pratico

Promotor pede anulação da última fase da seleção para 206 vagas. MPF alega quebra de sigilo do conteúdo das provas prático-orais.

Do G1, em São Paulo

ClippingNEWS-PAO Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro enviou recomendação à Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha para anulação da última fase do processo seletivo para 206 vagas de praticante de prático, que foi retomada a partir do dia 30 de setembro. O MPF quer também a suspensão do concurso até que se conclua a sindicância instaurada e que se conheça a fonte de supostos vazamentos de questões. O prático é responsável pelas manobras de navios em trechos próximos a costas, baías e portos. O G1 entrou em contato com a Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha e aguarda resposta.

Alegando quebra de sigilo do conteúdo das provas prático-orais aplicadas, o MPF recomenda a elaboração de novos ambientes de simulação e fainas (conjunto de ações e manobras) aplicadas aos candidatos, além da adoção de medidas que preservem o sigilo das provas e da punição dos responsáveis pelos vazamentos já ocorridos ou que venham a ocorrer.

A recomendação, expedida pelo procurador da República Gustavo Magno Albuquerque, também busca a divulgação dos nomes dos integrantes da banca examinadora, a verificação de eventuais impedimentos dos examinadores para avaliação de candidatos com os quais possam ter relações pessoais e profissionais e a publicidade na aplicação das provas prático-orais.

O MPF recomenda ainda a adoção de medidas para preservar o equilíbrio entre os candidatos que prestem novas provas prático-orais nos primeiros e nos últimos dias de aplicação, a divulgação em atas das notas atribuídas a cada candidato em relação a cada quesito, a instituição de “quarentena” para os integrantes de bancas examinadoras e a reavaliação do gabarito de questões da prova escrita anuladas em decisões judiciais.

O MPF informa que recebeu denúncia de que os candidatos da prova prático-oral do concurso já teriam conhecimento da manobra que seria exigida a cada dia de exame, após a publicação delas em anúncio de classificados e em um site da internet. Segundo o MPF, poucas horas após o comparecimento do procurador da República Gustavo Magno Albuquerque ao local das provas para apurar as denúncias, em 3 de setembro, o diretor de Portos e Costas da Marinha publicou edital em que anulou todas as provas prático-orais até então realizadas e suspendeu a realização das provas restantes. Alguns dias depois, no entanto, a DPC publicou outro edital, em que determinou a retomada do concurso, com reinício das provas em 30 de setembro. O mesmo edital prevê que seriam aplicadas as mesmas 17 provas já realizadas. O MPF também apurou uma intensa troca de mensagens entre os candidatos com detalhes das manobras incluídas em cada um dos 17 modelos de prova, o que compromete o sigilo do conteúdo das provas.

Cancelamento e retomada
No começo de setembro, a Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha comunicou o cancelamento das provas prático-orais e que havia aberto procedimento para apurar dados que comprometiam o objetivo da prova prático-oral, que é o de avaliar a capacidade do candidato em realizar uma faina de praticagem (conjunto de ações e manobras realizadas durante a prestação do serviço e praticagem), sem qualquer conhecimento prévio. A decisão havia sido tomada após denúncias de irregularidades e supostos favorecimentos na prova. A etapa, no entanto, foi retomada em 30 de setembro. E o calendário de provas vai até 12 de dezembro – clique aqui para ver.

O processo seletivo tem o objetivo de habilitar praticantes de prático. Depois de passar na seleção, os praticantes fazem um treinamento denominado Programa de Qualificação do Praticante de Prático, com duração mínima de 12 meses e máxima de 15 meses. Segue-se então o exame de habilitação conduzido pela Capitania dos Portos. Com a aprovação nesse exame, o praticante é certificado como prático, que exerce atividade privada, individualmente, em sociedade ou contratado por empresa de praticagem. A remuneração é variável e pode chegar a R$ 130 mil mensais, caso o porto seja bastante movimentado. O prático assessora os comandantes de navios nacionais e estrangeiros, sendo responsável pelas manobras realizadas em portos brasileiros. Além de curso de nível superior, o candidato precisa ser aquaviário da seção de convés ou de máquinas, prático ou praticante de prático; ou, alternativamente, pertencer ao grupo de amadores, no mínimo na categoria de mestre-amador.

A Marinha esclarece que o processo seletivo à Categoria de Praticante de Prático (PSCPP) não é concurso público, pois não se destina ao provimento de cargo ou emprego público. Os práticos exercem atividade privada, sendo remunerados pelos tomadores de seus serviços. O praticante de prático é uma categoria dos aquaviários, conforme previsto no Decreto nº 2.596, de 18/05/1998, o qual regulamenta a Lei nº 9537/1997 (Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário – Lesta).
No concurso, cujo edital foi lançado em novembro do ano passado, inscreveram-se 2.141 candidatos, e à prova escrita realizada em 5 de janeiro compareceram 1.834 candidatos, segundo a Marinha. A divulgação do resultado da prova escrita foi em 22 de fevereiro, concluindo, assim, a primeira etapa do concurso. Já a segunda etapa contou com 250 candidatos melhor classificados na 1ª etapa, que englobou apresentação de documentos, seleção psicofísica e teste de suficiência física (provas de barra, natação e permanência na água). A terceira etapa englobou a prova de títulos, e a quarta e última etapa, a prova prático-oral.

Denúncias sobre a prova
Candidatos informaram ao G1 que enviaram denúncias à comissão organizadora do concurso e ao Ministério Público Federal sobre suposto privilégio nas informações sobre as datas do concurso, ausência de atas e irregularidades na designação da bancada examinadora do concurso.

Candidatos dizem que houve vazamento no conteúdo da prova prática-oral, privilegiando alguns candidatos em detrimento de outros. Segundo eles, houve um sorteio de 51 envelopes no início de junho, para definir a numeração do envelope contendo a prova que seria a primeira a ser aplicada no dia 18 de junho. O envelope sorteado foi o de número 26, sendo que as datas subsequentes obedeceram à numeração consecutiva até o último envelope, de número 25, correspondendo à prova a ser aplicada em 6 de setembro. Cada prova contém manobras de navios e situações diferentes a serem cumpridas. Alguns candidatos teriam percebido que não havia 51 provas diferentes como esperado e sim apenas 17. Além disso, as provas não foram embaralhadas para se tornarem aleatórias.

Assim, as 17 primeiras provas foram aplicadas e depois repetidas a partir da 18º na mesma ordem. Isso teria permitido a descoberta de um ciclo previsível e quem percebeu o que estava acontecendo estudou e praticou a manobra que seria aplicada na sua data. Por outro lado, o candidato que ignorou tal fato foi obrigado a estudar inúmeras manobras diferentes, não sabendo qual manobra efetivamente teria de cumprir, o que seria o correto e o esperado para todos os candidatos. Como isso não ocorreu, os candidatos alegam quebra de isonomia. Eles pedem que a nova prova não tenha “as mesmas falhas”.

Outras polêmicas
Em abril, decisão da 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio Grande do Norte havia determinado a suspensão do processo seletivo, acatando pedido do Ministério Público Federal que questionava a necessidade de comprovação da habilitação de aquaviário da seção de convés ou de máquinas e de nível igual ou superior a quatro, prático ou praticamente de prático, bem como de mestre-amardor, em datas distintas. A decisão foi derrubada depois de duas semanas.
Em março, leitores enviaram e-mails ao G1 questionando o conteúdo da prova. Os candidatos informaram que foram enviados cerca de 1.300 recursos questionando a prova e que nenhum foi atendido. A Diretoria de Portos e Costas (DPC) da Marinha informou que não pretendia alterar os gabaritos da prova escrita do processo seletivo para praticante de prático, realizada em janeiro deste ano.

FONTE: G1

Tags: , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

One Response to “MPF-RJ pede suspensão de concurso para praticante de prático” Subscribe

  1. Intrépido 23 de outubro de 2013 at 22:20 #

    O procurador da Republica no inquérito civil PR-RJ nr 1.30.001.001244/2013-38 de 15 de outubro de 2013 estabelece o prazo ate o dia 04 de novembro para o Diretor de Portos e Costas atender 20 providencias, dentre as quais cito: providencias adotadas para responsabilizar criminal, cível e disciplinar dos envolvidos no vazamento de informaçoes, o responsavel pela decisao de repetiçao, na mesma sequencia, das 17 provas; responsabilizacao dos causadores dos danos ao erário e aos candidatos, decorrentes da decisao de repetiçao, etc.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Marinha de Guerra do Peru confirma a aquisição de cinco helicópteros SH-2G Super Seasprite

A Marinha do Peru materializou através do Canadian Commercial Corporation, a aquisição de cinco helicópteros Kaman SH-2G Super Seasprite. O […]

Obras do Núcleo do Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul-Sudeste são iniciadas

Estrutura pertencente ao desativado Serviço de Sinalização Náutica em Santos-SP – Em nota divulgada em 5 de outubro, a Marinha […]

Do canhão à imagem

Acima, foto do navio hidrográfico Garnier Sampaio (H 37) levando a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré no tradicional Círio […]