JMSDF Fleet Review 2012 - 30

Japão está à frente da França, mas Constituição permite ação somente em caso de ataque direto contra o país

Denise Chrispim Marin

ClippingNEWS-PAAs Forças de Autodefesa japonesas têm o quinto maior orçamento do mundo, de US$ 56,8 bilhões em 2013, segundo o relatório IHS Jane´s Annual Defense Budget Reviews. A França, um dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONLU, está logo atrás no ranking.

O Japão está munido de um contingente de 140 mil soldados, 141 navios de guerra e 410 aviões militares. No entanto, segundo a Constituição japonesa, esse poderio pode entrar em ação somente se houver um ataque direto contra o Japão. O país não pode sair em socorro dos vizinhos atacados nem reagir a um bombardeio a uma base americana em seu território.

A limitação tem sido percebida nas participações japonesas em forças de paz e de transição das Nações Unidas e na coalização comandada pelos EUA no Iraque. Se uma tropa aliada é atacada, os soldados japoneses têm de se conter. Só podem revidar se estiverem na linha de fogo e estão proibidos de atuar em missões de ataque.

A intromissão de submarinos e navios chineses no mar territorial japonês, intendificada neste ano, tem sido revidada apenas com alertas verbais e manobras militares. Sem um disparo do lado chinês, os comandantes dos navios de guerra do Japão nada podem fazer.

Esses limites, porém, não impedem o alto grau de preparo dessas forças. “A Marinha e a Força Aérea do Japão dariam uma surra nas forças chinesas em caso de conflito pela posse das ilhas Senkaku/Diaoyu. A marinha japonesa é uma das mais potentes do mundo”, avaliou Christopher Nelson, da consultoria Samuels International, levando em conta o uso apenas de armas convencionais.

“Revisionismo” sobre 2ª. Guerra irrita vizinhos

Políticos e autoridades ligados ao governo de Shinzo Abe, Primeiro-ministro do Japão, não facilitam sua tarefa de conferir às Forças de Autodefesa do Japão a atribuição de ataque militar. Nos últimos meses, vários deles fizeram declarações públicas negando atrocidades cometidas pelo Exército Imperial japonês nos anos 30 e 40, em especial na China e na Coreia. A controvérsia está respingando nos EUA e causando preocupação adicional na Coreia do Sul.

Katsuto Momii, presidente da NHK, a rede pública de televisão japonesa, disse que o uso de escravas sexuais nos países sob ocupação era algo “comum em qualquer guerra”. O comentário fez com que a embaixadora dos EUA, em Tóquio, Caroline Kennedy, filha do ex-presidente John F. Kennedy, cancelasse um encontro que teria com ele. Katsuto recusou-se a retirar sua afirmação.

FONTE: O Estado de São Paulo

Tags: , ,

Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

4 Comentários para “Japoneses têm o quinto maior orçamento militar”

  1. Mauricio Silva 24 de fevereiro de 2014 at 13:36 #

    Bom, o Japão está no meio de um “hot spot”. É natural que o mesmo tenha um orçamento militar elevado. Da mesma forma, há uma “tradição belicista” no país.
    SDS.

  2. Guizmo 24 de fevereiro de 2014 at 14:04 #

    Mais importante do que o valor total do gasto, seria interessante desmembrar onde os valores são alocados e comparar por nação. Qual o percentual gasto com custeio de pessoal, P&D, manutenção de equipamento atual, novos projetos, etc.

  3. Corsario137 24 de fevereiro de 2014 at 22:06 #

    Se não estou falando besteira, o. Japão desde a segunda guerra só pode gastar 1% do seu PIB em Defesa.

    Acontece que o PIB do Japão é enorme e por isso ele já é um dos que mais gasta faz anos.

  4. Carlos Alberto Soares 25 de fevereiro de 2014 at 1:13 #


    Guizmo
    24 de fevereiro de 2014 at 14:04 #

    Mais importante do que o valor total do gasto, seria interessante desmembrar onde os valores são alocados e comparar por nação. Qual o percentual gasto com custeio de pessoal, P&D, manutenção de equipamento atual, novos projetos, etc.”

    Manda o Júlio pra lá que eles quebram em dois anos e ficam igual a Navy do Paraguay.

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Argentina escolhe a China como parceira para seus OPV

CSIC_P18N_Nigeria_AAD_2014_2

O Ministério da Defesa argentino escolheu a indústria naval da China como sua parceira no programa de construção de navios-patrulha […]

Portugal também interessado no navio-doca ‘Siroco’

corymbe-le-bpc-tonnerre-releve-le-tcd-siroco-2

Na hipótese de o Brasil considerar inviável a aquisição do navio de assalto anfíbio Siroco , o navio, que será […]

Compre seu livro ‘Monitor Parnaíba – 75 anos’

Livro Monitor Parnaíba - 75 anos -  Capas - WEB

A editora Aeronaval Comunicação, que produz a revista Forças de Defesa, está lançando a primeira edição do livro “Monitor Parnaíba […]

Base chinesa em Walvis Bay põe em xeque trabalho da Missão Naval do Brasil na Namíbia

Namibia

Uma delegação da República Popular da China desembarcará proximamente em Windhoek, capital da Namíbia, para negociar a instalação, ainda este […]

Vídeo: Navio-Patrulha Classe ‘Macaé’

Navio-Patrulha Macaé

O Navio-Patrulha classe “Macaé”, construído no Brasil sob gerenciamento da EMGEPRON, é um navio versátil, apropriado para missões de vigilância […]