Las Malvinas son Argentinas

vinheta-clipping-navalA Argentina voltou a levar nesta terça-feira às Nações Unidas sua histórica reivindicação pelas Malvinas, ato no qual contou com o respaldo “unânime” da América Latina para exigir que o Reino Unido negocie a soberania das ilhas.

O chanceler argentino, Héctor Timerman, se reuniu hoje com o secretário-geral da ONU para pedir novamente que exerça seus bons ofícios perante as autoridades britânicas, em um encontro no qual disse que Ban Ki-moon confirmou que o Reino Unido já rejeitou a mediação oferecida.

“É lamentável que, havendo 40 resoluções da ONU para que os dois países negociem um acordo pacífico e definitivo sobre a soberania das ilhas, o Reino Unido tenha rejeitado”, afirmou em entrevista coletiva o chefe da diplomacia argentina.

Ao término da reunião, e enquanto Timerman e seus colegas latino-americanos compareciam perante a imprensa, o escritório do porta-voz de Ban emitiu um breve comunicado no qual disse tomar nota do “forte respaldo regional” ao governo argentino e no qual reiterou seus bons ofícios “se as partes estão dispostas a aceitá-los”.

Timerman esteve acompanhado na sua visita à ONU pelo chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez, que foi ao encontro com Ban Ki-moon em representação da Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe (Celac); de seu colega uruguaio, Luis Almagro, pelo Mercosul, e do vice-ministro das Relações Exteriores do Peru, José Beraún Aranibar, em nome da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

O representante do governo argentino voltou a repetir hoje que o referendo realizado nas ilhas em março “foi ilegal” e disse que “a ONU também não o reconhece” porque se trata de uma consulta organizada por uma potência colonizadora.

Por sua parte, o embaixador britânico na ONU, Mark Lyall Grant, lamentou que o ministro argentino e seus colegas da América Latina dediquem “tão pouco tempo” a falar sobre os moradores das ilhas e a “expressão legítima de seu direito à livre determinação e a escolher seu próprio destino”.

Perguntado por uma possível mediação do papa Francisco, Timerman lembrou que a presidente argentina, Cristina Kirchner, já se reuniu com o santo padre e lhe pediu sua intervenção.

“Quando o papa Francisco era o cardeal (argentino) Jorge Mario Bergoglio já disse que as Malvinas eram argentinas”, acrescentou o chanceler.

A Guerra das Malvinas começou em abril de 1982 com o desembarque de tropas argentinas no arquipélago e terminou em junho do mesmo ano com sua rendição perante as forças enviadas pelo Reino Unido, depois de um conflito no qual morreram 255 britânicos, três ilhéus e 649 argentinos.

FONTE: EFE, via UOL

Tags:

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

3 Responses to “Argentina reivindica as Malvinas na ONU, mas Reino Unido rejeita mediação” Subscribe

  1. Vader 27 de março de 2013 at 14:27 #

    Esse governo argentino é patético…

  2. aldoghisolfi 27 de março de 2013 at 16:30 #

    A Argentina está me lembrando a Coréia do Norte…

    Depois do plebiscito, nada mais há a dizer.

  3. Observador 27 de março de 2013 at 21:39 #

    Se a Argentina andasse para frente, apresentando um crescimento vigoroso e com oportunidades para todos, como o vizinho Chile, garanto que a posição seria outra, já que a outrora poderosa Grã-Bretanha está cada vez mais murcha.

    Grande parte da rejeição é porque os kelpers não querem fazer parte do reino da Rainha Cristina, a louca.

    Aos argentinos só resta reclamar ao bispo. Ou melhor, ao papa.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

China pretende estreitar laços militares com Irã, diz mídia chinesa

PEQUIM (Reuters) – A China quer ter laços militares mais estreitos com o Irã, disse o ministro da Defesa chinês […]

Submarino alemão é encontrado afundado na costa dos EUA

  Pesquisadores informaram nesta terça-feira (21) a descoberta de um submarino alemão e de um cargueiro nicaraguense que afundaram na […]

Fotos do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ em construção na China

Confira as fotos do lançamento ao mar do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico “Vital de Oliveira” em Xinhui, na China. O […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]