, por tudo que vai mal no reino da imaginolândia é do mundo…dos ingleses…e dos “macaquitos”!!!!

  5. klesson 20 de janeiro de 2013 at 9:38 #

    Vai pagar as tuas contas criatura, deixa de tentar desviar os problemas do teu país e arranjar confusão com quem não deve e não pode.
    As Falklands são Inglesas e ponto final.

  6. aldoghisolfi 20 de janeiro de 2013 at 9:48 #

    Afora as consequências do ridículo, vejo que essa doida vai acabar levando a Argentina à outra patriotada.

  7. Marcos 20 de janeiro de 2013 at 10:44 #

    A idéia estapafúrdia da soberania da Argentina sobre as Falklands/Malvinas é a mesma de alguns radicais islâmicos sobre o fim do Estado de Israel. Ou seja, nunca vai acontecer.
    Em último caso os kelpers podem declarar independência.

  8. Giordani RS 20 de janeiro de 2013 at 11:39 #

    “aldoghisolfi disse:
    20 de janeiro de 2013 às 9:48
    Afora as consequências do ridículo, vejo que essa doida vai acabar levando a Argentina à outra patriotada.”

    O que assusta é que países como o uruguay tomam atitudes estúpidas com relação aos ingleses em prol de uma retórica vazia e descabida…e nisso o brazil tem culpa por intermédio de um itamaraty ideoPaTizado…

    Pode ter certeza de que os ingleses, especialmente o pessoal da Defesa, adoram ouvir essa retórica estúpida protagonizada por essa aloprada…só assim é que os cortes no orçamento de defesa não são maiores! O que os ingleses mais precisam é de um programa de reaparelhamento das FAs…argentinas!!!!!

  9. Rafael M. F. 20 de janeiro de 2013 at 11:42 #

    Eu sou o único que acha que a Cristina K. tem cara de atriz pornô aposentada?

  10. AlexJ 20 de janeiro de 2013 at 12:02 #

    O ideal seria que o CS da ONU fosse ampliado em mais dois assentos permanentes, Índia e Japão.
    O primeiro um emergente que cresce a taxas superiores a 6% anual, armado até os dentes, detentor de dissuação nuclear e 1 bilhão de pessoas. O segundo, uma nação poderosa em todos os aspectos.

  11. aldoghisolfi 20 de janeiro de 2013 at 13:17 #

    Giordani RS: e nisso o brazil tem culpa por intermédio de um itamaraty ideoPaTizado…
    É verdade e isso tem nome: Marco Aurélio Toptop…

  12. AlexJ 20 de janeiro de 2013 at 13:46 #

    “A exemplo do Brasil, a Argentina quer ter assento permanente no órgão.”

    Mais um país bananeiro-bolivariano furando “uzóio” do itavaravilha!!!

    É isso o que dá a “putênfia” ceder, ceder e ceder às vontades, chantagens e malfeitos da ralé latrinoamericana.

    A argentina bloqueou diversos itens da pauta de nossas exportações para o seu território. De sapatos à linha branca, pouco escapou. Enquanto isso, banânia continua importando veículos, leite e derivados, frutas, etc dos hermanos como se nada tivesse acontecido.

    A complacência e o poder não combinam. Chega a ser hilário que em troca de apoio na demanda por uma vaga no CS a condescendência do brazil acabe nisso, uma baita FACADA NAS COSTAS da parte de seu principal “parceiro estratégico”.

  13. Blind Man's Bluff 20 de janeiro de 2013 at 15:03 #

    Até muito pouco tempo, o Brasil era “A Ralé Latrinoamericana”. Não sei o que aconteceu que fez com que alguns brasileiros, como este acima, começassem a se achar superiores ao resto da America Latrina… Lamentavel!

  14. Moriah 20 de janeiro de 2013 at 15:39 #

    caso perdido…o RN não vai ceder e quem mora nas ilhas não vão querer trocar o certo (UK) pela duvidosa (ARgggg).

  15. Marcos 20 de janeiro de 2013 at 18:11 #

    AlexJ

    “A exemplo do Brasil, a Argentina quer ter assento permanente no órgão.”

    É, acho que os dois paéses, de fato, vão é sentar no órgão. Só!!!

  16. Requena 21 de janeiro de 2013 at 15:44 #

    “Rafael M. F. disse:
    Eu sou o único que acha que a Cristina K. tem cara de atriz pornô aposentada?”

    Somo dois nobre Rafael… :D

  17. Vader 22 de janeiro de 2013 at 8:58 #

    Inacreditável. Já não chega a idiotice de se referir à Presidente da República Federativa do Brasil como “presidenta”, agora a Presidente da Argentina também vira “presidenta”?

    Bando de idiotas. Vão estudar…

    Quanto à CK, pode escrever um milhão de cartas, só vai gastar papel. Como disse alguém, ela que vá procurar uma louça pra lavar, rsrsrs…

  18. glaison 22 de janeiro de 2013 at 13:25 #

    Requena disse:
    21 de janeiro de 2013 às 15:44
    “Rafael M. F. disse:
    Eu sou o único que acha que a Cristina K. tem cara de atriz pornô aposentada?”

    “Somo dois nobre Rafael… ”

    Vejam pelo lado positivo. Ao menos ela se parece com uma mulher. Já a Dilma…

    Falando sério: Quando não se consegue lidar com a crise, o mais fácil é botar a culpa no outro.

  19. cristiano.gr 23 de janeiro de 2013 at 9:18 #

    Nunes Neto:

    Mesmo que a Argentina se recuperasse rapidamente e investisse muito em suas forças armadas e comprasse esses meios citados em mais alguns radares e mísseis não teriam muitas chances, mesmo que seu poderio fosse maior que o inglês. Os EUA forneceriam a seu parceiro de OTAN imagens detalhadas de alta resolução em tempo real aos ingleses, forneceriam linhas de créditos exclusivas e qualquer (qualquer mesmo) armamento que os ingleses precisassem. Além disso todo o sistema financeiro mundial trabalharia em benefício da Inglaterra por seu apoio a Israel.

    A única forma de a Argentina conseguir a posse das ilhas ou da parte oeste delas é cobrando a ONU e tendo a simpatia da maioria dos países. O apoio russo e chinês pesa muito para isso.

    O arquipélago é um ponto muito estratégico para os países da OTAN que, junto com a Guiana Francesa, faz um cerco em toda a América do Sul. Além disso é rico em petróleo.

    Uma solução que poderia ser a bandeira dos argentinos na ONU seria a divisão da posse do arquipélago, leste para UK e oeste para Argentina.

    Alguns colegas necessitam rever o mapa das américas para pararem de questionar o choro dos argentinos.

    >>essa placa sempre me tráz saudades da fronteira, fica em Passo de Los Libres, bem em frente ao terminal de caminhões logo após a Aduana.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

China planeja construir 18 bases navais no exterior, inclusive na Namíbia

PLA Navy

Segundo o jornal The Namibian, estão em curso discussões nos “mais altos níveis” os planos da Marinha do Exército de Libertação […]

Taiwan inicia provas de mar do seu novo navio de apoio logístico

AOE532_Panshi_01

A Marinha da República da China (Taiwan), ROC Navy, iniciou os testes de mar do navio de apoio logístico de […]

Mísseis JL-2 lançados de submarinos chineses poderão alcançar os EUA

JL-2

Os mísseis intercontinentais de segunda geração JL-2, lançados de submarinos, que têm a capacidade de atingir os EUA, já se […]

Tentáculos da superpotência

140322-N-MV682-434

Em foto de 22.03.14, os navios-aeródromo USS Harry S. Truman (CVN 75), embaixo, e USS George H. W. Bush (CVN […]

NDCC ‘Mattoso Maia’ pode ser o próximo navio da MB a dar baixa

G28

Segundo uma fonte, o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Mattoso Maia (G28) pode ser o próximo navio da […]