A MP dos Portos

vinheta-clipping-navalMesmo correndo o risco de ser derrotado no Congresso, o governo não aceitou as mudanças sugeridas pelo relator, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), no texto original da Medida Provisória (MP) 595 que reformula o sistema portuário e cria condições para o aumento da concorrência e para a modernização dos serviços. Mais uma vez, o governo demonstra nessa questão coerência e determinação de mudar um quadro caracterizado por baixa eficiência e custos operacionais excessivos.

Desde seu anúncio, em dezembro, o governo tem defendido a essência da MP, que prevê, entre outras mudanças, a licitação dos terminais cujos contratos de arrendamento foram firmados antes de 1993 e estão vencidos ou prestes a vencer, além de maior liberdade para a contratação de mão de obra pelos novos operadores dos terminais.

Pressões de empresários de diferentes segmentos, sindicalistas, governos estaduais que operam portos próprios e políticos espertos cresceram na medida em que foram ficando mais claras as consequências das mudanças contidas na MP. Essas pressões levaram o senador Eduardo Braga, que é o líder do governo no Senado, a incorporar boa parte das sugestões ao seu relatório.

Diante da determinação do governo de não aceitar essas mudanças, o senador adiou a apresentação de seu relatório, inicialmente previsto para quarta-feira (10/4), e não fixou nova data para apresentá-lo. A MP tem vigência até 16 de maio e não pode mais ser reeditada. Para não perder a validade, até aquela data terá de ser aprovada pela comissão do Congresso encarregada de examiná-la, passar pelos plenários da Câmara e do Senado e ser sancionada pelo Executivo.

Das mudanças negociadas pelo relator com empresários, a que mais desagradou ao governo é a que prorroga por mais 10 anos o arrendamento dos terminais em portos públicos concedidos antes de 1993 (quanto entrou em vigor a Lei dos Portos), com a condição de os arrendatários realizarem investimentos em ampliação e modernização das instalações nos três primeiros anos do novo período contratual. Nas negociações, os empresários teriam se comprometido a investir R$ 10 bilhões. A MP original prevê simplesmente a licitação de mais de 50 terminais. Como compensação para os terminais arrendados depois de 1993, o relator pretendia estender também para esses contratos a possibilidade de renovação antecipada.

A terceira mudança refere-se aos chamados terminais-indústria. Eles seriam destinados a indústrias que têm carga própria suficiente para operá-los. Uma das inovações da MP é a possibilidade de criação de terminais privados sem exigência de carga própria do operador. Pela MP, a concessão seria feita por meio de chamada pública. O relator propõe a dispensa de chamada pública para os terminais que operem 100% de carga própria.

Além disso, governos estaduais que operam seus próprios portos, como o de Pernambuco, chefiado por Eduardo Campos (PSB), vinham resistindo a um ponto da MP que restringe sua autonomia para licitar áreas nos terminais estaduais.

Sindicalistas, de sua parte, vinham se opondo à redução do poder dos atuais Órgãos Gestores de Mão de Obra (Ogmos), por eles controlados, na escolha dos trabalhadores a serem contratados pelos novos operadores dos terminais. Chegaram a ameaçar uma greve nacional contra essa medida, mas, em negociações com o governo, aceitaram a mudança, pois conseguiram assegurar que os contratados estejam registrados num cadastro de trabalhadores, que incluirá também os vinculados aos Ogmos.

Mesmo assim, dirigentes sindicais, como o deputado Paulinho da Força (PDT-SP), continuam a ver nas discussões sobre a MP 595 uma oportunidade de tentar fortalecer seu prestígio pessoal. Estão falando em greve para protestar contra a ação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que estaria monitorando suas atividades no Porto de Suape, em Pernambuco, contra a MP 595.  “Ora, se fizerem greve sempre que um órgão do Estado cumprir sua missão, como fez e está fazendo a Abin nesse caso, não farão outra coisa na vida”.

Talvez seja isso que queiram.

FONTE: O Estado de S. Paulo via Resenha do Exército

VEJA TAMBÉM:

Tags: , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

3 Responses to “A MP dos Portos” Subscribe

  1. Vader 13 de abril de 2013 at 11:00 #

    Essa MP dos portos, anunciada com toda a pompa e circunstância pelo governo, vai dar em NADA e os portos continuarão a ser o retrato do que o Brasil tem de mais atrasado. E as safras irão continuar a se perder nas estradas. E a indústria brasileira vai continuar a ter baixa competitividade em relação ao exterior.

    Entendam: o governo do PT (aliás, QUALQUER governo do PT, em qualquer nível) só se elege e se mantem no poder por conta das minorias influentes que ele, PT, apóia, e que lhe dão sustentação na sociedade e no Congresso. Isso porque a “defesa das minorias”, sincera ou falsa (na maioria das vezes falsa) é a bandeira essencial do pensamento petista.

    Nesse sentido o governo do PT é refém de seu próprio monstro, o tal de “presidencialismo de coalizão”. O governo só consegue passar no Congresso o que as “minorias influentes” que ele tanto apóia querem. Cada congressista ou grupo de congressistas da base aliada representa a sua “minoria influente” e o governo só age e, na verdade, só tem poder para agir, dentro do que estas minorias lhe pré-agendam. O PT e seu governo são reféns de sua própria essência, do que lhes faz – supostamente – diferentes de outros partidos/governos.

    Assim, o governo do PT não tem poder algum para atuar em nome da maioria, do que o país realmente precisa. Não consegue fazer passar coisa alguma que enfrente as tais minorias que lhe dão sustentação. E as minorias dos sindicatos de portuários, Força Sindical, governos estaduais da base aliada, “ogmas” e empresários do setor são REALMENTE poderosas e influentes.

    Para que o governo do PT conseguisse aprovar alguma coisa que vá contra estas minorias influentes apontadas, ele precisaria se expor. Dar a cara a tapa. A presidentA precisaria ir ao Congresso em pessoa, falar aos parlamentares. Reuniões teriam que ser feitas pelo governo para apresentar as necessidades do país, para explicar porque que a coisa tem que mudar; negociações com todas as partes precisariam ser promovidas. Na pior das hipóteses o governo precisaria ir para a televisão tentar engajar as massas á sua vontade, para que estas fizessem pressão no parlamento. Enfim, fazer política de verdade.

    Ora, o governo do PT fará isso? Não, claro que não.

    Primeiro porque o PT, como partido autoritário de esquerda que é, está acostumado a ver sua vontade aprovada sem negociação, seja isso através de “rolo compressor”, seja por meio da cooptação pura e simples dos “adversários”, através de cargos ou mesmo de dinheiro, como ficou bem demonstrado no Mensalão.

    Segundo porque, mesmo que quisesse negociar, a base “aliada” está tão acostumada com o toma-lá-dá-cá do “presidencialismo de coalizão” (que o PT herdou do PSDB, mas elevou ao píncaro de excelência capaz de unir à sua causa até mesmo elementos do naipe de Paulo Maluf e Delfin Neto), que simplesmente não iria dar ouvidos ao governo.

    Terceiro porque, ainda que superados os dois obstáculos anteriores, o governo atual do PT, mais ainda que o anterior, é COMPLETAMENTE INCOMPETENTE quando precisa inovar, e simplesmente não tem a menor ideia de como se faça uma verdadeira negociação política.

    Entendam: o governo da “gerente” foi eleito para dar continuidade à agenda petista de afirmação das minorias. Não foi eleito para inovar em nada, não foi eleito para promover mudanças grandes para a maioria da população brasileira, mas sim para manter o status atual e promover as agendas das minorias. É por isso por exemplo que as tentativas de reformas estruturais não vão pra frente. Esse governo é só um ocupante do cargo.

    Para se vencer a verdadeira “máfia” dos portos, o governo precisaria bater contra muita gente QUE LHE APÓIA, a começar pelo Eduardo Campos e pelo Paulinho da Força. Mas isso tem custos enormes do ponto de vista político. Isso dá trabalho. Para isso, é preciso competência política.

    E o governo do PT não tem nada disso. O PT e seu governo apenas sabem demonizar a pífia oposição e operar em favor das minorias influentes, enquanto se locupletam com as benesses do Estado.

    Essa MP dos portos é uma piada de mau gosto. Só serve para o governo falar pro agronegócio e pra indústria: “vc viu, vc viu, eu bem que tentei, “eles” é que não deixaram”. É só jogo pra torcida.

    Para modernizar os portos do Brasil seria preciso uma Margareth Thatcher, não uma Dilma Roussef.

  2. MO 18 de abril de 2013 at 11:41 #

    bom, traduzindo na pratica = la vem cagada …

  3. santiago 5 de maio de 2013 at 10:28 #

    O bom mesmo era no governo dos TUCANO – PSDB eim!!!!!!!!!, que privatizaram a VALE e por isso ficou, e ate hoje todo mundo acha bom, e os estado que eram governado pelo os TUCANO – PSDB, tambem aproveitaram o embalo e fizeram tanta privatizaçao, como é o caso aqui do Ceara, que privatizam o BEC, COELCE, TELECEARA e quase joga fora a CAGECE, ai ninguem lembra, mas o governo (do PT) tentando fazer algo diferente e mesmo assim ficar no poder, ainda assim nao presta. Santa paciencia meu povo! o Brasil nao é bom… Tudo bem! mas hora boa de reclamar é nas urnas.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]