Ex-operador de radar da MB relata avistamento de OVNI a bordo do...

Ex-operador de radar da MB relata avistamento de OVNI a bordo do CT Pará (D27)

256
14
SHARE

ct-para-2

Divulgamos a seguir um relato que recebemos de um leitor que foi operador de radar na Marinha do Brasil. Existem relatos de avistamento de OVNIs ou UFOs na FAB, mas também temos alguns relatos na Marinha. Esse é o primeiro deles que divulgamos.

Fiz parte da tripulação que foi buscar o Paraíba – D28 (contratorpedeiro) em San Diego, em 1989. E depois me tornei Operador de Radar (OR) no D27, CT Pará.

Fui um OR dos bons… da equipe de navegação. Só eu e mais um militar tiramos nota 10 em rosa de manobra no curso.

Era uma noite em dia de navegação às escuras como sempre. Eu estava em meu horário de folga e chamei um amigão meu para irmos para o alto do hangar, respirar e conversar. Quando saímos no convés, não se via um palmo a frente. O ano era 1990 ou 91, acho que durante uma Operação Dragão.

Mas conhecíamos bem o navio, e subimos até o alto do hangar, onde dava para sentar nas espias (cabos de amarração do navio), espias enroladas.
Meu amigo sentado do meu lado, de tão escuro eu não o via, só ouvia a voz.

Depois de um tempo conversando, tudo ficou azul, acredite, absolutamente azul, eu vi o navio todo, pois ficou todo iluminado, eu fiquei azul e o meu amigo também, era uma luz constante, tão intensa como solta elétrica, só que azul e não feria os olhos.

E olhei em um ato reflexo, na direção de onde vinha a luz, que vinha mais ou menos de bombordo, na direção da popa. E vi um objeto, vindo em uma diagonal negativa, sem fazer barulho algum, muito iluminado, parecia cilíndrico. Era rápido, e na velocidade que vinha entrou na água, só que não fez “splash”!

Entrou na água… como se não tivesse a resistência da mesma!

Ele desapareceu, ao entrar na água ainda havia luz, mas a julgar pela velocidade, ganhou as profundezas rápido… e daí não houve mais luz.

Acredite, não sou um caçador de OVNI… mas te relatei o que vi.

 A. V. – Ex-operador de radar da MB
VEJA TAMBÉM:

14 COMMENTS

  1. Este tipo OVNI tem outro nome entre aqueles que estudam o fenômeno, já vi vários programas sobre o assunto nos canais da DISCOVERY.

  2. Fragatamendes,

    Não é só para os estudiosos não. A MB defini qualquer contato submarino não identificado como OSNI (Objeto Submarino Não Identificado)

  3. OSNI também significa Objeto Sexual Não Identificado, afinal, as vezes não dá para saber se ele ou ela é ou não é,
    mas voltando ao tema, de fato em 1991 o Pará esteve em uma Operação Dragão.

    Não pude deixar de comparar o padrão de entrada no mar do tal objeto com o meu carissimo subvoador que toda vez que via chocar-se contra a agua me dava um arrepio…mas, felizmente nada acontecia com ele e com quem estava a bordo 🙂

  4. O único ponto falho do relato é que o ex-operador de radar não sabe precisar se foi em 90 ou 91.
    O cara vê um objeto voador e mergulhador gigante de cor azul passando sobre sua cabeça em pleno meio do oceano, provavelmente uma nave dos insectóides andrógenos mutantes assassinos da Galáxia de Andrômeda, e simplesmente esquece o “ano” do ocorrido.
    Se fosse comigo eu não esqueceria não só pelo avistamento em si mas também porque teria sido o dia em que fiz cocó na cueca.
    Não esqueceria nem ano, nem mês, nem dia e nem a hora.

  5. Senhores,

    O problema é que o ser humano não é confiável como testemunha.

    Não, não estou dizendo que ele mente. Longe disto.

    O problema é que nossa memória não é estanque e muito menos estática. Cada vez que “visitamos” um trecho de memória, nós o recontamos para nós mesmos. Mesmo a memória visual é alterada.

    Assim, a garota bonitinha que namoramos na adolescência vai ficando cada vez mais linda sempre que lembramos dela; as montanhas ficam mais altas e mais próximas; a Lua cheia fica cada vez maior e mais luminosa.

    Para piorar, quando o nosso cérebro vê algo que não compreende, ele o reconhece por associação com algo que conheça e lembre desta forma.

    Assim, um objeto difuso e sem limites reconhecíveis pode ser lembrado como um fuso, um disco ou um cilindro.

    É como o conhecido “Rosto de Marte”: uma formação geológica daquele planeta que é reconhecida como uma escultura gigantesca.

    Assim, a testemunha realmente viu alguma coisa, mas a cada vez que revisitava a sua memória, a lembrança ficou mais grandiosa. A noite ficou mais azul, o objeto mais próximo e mais nítido.

    Ou seja, o cérebro realça alguns detalhes que considera relevantes e esquece de outros que não considera importantes.

    E isto explica porque ele não lembra o dia exato; é porque no dia a visão não foi tão impressionante e ele não marcou aquela data como especial. Depois, com o passar dos anos, a lembrança foi adquirindo grandiosidade, mas a lembrança da data exata continuou apagada.

    Por isto desconfio sempre de relatos como este. A testemunha não é mentirosa. Nossos olhos e cérebro é que não são uma filmadora e um computador.

  6. OSNI lembrou “banca do Osny”.

    Sobre lembranças do cérebro, é complicado, eu já narrei aqui que não consigo lembrar o Contratorpedeiro que fiz uma viagem do Rio a Salvador como destacado, pois não era da guarnição do navio. Até o Galante já tentou me ajudar perguntando alguns dados específicos de cada um como se o CT tinha seacat, etc, na tentativa de descobrir em qual navio efetuei a viagem. O problema é que essa comissão não ficou registrada na minha CR (Caderneta Registro)

  7. Lembram quando falei do incidente na Ilha de Marajó ? pois é gente , so não mando as fotos porque vou ter de responder onde as consegui, mais vou dizer uma coisa era maior que um ônibus, e tem um peixe grande das nossas FFAA’s ao lado do brinquedo, de repente os governantes tiveram um arroubo de cidadania e começaram a comprar baterias anti-aéreas ,kkkkkkkkkkkkkk, tem coisas que só quem trabalha no batalhão de fronteira sabe explicar

  8. Diante do relato e dos comentários, pensei muito, mas achei mais apropriado não calar, e dar meu pitaco nessa história. Meu avô materno foi oficial da MB nas décadas de 30, 40 e 50 do século passado, até a reforma como capitão-de-mar-e-guerra, tendo servido em vários postos, inclusive Rio, Natal e Salvador durante a IIa. GM.
    Não me lembro de ouvir o que segue da boca dele, já que quando ele morreu, eu tinha apenas dez anos de idade, mas minha mãe me contou, várias vezes, um episódio relatado por ele que, se não é idêntico ao relato do OR do CT Pará, é muito parecido.
    Se não estou enganado, foi numa viagem entre Santos e o Rio, ele estava no comando durante a madrugada, e resolveu ir ao tombadilho fumar um cigarro. O que ele afirma ter visto foi, aparentemente, a mesma coisa que o OR afirma ter visto, só que ele falava numa fortíssima luz azul-prateada, que iluminou tudo num raio enorme à sua volta, e que também foi diminuindo de intensidade, até desaparecer no mar, também sem emitir qualquer ruído. Não me lembro de qualquer menção a objetos ou formas. O episódio durou tempo suficiente pra ele se recuperar do susto, superar o medo, e bater forte com o pé no chão, várias vezes, até o imediato subir pra ver o que estava acontecendo, e presenciá-lo ainda por alguns minutos. Ou seja, além de meu avô, o imediato também teve oportunidade de presenciar o ocorrido.
    Quando li o relato, achei interessante contar a experiência parecidíssima vivida por meu avô.

  9. Eu já presenciei um contato visual coletivo em uma pequena cidade do RS, houve falta de luz (segundo ufólogos, ocorre qdo roubam energia), muita gente viu. E também passei por outra experiência de ver, numa rodovia a noite, uma luz igual a de um carro, porém ia de uma estrada vicinal de chão em direção a rodovia, eu conheço a estrada de chão e não oferece condições para o veículo andar na velocidade que estava que deveria ser de mais de 200 km/h e quando chegou na rodovia parecia ter entrado no outro carro que vinha no sentido oposto e não ficou poeira alguma no locas, estavámos várias pessoas no carro e todos estavam observando o óvni em silêncio que só foi rompido qdo todos viraram para ver o carro que passou e tentar ver o que era.

    No mesmo local, outra noite, meus pais e irmão viram o mesmo clarão relatado no texto acima e tudo ficou iluminado com uma luz levemente azulada, enxergaram todo o carro por dentro e tudo a volta, até as árvores e os pastos. Durou uns segundos apenas.

Deixe uma resposta