Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

15 Comentários para “Operação ‘Praying Mantis’ em 1988: plataformas de petróleo do Irã são destruídas pela US Navy”

  1. emerson 8 de maio de 2013 at 16:50 #

    Olá a todos,

    segue o link do wikipedia sobre o evento.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Praying_Mantis

    Talvez esse seja um dos mais interessantes tópicos para discutirmos em relação aos riscos efetivos da exploração do présal e como uma força de submarinos pode dissuadir eventuais ações contra nossas plataformas.

    Imagino que as chances de ações de retaliação são maiores do que a de estarmos envolvidos em conflitos declarados. E o histórico tem sido de retaliações muitas vezes mais danosas do que os eventos originais.

  2. Claudio Dönitz 8 de maio de 2013 at 17:47 #

    Certamente eram plataformas de destruição em massa.

  3. MO 8 de maio de 2013 at 17:53 #

    Quem era o Kidd que aparece ? o ultimo era um Coontz ou um CF Adams, to meio cegueta …

  4. Galante 8 de maio de 2013 at 18:41 #

    MO, o mais engraçado é que o Kidd deveria ter sido vendido ao Irã e ele acabou sendo incorporado à USN e usado contra os iranianos!
    O navio que aparece no final parece um CF Adams.

  5. Dalton 8 de maio de 2013 at 19:44 #

    Tá me parecendo que trata-se na verdade da Operação Nimble Archer
    que ocorreu em 19 de outubro de 1987…já que aparece claramente um DDg da classe Kidd e também um Charles F Adams, respectivamente o proprio USS Kidd e o USS Hoel.

    O ataque foi uma retaliação a um missil iraniano que atingiu um navio
    petroleiro e as plataformas iranianas em questão nem mesmo produziam mais oleo e sim eram usadas militarmente pela guarda revolucionária iraniana.

  6. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:01 #

    O destróier estava a menos de 2 km disparando contra um alvo imóvel e gigantesco e um monte de projéteis errou o alvo e caiu n’água.
    Puxa!!!

  7. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:15 #

    Emerson,
    Plataformas são alvos fáceis para mísseis antinavios ou mesmo mísseis cruise de ataque a alvos em terra, como o Tomahawk.
    É difícil proteger!
    Teoricamente, por serem fixas e terem suas coordenadas geográficas conhecidas, são passíveis de serem destruídas por Tomahawks lançados de mais de 1000 milhas.

  8. Galante 8 de maio de 2013 at 20:20 #

    Bosco, no jogo Dangerous Waters dá para simular ataques contra plataformas no mar.

  9. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:25 #

    Galante,
    Eu tinha (ainda tenho o CD mas não está instalado) esse jogo no computador mas não conseguia jogar direito e só ficava mesmo dando uns tiros de ponto 50, 76mm, harpoons, etc, mas geralmente não acertava nada.
    Na maioria do tempo só ficava “andando” de navio, submarino, avião e helicóptero. rsrsss
    Eu sou meio burrinho nessa coisa de informática.

  10. Galante 8 de maio de 2013 at 20:32 #

    Boscão, tem um gerador de missões no qual vc pode criar as forças rivais e estabelecer regras de engajamento.

  11. Bosco 8 de maio de 2013 at 20:54 #

    É! Eu sei que tem mesmo mas nunca explorei muito.
    Um dia vou ver se instalo de novo pra ver o que que vira.
    Uma pena que o jogo não é totalmente “real”. Por exemplo, o Hellfire e o Maverick não operam como na realidade.
    Mas sem dúvida é muito interessante e divertido.

  12. Galante 8 de maio de 2013 at 21:02 #

    Tá saindo coisa muito melhor no mercado:
    http://www.warfaresims.com/?page_id=1101

  13. Bosco 8 de maio de 2013 at 21:29 #

    Tô na fila!

  14. Dalton 8 de maio de 2013 at 22:35 #

    É a Operação Nimble Archer mesmo…por algum motivo usaram as imagens
    erradas para narrar a Operação Praying Mantis.

    A ordem de batalha da Nimble Archer foi de 4 destroyers:

    USS HOEL (DDG-13), USS LEFTWICH (DD-984), USS KIDD (DDG-933) and USS JOHN YOUNG (DD-973).

  15. MO 9 de maio de 2013 at 12:34 #

    verdade, alias os 4 eram para ser iranicos … estivemos, lembra, em um deles no Scott la nos 1983 da vida …

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Consultor defende a criação de uma nova marinha mercante brasileira

Marinha Mercante - 1

Sergio Barreto Motta Pós-doutor em regulação pela universidade americana de Harvard, o brasileiro Osvaldo Agripino propôs, no III Fórum de […]

Ingresso da mulher nas fileiras da Marinha completa 35 anos

Corpo Feminino da Marinha

A Marinha do Brasil (MB) comemora, hoje, os 35 anos do ingresso das mulheres como militares em seus quadros. A […]

Suécia assina com Saab a encomenda de dois novos submarinos tipo A26

Kockums A26 - imagem 2 Saab

Empresa também modernizará dois exemplares da classe ‘Gotland’ em serviço na Marinha Sueca – Na última terça-feira, 30 de junho, […]

Fabricação do primeiro submarino S-BR avança na ICN

Reforços Externos #2

Rio de Janeiro, 29 de junho de 2015 – A Itaguaí Construções Navais (ICN) avança na construção do primeiro submarino […]

Prosuper receberá propostas da China e dos EUA

Type 052B Guangzhou class Wuhan (170) guided missile destroyer

  O PROSUPER, programa da Marinha do Brasil (MB) que visa obter 5 navios escoltas, cinco navios-patrulha oceânicos (NPaOc) e […]