No Credit Check Payday Loans

Bengbu

Em meio a disputas marítimas e territoriais com países vizinhos, a Marinha do Exército de Libertação Popular da China (LP) comissionou hoje a primeira de uma “nova geração” de fragatas stealth.

Segundo informações da agência de notícias estatal Xinhua, a fragata tipo 56, antes conhecida apenas pelo número 582, foi batizada de Bengbu durante a cerimônia realizada no porto de Zhoushan, na província de Zhejiang, no leste da China.

O modelo tipo 56, desenvolvido totalmente com tecnologia nacional, a princípio será empregado em missões de escolta e operações anti-submarino.

FONTE: Naval Open Source Intelligence (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

17 Responses to “Marinha chinesa comissiona fragata stealth ‘Bengbu’” Subscribe

  1. Marcos 13 de março de 2013 at 11:09 #

    Marinha dos EUA deslocarão navios com capacidade nuclear para a Coréia do Sul.
    (EFE)

  2. daltonl 13 de março de 2013 at 11:32 #

    Que navios são esses Marcos ?

  3. Marcos 13 de março de 2013 at 11:46 #

    O artigo não especifica que tipo de naves serão deslocadas para lá.
    Segue, conforme EFE:

    “Navios americanos equipados com armas atômicas permanecerão em águas da Coreia do Sul para garantir a segurança do seu aliado perante as recentes ameaças da Coreia do Norte, informou nesta terça-feira o jornal sul-coreano Joongang.

    “Uma vez finalizados os exercícios militares conjuntos em curso entre Coreia do Sul e EUA, os dois países manterão por algum tempo as armas nucleares nas cercanias do litoral sul-coreano “enquanto observam o que acontece com a Coreia do Norte”, revelou ao periódico uma autoridade de Seul. (…)”

  4. daltonl 13 de março de 2013 at 12:17 #

    Marcos…

    navios da US Navy não transportam armas atomicas, talvez haja uma
    tradução erronea, ou falta de conhecimento.

    O que é uma possibilidade real é que o USS San Francisco, um SSN, submarino de ataque movido a energia nuclear, mas armado com armas convencionais, esteja participando de exercicios com a Coréia do Sul.

  5. daltonl 13 de março de 2013 at 12:37 #

    Marcos…

    4 Destroyers baseados no Japão estão fazendo parte do exercicio “Foal Eagle” com a Coreia do Sul. Erroneamente alguem aludiu armas atomicas a eles, então talvez nem seja o USS San Francisco o “culpado”.

  6. MO 13 de março de 2013 at 16:57 #

    Engraçado pq este navio tem o padrao do indicativo diferente ?

  7. Diegolatm 13 de março de 2013 at 17:00 #

    Pelo comprimento dela na foto deve ser muito maior que as FREEMs Francesas.Alguem sabe o comprimento exato desta fragata?

  8. MO 13 de março de 2013 at 17:22 #

    95,46 m segundo uns cara … uma equivalente a uma suposta classe Barreto / Tamanaduá em loa …

  9. cristiano.gr 13 de março de 2013 at 18:01 #

    Tô com um nojo desses chineses!

    Tchê, não encontrei uma bomba de gasolina Bosch para meu carro e tive de comprar uma ching ling. Meu carro ficou falhando e o mecânico disse que a bomba era ruim, mas que não podia ser ela já na saída. Olhou as velas e cabos de vela e me mostrou o defeito. Comprei e levei para ele trocar e o carro segui falhando. Ele botou no computador, testou daqui e dali e nada, andamos no carro como o note conectado ao motor e mostrou várias depressões no gráfico do note. Voltamos a oficina e ele colocou o relógio que mede a pressão da gasolina e achou o defeito: bomba de gasolina novinha se entregando. Origem, China.

  10. Marcos 13 de março de 2013 at 18:09 #

    cristiano.gr

    Lá pelo início do governo Lula, com a aproximação Brasil-China, os americanos questionaram os chineses sobre suas intenções na América Latina, os quais responderam que basicamente era que nos tornássemos fornecedores de matérias primas e consumidores de seus produtos industrializados. E conseguiram o que queriam.

    E tem gente que acha o ex Presidente o máximo.

  11. MO 13 de março de 2013 at 18:30 #

    mas o que que tem a ver com o navio ? .. ahh lamento pelo seu auto , chato pacas isso …

  12. Blind Man's Bluff 13 de março de 2013 at 18:39 #

    Qualquer embarcação americana capaz de lançar tomahawks, seja ela de superfície ou submarino pode estar armada com a versão T-LAM A, contendo uma ogiva nuclear.

    É muito comum os submarinos de ataque americanos receberem pelo menos 1 desses em suas operações de rotina pelo mundo. Nada impede que os DDGs que estejam operando por lá, tenham a bordo alguns desses; acho até bem provável, visto a escalada desse conflito.

  13. Observador 13 de março de 2013 at 18:47 #

    cristiano.gr disse:
    13 de março de 2013 às 18:01

    Todos os países com litoral próximos da China torcem para que as bombas de combustível da Marinha do Exército de Libertação Popular tenham o mesmo defeito!

    Sim, porque na velocidade em que a China projeta/constrói/lança novos navios, só torcendo para que estes “soltem peçinha” mesmo.

  14. crestani01 13 de março de 2013 at 20:04 #

    Senhores

    Ao mesmo tempo que odeio essa invasao de produtos chineses em nosso pais, eu os admiro e os invejo pela rapidez e quantidade de navios que eles poe no mar. La pelo visto eles nao vieram passear no mundo como nossos politicos administradores!

  15. daltonl 13 de março de 2013 at 22:35 #

    Blind…

    com o fim da guerra fria, sob a presidencia do Bush “pai” todas as armas nucleares táticas foram removidas de navios de superficie e submarinos de ataque, especificamente o TLAM-N foi removido do serviço em 1992.

    abs

  16. juarezmartinez 13 de março de 2013 at 23:28 #

    Caro Admiral Daltonl! Tu poderias, por gentileza explicar para este ignorante naval, porque é que tomaram esta atitude???
    e ainda se dá para acreditar nisto????

    Grande abraço

  17. daltonl 14 de março de 2013 at 0:34 #

    Caro Juarez…

    a resposta mais curta são os tratados firmados entre EUA e a então herdeira da URSS, a Russia, para a retirada das chamadas armas nucleares não estratégicas, que foram de iniciativa americana sob o então Presidente George Bush.

    Não havia mais a necessidade de armas táticas nucleares, sem falar na economia que seria feita com manutenção e com futuras aquisições, e também no acondicionamento das armas em navios de superficie e submarinos , que requeriam armazenamento especial e delicado.

    Como bonus, melhorou a relação com aliados como o Japão e Nova Zelandia que não gostavam de navios armados com armas nucleares em seus portos.

    Até alguns anos atrás se lia que tais armas táticas estavam acondicionadas em terra e poderiam voltar a ser embarcadas, mas,
    a possibilidade real de acontecer, é quase zero hoje em dia, se não for totalmente zero, devido a dispensa do pessoal técnico e a crescente falta de dinheiro.

    Apenas armas estratégicas permanecem na marinha americana na forma do missil Trident II capaz de ser embarcado nos 14 SSBNs.

    grande abraço

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Marinha do Brasil revela projeto próprio de NPaOc (OPV) na Euronaval 2014

Victor Barreira, Lisboa, Portugal A empresa estatal brasileira EMGEPRON (Empresa Gerencial de Projetos Navais) vai revelar o projeto do primeiro […]

Inscrições abertas: Museu Naval sedia eventos acadêmicos sobre História Militar

Brasília, 15/09/2014 – O Museu Naval da Marinha, no centro do Rio de Janeiro, vai sediar dois importantes eventos acadêmicos […]

Visita da Saab e da Embraer ao NAe ‘São Paulo’

No dia 04 de setembro de 2014, um grupo de técnico das empresas SAAB e EMBRAER visitou o Navio-Aeródromo São […]

Terceiro dia de incêndio nas proximidades de Aramar mobiliza helicópteros da Marinha

Focos de incêndio mobilizaram três helicópteros da Marinha neste domingo (14), em área de vegetação pertencente ao Centro Experimental de […]

Programa de submarinos (Prosub) avança com seção de qualificação

ICN recebe a primeira Seção totalmente produzida no Brasil Mais um passo importante no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) […]

Amazul e FDTE assinam acordo para participar do programa do submarino nuclear brasileiro

A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. e a FDTE – Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia […]