primeira_turma_de_mulheres_en

Natural de Fortaleza (CE), Jéssica da Silva Custódio, 20 anos, integra o seleto grupo partícipe de uma iniciativa inédita da Marinha do Brasil. Juntamente com outras 11 jovens, ela compõe a turma pioneira de mulheres na Escola Naval do Rio de Janeiro. Jéssica foi a primeira colocada no concurso promovido ano passado – que também ofertou 41 vagas para homens. “Fiquei surpresa. Não achei que conseguiria. Terminei o 3º ano do Ensino Médio em 2010 e, desde então, estudei em curso preparatório para escolas militares”, explicou a mais nova aluna da mais antiga instituição de nível superior do Brasil. Nesta sexta-feira (7/02), ela e os demais selecionados no certame assistiram à aula inaugural que deu início ao ano letivo na Escola.

Depois de aprovados no concurso, os selecionados passaram pela etapa de adaptação, quando foram submetidos a testes de aptidão física – canoagem, natação, corrida, barras, flexão, tiro, entre outros –, e participaram de atividades de doutrina e rotina militar. No último dia de janeiro, os novos aspirantes vestiram pela primeira vez a farda da Força Naval. Agora, eles passarão quatro anos na Escola e poderão chegar ao generalato um dia.

Ser uma futura oficial da Marinha é motivo de alegria para a família de Jéssica Custódio. Filha de um cabo do Exército, a jovem disse que o exemplo de seu pai é sua maior motivação. “Além disso, o brilho das Forças Armadas sempre me encantou. O andar garboso, a honra, tudo me instigava”, ressaltou.

Por ter sido a primeira colocada no concurso e fazer parte de um empreendimento pioneiro, a aluna tem consciência da “enorme responsabilidade” que pesa sobre seus ombros. Para a nova aspirante, o ingresso de mulheres numa instituição tradicionalmente masculina mostra que a Marinha acredita no potencial feminino. “Nós não desapontaremos”, garantiu.

meninas_grande_inter

As cariocas Juliana Martins Braga, 18 anos, e Thaís Affonso dos Santos, 22 anos, também integram a primeira turma feminina da Escola Naval. Para elas, a fase de adaptação foi a mais difícil, tanto por terem ficado sem contato com a família, como por conta da grande exigência dos exercícios físicos. Apesar disso, algumas atividades empolgaram as alunas, como a experiência de velejar.

O fato de assumirem cargos antes restritos aos homens não as intimida. Para Juliana, elas estão aptas a executar todas as funções com o mesmo êxito. “É uma honra fazer parte dessa história”, avaliou. Já Thaís espera ser um exemplo positivo para as próximas mulheres que irão ingressar na instituição.

Adaptação e concurso

Para receber a primeira turma de mulheres, a Escola Naval teve que passar por algumas modificações estruturais. De acordo com a Marinha, “o ingresso das primeiras aspirantes foi cuidadosamente planejado”. Foram realizadas obras na enfermaria, no alojamento e nos banheiros femininos. Além disso, houve a inclusão de três oficiais do sexo feminino no Comando do Corpo de Aspirantes. Elas terão a incumbência de acompanhar a formação das alunas.

meninas_pequenas1A integração entre homens e mulheres já tem sido rotina na vida do efetivo de alunos. Na fase de adaptação, atividades físicas e aulas foram desenvolvidas com grupos mistos.

Para o ano letivo, a Escola Naval informou que as aspirantes foram distribuídas entre as turmas do primeiro ano, cumprindo a rotina junto com os demais alunos em todas as atividades, “exceto em algumas disciplinas específicas para sua área de formação”. Isso porque elas ingressaram na área de Intendência da Força, preparatória para funções administrativas. No caso dos alunos, além da Intendência, eles podem optar pelas áreas de Armada e Fuzileiros Navais.

No concurso de 2013, 3.355 candidatas se inscreveram para as 12 vagas ofertadas. Para o certame deste ano, ainda não está definida a quantidade de mulheres que vão ingressar na Força Naval em 2015.

Mulheres nas Forças Armadas

A presença feminina nas Forças Armadas brasileiras é cada vez maior. Atualmente, elas já são 22.208, ou 6,34% do total do efetivo militar do país, composto por 350.304 integrantes. Esse número tende a crescer por causa das mudanças ocorridas no sistema de ingresso nas carreiras militares, além da firme disposição da presidenta e comandante-em-chefe Dilma Rousseff para que elas se engajem na linha de frente da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

A maioria das mulheres que trabalham nas Forças ocupam cargos administrativos ou atuam na área de saúde, em serviços médicos e odontológicos.

A Marinha destaca-se, nesse sentido, pelo pioneirismo em dois aspectos. Foi a primeira das três Forças a aceitar o ingresso das mulheres, em 1980, e é a única a ter uma oficial general, a contra-almirante médica Dalva Mendes. Agora, com a chegada das aspirantes à Escola Naval, a Marinha dá mais um passo para a igualdade de gêneros na carreira militar.

Combate

As mulheres terão papel ainda mais proeminente nas Forças Armadas nos próximos anos, já que há a previsão de que elas possam a atuar como combatentes. A Lei nº 12.705, sancionada pela presidenta Dilma em agosto de 2012, permite o ingresso de militares do sexo feminino em áreas antes restritas aos homens no Exército Brasileiro.

meninas_pequenas2De acordo com a nova legislação, a Força Terrestre tem até 2017 para fazer adaptações nas estruturas físicas da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ), e na Escola de Sargentos das Armas (EsSa), em Três Corações (MG), com o objetivo de permitir o ingresso de mulheres. Desde a década de 1990, o Exército aceita profissionais do sexo feminino nas áreas de administração, saúde e engenharia.

A Força Aérea Brasileira (FAB) é a mais adiantada no processo de possibilitar o ingresso de mulheres para atuar na linha de frente, e não apenas em áreas subsidiárias. Atualmente a Aeronáutica é a Força que possui o maior número de militares do sexo feminino – cerca de 10 mil. O ingresso delas no Quadro de Oficiais Intendentes foi autorizado em 1995. Oito anos depois, em 2003, a instituição recebeu as primeiras mulheres para o Curso de Formação de Oficiais Aviadores. Hoje, na Academia da Força Aérea (AFA), são várias as jovens que saem do centro de ensino aptas a pilotar caças.

Fotos: Felipe Barra e Grêmio de Fotografia da Escola Naval

FONTE: Ministério da Defesa

Tags: , , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

3 Responses to “Primeira turma de aspirantes mulheres ingressa na mais tradicional escola militar do país” Subscribe

  1. Ozawa 8 de fevereiro de 2014 at 14:43 #

    Após o excelente curso que certamente farão, mormente na área de Intendência, refinando a proeminência intelectual que já demonstram ter, num futuro próximo darão baixa da força para integrar outras carreiras públicas mais atraentes do mundo civil: CGU, TCU, Câmara/Senado, e outras… Já me deparei com alguns da MB, e agora algumas… Não faz muito tempo e foi postada aqui na Trilogia a notícia da saída da FAB de sua primeira caçadora para os quadros do… Senado Federal…

    E vida que segue. É assim, e ainda será, ao menos num futuro próximo…

    A exuberância do fardamento e das atividades desportivas e o excelente ensino acadêmico são suficientes para atrair os jovens recém saídos do convívio integral familiar… Mas a vida, mais tarde, requer mais que isso, e justamente por serem jovens inteligentes e capazes perceberão a necessiária atitude para a mudança de fase.

  2. Carlos Alberto Soares 9 de fevereiro de 2014 at 21:15 #

    Parabéns as moças.

    Quanto a evasão das FA’s é simples:

    Quando jovem muito elogiável.

    Com o tempo surge a pergunta dentro de cada um(a):

    Onde estou, como cheguei e onde me levará ?

    A que custo pessoal e familiar ?

    Com quem ?

    Quem está no comando ?

    Valerá a pena ?

    Vamos perder cada vez mais oficiais competentes e brilhantes, infelizmente.

  3. Carlos Alberto Soares 9 de fevereiro de 2014 at 22:58 #

    http://www.mar.mil.br/menu_h/integrantes_mb/carreira_oficiais.htm

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Índia estaria ‘tentada’ pelo Sea Gripen, segundo jornal indiano

Segundo reportagem publicada pelo jornal indiano Business Standard na quinta-feira, 30 de outubro, a decisão brasileira de comprar o caça […]

Ministro da Defesa visita a Embraer para conhecer o trabalho de modernização dos jatos AF-1/1A da Marinha

No dia 21 de outubro de 2014, o Ministro da Defesa, Embaixador Celso Amorim, visitou às instalações da Embraer, em […]

Programa ‘Artémis’: início das entregas de torpedos F21 em 2016

Programa contratado à DCNS deverá equipar 10 submarinos da Marinha Francesa com o torpedo de nova geração F21, substituto do […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Quiz Naval: identifique as classes dos navios que aparecem na foto, se for capaz…

Essa é para os bons de História Naval. Clique na foto para ampliar e identifique as classes dos navios que […]

Euronaval 2014: informe da DCNS sobre a entrega do navio da classe ‘Mistral’ à Rússia

Em resposta à informação publicada anteriormente sobre a entrega potencial do primeiro navio porta-helicópteros de desembarque (BPC) para a Federação […]