800px-Hakuryu-130412-N-LS794-166

O governo australiano pediu recentemente ao Japão que considerasse fornecer tecnologias avançadas de propulsão diesel-elétrica, que seriam usadas nos 12 novos submarinos a serem construídos pela Marinha australiana.

O ministro da defesa da Austrália, David Johnston, declarou ao jornal The Weekend Australian que representantes das forças japonesas visitaram instalações de manutenção de submarinos na região de Adelaide, e que as conversas para a transferência de tecnologia estavam em andamento. O interesse principal é acerca do sistema de transmissão, semelhante ao utilizado atualmente pelos submarinos da classe Soryu, das Forças Marítimas de Autodefesa japonesas.

Em discurso no Australian Strategic Policy Institute, o ministro  Johnston  comentou ainda acerca das intenções do primeiro ministro, Tony Abbot, de reforçar os laços com o Japão na área de defesa, especialmente no que se refere à indústria.

FONTE: Naval Open Source Intelligence e Voz da Rússia (tradução e edição do Poder Naval a partir de originais em inglês e português)

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

6 Responses to “Austrália pede transferência de tecnologia ao Japão” Subscribe

  1. Oganza 10 de dezembro de 2013 at 21:44 #

    Notícia interessante, olha uma mudança de constituição no horizonte ai :)…

    Mas eu tenho uma dúvida:

    Os subs Classe Soryu não possuem um AIP baseado nos motores de ciclo Stirling da Kockums?

    E para uma TOT do sistema eles teriam que negociar com a Kockums também não?

    Tá certo que os Collis australianos também são baseados no design da Kockums, mas ainda sim teriam que ter uma conversa certo?

    Sds.

  2. joseboscojr 10 de dezembro de 2013 at 22:01 #

    Oganza,
    Talvez haja algum furo na constituição japonesa e a tal “transmissão” pode passar batido por não configurar um sistema de armas.
    Para quem chama porta-aviões de destróier…

  3. MO 10 de dezembro de 2013 at 22:04 #

    em tempo = porta buneco 5 estrelas top 30 ddo mundo buneco suspendendo de SSZ =
    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2013/12/ms-marina-v7sk2-suspendendo-de-ssz.html

  4. Fernando "Nunão" De Martini 10 de dezembro de 2013 at 22:55 #

    Bosco e Oganza, acho que vocês estão com a memória curta.

    A proibição constitucional japonesa para exportação de material militar já foi devidamente contornada, como consequência da participação da indústria do Japão no F-35, que irá fabricar partes não só para os exemplares japoneses, mas de outros países também (e para exportar essas partes, essa lei teve que ser mudada).

    Por isso mesmo é que há conversações sobre submarinos com a Austrália.

    Para refrescar a memória, tem o primeiro item dos links do “Veja também” ao final da matéria, que está lá justamente pra isso.

  5. Oganza 10 de dezembro de 2013 at 23:55 #

    Verdade Nunão, mas esse seria a primeira negociação que não tem participação do titio… :) de qualquer forma, a Australia está se coçando e os japas estão procurando mais espaço para se cossarem melhor kkkk

    podiamos cancelar a parte nuclear (casco) do nosso kibe e ir atraz de uns Classe Akizuki.

    Devaneios… relevem.

    Sds

  6. Oganza 10 de dezembro de 2013 at 23:57 #

    Bosco,

    “Para quem chama porta-aviões de destróier…”

    kkkkk pode crer.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]

Euronaval 2014: características das corvetas ‘Tamandaré’ e do NPaOc-BR

Seguem as informações divulgadas sobre as corvetas da classe “Tamandaré” e sobre o NPaOc-BR: Corvetas Tamandaré: Deslocamento: aproximadamente 2.700 toneladas […]

Marinha do Brasil compra mísseis AM39 e SM39 Exocet da MBDA

A Marinha do Brasil adiquiriu diversos sistemas de armas da MBDA France. Dentre estes sistemas, estão os mísseis antinavio AM39 […]