Saída tripla de submarinos australianos - foto MD Australia

Em nota divulgada na sexta-feira, 28 de novembro, a empresa sueca de defesa e segurança Saab informou informou que foi assinado contrato com a ASC Pty Ltd (Australian Submarine Corporation) para atualizar e modernizar o sistema integrado de gerenciamento e monitoramento de controle de navio (Integrated Ship Control Management and Monitoring System – ISCMMS) dos submarinos classe “Collins” da Marinha Real Australiana.

Segundo a empresa, o contrato tem valor total de 180 milhões de coroas suecas (aproximadamente 27,5 milhões de dólares ou 64 milhões de reais). O sistema ISCMMS é responsável pelo controle de manobras do submarino e pelo gerenciamento de sistemas integrados da plataforma. Desenvolvido originariamente pela Saab, o sistema provou ser bastante confiável para a classe “Collins” de submarinos australianos, diz a nota da empresa.

Saída tripla de submarinos australianos - foto 4 MD Australia

Ainda segundo a nota, o programa de modernização envolve a atualização de componentes eletrônicos e sistemas, aliviando problemas futuros de obsolescência e permitindo que o softwares do ISCMMS continue a operar de forma eficiente. O contrato compreende o período entre 2013 e 2016, e envolverá a área de operações de Soluções de Defesa e Segurança em Adelaide, na Austrália.

FONTE: Saab (tradução e edição do Poder Naval a partir de original em inglês)

FOTOS: Ministério da Defesa da Austrália

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , , , , ,

QUEM É Fernando "Nunão" De Martini

Veja todos os posts de Fernando "Nunão" De Martini

6 Comentários para “Saab vai modernizar sistema de controle de submarinos australianos classe ‘Collins’”

  1. Marcos 1 de dezembro de 2013 at 17:46 #

    Quais eram os problemas dos submarinos australianos?

  2. Oganza 1 de dezembro de 2013 at 23:29 #

    Mais são bonitos esses Collins.

    http://www.navy.gov.au/sites/default/files/ships/NIUW8065726_050317_093_018.jpg

  3. Oganza 1 de dezembro de 2013 at 23:51 #

    Marcos,

    eles tiveram problemas de toda ordem que se possa imaginar, na verdade até onde eu sei, daria um post em 3 partes, praticamente “O Caso Collins”.

    – existiram acusações de jogo sujo ou propina para a escolha de fornecedores Australianos, mas nunca ficou provado nada, ao menos ninguém foi preso, e lá elas vão. rs

    – Teve também a questão de não se “congelar” o design, adcionando mais capacidades ao longo do programa que levou mais de 10 anos para 6 subs.

    – junta-se a isso, o credenciamento de fornecedores, no mínimo, não qualificados para tal, o que acarretou diversos problemas técnicos nos primeiros anos afetando a disponibilidade dos Subs.

    – falando em disponibilidade, soma-se a isso a incapacidade da RAN de manter ($$$) em seus quadros o pessoal qualificado para operalos. Entre 2004 e 2010 (?), dos seis subs, apenas 3 e algumas vezes apenas 1 podia ir al mar por simples falta de pessoal.

    Na verdade caro Marcos e editores, “O Caso Collins” realmente merece ser estudado, porque na época nem os planejadores acreditavam que a industria naval australiana tivesse capacidade para a empreitada com a tal TOT prevista no programa, e isso se mostrou uma grande verdade da pior forma possível, mas foi tudo embustado e mascarado por uma campanha populista feita PRO-COLLINS.

    Esse negócio de “charuto que afunda e depois desafunda” é coisa séria.

    Mas ao que tudo indica, se tornou uma Classe de sucesso.

    Sds

  4. Ivan 2 de dezembro de 2013 at 9:45 #

    Marcos,

    Se vc tiver curiosidade, há um resumo em português de portugal em um sítio dos patrícios, o areamilitar, sobre a classe Collins. Segue o link:
    http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/NAV.aspx?NN=127

    Abç.,
    Ivan.

  5. Ivan 2 de dezembro de 2013 at 9:50 #

    Entretanto se seu apetite for maior, há um relatório com 170 páginas em inglês bem mais completo, publicado em 2012 pela divisão de comunicação do MD australiano:

    http://www.defence.gov.au/dmo/publications/Coles_Report_Final_22Nov12.pdf

    Boa sorte, :)
    Ivan, o Terrível.

  6. Marcos 2 de dezembro de 2013 at 11:49 #

    Grato!

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Base chinesa em Walvis Bay põe em xeque trabalho da Missão Naval do Brasil na Namíbia

Namibia

Uma delegação da República Popular da China desembarcará proximamente em Windhoek, capital da Namíbia, para negociar a instalação, ainda este […]

Vídeo: Navio-Patrulha Classe ‘Macaé’

Navio-Patrulha Macaé

O Navio-Patrulha classe “Macaé”, construído no Brasil sob gerenciamento da EMGEPRON, é um navio versátil, apropriado para missões de vigilância […]

Cerimônia de Passagem de Comando na Escola Superior de Guerra

almirante-leal-ferreira

Na data de hoje, 22 de janeiro de 2015, deixa o Comando da Escola Superior de Guerra (ESG), o Almirante-de-Esquadra […]

Compre seu livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Marinha cadastra para o Serviço Militar Voluntário de oficiais

SMV

Estará aberto, no período de 26 de janeiro a 20 de fevereiro de 2015, o cadastramento de candidatos, com nível […]