Eisa

Sergio Barreto Motta

vinheta-clipping-navalQuando presidia o BNDES, Carlos Lessa recebeu sugestão de adotar o leasing – aluguel com opção de compra – para navios. Como um estudioso da economia, Lessa se empolgou com a possibilidade, mas essa opinião não foi bem recebida pelos quadros técnicos do banco. No Brasil, o leasing é usado – com enorme eficácia – para aviões, mas não para navios. No resto do mundo a situação é diversa. A gigante suíça MSC acaba de contratar 18 navios, em operação de leasing capitaneada por Minsheng Financial Leasing, da China, com a participação de Bank of Communications Financial Leasing. A operação se refere a três navios de 18.400 TEUs (contêineres de 20 pés ou equivalentes), que serão os maiores do mundo, e seu valor total é de US$ 420 milhões. Os navios serão construídos no estaleiro coreano Daewoo, a exemplo de outros seis, do mesmo porte, comprados recentemente pela MSC, vice-líder mundial de navegação, atrás apenas da dinamarquesa Maersk.

Um bom exemplo de como funciona o leasing se dá com aviões: a Boeing cede unidades seja para a uma empresa inglesa tradicional ou para uma pequena companhia africana. Em caso de não pagamento, o avião é devolvido instantaneamente à Boeing, sem qualquer trauma. Já no financiamento tradicional, ocorre o que foi registrado há dias, com o navio Angra Star, do grupo Fragoso Pires. O grupo está inadimplente, mas o BNDES não retoma o bem. Com isso, o banco não recebe, o bem perde valor e a sociedade é afetada, pois um produto financiado por crédito público – do Fundo de Marinha Mercante, que corresponde a um imposto – fica parado, em vez de transportar riquezas.

O mais interessante da adoção do leasing é que a empresa operadora não precisaria comprovar patrimônio exagerado, para dispor de vários navios. Uma empresa de menor porte poderia dispor de inúmeros navios, pois em caso de inadimplência não haveria perda para o banco financiador, nem para o FMM ou para a economia. No entanto, não se sabe porque, nem o FMM e tampouco BNDES, BB, Caixa, Banco da Amazônia e Banco do Nordeste ainda resistem ao leasing. Preferem o sistema antigo, de financiamento direto, que, no caso recente do navio Angra Star, gerou perdas e ainda ameaça poluir o ambiente, com óleo de seus tanques.

FONTE: Monitor Mercantil

Tags: , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

2 Responses to “Brasil esnoba ‘leasing’ na construção naval” Subscribe

  1. João Filho 25 de setembro de 2013 at 18:27 #

    O problema e simples: aluguel com opção de compra para navios para o Brasil faz bom senso demais para ser adotado na pratica. As unicas solucoes que tem alguma esperanca de ser adotadas no Brasil sao aquelas que envolvem meia duzia de “comissoes” com centenas de peritos e funcionarios, viagems de luxo para o exterior, duzias de relatorios, anos para conclusao e, claro, propinas milionarias para todo mundo. E justamente por casos como este que esse pais nao faz progresso nem com reza braba…

  2. giltiger 26 de setembro de 2013 at 17:10 #

    O Leasing Naval no Brasil tem dois problemas básicos:

    1)SE com o financiamento as instituições de crédito oficiais sofrem pressões políticas para liberar operações com grupos de duvidosa capacidade, imagine adotar-se um modelo AINDA MAIS complancente com as exigências econômicas… QUEM nestas instituições estaria QUALIFICADO para separar o joio do trigo aos pretendentes de leasing naval ???

    2)SE autorizada a modalidade leasing naval aos operadores brasileiros o EFEITO IMEDIATO seria este PATRIÒTICOS EMPRESÁRIOS procurarem leasing na Inglaterra ou no Banco da China para construção de navios na China continental ou em Taiwan ou Cingapura. Esta conclusão um tanto ÓBVIA e colidente com o objetivo governamental de estimular a construção naval NACIONAL EXPLICA o porquê, se queres navio só financiado e construído no país…

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Ministro da Defesa visita a Embraer para conhecer o trabalho de modernização dos jatos AF-1/1A da Marinha

No dia 21 de outubro de 2014, o Ministro da Defesa, Embaixador Celso Amorim, visitou às instalações da Embraer, em […]

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]

Euronaval 2014: características das corvetas ‘Tamandaré’ e do NPaOc-BR

Seguem as informações divulgadas sobre as corvetas da classe “Tamandaré” e sobre o NPaOc-BR: Corvetas Tamandaré: Deslocamento: aproximadamente 2.700 toneladas […]