recife_porto

Por Daniel Rittner | De Brasília

Há quase três anos, o governo anunciou um pacote de obras para acabar com uma cena explícita de desorganização nos portos brasileiros: navios de cruzeiros atracavam em áreas improvisadas e passageiros desembarcavam em meio à movimentação de cargas comerciais.

Usando a Copa do Mundo como pretexto, um conjunto de grandes intervenções em sete cidades-sede foi anunciado pela Secretaria de Portos. A promessa de novos terminais de passageiros, píeres modernos e cais mais extensos vinha embalada em um contexto de reurbanização das áreas portuárias e de reforço no sistema hoteleiro, com a criação de leitos temporários nos navios. E tinha um prazo claro: todas as obras deveriam estar prontas ao longo do segundo semestre de 2013.

A três meses do pontapé inicial da Copa, o quadro é muito diferente do prometido. Um dos projetos – o novo terminal de passageiros de Recife – foi inaugurado no ano passado. O edifício, com uma fachada de alumínio que remete à figura de um barco de papel, impressiona os turistas e mudou a recepção para quem chega à capital pernambucana. Só que é a única obra pronta até agora.

Outras duas, apesar de atrasadas, estão sob controle e devem ter suas fitas de inauguração cortadas até o fim de abril: a construção de um terminal em Salvador e o alinhamento do cais de Outeirinhos, em Santos, que aumentará o espaço para a atracação de navios no porto mais movimentado – e com a maior demanda de cruzeiros – do país.

Píer-Rj-formato-Y-foto-Divulgação

No Rio, a construção de um píer em forma de Y foi tão questionada, devido ao seu projeto arquitetônico, que saiu da matriz de responsabilidades da Copa do Mundo e é dúvida para a Olimpíada de 2016. Arquitetos e urbanistas se opõem à construção de um novo atracadouro, em pleno Porto Maravilha, com espaço para receber até seis transatlânticos que podem fechar a paisagem.

Em Manaus, os recursos judiciais e contestações do Tribunal de Contas da União (TCU) no processo licitatório foram tantos que a adaptação de dois armazéns como terminais de passageiros – além de ampliação do cais e uma passarela climatizada – vai ficar pronta apenas entre maio e junho de 2015. A empreiteira responsável foi contratada em novembro do ano passado e ganhou prazo de 540 dias do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável por essa licitação, para concluir todos os trabalhos.

Nenhuma correria é tão grande, no entanto, como a que acontece nas obras dos novos terminais de passageiros nos portos de Fortaleza e Natal. Elas estão no limite máximo para entrega até a Copa do Mundo e recebem atenção especial do ministro-chefe da Secretaria de Portos, Antônio Henrique Silveira, que foi inspecioná-las pessoalmente nas últimas semanas. Silveira, que assumiu o cargo com as obras em curso, cobrou agilidade das construtoras envolvidas e das companhias docas responsáveis pelas obras. Ele recebeu a garantia de que tudo ficará pronto antes da Copa do Mundo, mas o assunto ainda é monitorado com cuidado extremo em Brasília.

Na verdade, já não se pode dizer nem que elas ficaram para os 45 minutos do segundo tempo – hoje correm o risco de entrar na prorrogação. A expectativa da Companhia Docas do Ceará (CDC) é que o novo terminal de passageiros em Fortaleza só esteja concluído em 4 de junho – a apenas oito dias do início do evento. No dia 17 de junho, a seleção brasileira enfrenta o México, no estádio do Castelão. E mais de 4.000 passageiros mexicanos são esperados na véspera, a bordo do navio MSC Divina, que marcará a estreia oficial do novo terminal portuário.

Além do atraso, o terminal, que tem desenho arquitetônico arrojado, teve uma explosão de custos: o orçamento original, de R$ 149 milhões, subiu para R$ 205 milhões – quase 38%. Já a execução das obras, que tinha prazo inicial de 21 meses, acabará tomando cerca de 27 meses.

FORTALEZA

A CDC e a Constremac Construções, empreiteira responsável pelas obras, atribuem o atraso a mudanças na metodologia de construção, devido a um fenômeno natural conhecido como “swell” – ondas muito fortes que são provocadas por ventanias no Caribe. “A linha de preamar foi alterada, ou seja, o mar avançou para o continente e o projeto, que seria executado em solo firme, teve que ser executado totalmente sobre o mar, utilizando equipamentos flutuantes, diferentes dos mobilizados inicialmente”, diz o vice-presidente da Constremac, Fernando Graziano.

“Casualmente, em 2013, esse fenômeno teve sua ação atípica, com tanta intensidade que paralisou a obra por vários meses, chegando a danificar parte já construída. Por essa razão, houve a necessidade de adequar tanto o método construtivo quanto os novos prazos”, afirma Graziano.

O presidente das Docas do Ceará, Paulo André Holanda, adota o mesmo discurso e culpa as ondas pela reprogramação no cronograma. “Houve meses em que, em vez de 90 estacas, a construtora só conseguiu 5 “, explica. Além disso, segundo ele, houve 21 dias de greve – no total, 45 dias, quando se somam as operações-tartaruga.

De acordo com Holanda, 545 trabalhadores atuam atualmente nos canteiros, em três turnos. Ele garante que o cais e a retroárea serão entregues no dia 30 de março. Em 30 de abril, será concluída a parte operacional, permitindo a instalação de guichês da Polícia Federal e da Receita Federal. “Vai ser a melhor, mais bonita e mais moderna estação portuária de passageiros do país. Eu garanto que tudo vai estar funcionando na Copa, sem gambiarra. O importante é que vamos deixar um legado para a sociedade”, afirma.

Holanda reconhece, no entanto, que apenas o piso principal do terminal será inaugurado em junho. Esse pavimento inclui, além da área de imigração e alfândega, o check-in e retirada de bagagem. O mezanino, com lojas e restaurantes, ficará para depois. Afora o navio mexicano, um cruzeiro de Gana já demonstrou interesse em atracar em Fortaleza. O time africano joga dia 21 contra a Alemanha.

Em Natal, outra cidade-sede onde o governo corre contra o relógio, a promessa é abrir o novo terminal de passageiros entre os dias 20 e 30 de maio. O diretor-técnico da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern), Hanna Youssef, diz que houve “surpresas” durante as obras com escavações na retroárea. A Constremac, que também toca o empreendimento, precisou usar estacas-raízes, em cima de pedras graníticas, em vez de estacas pré-moldadas. “Agora não temos mais nenhuma razão para novos atrasos”, diz Youssef, assegurando a inauguração antes da Copa.

FONTE: Valor Econômico via Resenha do Exército

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

7 Responses to “Atrasos marcam obras portuárias para Copa” Subscribe

  1. MO 11 de março de 2014 at 16:42 #

    Sabem pq o Terminal de bunecos em SSZ fica entre um terminal de sal e um terminal de trigo = pq foi o que sobrou empresario portuario nao tem o MINIMO interesse em operar com buneco, que so atrapalha, nao rende nada e ainda enche o saco – fora Bunecada !!! (kkkkkkkkkkkkkkk)

    tem que construir estes bunecos facilities fora do cais em areas de buneco e ou para buneco ….

  2. MO 11 de março de 2014 at 16:45 #

    ah claro em fortaleza = cruzeiro mexiquense ??? mexico tem navio de cruzeiro ??? uia cabaram de inventar ….

    Bom possivelmente um bando de leigo vai começar uia absurdo e bla bla bla …..

  3. rafael oliveira 11 de março de 2014 at 17:59 #

    MO, “bunecos” não pagam taxa de embarque?

    E eles não movimentam a “economia santista” usando estacionamentos, comprando água de coco, pastel, etc? rsrsrs.

    Sobre o navio de cruzeiro “mexicano” (bandeira do Panamá), vi que seu nome é uma homenagem à Sofia Loren, o que não deixa de ser um sinal de bom gosto.

    E talvez tenha um navio de cruzeiro vindo de Gana, olha só.

  4. MO 11 de março de 2014 at 18:16 #

    Vamos la, sim pagam taxa de embarque , taxa de quem explora o terminal de buneco, o concais, negocio exclusivo dele com os bunecos, o porto deste din din nem ve o chero

    quanto ao consumo de agua de coco, pastel, cafezinho and pao de queijo a economia subia 123423.5454566,81252 % nesta temporada

    o tal nevio de cruzeiros mexiquense (que na verdade como vc falou eh panamenho , da MSC suiça, administrada pela MSC buneco de piano de sorrento, italia eh o MSC Divina, da clase do MSC Preziosa, aquele bunecão de 333 m e 139.000 grt (Haja cucaracha a bordo) e a MSC eh igual a MB em criatividade, todos os navios deles a madrinha eh a Sophia Loren (isso da azar, um navio, uma madrinha e depois fazem batismos fakes utilizndo a madrinha regra 2 não contabilizada local para enganar o publico tupiniquim que acredita que foram batizados aqui por Xoxa Menegeu

    O de gana este ai dever ser o Acre Stealth Star II …. (mas dizem que tem um papo do monarch (ex Monarch of the seas, irmao do sovereign em vir pora cah, mas nada sobre os Ganicos

    Vamos montar uma empresa de paum of cheese pu Guacamole de queso aqui ???

    Ps: kkkkkkkkkk

  5. rafael oliveira 11 de março de 2014 at 18:36 #

    Usar a Xuxa como madrinha me faz sentir ainda menos vontade de fazer um cruzeiro.

    Quanto à empresa, vamos nessa. Pesquisei que os ganicos curtem abacate com amendoim. Então precisamos de um grande fornecedor de abacates para atender os dois públicos rsrs.

  6. MO 11 de março de 2014 at 18:39 #

    Ih Rafael, temos de monte fornecedores de pipinos and abacaxis, ajuda ? rssssss

  7. rafael oliveira 11 de março de 2014 at 18:51 #

    Acho que não, MO rsrs.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Entrevista com o comandante do submarino ‘Tapajó’, capitão-de-fragata Horácio Cartier

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 3 PODER NAVAL: Comandante Cartier, o senhor poderia falar um pouco […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 2

Um submarino de propulsão convencional como o Tapajó tem um funcionamento parecido com um telefone celular: de tempos em tempos […]

28ª Viagem de Instrução de Guardas-Marinha

Hoje o Navio-Escola “Brasil” realizará a Cerimônia de despedida para a XXVIII Viagem de Instrução de Guardas-Marinha. A Viagem terá […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 1

No dia 16 de julho de 2014, na véspera da data comemorativa do Centenário da Força de Submarinos (1914-2014), uma equipe […]

Aprovado plano de trabalho do Brasil para exploração de crostas na Elevação do Rio Grande

O Brasil acaba de alcançar importante êxito na aprovação do Plano de Trabalho para exploração de crostas cobaltíferas na Elevação […]

Veleiro ‘Cisne Branco’ aberto para visitação em Belém-PA

Está aberto para visitação do público paraense o navio veleiro Cisne Branco, da Marinha do Brasil. As visitações são gratuitas […]