1

O Navio-Tanque “Marajó” (G27), da Marinha do Brasil, realizou no dia 29 de agosto, o exercício de Transferência de Óleo no Mar (TOM) sem bombeio (Dry RAS) com a Fragata “Uruguay” (ROU 01), da Armada da República Oriental do Uruguai (AROU). Esta foi a primeira vez que um navio da AROU realizou este tipo de exercício com um meio naval brasileiro.

2

A atividade foi solicitada pela AROU após a primeira edição da Operação “ATLANTIS”, realizada em 2011, para que sua tripulação pudesse ser adestrada em caso de transferência real de óleo no mar.

1 (1)

No mesmo dia foi realizada também uma operação de transferência de carga leve com o propósito de devolver ao navio uruguaio uma defensa que havia se desprendido do mesmo e que fora resgatada no mar pela lancha orgânica do meio naval brasileiro.

2 (1)

As ações fizeram parte da Operação “ATLANTIS-II”, que os dois navios realizam em conjunto com o Navio-Tanque “Marajó” na área marítima compreendida entre Montevidéu e Rio de Janeiro, até o dia 11 de setembro. Neste período, estão programados diversos exercícios, como trânsito sob ameaça aérea e transferência de óleo no mar, com a participação de outras unidades da AROU, da Marinha do Brasil e da Força Aérea Brasileira.

FONTE: Nomar Online (Adaptação do Poder Naval)

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

4 Comentários para “Operação ATLANTIS II: Transferência de óleo no mar e de carga leve”

  1. MO 6 de setembro de 2013 at 14:53 #

    Este tipo de transferencia, sem bombeio é por gravidade, como no inicio dos embarque de cargass liquidas ?

  2. José da Silva 6 de setembro de 2013 at 14:59 #

    Não MO, acho que no caso “de Marinha” eles querem dizer que fazem todas as conexões e os procedimentos, mas sem transferência efetiva.

  3. João Filho 6 de setembro de 2013 at 15:02 #

    Adestramento muito bacana, mesmo. Mas um pouco off topic estava dando uma averiguada na ARA, e quase cai da cadeira. Estao muito piores que a MB…

    http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_active_Argentine_Navy_ships#Surface_fleet

  4. MO 6 de setembro de 2013 at 15:03 #

    WTF zé, porra ja que vai brinca, desce pro play ne …

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Precisamos, para já, de 4 (bons) navios usados

maestrale

  Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Parece […]

Navio-veleiro Cisne Branco aberto à visitação em Santos neste final de semana

Cisne Branco (2)

A Capitania dos Portos de São Paulo informou em nota à imprensa que o navio-veleiro Cisne Branco da Marinha do […]

Marinha peruana estuda três opções para renovar sua força de superfície

DE_LA_PENNE__5____a

  Não é só a Esquadra brasileira que necessita equacionar a renovação de sua força de superfície em um cenário […]

Cerimônia de incorporação do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ à Marinha do Brasil

Vital de Oliveira - 1

  Em uma cerimônia de batismo, mostra de armamento e transferência para o setor operativo, o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico […]

Ministério da Defesa menos otimista com as chances do Prosuper em 2015

FREMM 523b

Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa e autor do livro “As Garras do Cisne” Passam os […]