tartous

Por Steve Gutterman; Edição de Elizabeth Piper (C) Reuters 2013

De acordo com informe da agência de notícias Interfax divulgado ontem, a Marinha russa estaria preparando a retirada de seu evetivo da base naval em Tartus, no litoral da Síria.

Caso as informações procedam, o plano refletiria preocupação das autoridades navais russas diante do provável ataque por parte dos Estados Unidos e forças aliadas ao regime do presidente Bashar al-Assad – em retaliação a um possível ataque com armas químicas que teriam matado centenas de pessoas, inclusive civis.

A base relativamente modesta no porto de Tartus é a única da Marinha russa fora do território que compreende a antiga União Soviética, e tem como função principal abastecer navios de guerra durante longos desdobramentos que muitas vezes passam pela região do Mediterrâneo.

Citando fontes anônimas ligadas ao comando da Marinha, a Interfax reporta que o efetivo da base teria embarcado em um navio de apoio atracado no local, e que demais embarcações de guerra o escoltariam para fora da Síria. A agência não informa se o navio deixou mesmo o país, nem quantas pessoas embarcaram. O Ministério da Defesa se recusou a comentar as informações, alegando que a questão é de jurisdição da Marinha. O Ministério não confirma, mas analistas acreditam que haja em torno de 100 técnicos russos na base naval.

Autoridades de Moscou apontam que há milhares de cidadãos russos na Síria – boa parte seriam mulheres casadas com sírios, e mesmo com filhos. O ministério russo para situações de emergência informou na última terça (27) que havia evacuado 89 pessoas que pediram para deixar o país, incluindo 75 cidadãos russos. Estima-se que o governo tenha retirado cerca de 730 pessoas da Síria este ano.

Moscou vem sendo o aliado mais forte do governo Assad em um conflito interno que já deixou mais de 100 mil mortos desde 2011. O país forneceu ao regime sistemas de defesa, além de vetar resoluções do Conselho de Segurança da ONU que previam condenações ou sanções e embargos. A Rússia pediu veementemente aos Estados Unidos e outras nações que não ataquem a Síria, alegando que a intervenção sem aprovação da ONU constitui violação da lei internacional.

FONTE: The Maritime Executive via Naval Open Source Intelligence (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

Tags: , , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

2 Responses to “Rússia planeja retirar efetivo de base naval na Síria” Subscribe

  1. Marcelo Andrade 30 de agosto de 2013 at 14:01 #

    O último a sair do porto apague a luz.

  2. Renato Oliveira 30 de agosto de 2013 at 23:31 #

    hahaha, grande Marcelo, hilário

    Agora fiquei confuso. Por um lado aparecem boatos dizendo que vão atacar a Arábia Saudita, agora esse dizendo que vão fugir com o rabinho entre as pernas…

    Mas nada impede que eles usem o efetivo de Tartus para atacar a Arábia Saudita… que confusão…

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

‘Embarque’ no NAe São Paulo e nos detalhes de sua modernização

NAe São Paulo - foto 4  Nunão 2011 - Poder Naval - Forças de Defesa

Os textos abaixo, gentilmente compartilhados por Luiz Monteiro, trazem muitas informações detalhadas sobre contrato relativo a consultoria, assessoramento e capacitação […]

DCNS vai assessorar a Marinha do Brasil na modernização do porta-aviões ‘São Paulo’

NAe São Paulo A12

Segundo o Diário Oficial da União, a DCNS irá participar da reforma do NAe São Paulo (A-12). Abaixo, o extrato […]

Reforma de R$ 1 bi em porta-aviões da Marinha pode torná-lo mais lento

NAe-São-Paulo-A12-3

TERESA PEROSA A Marinha reforma o porta-aviões São Paulo. Ao custo de pelo menos R$ 1 bilhão, pretende substituir as […]

Fase de testes avança no Prosub

Odebrecht - Prosub, fase de testes - 1

Seção de Qualificação é transportada para Prédio Principal do Estaleiro de Construção Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2014 […]

Brasil cria núcleo de missão naval em São Tomé e Príncipe

NPa Grauna

Objetivo é levantar necessidades da guarda costeira do local e elaborar proposta de acordo de cooperação entre os dois países […]