h ttps://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ZW4WdrDg3Bo

O documentário History of the Royal Navy – Steam, steel and Dreadnoughts (1806-1918) relata a trajetória da Marinha Real Britânica desde os anos de imperialismo global no século XIX até o fim da Primeira Guerra Mundial. O documentário é apresentado pelo príncipe Andrew, duque de York e Capitão-de-Fragata da Marinha Real.

FONTE: Militaryphotos.net

Tags: , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

14 Responses to “Vídeo: History of the Royal Navy – Steam, steel and Dreadnoughts (1806-1918)” Subscribe

  1. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 12:01 #

    Muito do que a Gloriosa é hoje se deve à Royal Navy.

    Com todos os cortes de orçamento dos últimos anos, a RN permanece como uma das forças navais mais respeitadas do mundo. Afinal de contas são 250 anos de tradição e disciplina.

    Afundar um navio da Royal Navy era, e provavelmente ainda é, assinar a própria sentença de morte.

    Que o digam Maximilian Von Spee e Ernst Lindemann

  2. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 13:05 #

    Interessante constatar:

    A França lança o Gloire em 1859. Considerado por muitos o primeiro encouraçado do mundo, embora a proteção blindada começava à partir da linha d’água.

    A Royal Navy responde em 1861, com o HMS Warrior. Primeiro navio de guerra totalmente de aço. Primeiro com canhões de retrocarga. Primeiro com uma cidadela interna blindada.

    Interessante constatar a capacidade dos ingleses de aperfeiçoar inventos já existentes. Foi assim com a construção em aço. Foi assim com a torre giratória.

    Vejo o período 1890-1906 como o auge do poder naval britânico. Aquela foto da linha de encouraçados no Jubileu de Diamante de VR é emblematica.

    Até o desafio alemão iniciado com a Primeira Lei Naval de 1898.

    Mas essa glória também vinha acompanhada de erros graves de doutrina:

    1 – Os cruzadores de Batalha – a menina dos olhos de Fisher. Concebido à partir de uma certeza equivocada de que a velocidade compensaria sua fraca blindagem. Os quase 6000 mortos do Indefatigable, do Queen Mary, do Invincible e do Hood mostraram da pior forma o erro conceitual;

    2 – O pouco investimento em uma força de submarinos. Basta ver o estrago que a pequena flotilha britânica do Báltico fez no transporte de aço para o Império Alemão. Tivessem os britânicos uma frota de submarinos equiparada à de U-boats, e a guerra teria terminado um ou dois anos antes.

    3 – A construção de uma gigantesca esquadra sem adequadas comunicações e uma estrutura de C². Esse foi o principal fator para o desastre de Coronel e uma inconclusão da batalha de Jutland.

    PS: no instante 24:02, no fundo há uma maquete de um clássico – Oberon Class.

  3. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 13:13 #

    Quando eu tiver tempo, escreverei um artigo sobre a Batalha de Coronel/Falklands – que farão 100 anos em 2014.

    São as minhas favoritas, pois evidenciam dois dos três erros por mim anteriormente citados.

    Poucos sabem, mas na batalha das Falklands o Invincible por muito pouco não foi partido em dois.

    O aviso foi dado, mas foi ignorado. Com trágicas consequências.

  4. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 13:14 #

    Eita, meu terceiro comment não apareceu. Acho que caiu no spam…

  5. MO 6 de setembro de 2013 at 13:14 #

    Sim, coronel foi um ‘mess’ em comm. Uma pena que o conceito dos cruzadores de batalha nao vingaram, apesar de ter sido a decisão certa pois como vc memsmo citou a veloc nao os salvou da falta de blindagem em pontos criticos !

  6. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 13:22 #

    ^^^ A idéia original dos cruzadores de Batalha era compor uma força de esclarecimento.

    Mas foram usados, erroneamente, como navios capitais – não tendo a menor condição para isso, por não possuírem blindagem adequada.

    Exceção dou aos cruzadores de batalha alemães, que eram melhor compartimentados e blindados. Aguentaram o tranco em Jutland, basta ver como o Seydlitz chegou em Kiel.

    Exceto o Lützow, que teve que ser afundado pelos contratorpedeiros tedescos, por não ter mais condições de navegar.

    Mas nenhum deles tiveram o fim trágico dos battlecruisers ingleses.

  7. Fernando "Nunão" De Martini 6 de setembro de 2013 at 14:03 #

    De fato, Rafael, como você diz no comentário que ficou preso no spam mas acabei de liberar, a batalha das Falklands trouxe riscos para os cruzadores de batalha britânicos. Mas pode-se dizer que nela esses navios se sobressaíram por cumprirem muito bem uma das missões para a qual também foram concebidos: serem uma força de ação rápida para ações mais distantes.

  8. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 14:22 #

    ^^^ Vero, Fernando.

    Mas em Jutland, foram usados como navios de linha – um erro que custou a vida de pelo menos 4.000 marinheiros.

    Não tinham blindagem para isso, e o combate com Spee já tinha evidenciado tal fraqueza, quando um projétil de 8,2 pol atingiu o depósito de carvão que ficava ao lado do depósito de munição das torres “P” e “Q”.

    Por sorte, não explodiu. Caso contrário, a batalha das Falklands teria tido um fim bem diferente.

  9. daltonl 6 de setembro de 2013 at 14:31 #

    Rafael…

    “Coronel e as Falklands”, um livro que comprei ainda no século passado
    e uma excelente leitura, retratando a coragem e competencia de ambos adversários, apesar do suicídio quase certo em Coronel.

  10. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 14:33 #

    Complementando:

    O projétil de 8,2 in foi disparado pelo SMS Scharnhost, e o battlecruiser atingido foi o Invincible.

    Que seria um dos três battlecruisers partidos ao meio pela Hochseeflotte em Jutland…

  11. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 14:43 #

    Dalton,

    Fala do livro do Geoffrey Bennett? O li de cabo a rabo. Um clássico.

    Tenho também em e-book o “Coronel and Falklands” de Michael McNally. Da Osprey Publishing. Outro clássico.

    Um que estou na boca de comprar é o “Castles of Steel”, de Robert K. Messie. Fala sobre a guerra naval na IGM. Um monstro de quase 900 páginas.

    De fato, o ato de Cradock foi suicida. Mas o mais triste é que foi provocado por uma falha grave de comunicação/interpretação do Almirantado.

  12. Rafael M. F. 6 de setembro de 2013 at 15:01 #

    Nessa meiuca, a Gloriosa em 1914:

    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/da/Brazilian_Navy_1914.PNG/800px-Brazilian_Navy_1914.PNG

  13. daltonl 6 de setembro de 2013 at 19:18 #

    Exatamente Rafael…o livro do Bennett. Gostei tanto que comprei na escala
    1/1250 o HMS Good Hope e os SMSs Scharnhorst e Emden mas graças
    a Deus o bom senso veio e assim evitei de comprar as frotas da I GM,
    se bem que tive uma recaída alguns anos atrás e acabei comprando o HMS Dreadnought, mas acabou.

    Quanto ao Castles of steel já o tive nas mãos e impressiona, mas minha praia maior sempre foi II GM então deixei passar.

  14. MO 6 de setembro de 2013 at 19:26 #

    xo .. xô .. Xô .. passa .. passa vade retro 1/1250 … senao a casa fale … kkkk

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]