Borei class submarine

Até 2016, os submarinos da Marinha russa serão revestidos com uma cobertura feita de materiais compósitos, que permite evitar a sua deteção por sonares inimigos. A tecnologia teria capacidade de  diminuir em até três vezes o ruído emitido atualmente pelos submarinos de 4ª geração, como os da classe Borei (Projeto 955).

O novo material é “salpicado” de sensores e placas piezopolímeras, capazes de neutralizar os sinais dos sonares, estabelecendo sua frequência e devolvendo os sinais com o faseamento oposto.

FONTE: Voz da Rússia (adaptação do Poder Naval)

NOTA DA EDITORA: Este post é sugestão do leitor Luis Reis.

Tags: , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

3 Comentários para “Submarinos russos terão revestimento “stealth””

  1. Oganza 29 de janeiro de 2014 at 16:34 #

    Piezopolímeras?

    Da onde eles tiraram essa nomenclatura?

    existe um sistema patenteado pela Roland conhecido como piezoeletric ou piezoelétrico mas é de impressão, onde a tinta é fixada por meio de uma micro descargar de eletricidade estática promovendo uma fixação e secagem em milisegundos. O sistema é bem antigo e 9 entre 10 banners de propaganda impressos no mundo foi impresso com esse sistema.

    Será que esse sistema russo é como uma espécie de “impressão” sobre o antigo revestimento anecóico (essencialmente composto de polímeros) dos submarinos, sem necessáriamente ter que troca-los?UAU, se for isso, é uma BAITA invenção e se funcionar, é uma MEGA invenção.

    Obs.: O sistema da Roland só é possível pelo fato das tintas terem composição ferrosa (precisam ter alguma condutividade). Pergunto:

    SE o novo tal revestimento russo de MATERIAIS COMPÓSITOS for uma “impressão piezo” e eles tiverem que ter alguma condutividade para serem aplicados, isso não aumentaria sua detecção radar quando na superfície?

  2. juarezmartinez 29 de janeiro de 2014 at 20:03 #

    Caro Oganza! A nossa experiência com as famosas técnicas plug and play e invento snuca antes vistos na face da terra que vem da Rússia e ainda por cima comentados pela voz da Russia devem ser lidos sempre com um ou dois pés atrás.

    Grande abraço

  3. justin.case 30 de janeiro de 2014 at 22:56 #

    Amigos,

    Este é um link para um artigo acadêmico sobre o assunto:
    http://www.dissertationtopic.net/doc/784836
    Apesar de ser chinês, está disponível em Inglês.
    Abraços,

    Justin

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Portugueses ampliam força de patrulha e esquecem o ‘Siroco’

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Marinha de Portugal receberá em março quatro navios porta-mísseis de patrulha costeira usados, de 450 toneladas, classe Flyvefisken dinamarquesa, […]

Brasil oferece simulador naval à Marinha de Moçambique

simulador naval LAAD 2013

O Brasil ofereceu à Marinha de Moçambique um Simulador de Manobras Navais, através da embaixadora brasileira no país, Lígia Maria […]

Gigantes ficam de fora de licitação da Marinha

SisGAAz

Sergio Barreto Motta Todos os dias, os jornais mostram denúncias, acordos, vetos e muito mais, em meio à Operação Lava […]

Flotilha Guarda-Costas cubana aceita cooperar com Guarda Costeira dos EUA

Cuba

Mais de 55 anos depois de as suas Marinhas terem feito seu último contato, os governos de Washington e de […]

Navantia espanhola cria filial no Brasil visando contratos de renovação da MB

Fragata Cristobal Colon - classe F-100 - em dique - foto Navantia

A empresa espanhola Navantia da área naval divulgou nota da Europapress na segunda-feira, 26 de janeiro, informando que iniciou processo de […]