Navy-PCs-x3-in-transporter-9200781038_e5e772c0e8_b-630x418

Outra vez a Marinha americana está movimentando mais navios na região do Golfo Pérsico. Porém, não se trata de mais um porta-aviões ou uma força-tarefa. Na verdade, pode-se pensar até na diminuição de possíveis tensões com o Irã. Em resumo: a US Navy está substituindo navios grandes por outros menores.

Três navios-patrulha da classe Cyclone – USS Tempest (PC-2), USS Squall (PC-7) e USS Thunderbolt (PC-12) – foram enviados à região. São embarcações relativamente pequenas, medem 55m de comprimento, deslocam 380 toneladas e acomodam uma tripulação em torno de apenas 28 pessoas. Esse tipo de navio é bem adequado para circular em águas rasas, proteger áreas plataformas de extração de petróleo, e para o trabalho conjunto com as Marinhas modestas das nações árabes aliadas. Mais dois deles, o USS Hurricane (PC-3) e o USS Monsoon (PC-4), também se juntarão ano que vem à 5ª Frota, sediada no Bahrein.

Com isso, restarão apenas três embarcações do tipo para atuar nos Estados Unidos, em operações contra o tráfico de drogas na costa do estado da Flórida. E ao mesmo tempo em que esses navios menores estão suspendendo, a US Navy está racionando o uso de navios-aeródromos, contratorpedeiros e mesmo caça-minas na região do Golfo.

Mas o fato de os classe Cyclone serem menores não os torna menos operacionais. Cinco dos navios-patrulha que estão no Bahrein tiveram mísseis Griffin incorporados – o mesmo armamento empregado nos controversos LCS – e ano passado, a Marinha americana teve sucesso em testes do Griffin conta embarcações pequenas e rápidas de assalto – as favoritas da Guarda Revolucionária iraniana.

FONTE: Breaking Defense via Naval Open Source Intelligence (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

Tags: , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

5 Comentários para “US Navy manda navios menores ao Golfo”

  1. Wagner 4 de julho de 2013 at 17:08 #

    Ahh então o Império resolveu fazer um gesto de boa vontade ??

    Que bom, isso deve ajudara nas novas negociações nucleares.

    Espero que um entendimento seja efetivado.

    Vai que eu conheça uma iraniana pela net… kkkkkkkkkkkk !!!

    :)

  2. Soldat 4 de julho de 2013 at 20:06 #

    Caramba os Navios patrulhas dos Amis tem até mísseis Griffin….

    E os nossos 3 Navios Patrulhas só tem três canhões e duas metralhadoras.
    Já que eles são nossos amigo e irmãos porque eles não nos vendem uns misseis a preço de custo como esses Griffin?

  3. MO 4 de julho de 2013 at 20:29 #

    qual a função destes NPa´s que vc citou alem de Pa são capitanias, CT´s FFG´s, NTrT´s NHi, NaApLog, que mais …? coloca isso na comparação, incluindo o TO e quem está envolta (Considerar tbm o embaratecimento dos custos, pois os custos dos maiores é beeemmm maior …) que vc nao se surpreenderá tanto … po, que saco, la vamos nos denovo …

  4. daltonl 4 de julho de 2013 at 20:53 #

    “…gesto de boa vontade ??”

    Não! Simplesmente o orçamento está curto para manter tantos navios
    maiores por lá e esses navios patrulha são bem mais baratos de operar
    e ideais para o ambiente de águas confinadas principalmente com tantos “barcos” da Guarda Revolucionária Iraniana por lá.

    Nos últimos anos a US Navy sacrificou demais seus navios e tripulações
    com comissões de 8 meses ou mais e está agora buscando uma normalidade do que eles chamam de OPTEMPO.

    Melhor manter um certo número de navios em casa mas preparados para zarpar em pouco tempo se necessário como é o caso atual do
    USS Harry Truman que teve sua ida à V Frota cancelada mas permanece plenamente capaz.

  5. nunes neto 4 de julho de 2013 at 21:27 #

    Soldat, o armamento se justifica pelo local o qual irão patrulhar, os misseis foram incorporados exatamente por que os navios irão patrulhar uma” zona quente” , esse não é o nosso caso, MO muita hora nessa calma,kkkk,não tem jeito …Abçs

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

DGMM reúne almirantes para discutir orçamento e planos de contingência

F Bosísio (F 48)

  O diretor geral de Material da Marinha, almirante Luiz Guilherme Sá de Gusmão, reúne sua equipe de almirantes esta […]

Precisamos, para já, de 4 (bons) navios usados

maestrale

  Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Parece […]

Navio-veleiro Cisne Branco aberto à visitação em Santos neste final de semana

Cisne Branco (2)

A Capitania dos Portos de São Paulo informou em nota à imprensa que o navio-veleiro Cisne Branco da Marinha do […]

Marinha peruana estuda três opções para renovar sua força de superfície

DE_LA_PENNE__5____a

  Não é só a Esquadra brasileira que necessita equacionar a renovação de sua força de superfície em um cenário […]

Cerimônia de incorporação do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ à Marinha do Brasil

Vital de Oliveira - 1

  Em uma cerimônia de batismo, mostra de armamento e transferência para o setor operativo, o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico […]