Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

15 Comentários para “Operação ‘Praying Mantis’ em 1988: plataformas de petróleo do Irã são destruídas pela US Navy”

  1. emerson 8 de maio de 2013 at 16:50 #

    Olá a todos,

    segue o link do wikipedia sobre o evento.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Praying_Mantis

    Talvez esse seja um dos mais interessantes tópicos para discutirmos em relação aos riscos efetivos da exploração do présal e como uma força de submarinos pode dissuadir eventuais ações contra nossas plataformas.

    Imagino que as chances de ações de retaliação são maiores do que a de estarmos envolvidos em conflitos declarados. E o histórico tem sido de retaliações muitas vezes mais danosas do que os eventos originais.

  2. Claudio Dönitz 8 de maio de 2013 at 17:47 #

    Certamente eram plataformas de destruição em massa.

  3. MO 8 de maio de 2013 at 17:53 #

    Quem era o Kidd que aparece ? o ultimo era um Coontz ou um CF Adams, to meio cegueta …

  4. Galante 8 de maio de 2013 at 18:41 #

    MO, o mais engraçado é que o Kidd deveria ter sido vendido ao Irã e ele acabou sendo incorporado à USN e usado contra os iranianos!
    O navio que aparece no final parece um CF Adams.

  5. Dalton 8 de maio de 2013 at 19:44 #

    Tá me parecendo que trata-se na verdade da Operação Nimble Archer
    que ocorreu em 19 de outubro de 1987…já que aparece claramente um DDg da classe Kidd e também um Charles F Adams, respectivamente o proprio USS Kidd e o USS Hoel.

    O ataque foi uma retaliação a um missil iraniano que atingiu um navio
    petroleiro e as plataformas iranianas em questão nem mesmo produziam mais oleo e sim eram usadas militarmente pela guarda revolucionária iraniana.

  6. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:01 #

    O destróier estava a menos de 2 km disparando contra um alvo imóvel e gigantesco e um monte de projéteis errou o alvo e caiu n’água.
    Puxa!!!

  7. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:15 #

    Emerson,
    Plataformas são alvos fáceis para mísseis antinavios ou mesmo mísseis cruise de ataque a alvos em terra, como o Tomahawk.
    É difícil proteger!
    Teoricamente, por serem fixas e terem suas coordenadas geográficas conhecidas, são passíveis de serem destruídas por Tomahawks lançados de mais de 1000 milhas.

  8. Galante 8 de maio de 2013 at 20:20 #

    Bosco, no jogo Dangerous Waters dá para simular ataques contra plataformas no mar.

  9. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:25 #

    Galante,
    Eu tinha (ainda tenho o CD mas não está instalado) esse jogo no computador mas não conseguia jogar direito e só ficava mesmo dando uns tiros de ponto 50, 76mm, harpoons, etc, mas geralmente não acertava nada.
    Na maioria do tempo só ficava “andando” de navio, submarino, avião e helicóptero. rsrsss
    Eu sou meio burrinho nessa coisa de informática.

  10. Galante 8 de maio de 2013 at 20:32 #

    Boscão, tem um gerador de missões no qual vc pode criar as forças rivais e estabelecer regras de engajamento.

  11. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:54 #

    É! Eu sei que tem mesmo mas nunca explorei muito.
    Um dia vou ver se instalo de novo pra ver o que que vira.
    Uma pena que o jogo não é totalmente “real”. Por exemplo, o Hellfire e o Maverick não operam como na realidade.
    Mas sem dúvida é muito interessante e divertido.

  12. Galante 8 de maio de 2013 at 21:02 #

    Tá saindo coisa muito melhor no mercado:
    http://www.warfaresims.com/?page_id=1101

  13. Bosco 8 de maio de 2013 at 21:29 #

    Tô na fila!

  14. Dalton 8 de maio de 2013 at 22:35 #

    É a Operação Nimble Archer mesmo…por algum motivo usaram as imagens
    erradas para narrar a Operação Praying Mantis.

    A ordem de batalha da Nimble Archer foi de 4 destroyers:

    USS HOEL (DDG-13), USS LEFTWICH (DD-984), USS KIDD (DDG-933) and USS JOHN YOUNG (DD-973).

  15. MO 9 de maio de 2013 at 12:34 #

    verdade, alias os 4 eram para ser iranicos … estivemos, lembra, em um deles no Scott la nos 1983 da vida …

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Cortes adiam término do Estaleiro de Construção de submarinos e a reforma do A12

O primeiro submarino S-BR em construção em Itaguaí-RJ - Foto Ricardo Pereira

  Roberto Lopes Enviado Especial ao Rio A eliminação de 24,8% do orçamento do Ministério da Defesa previsto para o […]

Orçamento 2015: corte na Defesa foi de 5,6 bi

Cortes 2015 no Ministério da Defesa - foto Nunão - Poder Aéreo

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão divulgou nesta sexta-feira, 22 de maio, os números do contingenciamento orçamentário deste ano […]

FREMM Aquitaine realiza com sucesso seu primeiro disparo de Míssil de Cruzeiro Naval

FREMM Aquitaine dispara Míssil de Cruzeiro Naval - foto Marinha Francesa

Além do MdCN, também chamado de ‘Scalp Naval’, a fragata francesa também disparou pela primeira vez o míssil antinavio MM40 […]

Empresa Chinesa CEIEC vence licitação para reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF)

Estação Antártica Comandante Ferraz

SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR RESULTADO DE JULGAMENTO CONCORRÊNCIA Nº 2/2014 Processo nº 61165.000287/2014-93 Espécie: Reconstrução […]

BAE Systems vai fornecer cinco canhões navais Bofors 40 Mk4 para a Marinha do Brasil

BAE_Bofors_40_Mk_4_Naval_Gun_System

Karlskoga, Suécia – A BAE Systems fechou um contrato para produzir e entregar cinco canhões navais Bofors 40 Mk4 para […]