guerra bolivia-chile ClippingNEWS-PA  O Chile, como “país agressor e abusivo”, tem a obrigação de se aproximar da Bolívia para discutir uma solução para a centenária reivindicação marítima, afirmou neste domingo o vice-presidente boliviano Alvaro García Linera.

“Eles são os agressores, os que têm a obrigação de se aproximar para dialogar, porque nós, os agredidos, os invadidos, sempre consideramos a opção do diálogo”, declarou o governante a jornalistas.

A Bolívia se considera uma vítima do Chile, depois de ter sido invadida em 1879. O incidente levou à chamada Guerra do Pacífico, após a qual o Chile recebeu 120.000 km² e 400 km de costa, que antes pertencia à Bolívia, e que era a única saída para o mar.

La Paz também considera que o Tratado de Paz e Amizade de 1904, que definiu os limites de fronteira, foi imposto por Santiago pela força.

A Bolívia exige há mais de 100 anos a devolução pelo Chile desta saída marítima, e levou, em abril passado, La Moneda ao Tribunal Internacional de Justiça de Haia, que atendeu o seu pedido.

Map_of_the_War_of_the_Pacific.en.svg

FONTE/IMAGEM: AFP, via UOL notícias/wikipedia

VEJA TAMBÉM:

 

Tags: , ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

20 Responses to “Bolívia chama Chile de ‘país agressor’ sobre conflito marítimo” Subscribe

  1. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 11:36 #

    Ou tomam de volta na marra ou calem o bico. Detesto esse mimimi de corte de Haia.

    Sabe quando o Chile vai devolver alguma coisa? NUNCA!

  2. Oganza 10 de fevereiro de 2014 at 11:43 #

    “sempre consideramos a opção do diálogo”

    Ok… ok… mas eles também não tem outra opção. Afinal irão fazer o quê? Uma barragem de artilharia com projéteis de batata e coca?

    Esses vagabundos daqui do Brasil e Bolivarianos acham que podem sentar a mesa sem “pagar” a aposta mínima… hilário.

    TODO MUNDO pode reivindicar o que quiser, mas precisam possuir cartas e saber as regras do jogo ou irão sempre ser limpados pelos outros players. Foi assim, é assim e sempre o será.

    Sds.

  3. thomas_dw 10 de fevereiro de 2014 at 13:51 #

    a corte de Haia concordou em ouvir, nao mediar – nao ha mediacao se ambas as partes nao concordam em ter Haia como mediador.

    Quanto a Bolivia reclamar, ela pode reclamar, pela jurisprudencia internacional, o Chile nao tem o que conversar, o territorio é deles, assim como as Falklands sao do Reino Unido e o Canada é um pais soberano.

  4. Luiz Monteiro 10 de fevereiro de 2014 at 14:27 #

    Vale lembrar que o Brasil tem 3 questões de fronteiras que estão sendo contestados pela Bolívia (1) e pelo Uruguai (2), são eles:

    A ilha fluvial Guajará-mirim, no rio Mamoré, em Rondônia, é objeto de disputa entre Brasil e Bolívia. Conhecida na Bolívia como Ilha Suárez, a ilha é considera pelo governo boliviano sendo parte do departamento de Beni. A ilha tem uma área total de apenas 2,58 km2.

    Com o Uruguai, o Brasil tem disputa sobre duas áreas: O primeiro é o chamado Rincão de Artigas, uma área triangular de 237 km2 atualmente em mãos brasileiras. O Uruguai acredita que um erro na delimitação da fronteira feita em 1856 deixou o território no lado vizinho e desde então reclama uma correção, que o governo brasileiro se nega a conceder. Outra disputa é sobre a ilha Brasileira, uma área fluvial na foz do rio Uruguai que administrativamente está ligada ao Brasil.

  5. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:12 #

    Caro Luiz Monteiro,

    O Brasil foi o país que mais expandiu suas fronteiras na história da humanidade sem dar um tiro. O que tem de erro nessas divisões desde o finado Tordesilhas é impressionante. Tínhamos que estar no Guiness Book.

    Dizem… que muitos dos documentos sobre esses “ajustes” de fronteira existem até hoje e são classificados como ultra-secretos pelo governo brasileiro. Se é verdade eu não sei. Até na Globo News já ouvi falar sobre isso. Lá estaria a tal “verdade” sobre a aquisição do Acre.

  6. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:20 #

    Peneirando na web, achei a seguinte declaração do ex-presidente Sarney sobre os documentos ultrasecretos:

    “A abertura total não. Documentos históricos, que fazem parte da nossa história diplomática, que tenham articulações, como a que Rio Branco teve que fazer muitas vezes, não podemos revelar esses documentos, senão vamos abrir feridas”, afirmou.

    Ex-presidente da República, Sarney disse que os documentos sigilosos que digam respeito ao “passado recente” do país devem ser divulgados. “De minha parte, acho que os nossos antepassados deixaram o país com fronteiras tranquilas, sem nenhum atrito com nenhum país. A nossa história foi construída não com batalhas, mas em negociação”, argumentou.

    Daí a gente já tira que tem tunga.

  7. Corsario137 10 de fevereiro de 2014 at 15:29 #

    “A nossa história foi construída não com batalhas, mas em negociação.”

    Como a de que trocaram o Acre por um par de cavalos puro-sangue kkkk. Eu não duvido de nada.

  8. MO 10 de fevereiro de 2014 at 17:20 #

    O Acre foi adquirido em um 1o de abril, vendido por 2 pesos e diez cientavos … rssss, pena que ele nao exista … kkkkkk

  9. Oganza 10 de fevereiro de 2014 at 18:44 #

    MO,

    eu já estive lá… rsrsrs ao menos me disseram que era o Acre kkkkkk

  10. MO 10 de fevereiro de 2014 at 18:51 #

    Ih Oganza te enrolaram, vc teve em Rondônia e te confundiram …. kkkkkk

  11. MO 10 de fevereiro de 2014 at 18:57 #

    Ah Oganza, por falar nisto eh verdade que o Chuck Norris mora em White River County/AC ? (rssss)

  12. wsmdal 10 de fevereiro de 2014 at 19:21 #

    Daqui a pouco vão querer o Acre de volta…

    A Questão do Acre (1899-1903)
    O povoamento da região, no contexto do Ciclo da Borracha, foi feito por seringueiros com o apoio de seringalistas do Amazonas.
    O governo da Bolívia determinou a ocupação da região, levando à proclamação do Estado Independente do Acre pela população brasileira (1899), também com o apoio de seringalistas amazonenses. O processo foi liderado pelo jornalista espanhol Luis Gálvez Rodríguez de Arias, e o regime instaurado uma república, com capital em Puerto Alonso, atual Porto Acre.
    A questão agravou-se em 1901 com o arrendamento da região a um consórcio estadunidense: o “Bolivian Syndicate”, com amplos poderes. O brasileiro José Plácido de Castro liderou uma nova reação, registrando-se choques armados que culminaram com a derrota das forças bolivianas (1902). Em função dos mesmos, tropas do Exército brasileiro concentraram-se em Corumbá.
    Na iminência de um conflito armado internacional, o Chanceler brasileiro, barão do Rio Branco, iniciou negociações com a Bolívia, tendo préviamente indenizado a Companhia estadunidense em 110 mil libras esterlinas pelo abandono de suas pretensões.
    O Tratado de Petrópolis (17 de Novembro de 1903) encerrou a questão: mediante a retificação de pequenos trechos da linha de fronteira, o Brasil ficava com a região, mediante o pagamento de dois milhões de libras esterlinas e da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.
    O Tratado do Rio de Janeiro (1909) incorporava o restante da região acreana ao Brasil, mediante a permuta de terras com o Peru.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Evolu%C3%A7%C3%A3o_territorial_do_Brasil

  13. CorsarioDF 10 de fevereiro de 2014 at 20:57 #

    Só o Brasil mesmo para atender demandas destes cocaleiros…

    Um país sério como o Chile jamais vai devolver as terras para esses bo…. bolivianos!

    ST.

  14. Rafael M. F. 10 de fevereiro de 2014 at 21:58 #

    Ô indiarada pra gostar de um apito…

  15. Carlos Alberto Soares 10 de fevereiro de 2014 at 22:18 #

    “Juris Esperniandi”,

    o choro é livre e podem chorar a vontade.

    Pesquisem melhor, a Bolívia aliás como sempre quis tomar empresas chilenas/inglesas legalmente estabelecidas, pagando impostos etc …. e com autorização/contratos de comum acordo na região para extração de sal/salitre.
    A Bolívia como sempre quis tomar !

    O chile foi lá e deu um chega pra lá, mas quiseram negociar e nada dos cocaleros quererem.

    Esses arrogantes FDP que tomaram a Petrobras Bolívia com endosso do molusco, mais de U$$ 1,2 bi do nosso dinheiro certo ?

    Se F¨¨D$R@M com os chilenos.

    E vão continuar se Phod……..o, vão chorar na PQP.

  16. MO 10 de fevereiro de 2014 at 22:32 #

    ou no lendario e duvidoso territorio do Acre … kkkkk

  17. MO 10 de fevereiro de 2014 at 22:34 #

    Entre tretas bolivianenses e Chilecas um Porta Buneco 5 estrelas top phodão em SSZ – Turnaround parte 1

    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/02/ms-silver-spirit-c6xu6-turaround-ssz.html

    Part I – Inboud

    15 photos

  18. Blind Man's Bluff 11 de fevereiro de 2014 at 8:27 #

    Não é por nada que o Chile é odiado por todos seus vizinhos.

  19. aldoghisolfi 11 de fevereiro de 2014 at 14:04 #

    Pensei que todos estivessem de acordo que o Acre é um dos dignos estados federados brasileiros…

  20. Almeida 12 de fevereiro de 2014 at 10:51 #

    Próximo passo: xingar de feio, chato e bobo.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Corveta Frontin irá para a reserva

Abaixo, portaria de 28 de agosto que foi publicada em 1º de setembro no Diário Oficial da União, com entrada […]

Mais um passo rumo às novas corvetas: contrato com Emgepron

Abaixo, extrato de dispensa de licitação contratando a Emgepron para serviços no projeto de obtenção da nova classe de corvetas […]

Outra notícia de corveta: Ares fará reparos gerais nos lançadores de torpedos da Barroso

Abaixo, extrato de contrato publicado na edição de hoje (3 de setembro de 2014) no Diário Oficial da União, sobre […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

França suspende entrega de navio de guerra para a Rússia

Governo de Hollande afirma que ações recentes na Ucrânia inviabilizam fornecimento de porta-helicópteros – Sob pressão de aliados devido à […]

Marinha do Brasil fará Desfile Naval no 7 de setembro

  Em comemoração ao Dia da Independência do Brasil – 7 de setembro – a Marinha do Brasil realizará o […]