Domínio chinês

hang-jun-chegando-ao-fim-dos-molhes

vinheta-clipping-navalSegunda economia do mundo e nação mais dinâmica do planeta, a China não se contenta com pouco. Está presente em todo o mundo e a cada dia avança em novos setores. Agora mesmo, com a descoberta de combustível barato nos Estados Unidos – o gás de xisto – siderúrgicas chinesas estão se bandeando para lá. Os chineses são responsáveis por 47% da produção siderúrgica mundial, ou seja, produzem praticamente metade do total mundial.

Em construção naval e navegação, os números também são impressionantes. Em dragagem, a chinesa Shipping Dredging Company, ou SDC, é majoritária no mercado interno, através da subsidiária SDC do Brasil Ltda, presidida por Ronaldo Fucci. Entre outros projetos, a SDC do Brasil está realizando dragagem em Santos (SP), trabalho que deverá continuar por pelo menos mais um ano.

No Porto do Açú, de Eike Batista, no Norte Fluminense, foi realizado um amplo serviço de dragagem, já concluído. Em Paranaguá, igualmente está sendo feita ampla atividade de dragagem. No Porto do Rio, a SDC está em contato com os dois terminais de containeres: Multiterminais – da família Klien – e Libra – dos grupos Borges e Torrealba. Esses grupos ganharam direito a renovação antecipada dos contratos, desde que invistam em melhorias. O contrato ainda não foi assinado, mas há negociações para elevação do calado para 15 metros, ampliando-se a largura dos atuais 280 para 330 metros.

FONTE: Monitor Mercantil

Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

3 Comentários para “Domínio chinês”

  1. martins 9 de julho de 2013 at 14:35 #

    A foto que ilustra a matéria foi feita no Rio Itajaí-açu
    Itajaí/SC

  2. MO 10 de julho de 2013 at 0:06 #

    e a TSHD da Foto é a Hang Jun 3001 de bandeira Brazelera, mas com um monte de xinelico a bordo, comandando (nao aparecem) a guarnição/comando braselera

  3. Wagner 10 de julho de 2013 at 14:10 #

    Ou seja, até mesmo na exploração do xisto os USA necessitarão de capital chinês…

    A reportagem lembrou isso muito bem.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Segundo Mistral russo pronto para as provas de mar

Os dois navios da classe Mistral destinados à Rússia

  O porta-helicópteros Sebastopol, segundo navio de assalto anfíbio classe Mistral construído pelo estaleiro DCNS para a Marinha da Rússia, […]

Navantia oferece renovar esquadra peruana com fragata de porte médio

Navantia_F-538_Frigate_Peru_Avante_NAVDEX_2015_2

No momento de seu maior investimento na renovação das forças navais sul-americanas, o grupo espanhol Navantia – que acaba de […]

Ante a resistência dos peruanos, Bolívia acerta com Uruguai saída para o mar

MINOLTA DIGITAL CAMERA

As chancelarias da Bolívia e do Uruguai começaram a discutir os termos de um convênio que dê sentido prático ao […]

Nascido para dominar

USS Vincennes

A história da primeira expedição científica de circum-navegação dos Estados Unidos mostra que a jovem nação buscava um lugar no […]

O site histórico NGB – Navios de Guerra Brasileiros está de volta à ativa

ngbcapa2

O site NGB – Navios de Guerra Brasileiros, o maior registro histórico online de navios brasileiros, está de volta. O […]