guerra bolivia-chile ClippingNEWS-PA  O Chile, como “país agressor e abusivo”, tem a obrigação de se aproximar da Bolívia para discutir uma solução para a centenária reivindicação marítima, afirmou neste domingo o vice-presidente boliviano Alvaro García Linera.

“Eles são os agressores, os que têm a obrigação de se aproximar para dialogar, porque nós, os agredidos, os invadidos, sempre consideramos a opção do diálogo”, declarou o governante a jornalistas.

A Bolívia se considera uma vítima do Chile, depois de ter sido invadida em 1879. O incidente levou à chamada Guerra do Pacífico, após a qual o Chile recebeu 120.000 km² e 400 km de costa, que antes pertencia à Bolívia, e que era a única saída para o mar.

La Paz também considera que o Tratado de Paz e Amizade de 1904, que definiu os limites de fronteira, foi imposto por Santiago pela força.

A Bolívia exige há mais de 100 anos a devolução pelo Chile desta saída marítima, e levou, em abril passado, La Moneda ao Tribunal Internacional de Justiça de Haia, que atendeu o seu pedido.

Map_of_the_War_of_the_Pacific.en.svg

FONTE/IMAGEM: AFP, via UOL notícias/wikipedia

VEJA TAMBÉM:

 

Tags: , ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

20 Responses to “Bolívia chama Chile de ‘país agressor’ sobre conflito marítimo” Subscribe

  1. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 11:36 #

    Ou tomam de volta na marra ou calem o bico. Detesto esse mimimi de corte de Haia.

    Sabe quando o Chile vai devolver alguma coisa? NUNCA!

  2. Oganza 10 de fevereiro de 2014 at 11:43 #

    “sempre consideramos a opção do diálogo”

    Ok… ok… mas eles também não tem outra opção. Afinal irão fazer o quê? Uma barragem de artilharia com projéteis de batata e coca?

    Esses vagabundos daqui do Brasil e Bolivarianos acham que podem sentar a mesa sem “pagar” a aposta mínima… hilário.

    TODO MUNDO pode reivindicar o que quiser, mas precisam possuir cartas e saber as regras do jogo ou irão sempre ser limpados pelos outros players. Foi assim, é assim e sempre o será.

    Sds.

  3. thomas_dw 10 de fevereiro de 2014 at 13:51 #

    a corte de Haia concordou em ouvir, nao mediar – nao ha mediacao se ambas as partes nao concordam em ter Haia como mediador.

    Quanto a Bolivia reclamar, ela pode reclamar, pela jurisprudencia internacional, o Chile nao tem o que conversar, o territorio é deles, assim como as Falklands sao do Reino Unido e o Canada é um pais soberano.

  4. Luiz Monteiro 10 de fevereiro de 2014 at 14:27 #

    Vale lembrar que o Brasil tem 3 questões de fronteiras que estão sendo contestados pela Bolívia (1) e pelo Uruguai (2), são eles:

    A ilha fluvial Guajará-mirim, no rio Mamoré, em Rondônia, é objeto de disputa entre Brasil e Bolívia. Conhecida na Bolívia como Ilha Suárez, a ilha é considera pelo governo boliviano sendo parte do departamento de Beni. A ilha tem uma área total de apenas 2,58 km2.

    Com o Uruguai, o Brasil tem disputa sobre duas áreas: O primeiro é o chamado Rincão de Artigas, uma área triangular de 237 km2 atualmente em mãos brasileiras. O Uruguai acredita que um erro na delimitação da fronteira feita em 1856 deixou o território no lado vizinho e desde então reclama uma correção, que o governo brasileiro se nega a conceder. Outra disputa é sobre a ilha Brasileira, uma área fluvial na foz do rio Uruguai que administrativamente está ligada ao Brasil.

  5. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:12 #

    Caro Luiz Monteiro,

    O Brasil foi o país que mais expandiu suas fronteiras na história da humanidade sem dar um tiro. O que tem de erro nessas divisões desde o finado Tordesilhas é impressionante. Tínhamos que estar no Guiness Book.

    Dizem… que muitos dos documentos sobre esses “ajustes” de fronteira existem até hoje e são classificados como ultra-secretos pelo governo brasileiro. Se é verdade eu não sei. Até na Globo News já ouvi falar sobre isso. Lá estaria a tal “verdade” sobre a aquisição do Acre.

  6. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:20 #

    Peneirando na web, achei a seguinte declaração do ex-presidente Sarney sobre os documentos ultrasecretos:

    “A abertura total não. Documentos históricos, que fazem parte da nossa história diplomática, que tenham articulações, como a que Rio Branco teve que fazer muitas vezes, não podemos revelar esses documentos, senão vamos abrir feridas”, afirmou.

    Ex-presidente da República, Sarney disse que os documentos sigilosos que digam respeito ao “passado recente” do país devem ser divulgados. “De minha parte, acho que os nossos antepassados deixaram o país com fronteiras tranquilas, sem nenhum atrito com nenhum país. A nossa história foi construída não com batalhas, mas em negociação”, argumentou.

    Daí a gente já tira que tem tunga.

  7. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:29 #

    “A nossa história foi construída não com batalhas, mas em negociação.”

    Como a de que trocaram o Acre por um par de cavalos puro-sangue kkkk. Eu não duvido de nada.

  8. MO 10 de fevereiro de 2014 at 17:20 #

    O Acre foi adquirido em um 1o de abril, vendido por 2 pesos e diez cientavos … rssss, pena que ele nao exista … kkkkkk

  9. Oganza 10 de fevereiro de 2014 at 18:44 #

    MO,

    eu já estive lá… rsrsrs ao menos me disseram que era o Acre kkkkkk

  10. MO 10 de fevereiro de 2014 at 18:51 #

    Ih Oganza te enrolaram, vc teve em Rondônia e te confundiram …. kkkkkk

  11. MO 10 de fevereiro de 2014 at 18:57 #

    Ah Oganza, por falar nisto eh verdade que o Chuck Norris mora em White River County/AC ? (rssss)

  12. wsmdal 10 de fevereiro de 2014 at 19:21 #

    Daqui a pouco vão querer o Acre de volta…

    A Questão do Acre (1899-1903)
    O povoamento da região, no contexto do Ciclo da Borracha, foi feito por seringueiros com o apoio de seringalistas do Amazonas.
    O governo da Bolívia determinou a ocupação da região, levando à proclamação do Estado Independente do Acre pela população brasileira (1899), também com o apoio de seringalistas amazonenses. O processo foi liderado pelo jornalista espanhol Luis Gálvez Rodríguez de Arias, e o regime instaurado uma república, com capital em Puerto Alonso, atual Porto Acre.
    A questão agravou-se em 1901 com o arrendamento da região a um consórcio estadunidense: o “Bolivian Syndicate”, com amplos poderes. O brasileiro José Plácido de Castro liderou uma nova reação, registrando-se choques armados que culminaram com a derrota das forças bolivianas (1902). Em função dos mesmos, tropas do Exército brasileiro concentraram-se em Corumbá.
    Na iminência de um conflito armado internacional, o Chanceler brasileiro, barão do Rio Branco, iniciou negociações com a Bolívia, tendo préviamente indenizado a Companhia estadunidense em 110 mil libras esterlinas pelo abandono de suas pretensões.
    O Tratado de Petrópolis (17 de Novembro de 1903) encerrou a questão: mediante a retificação de pequenos trechos da linha de fronteira, o Brasil ficava com a região, mediante o pagamento de dois milhões de libras esterlinas e da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.
    O Tratado do Rio de Janeiro (1909) incorporava o restante da região acreana ao Brasil, mediante a permuta de terras com o Peru.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Evolu%C3%A7%C3%A3o_territorial_do_Brasil

  13. CorsarioDF 10 de fevereiro de 2014 at 20:57 #

    Só o Brasil mesmo para atender demandas destes cocaleiros…

    Um país sério como o Chile jamais vai devolver as terras para esses bo…. bolivianos!

    ST.

  14. Rafael M. F. 10 de fevereiro de 2014 at 21:58 #

    Ô indiarada pra gostar de um apito…

  15. Carlos Alberto Soares 10 de fevereiro de 2014 at 22:18 #

    “Juris Esperniandi”,

    o choro é livre e podem chorar a vontade.

    Pesquisem melhor, a Bolívia aliás como sempre quis tomar empresas chilenas/inglesas legalmente estabelecidas, pagando impostos etc …. e com autorização/contratos de comum acordo na região para extração de sal/salitre.
    A Bolívia como sempre quis tomar !

    O chile foi lá e deu um chega pra lá, mas quiseram negociar e nada dos cocaleros quererem.

    Esses arrogantes FDP que tomaram a Petrobras Bolívia com endosso do molusco, mais de U$$ 1,2 bi do nosso dinheiro certo ?

    Se F¨¨D$R@M com os chilenos.

    E vão continuar se Phod……..o, vão chorar na PQP.

  16. MO 10 de fevereiro de 2014 at 22:32 #

    ou no lendario e duvidoso territorio do Acre … kkkkk

  17. MO 10 de fevereiro de 2014 at 22:34 #

    Entre tretas bolivianenses e Chilecas um Porta Buneco 5 estrelas top phodão em SSZ – Turnaround parte 1

    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/02/ms-silver-spirit-c6xu6-turaround-ssz.html

    Part I – Inboud

    15 photos

  18. Blind Man's Bluff 11 de fevereiro de 2014 at 8:27 #

    Não é por nada que o Chile é odiado por todos seus vizinhos.

  19. aldoghisolfi 11 de fevereiro de 2014 at 14:04 #

    Pensei que todos estivessem de acordo que o Acre é um dos dignos estados federados brasileiros…

  20. Almeida 12 de fevereiro de 2014 at 10:51 #

    Próximo passo: xingar de feio, chato e bobo.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Livro ‘As Garras do Cisne’ desvenda segredo da Marinha brasileira

Com base em documentos produzidos pela corporação, Roberto Lopes revela o objetivo da Marinha brasileira de se tornar a nona […]

Navios da Marinha do Brasil visitam o porto de Santos-SP neste final de semana

Está prevista a chegada e atracação no período da manhã de sexta-feira (29.08 – 7h) de um GT (Grupo-Tarefa) composto pelos […]

Futuros tripulantes indianos de Scorpene treinam em equipamentos fabricados na Índia

Sessões de treinamento da DCNS, referentes ao console dos sistemas de gerenciamento da plataforma e de manobras do submarino, foram […]

Marinha do Brasil e Armada da República Argentina concluem a Operação ‘Fraterno-XXXII’

De 15 a 25 de agosto, a Fragata “Greenhalgh” participou da Operação bilateral “Fraterno-XXXII”, que se realiza há 32 anos, […]

Visita da comitiva do Ministério da Defesa da Suécia ao NAe ‘São Paulo’

  Na primeira quinzena de agosto de 2014, uma delegação do Ministério da Defesa da Suécia esteve no Brasil, em […]

98 anos da Aviação Naval

Todo dia 23 de agosto, comemora-se o Aniversário da Aviação Naval, em referência à data de assinatura, pelo Presidente Wenceslau […]