Posso pagar com submarino nuclear?

Alfa_photo_1

O governo de Moscou ofereceu à Nova Zelândia um submarino nuclear para ajudar a resolver a dívida que a Rússia tinha com os produtos lácteos produzidos naquele país da Oceania, segundo um livro a ser lançado em breve.

Também foi oferecido, em meados da década de 1990, caças MiG e carros de combate ao invés de dinheiro, disse Clive Lind, autor de um livro a ser publicado no próximo mês que explora os 40 anos do da multi-bilionário setor de laticínios da Nova Zelândia até a formação da grande indústria Fonterra.

Lind disse que ficou ” estarrecido” ao descobrir, durante a sua pesquisa, que a oferta russa incluía um submarino ao então primeiro-ministro Jim Bolger e ao presidente da Dryden Spring, Dairy Board.

Lind é gerente de desenvolvimento editorial da Fairfax da Nova Zelândia e ex-editor de três jornais diários de Fairfax, e já tem 12 livros publicados.

Após ser informado por Bolger de que a Nova Zelândia tinha uma política contrária às armas nucleares, Moscou sugeriu então “atracar o submarino em algum porto e conectá-lo à rede nacional de energia elétrica”, disse Lind.

A URSS e Nova Zelândia ataram relações diplomáticas em 1944, e o apetite da Rússia pelos produtos agrícolas neozelandeses, tais como produtos lácteos, carne e lã, elevou o país à posição de quinto maior mercado de exportação da Nova Zelândia.

A União Soviética se dissolveu em 1991 e depois de 1992 o comércio da Nova Zelândia com a Rússia caiu dramaticamente.

Em 1993 houve um reaquecimento das vendas para a Rússia, que acabou acumulando uma grande dívida em função da compra de produtos lácteos e de lã.

Em 1998, a dívida havia atingido US $ 100 milhões.

O livro de Lind, “Till the Cows Came Home” será lançado no próximo mês.

FONTE: stuff.co.nz (tradução e adaptação do Poder Naval a partir do original em inglês).

Tags: ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

7 Comentários para “Posso pagar com submarino nuclear?”

  1. Alfredo Araujo 15 de outubro de 2013 at 17:36 #

    “Após ser informado por Bolger de que a Nova Zelândia tinha uma política contrária às armas nucleares, Moscou sugeriu então “atracar o submarino em algum porto e conectá-lo à rede nacional de energia elétrica”

    Nooooossa…
    Esses russos são bons vendedores… hahaha

  2. MO 15 de outubro de 2013 at 17:47 #

    rsss, e quem pada aa conta da light … kkkk

    em tempo = Um supramax que operou full em menos de 24h, tamos ficando bons e os sapiencias ainda falam de problemas em SSZ, ‘sabe tuuudo’ =
    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2013/10/mv-dk-ione-3etx-supramax-cpm-carregando.html

  3. MO 15 de outubro de 2013 at 17:49 #

    Risos ue nao somos amiguinhos deles by @ PT, pq sera que nunca respinga um akula por aqui … rssssss

  4. Marcelo 15 de outubro de 2013 at 18:32 #

    caramba…e os Kiwis não quiseram??? Não deve constar que os EUA doariam um Los Angeles, mais uns F-16 e uns M-1s Abrams…por produtos lácteos!!!!

    Bem, deve ser uma nação que aposta que a sua segurança vai depender da Austrália e dos EUA….então tá. cada cabeça uma sentença…

  5. Fernando "Nunão" De Martini 15 de outubro de 2013 at 19:40 #

    “MO 15 de outubro de 2013 at 17:47
    rsss, e quem pada aa conta da light … kkkk”

    Bem lembrado!

  6. MO 15 de outubro de 2013 at 20:38 #

    é fernandinho, e ai …. rsdsss

    Em tempo = da mesma classe que os nossos classe Sebatião Caboto, novissimos =
    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2013/10/ms-cap-cortes-d5cw7-afretado-hamburg.html

  7. Groo 16 de outubro de 2013 at 23:09 #

    Os SAMs Buks finlandeses foram adquiridos como pagamento da dívida que URSS tinha com a Finlândia. Na negociação a Rússia ofereceu helicópteros Mi-28, que foram testados.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Argentina escolhe a China como parceira para seus OPV

CSIC_P18N_Nigeria_AAD_2014_2

O Ministério da Defesa argentino escolheu a indústria naval da China como sua parceira no programa de construção de navios-patrulha […]

Portugal também interessado no navio-doca ‘Siroco’

corymbe-le-bpc-tonnerre-releve-le-tcd-siroco-2

Na hipótese de o Brasil considerar inviável a aquisição do navio de assalto anfíbio Siroco , o navio, que será […]

Compre seu livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Base chinesa em Walvis Bay põe em xeque trabalho da Missão Naval do Brasil na Namíbia

Namibia

Uma delegação da República Popular da China desembarcará proximamente em Windhoek, capital da Namíbia, para negociar a instalação, ainda este […]

Vídeo: Navio-Patrulha Classe ‘Macaé’

Navio-Patrulha Macaé

O Navio-Patrulha classe “Macaé”, construído no Brasil sob gerenciamento da EMGEPRON, é um navio versátil, apropriado para missões de vigilância […]