maquete_submarino_nuclear-brasileiro

LUCI RIBEIRO – Agência Estado

vinheta-clipping-navalBRASÍLIA – O governo federal decretou ontem (04) a criação da empresa pública Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. (Amazul). Vinculada ao Ministério da Defesa por meio do Comando da Marinha, a empresa tem por objetivo promover, desenvolver e manter tecnologias necessárias às atividades nuc
leares da Marinha do Brasil e do Programa Nuclear Brasileiro (PNB). Uma das tarefas da nova companhia é desenvolver um propulsor de submarino movido a energia nuclear.

A Amazul nasce da divisão da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron). Com isso, o quadro inicial de pessoal da Amazul será composto pelos atuais funcionários da Emgepron e pela contratação de novos servidores por concurso público.

A nova estatal, que terá sede em São Paulo e organização “sob forma de sociedade anônima, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio”, será constituída pela Assembleia Geral de Acionistas, a ser convocada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Fonte: Agência Estado (O Estado de S. Paulo)

 

Nota da Aben: Abaixo, segue o Decreto nº 7.898, de 1º de fevereiro de 2013 (publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, página 5 – 4 de fevereiro de 2013)

DECRETO Nº 7.898, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013

Cria a empresa pública Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. – Amazul, altera o Decreto nº 6.129, de 20 de junho de 2007, e dá outras providências.

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,  caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei nº 12.706, de 8 de agosto de 2012,

D E C R E T A :

Art. 1º Fica criada a empresa pública Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. – Amazul, vinculada ao Ministério da Defesa por meio do Comando da Marinha, organizada sob a forma de sociedade anônima, com personalidade jurídica de direito privado e patrimônio próprio.

Art. 2º A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional convocará assembleia-geral de acionistas para a constituição da Amazul, nos termos do art. 87 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

Parágrafo único. O estatuto social da Amazul será aprovado pela assembleia-geral de acionistas.

Art. 3º O capital social inicial da Amazul será formado pela versão do patrimônio cindido da Empresa Gerencial de Projetos Navais – Emgepron, para atender ao disposto no inciso II do  caput do art. 80 da Lei nº 6.404, de 1976.

Art. 4º Fica a Amazul autorizada a participar do Plano de Autogestão Patrocinadora da Empresa Gerencial de Projetos Navais – Plano de Assistência Médico-Social – Pamse, por intermédio de contribuição dos empregados da Amazul, em conformidade com o Regulamento do Pamse em vigor.

Art. 5º O Anexo ao Decreto nº 6.129, de 20 de junho de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“…………………………………………………………………………………..

X – ……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..

c) …………………………………………………………………………………

1. Caixa de Construção de Casas para o Pessoal do Ministério da Marinha;

…………………………………………………………………………………………….

3. Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S. A. – Amazul; e ………………………………………………………………………………….” (NR)

Art. 6º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 1º de fevereiro de 2013; 192º da Independência e 125º da República.

DILMA ROUSSEFF

Celso Luiz Nunes Amorim

Guido Mantega

Miriam Belchio

 

FONTE: Agência Estado e Associação Brasileira de Energia Nuclear

 

Tags: , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

12 Comentários para “Governo cria estatal para administrar programa nuclear”

  1. Leonardo 5 de fevereiro de 2013 at 14:49 #

    Blá, blá, blá….ou seja, mais um cabide de emprego, eu quero ver quando esse governo sair o que será feito dessas várias estatais criadas para administrar cada novo projeto?

  2. Giordani 5 de fevereiro de 2013 at 16:18 #

    Tem que empregar a cumpañerada…aparelhar o Estado!

    Esse brazil vai virar uma URSS! Lá metade da população trabalhava para manter a outra metade que a vigiava. Aqui, metade da população trabalha para pagar o salário da outra metade que não faz nada!

    Cansa.

  3. Observador 5 de fevereiro de 2013 at 17:55 #

    Leonardo disse:
    5 de fevereiro de 2013 às 14:49

    Eu ia mesmo apelidar esta nova empresa que vai amparar um monte de petistas que perderam as últimas eleições e estão sem teta.

    Serão os mesmos que depois, vão organizar jantares para arrecar fundos para pagar as multas dos mensaleiros.

    Será a CABIDEBRÁS.

  4. Ozawa 5 de fevereiro de 2013 at 19:28 #

    “A Amazul nasce da divisão da Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron). Com isso, o quadro inicial de pessoal da Amazul será composto pelos atuais funcionários da Emgepron…”

    Ora bolas ! Qual a razão gerencial ou operacional para tal cisão ! No que isso irá melhorar a melhoria do processo tecnólogico em si ? Se os funcionários, que são quem fazem a empresa e produzem a tecnologia, são os mesmos de uma empresa que já existe, p*ta q#e par%u ! car$lho ! po$ra ! PRA QUÊ CRIAR UMA NOVA PARA FAZER A MESMA COISA !

    Ca#ete ! É só isso que esse governo sabe fazer na área de defesa ! Criar estatal pra dar emprego pra seus partidários e encadernar planos mirabolantes e irrealizáveis pra distribuir pro público e dizer que tá fazendo alguma coisa !

    Até o Peru subiu ! E o bu&dão estatal do Brasil só faz aumentar… TE CUIDA BRASIL, COM UM BUND%O DESSE TAMANHO E O PERU CRESCENDO ATRÁS DE VOCÊ…

  5. Ozawa 5 de fevereiro de 2013 at 19:31 #

    onde se lê “irá melhorar a melhoria”, leia-se simplesmente, “irá melhorar”… é a redundância diante de tanta abundância…

  6. Ozawa 5 de fevereiro de 2013 at 19:33 #

    E é claro, a sede em São Paulo, pra ficar mais pertinho dos partidários de lá, sua base militante…

  7. Vader 6 de fevereiro de 2013 at 9:42 #

    Ahuahuahuahuahuahua…

    Mais um cabidão pros “cumpanhero”???? Kkkkkkk…

    Esse país é uma piada.

    Vota no PT, vota…

  8. Almeida 6 de fevereiro de 2013 at 16:44 #

    Deixa eles, deixa eles, quando não tiver mais ninguém aqui para pagar os impostos o Estado quebra e eles ficam sem emprego…

  9. HMS TIRELESS 7 de fevereiro de 2013 at 11:35 #

    O Petralhismo consegue se afundar mais ainda no patético. Criar uma empresa estatal para administrar um programa que deveria ser administrado pela marinha,como acontece em todos os países? Isso tudo é a ânsia por cargos? Cadê o Giba para explicar?..risos!

  10. cristiano.gr 8 de fevereiro de 2013 at 15:47 #

    BANDO DE FDP.

    Usam tudo que podem p inventar desculpa para criar mais TETA.

    Até quando!

    Eu sou a favor de qualquer revolução, pode me convidar.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

RbAM ‘Almirante Guillobel’ (R 25) – o ‘Hulk dos Mares’ em Santos

almirante-guillobel-R25-PWGL-ml-01-03-15-22 copy

Imagens do RbAM ‘Almirante Guillobel’ (R 25) demandando o cais da Mortona, no pier da CPSP, no final da tarde […]

Petrobras deve cortar até R$ 30 bi em investimentos previstos para este ano

Plataforma de Piranema - Petrobras

Atropelado pelo rebaixamento de rating pela classificadora Moody’s, o novo comando da Petrobras trabalha numa “reconstrução” da imagem da companhia […]

Marinha argentina planeja ter navio de assalto anfíbio de 15.000 toneladas

Type 071 YUZHAO Jinggang Shan井冈 999 Kunlun Shan昆仑山 998 Amphibious Transport Dock LPD amphibious warfare ships of the People's Republic of China's People's Liberation Army Navy chinese (2)

  O Estado-Maior da Armada argentina tem prontas, para serem apresentadas em 2016 ao governo que sucederá o de Cristina […]

Novidades na Marinha Portuguesa

Submarino U-209PN classe Arpão

  Por Pedro Monteiro O responsável da pasta de Defesa português já discutiu com o seu homônimo francês a aquisição […]

Força de superfície da Marinha Indiana começará, este ano, a receber mísseis Barak-8

kolkata-04

  O destróier porta-mísseis INS Kolkata, navio de 7.500 toneladas construído pela indústria naval indiana com tecnologia stealth (furtiva), sob […]