sub1

O USS Minnesota, décimo submarino nuclear de ataque da classe Virginia, foi comissionado no último sábado (07) em cerimônia na base naval de Norfolk.

O navio mede 114 metros de comprimento, alcança velocidade de até 25 nós, e pode permanecer até três meses submerso. Em geral, os submarinos da classe Virgina são especialmente manobráveis em águas rasas, e são construídos para trasportar também forças especiais e seus equipamentos.

Assim como outras classes de submarinos de ataque, o Minnesota foi desenvolvido para combater outros submarinos, bem como alvos de superfície. além de serem capazes de disparar mísseis de cruzeiro Tomahawk contra alvos no litoral.

Os Estados Unidos vêm construindo dois submarinos da classe Virginia por ano, ao custo de 2,6 bilhões de dólares cada um. Até o momento, os navios foram entregues à Marinha antes do prazo – incluindo o Minnesota, concluído 11 meses antes da data prevista em contrato.

FONTE: Duluth News Tribune via Naval Open Source Intelligence (tradução e adaptação do Poder Naval a partir de original em inglês)

 

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

26 Responses to “US Navy comissiona décimo submarino da classe Virginia” Subscribe

  1. Celso 9 de setembro de 2013 at 16:27 #

    Esta sim eh uma cerimonia q merece respeito, nao aquela em certo pais da burundia q faz coquetel por cortar uma chapa. Brasil pais de tolos (nos)
    Sds

  2. Bravoone 9 de setembro de 2013 at 16:37 #

    Se muda daqui então, vai morar em norfolk.

  3. Gustavo 9 de setembro de 2013 at 16:42 #

    Celso, entendo seu descontentamento com o estado de coisas no nosso país, mas, pelo que eu entendi, o “1º corte de metal” de um submarino é algo envolto em cerimônias em qualquer lugar do mundo, equivalente ao batimento de quilha de um navio…
    Eu ainda tenho fé no nosso PROSUB, especialmente se forem produzidas mais unidades além das 4 convencionais e 1 nuclear planejadas… Talvez o dobro, para a formação de uma segunda força de submarinos, junto à 2ª frota (acho que aí já estou sonhando demais, né?)…

  4. wolfgangus Mozart 9 de setembro de 2013 at 17:03 #

    É… pra quem navega de Tupi, ter alguns scorpene não é nada mal. Nosso litoral e a Amazônia Azul mereciam algo do quilate do Seawolf ou Virgínia.

  5. Gunther Vand 9 de setembro de 2013 at 17:30 #

    Os EUA tem 500 anos de idade, como nós, e possui uma frota invejável, a maior do mundo, vejam quantos subs nucleares e porta-aviões (com aviões), isso sim é que é país sério, enquanto aqui o que se vê são bilhões e bilhões de reais desviados para contas pessoais, obras bilionárias em estádios de futebol, vejam o nordeste há quanto tempo tem pessoas morrendo de sede e fome? Isso é intolerável, eu me mudaria SIM, se pudesse já estava lá, não aguento mais tanta roubalheira, me desculpem, aqui tem um caras que adoram defender nossas forças armadas miseráveis, tudo feito aqui é o melhor do mundo! Nossas forças especiais são as melhores, ninguém ganha do Brasil na selva e um monte de asneiras sem fundamento algum! Dinheiro o Brasil TEM, e sobrando, mas roubam tudo!!!! Sempre falam que o bom é fabricar tudo aqui, um caça, um blindado, um navio… Agora a Embraer está produzindo em Portugal e acham normal?!!!! Ué, o bom não era fazer tudo aqui? Inútil, a gente somos INÙTIL!!!!!!! (música INÚTIL – Ultraje a Rigor é o nosso hino!)

  6. Almirante 9 de setembro de 2013 at 17:34 #

    É muito poderio de fogo!

  7. Bravoone 9 de setembro de 2013 at 17:49 #

    Gunther Vand

    Seu comentário é totalmente infundado, pois não vejo ninguém aqui falando isso, pelo contrário, só ouço críticas e mais críticas.

  8. Bravoone 9 de setembro de 2013 at 18:09 #

    Você não aguenta mais? o que é que você já fez pelo Brasil? me diga, forças armadas miseráveis? quer aproveitar e xingar também o efetivo? não passa vontade não, quando acontecer algo, peça para os Estados Unidos protegerem você, que tal?

  9. marc 9 de setembro de 2013 at 18:34 #

    Não adianta ficarem chorando e reclamando.

    Nada é por acaso, para os EUA estarem construindo o decimo
    submarino classe Virginia e entregando a unidade antes do prazo, existem algumas situações que merecem ser avaliadas;

    Eles tem um historico de construção naval intensa com apoio do Governo, desde a 2a guerra mundial,houve um alavancamento das industrias de armamentos com um verdadeiro milagre economico, para sairem da Depressao economica de 1929 este foi um plano muito eficiente de seu governo: GUERRAS…

    O Governo Americano sempre investiu muito em armamentos, por que sairam da 2a guerra e entraram na Coreia,depois Vietnã, depois Iraque 1a parte e 2a parte, Afeganistão etc e outras que virão ainda…

    O primeiro submarino nuclear dos EUA saiu na decada de 50. o Nautilus.

    O que faziamos na America do sul ? Plantavamos lavouras?

    E hoje somos uma fazendinha da CHINA!!!

  10. robert 9 de setembro de 2013 at 19:01 #

    Quando vcs abrem os comentários aparecem os: `Braphil Puthenfia 2 frota, 30 sub nuc, 7 Nae, melhor soldado do mundo, na selva ninguém bate nóis, e o `vai mora nus istaite se num gosta!…

    É tão bom ver comentários técnicos…

    Só uma pergunta, nossa força, HOJE, consegue detectar submarinos desse tipo? Com qual plataforma? Helis ou navios mesmo?
    Desculpem, mas sou da turma do aviãozinho! >D

  11. Ricardo Lima 9 de setembro de 2013 at 19:02 #

    Nosso pais era umas das maiores industrias navais do mundo e nao deram continuidade. Agora nao adianta chorar.

  12. Galante 9 de setembro de 2013 at 19:13 #

    Robert, sim nossa Marinha e Força Aérea têm meios para detectar os Virginia ou qualquer outros submarino, mas não na quantidade necessária para cobrir nosso imenso litoral e águas jurisdicionais. Temos os P-3AM da FAB com equipamento moderno e os helicópteros Sea Hawk, além dos nossos submarinos classe Tupi, que também possuem bons sonares.

  13. Juarez 9 de setembro de 2013 at 19:15 #

    obert disse:
    9 de setembro de 2013 às 19:01

    Quando vcs abrem os comentários aparecem os: `Braphil Puthenfia 2 frota, 30 sub nuc, 7 Nae, melhor soldado do mundo, na selva ninguém bate nóis, e o `vai mora nus istaite se num gosta!…

    É tão bom ver comentários técnicos…

    Só uma pergunta, nossa força, HOJE, consegue detectar submarinos desse tipo? Com qual plataforma? Helis ou navios mesmo?
    Desculpem, mas sou da turma do aviãozinho! >D

    Read more: http://www.naval.com.br/blog/2013/09/09/us-navy-comissiona-decimo-submarino-da-classe-virginia/#ixzz2eR6x3BQB

    É Ricard, e são sempre os mesmo “policiais do GF” os mesmos trolhas de sempre achando que tudo corrre as mil maravilhas, devímaos mandar todos para a Pátria Mãe Ilumiada deles, e passar com uma ração mensal, todos rumo a Havana

    grande abraço0

  14. Dalton 9 de setembro de 2013 at 19:26 #

    marc…

    na verdade a construção naval por lá, predata a segunda guerra…
    já no início do século XX se não no fim do século XIX os EUA já eram a nação mais industrializada do planeta.

    Se eles não tinham a maior marinha ainda era porque não precisavam,
    mas o que impressiona é que já em 1907, Teddy Roosevelt deu ordens à US Navy circunavegar o globo, para tanto reuniu-se 16 grandes navios que ficou conhecida como a grande frota branca…algo que não tinha sido feito antes por nenhuma nação.

  15. housemaq 9 de setembro de 2013 at 19:28 #

    Submarino Nuclear pronto só em 2025! Quase 20 anos para decidirem a compra de pouco mais de 30 aparelhos para a FAB?
    Acúma ???
    Pois bem, então:

  16. Dalton 9 de setembro de 2013 at 19:45 #

    A velocidade máxima é classificada, mas a informação dada geralmente e até no texto original em inglês é que a velocidade é superior a 25 nós não “até 25 nós” como traduzido, mas, aceita-se que sejam mais lentos que os
    Los Angeles.

  17. Bravoone 9 de setembro de 2013 at 19:47 #

    Tem que ir embora mesmo, afinal o Brasil não precisa de gente assim, que só late, mas não morde, não fazem nada pelo país e ainda querem se achar os reis da cocada preta? só digo uma coisa, SOME!

  18. Bosco 9 de setembro de 2013 at 20:03 #

    Dalton,
    Você sabe a partir de qual Virgínia será adotado os motores elétricos?

  19. Dalton 9 de setembro de 2013 at 20:23 #

    Boscão…

    como você sabe o plano original era construir “apenas” 33 Virginias, mas
    já faz uns meses que saiu um novo plano para continuar a construção até 51/52 unidades , a última a ser entregue em 2038.

    O que se lê é que os motores elétricos serão incorporados nos últimos
    blocks que agora planeja-se blocks VI e VII então é bem possível que sejam esses os candidatos coincidindo com a construção dos substitutos dos Ohios na próxima década e que também terão motores elétricos.

    abs

  20. Bosco 9 de setembro de 2013 at 21:02 #

    Dalton,
    Para que esse tipo de motorização não seja uma prioridade é porque se atingiu um nível de contenção de ruído excepcional nesses submarinos já que o mesmo foi pensado para operar em águas rasas.
    Um dado interessante sobre o Virgínia é a sua capacidade de ficar “parado” numa mesma posição. Vi isso se não me engano, em algum especial do History ou Discovery Channel da vida
    Você sabe se ele foi projetado para “pousar” no fundo arenoso em alguma situação específica?
    Um abraço.

  21. Dalton 9 de setembro de 2013 at 21:44 #

    Bosco…

    essa capacidade ficar “parado” é o que eles chamam de “hover” não sei se usaram esse termo no documentário que você viu.

    Quanto a “pousar” no fundo sei que já foi feito por submarinos nucleares
    mais antigos, raras vezes, mas nunca encontrei nada sobre essa capacidade para os de hoje.

    abs

  22. robert 9 de setembro de 2013 at 21:56 #

    Dalton disse:
    9 de setembro de 2013 às 20:23
    Boscão…

    como você sabe o plano original era construir “apenas” 33 Virginias, mas
    já faz uns meses que saiu um novo plano para continuar a construção até 51/52 unidades , a última a ser entregue em 2038.

    Mas até 2038, não terá outras tecnologias? Como planejar algo pra começar a funcionar daqui a 25 anos?
    Eles fazem alguma ` revisão de projeto´ a cada qnts unidades?

  23. Dalton 9 de setembro de 2013 at 22:06 #

    Robert…

    os primeiros 2 blocks , somando 10 unidades não apresentaram muita diferença, mudou mais as técnicas de construção.

    O próximo block já apresentará 2 silos maiores com capacidade para seis misseis cada que poderão receber equipamentos para forças especiais, veiculos não tripulados, etc, e também receberá um novo tipo de sonar.

    Para os próximos blocks estuda-se um redesenho da vela mais hidrodinamica e também a possibilidade de se incluir um plug capaz de abrigar 4 silos com capacidade para 7 misseis atrás da vela, além de motores elétricos, etc.

    Na verdade o nome continua o mesmo, classe Virginia, mas se fosse outro país, provavelmente mudaria o nome, pois a capacidade sempre
    está mudando e melhorando.

    Simplifiquei um pouco pois preciso sair, mas em essencia é isso aí.

    abraços

  24. Lucas 10 de setembro de 2013 at 0:18 #

    Muito interessante, e o descomissionamento a previsão é para daqui quantos anos mais ou menos? Visto pelo rápido avanço da tecnologia quantos anos levaria para que ele se tornasse obsoleto?

  25. Zorann 10 de setembro de 2013 at 0:28 #

    Uma observação:

    Eu fico muito feliz com os comentários abertos. Obviamente que alguns comentários não são muito agradáveis de se ler, mas é muito bom poder comentar.

    Gosto muito de ler comentários tecnicos nos tres blogs. Fiquei impressionado estes dias com o nível dos comentários no post “EUA e Israel fazem teste conjunto de mísseis no mar Mediterrâneo”. Aprendi um pouco sobre radares (apesar da linguagem às vezes muito técnica – cheia de siglas e abreviaturas – dos comentaristas).

    Acompanho os blogs de vocês a anos. Admiro muito o trabalho de toda a equipe e a contribuição que muitos comentaristas dão, enriquecendo o conteúdo da postagem original.

    Gostaria muito de participar destes debates através dos comentários. Porém não compro mais revistas de aviação, defesa e afins a pelo menos 5 anos. Não tenho mais onde colocar tantas revistas (desde as FLAP da década de 80) e também não tenho interesse de comprar mais revistas. Gostaria de pedir outra forma de podermos comentar, nem que fosse através de algum cadastro, doação ou pagamento. Entendo que é complicado liberar os comentarios a todos, principalmente devido ao nível dos comentários. Mas a simples compra de uma revista garante que os comentários terão um bom nível??

    De qualquer forma obrigado pela oportunidade e que ela se repita mais vezes.

  26. Dalton 10 de setembro de 2013 at 10:23 #

    Lucas…

    os SSNs da US Navy tem uma perspectiva de 33 anos de vida, incluindo os novos Virginias.

    Esses submarinos estão sempre sendo constantemente atualizados, por exemplo, o USS California, o oitavo da classe, foi construído com um novo sistema de redução da assinatura eletromagnética útil contra minas em áreas litorâneas e esse mesmo sistema será instalado nos primeiros quando esses forem para manutenção.

    abs

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Ministro da Defesa visita a Embraer para conhecer o trabalho de modernização dos jatos AF-1/1A da Marinha

No dia 21 de outubro de 2014, o Ministro da Defesa, Embaixador Celso Amorim, visitou às instalações da Embraer, em […]

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]

Euronaval 2014: características das corvetas ‘Tamandaré’ e do NPaOc-BR

Seguem as informações divulgadas sobre as corvetas da classe “Tamandaré” e sobre o NPaOc-BR: Corvetas Tamandaré: Deslocamento: aproximadamente 2.700 toneladas […]