14022691

LUCAS VETTORAZZO
ENVIADO ESPECIAL A ANGRA DOS REIS (RJ)

O casco da primeira sonda de perfuração da Sete Brasil chegou de Cingapura ao estaleiro BrasFels, em Angra dos Reis (RJ), nesta quarta-feira (22). O casco, que levou 33 dias para chegar ao pais —carregado por um outro navio ainda maior—, fará parte da sonda batizada de Urca, que tem previsão para ser entregue no final de 2015.

A sonda do tipo semissubmersível será operada pela Queiroz Galvão Óleo e Gás e prestará serviço para a Petrobras no pré-sal. A sonda é o equipamento que faz a perfuração do poço de petróleo.

A Urca integra portfólio de 29 sondas que serão encomendadas pela Sete Brasil, empresa de investidores que tem como objetivo contratar os equipamentos a estaleiros brasileiros. Das 29 sondas a serem construídas até 2020, 28 prestarão serviço à Petrobras.

A Petrobras tem 5% do capital da Sete. O restante é detido pelo chamado Fundo de Investimentos em Participações Sondas, integrado pelos quatro principais fundos de pensão do país (Petros, Funcef, Previ e Valia), por três bancos privados (BTG Pactual, Santander e Bradesco) e por fundos estrangeiros.

A sonda Urca é a primeira de um grupo de seis que o estaleiro BrasFels irá construir para a Sete Brasil. O equipamento terá capacidade de trabalhar sobre uma lâmina d’água de 10 mil metros e perfurar até 3.000 metros no leito marinho. O casco, que é o fundo da embarcação, foi construído no estaleiro da Keppel Fels, em Cingapura, dono da BrasFels.

A ideia é que as primeiras sondas contratadas pela Sete tenham 55% de conteúdo local e que esse percentual suba para até 65% nas últimas entregas.

CUSTOS

Segundo o presidente da Sete Brasil, João Carlos Ferraz, as 29 sondas demandarão U$ 25,6 bilhões em investimentos. Segundo o executivo, 25% do valor a ser investido será com capital próprio da Sete e 75% com recursos de terceiros. Os principais financiadores do projeto da Sete são o BNDES, o Fundo de Marinha Mercante, ligado ao Ministério dos Transportes, bancos privados e agências internacionais de fomento à exportação.

“O financiamento para o primeiro grupo de nove sondas, que tem previsão de entrega entre 2015 e 2016 e um investimento de U$ 7,5 bilhões, já está com financiamento equacionado”, afirmou Ferraz, durante a apresentação do casco, em Angra dos Reis.

As 29 sondas foram divididas em três grupos. O primeiro tem nove sondas, com previsão de entrega em 2015 e 2016. O segundo grupo, de 12 sondas, tem previsão de entrega em 2017 e 2018. O segundo grupo tem oito embarcações, com entrega entre 2019 e 2020.

Inicialmente, a Sete pretendia contratar 30 sondas. Duas seriam construídas pela OSX, antiga empresa do grupo EBX, de Eike Batista, que entrou em recuperação judicial no final do ano passado. Ferraz explicou que diante dos problemas da empresa, a Sete cancelou a negociação com a OSX. Quem irá construir a última sonda da partida será o Estaleiro Atlântico Sul.

“A vigésima nona sonda vai ser a última a ser entregue e ainda não tem operador definido. Como ela terá um conteúdo elevado alto, de 65%, acreditamos que ela será bastante atrativa para o mercado”, disse Ferraz. Inicialmente, com as 30 sondas, o montante a ser investido em todos os equipamentos era de cerca de U$ 27 bilhões.

CONSTRUÇÃO

Tirando as seis do BrasFELS, as sondas da Sete Brasil serão construídas nos estaleiros Jurong Aracruz (ES), Estaleiro Atlântico Sul (PE), Estaleiro Rio Grande (RS) e Estaleiro Enseada Paraguaçu (BA).

Os estaleiros Jurong e o Paraguaçu ainda não estão prontos. Ferraz, contudo, garantiu que independentemente disso as obras serão entregues dentro do prazo.

Segundo ele, os dois estaleiros têm como sócios empresas asiáticas que poderão construir alguns componentes que seriam feitos no Brasil caso as unidades industriais ainda não estejam totalmente concluídas. Ferraz ressaltou, porém, que essa é a última possibilidade.

Em geral, os cascos são construídos no exterior e maior parte dos equipamentos é construída e integrada no Brasil. Alguns componentes do navio, segundo Ferraz, podem ser construídos à medida que o próprio estaleiro é concluído.

De acordo com Ferraz, o projeto de construção das sondas está adiantado em relação ao cronograma. O projeto está 23,4% de seus cronograma realizado. A previsão para o período era de 22,5%. Já para os 29 navios, o percentual de conclusão está em 13,2%, contra uma previsão de 12,8%.

FONTE: Folha de S. Paulo

Tags: , , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

7 Responses to “Casco da primeira sonda da Sete Brasil chega ao país” Subscribe

  1. jfabio.almeida 23 de janeiro de 2014 at 18:42 #

    Isso nao eh um casco de sonda de perfuracao, esta parte sao somente os submarinos!

    sds
    GC

  2. Oganza 23 de janeiro de 2014 at 22:12 #

    TODOS os estaleiros estrangeiros que tem participações/donos nos estaleiros daqui vão acabar assumindo toda a encomenda.

    29 navios em 6 anos…. hummmm

    6 da BrasFELS e 23 divididos entre os outros 4… praticamente um por ano para cada estaleiro BRASILEIRO… ACHO MUUUUUITO difícil.

    Não digo mais nada, mais isso vai dar xabú.

    Sds.

  3. MO 23 de janeiro de 2014 at 22:16 #

    uia la o maior heavy lift semi submersível do mundo

  4. mdanton 24 de janeiro de 2014 at 8:17 #

    Perfeito Oganza! Com certeza absoluta vai ter problemas e escândalos em 2015-16
    As pessoas precisam entender que não basta somente essa política de conteúdo nacional (geralmente 65% dos valores em dinheiro e não das tecnologias embarcadas); findo as “29″ sondas tudo aquilo que se construiu aqui para atender as exigências dos 65% serão retirados, pois nosso ambiente de negócio é travado, burocrático, custoso, pouco produtivo e….finalmente…SEM COMPETITIVIDADE!

    Será que é tão dificil entender isso?!
    COMPETITIVIDADE NÃO SE GANHA COM discursos e sim, com pessoas meritosas, focadas, respeitadas e que possam gastar seu dinheiro, ganho com suor, sem ser taxada de “zelites” culpadas pela “miséria” dos vagabundos. Precisamos de algo NOVO para ordenar produtivamente nossa sociedade, pois quem não tem orgulho de um país com alta tecnologia e inovação?!!
    Brasileiro é criativo, mas sem foco, persistência, mas não poderia ser diferente….não temos meritocracia. Só carestia para “aliviar as almas de alguns falsos.

  5. Marcos 24 de janeiro de 2014 at 11:14 #

    Queiroz Galvão, Odebrecht, OAS….
    Tá explicado porque a Petrobras está falida.

  6. Oganza 25 de janeiro de 2014 at 0:29 #

    Carlos Alberto Soares

    bacana… segundo a lei internacional, se vc pegar uma embarcação dessas ou qualquer outra coisa, em águas internacionais, é seu… pode colocar em baixo do braço e levar para casa.

    Isso aconteceu até com um Sea Harrier que ficou sem combustível e teve que pousar em um cargueiro em águas internacionais com o capitão do navio não querendo devolver o avião… rsrsrs segue o link numa pesquisa rápida. :)

    http://moraisvinna.blogspot.com.br/2011/02/o-pouso-mais-polemico-da-aviacao-de.html

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]

Mora em Brasília ou está na cidade? Então experimente um simulador da Marinha

Simulador de Aviso de Instrução, utilizado pelos aspirantes da Escola Naval no Rio de Janeiro (RJ), além de maquete da […]