Conheça o Navio-Patrulha Oceânico Araguari, o último dos três Navios-Patrulha Oceânicos de 1.800 toneladas, construídos pela “BAE Systems”, cuja missão é garantir a segurança e a proteção das riquezas da “Amazônia Azul”. O primeiro, o NPaOc “Amazonas”, foi entregue à Marinha do Brasil, no dia 29 de junho de 2012, e o segundo, o NPaOc “Apa”, foi incorporado em 30 de novembro do mesmo ano.

A principal característica desses navios-patrulha é a flexibilidade, possibilitando seu emprego em diversas tarefas, tais como: operações de patrulha naval, assistência humanitária, busca e salvamento, fiscalização, repressão a atividades ilícitas e prevenção contra a poluição hídrica.

Tags: , , , ,

Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

7 Comentários para “Navio-Patrulha Oceânico ‘Araguari’ – Diário de Bordo (África/Portugal)”

  1. nunes neto 17 de outubro de 2013 at 20:24 #

    vídeo legal,gostei,poderiam fazer o mesmo com os demais meios!

  2. joseboscojr 17 de outubro de 2013 at 22:58 #

    Metralhadora de 25 mm?
    Essa pra mim é novidade.
    Que a MB classifica canhão de 20 mm de metralhadora eu sabia, mas o de 25 mm pra mim é nova.

  3. joseboscojr 17 de outubro de 2013 at 23:22 #

    Qual será o critério de classificação de metralhadora e canhão?
    Será que é o uso de munição com espoleta que permita o arrebentamento aéreo?
    Se for este tipo de munição pode não ser disponível para o canhão de 25 mm aqui no Brasil, porque fora, até canhão (ou metralhadora, se preferirem) de 20 mm já as possui, haja vista a munição 20mm HEIT-SD (High-Explosive Incendiary Tracer- Self-Destruct) usada no Centurion.
    Também há munição de autodestruição disponível para o canhão M-242, a M792 High Explosive Incendiary with Tracer and Self Destruct.
    Tudo bem que este tipo de munição tanto no calibre 20 mm quanto do 25 mm é usado para reduzir danos colaterais e não para aumentar a letalidade, mas é um diferencial em relação à munição eminentemente de impacto das ponto 50.
    Ao meu ver de 20 mm pra cima devia ser designado canhão.

  4. Guizmo 18 de outubro de 2013 at 8:20 #

    Bosco, eu não manjo muito do riscado mas será que a classificação teria a ver com a cadência de tiro? Pra mim 20 mm já é classificação de canhão, haja vista até mesmo os “canhões” de 20 ou 30 mm embarcados em jatos de caça.
    Abs

  5. Guilherme Poggio 18 de outubro de 2013 at 12:37 #

    Guizmo

    Essa é a diferença. Calibres aeronáuticos possuem funções diferentes dos calibres navais embora sejam números iguais. O que é canhão para a FAB (20 ou 30mm) na MB é metralhadora (a MB chama as GAMBO de 20mm de metralhadora).

  6. joseboscojr 18 de outubro de 2013 at 13:48 #

    Guismo,
    Não acho que a cadência de tiro seja fator decisivo na classificação, mesmo porque existem metralhadoras com cadência de 600 até 6000 tiros e canhões de 30mm com cadência semelhante (4500 no caso do Goalkeeper, que é tipo Gatling, 1500 t/min no caso do GIAT 30 do Rafale, 2500 t/min no caso do 2A38M do Pantsir, etc)
    Também há canhões de 35 mm com cadência de 1000 tiros (35/1000 Oerlikon).
    Ou seja, não dá pra diferenciar canhão e metralhadora na base da cadência de tiro.

  7. Guizmo 18 de outubro de 2013 at 15:10 #

    Poggio e Bosco,
    Valeu!
    Abs

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Portugal também interessado no navio-doca ‘Siroco’

corymbe-le-bpc-tonnerre-releve-le-tcd-siroco-2

Na hipótese de o Brasil considerar inviável a aquisição do navio de assalto anfíbio Siroco , o navio, que será […]

Compre seu livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Base chinesa em Walvis Bay põe em xeque trabalho da Missão Naval do Brasil na Namíbia

Namibia

Uma delegação da República Popular da China desembarcará proximamente em Windhoek, capital da Namíbia, para negociar a instalação, ainda este […]

Vídeo: Navio-Patrulha Classe ‘Macaé’

Navio-Patrulha Macaé

O Navio-Patrulha classe “Macaé”, construído no Brasil sob gerenciamento da EMGEPRON, é um navio versátil, apropriado para missões de vigilância […]

Compre sua revista Forças de Defesa 12ª edição

Forças de Defesa 12 - capa e miolo 2 - destaque

Saiu a Revista Forças de Defesa 12ª edição, com 120 páginas! a versão impressa está disponível para compra pela Internet e […]