O vídeo mostra o andamento das obras do PROSUB na cidade de Itaguaí (RJ), a construção já avançada da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM) e o começo das obras no cais e no que será o futuro estaleiro.

 

FONTE: Canal da MB no Youtube

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

5 Comentários para “Vídeo: Estaleiro e base de submarinos em Itaguaí”

  1. adrianobucholz 30 de janeiro de 2013 at 13:52 #

    Com 50 anos de atraso…………………….

  2. Daglian 30 de janeiro de 2013 at 15:00 #

    Penso ser um grande erro tamanho investimento nos submarinos no presente momento. Ora, temos cinco submarinos IKL-209 alemães relativamente novos (o SS-30 Tupi, primeiro produzido, não tem mais de 26~27 anos). Acredito que sejam o suficiente. A Marinha deveria, ao meu ver, canalizar estes parcos recursos na frota de superfície, que, embora esteja contemplada uma renovação da mesma através do PROSUPER, ainda não há previsão para que os novos navios tenham sua construção sequer iniciada.

    Compreendo de certa forma a intenção da Marinha, mas os submarinos, neste momento, a meu ver, são um passo largo demais quando a frota de superfície sucateia-se.

    Sds.

  3. HMS TIRELESS 30 de janeiro de 2013 at 15:46 #

    Daglian:

    Você está certo! Ocorre que a possessão de um submarino nuclear virou objeto erótico de desejo da MB, pouco importando se no futuro haverão recursos para o custeio do mesmo. Por isso ela aceitou de bom grado a aberração de acordo assinado pelo GF com a França.

  4. Blind Man's Bluff 30 de janeiro de 2013 at 20:46 #

    Concordo parcialmente.
    Acho um absurdo o Brasil querer desenvolver seu proprio SSN. Do pouco dinheiro que sobra para a defesa, investir nisso é deixar projetos claramente prioritários a escanteio.

    Porém acho totalmente valido e viavel a construção e desenvolvimento de novos SSK, porém obviamente participando do desenvolvimento de tecnologias AiP por exemplo. Esse mercado tem crescido a cada ano e a tendencia é continuar crescendo ainda muito mais.

    Hoje em dia os detentores dessa tecnologia estão quase todos falidos e abertos a negócios. Se o Brasil for esperto, pode até conseguir entrar. Profissionais o Brasil tem. Veja o exemplo dos engenheiros do ITA e o sucesso, que não é por acaso, da EMBRAER. Aqui nos EUA, ninguem do ramo conhece a USP por exemplo, mas todos ja ouviram falar do ITA.

  5. Augusto 30 de janeiro de 2013 at 21:33 #

    Neste ponto, estou com a Marinha: submarino à propulsão nuclear é fundamental para um país com o mar territorial com as dimensões do que temos, e isso não implica dizer que os meios de superfície estão em estado aceitável.

    Agora… a repórter disse que a UFEM tem “previsão de ser inaugurada em novembro de 2012″. Já está na hora de a Marinha fazer outro vídeo.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Navio-veleiro Cisne Branco aberto à visitação em Santos neste final de semana

Cisne Branco (2)

A Capitania dos Portos de São Paulo informou em nota à imprensa que o navio-veleiro Cisne Branco da Marinha do […]

Marinha peruana estuda três opções para renovar sua força de superfície

DE_LA_PENNE__5____a

  Não é só a Esquadra brasileira que necessita equacionar a renovação de sua força de superfície em um cenário […]

Cerimônia de incorporação do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ à Marinha do Brasil

Vital de Oliveira - 1

  Em uma cerimônia de batismo, mostra de armamento e transferência para o setor operativo, o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico […]

Ministério da Defesa menos otimista com as chances do Prosuper em 2015

FREMM 523b

Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Passam os […]

Grã-Bretanha vai investir mais de R$ 1 bilhão na defesa das Ilhas Malvinas

Falkland_islands_250m

A Grã-Bretanha vai gastar £ 280 milhões (R$ 1,3 bilhão) nos próximos dez anos para reforçar a defesa das Ilhas […]