Governo corre para leiloar 158 portos

Portos e Terminais Marítimos do Brasil - 3

Prazo fixado no pacote vai até o fim de maio, mas a própria agência de transportes aquaviários reconhece que vai ficar para o 2º semestre

 

Lu Aiko Otta, de O Estado de S. Paulo

vinheta-clipping-navalBRASÍLIA – O governo quer leiloar 158 terminais portuários até o fim de maio, mas o mais provável é que esse prazo não seja cumprido à risca. “Para você ter uma ideia, nos últimos cinco anos foram licitados nove ou oito”, disse ao Estado o diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) Mário Povia.

“Teremos um esforço hercúleo”, disse Povia. O prazo para fazer os leilões até maio foi fixado no pacote dos portos, anunciado no início de dezembro pela presidente Dilma Rousseff.

A tendência, segundo Povia, é que parte dos leilões ocorra no segundo semestre. O acúmulo de licitações a realizar e dúvidas quanto à capacidade da máquina pública em desempenhar a tarefa foram uma das principais preocupações durante a elaboração do pacote.

O diretor da Antaq, porém, afirma que o arrendamento de terminais é algo mais simples do que a concessão de uma rodovia, por exemplo. Assim, o processo pode, de fato, avançar bastante este ano.

Do total a ser oferecido à iniciativa privada, 146 são terminais que já estão em operação, mas os contratos venceram ou estão para vencer. Para esses, o processo tende a ser rápido, pois não será necessário, por exemplo, obter licença ambiental. Os 42 restantes são áreas novas.

Novo modelo. A oferta de terminais seguirá um modelo novo que facilitará o investimento, disse o diretor. Antes do pacote, os empreendedores eram obrigados a concordar com um pagamento à vista (“down payment”) cujo valor era fixado em edital e, acima desse, davam um lance. Assim, o desembolso logo na etapa inicial do negócio inviabilizava a participação de empresas de menor porte.

Pelo modelo anunciado em dezembro, ganhará a concorrência quem se comprometer a movimentar maior volume de carga, a preços mais baixos. Será fixado um teto tarifário. “É um viés mais preocupado com o custo Brasil.” As licitações pelo novo modelo vão levar os portos a conviver com duas situações. Haverá arrendatários que terão de observar um valor máximo a ser cobrado e outros que têm o preço livre.

“Vai ficar esquisito? Vai. Mas foi essa a opção do governo”, comentou Povia. Do contrário, o governo teria de encerrar antecipadamente todos os contratos de arrendamento de terminais portuários – o que seria possível do ponto de vista legal, mas daria um sinal ruim para o setor privado.

Pressões. O pacote portuário do governo foi regulamentado pela Medida Provisória (MP) 595, editada em dezembro. Em tramitação no Congresso, o texto sofre intensa pressão de diferentes setores. Foram apresentadas nada menos do que 646 emendas e há disputa pela relatoria da matéria, para a qual o mais cotado é o líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM).

A principal alteração do texto foi permitir a criação de terminais que movimentarão carga de terceiros. Antes, para ter um terminal a empresa precisava demonstrar que tinha carga própria suficiente para manter a instalação em funcionamento. Ela até podia movimentar carga de terceiros, mas de forma subsidiária.

Agora, não há mais diferenciação entre carga própria e a de outras empresas. Segundo Povia, essa mudança vai provocar um “choque de oferta”, porque permitirá a entrada de novos operadores.

Boa parte desses terminais não passará por um processo de licitação pública, mas por outra modalidade de seleção, a chamada pública. Essa é outra inovação da MP, cuja regulamentação vem sendo elaborada pela Antaq. Pelo sistema antigo, a empresa interessada pedia autorização para instalar um terminal e, se a documentação estivesse em ordem, ela ganhava a outorga. Agora, quando houver a manifestação de interesse, será feita uma chamada pública para detectar eventuais concorrentes.

Além dos terminais portuários, o governo vai licitar portos inteiros. É o caso de Imbituba (SC), cuja concessão venceu no ano passado e foi transferida temporariamente para o governo do Estado. Também é o caso de um novo porto para contêineres em Manaus (AM). No total, o governo estima que serão investidos R$ 54,3 bilhões nos portos até 2017.

FONTE: Estadão

Tags: , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

3 Responses to “Governo corre para leiloar 158 portos” Subscribe

  1. Marcos 11 de fevereiro de 2013 at 11:08 #

    Não fizeram nada nos últimos dez anos, aliás, eram absolutamente contra entregar à iniciativa privada qualquer coisa. Agora, em quatro meses, querem leiloar 158 portos.
    A própria Petrobras vem reconhecer agora que as concessões de exploração de petróleo, nos moldes que foram feitos, é altamente prejudicial à companhia e ao país.
    Dai vem a Presidenta dizer que, ao contrário dos outros, ela não está privatizando, está fazendo concessões. Óbvio que está fazendo concessões, porque aquilo só pode ser feito dessa maneira.
    Ainda em relação a Petrobras: a continuar as coisas como estão indo, o governo vai se ver obrigado a privatizar a companhia ou deixar a mesma quebrar.
    Mas, nas formas como a coisa está sendo feita, isso ai tem cara de legítima privataria.

  2. cristiano.gr 11 de fevereiro de 2013 at 15:09 #

    Pouca vergonha, esse governo só sabe é repassar para a iniciativa privada. Quanto ganham com isso? Quanto é repassado?

    Isso vai aumentar os preços ao consumidor e para as exportações.

  3. Vader 13 de fevereiro de 2013 at 13:08 #

    Ahahaha, caiu a ficha então de que governo não presta para cuidar de portos, aeroportos, e etc?

    É o PT se rendendo à lógica do mundo… ;)

    No mais, o dia em que esse governo conseguir privatizar 158 portos quando em cinco anos não conseguiu privatizar nem 10, eu viro Jedi de novo… :)

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Marinha Indiana incorpora o destróier INS Kolkata

O destróier de mísseis guiados indiano INS Kolkata, construído em Mumbai, deve ser incorporado na terceira semana de agosto, em […]

FOTOS: USS America operando com a Marinha do Brasil

A Marinha dos EUA divulgou imagens que mostram o futuro USS America operando com a fragata União (F45) e aeronaves […]

Um dos maiores estaleiros do país, Eisa atrasa entregas e salários

JOANA CUNHA e ARIANA BARBOSA, DE SÃO PAULO Um dos mais importantes estaleiros do país, o Estaleiro Ilha S.A (Eisa), […]

Aeronaves da Marinha do Brasil realizam pouso a bordo do USS America

No dia 4 de agosto, três aeronaves dos Esquadrões HU-1 (UH-12 Esquilo), HU-2 (UH-15 Super Cougar) e HS-1 (MH-16 Seahawk) […]

Foto histórica: P-16A Tracker a bordo do NAeL ‘Minas Gerais’

Essa é do tempo em que o Brasil tinha uma aviação embarcada de asa-fixa operacional: um avião antissubmarino P-16A Tracker […]

Caças americanos bombardeiam posições do Isil no Iraque

Ataques são os primeiros contra grupo radical sunita desde que Obama autorizou ação; ajuda a minorias perseguidas já foi enviada […]